1. Spirit Fanfics >
  2. Ele não é meu SUGAR DADDY, ele é meu marido >
  3. Hospitla e mals entendidos

História Ele não é meu SUGAR DADDY, ele é meu marido - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Hospitla e mals entendidos


Fanfic / Fanfiction Ele não é meu SUGAR DADDY, ele é meu marido - Capítulo 13 - Hospitla e mals entendidos

Quando Harry acorda, já é o dia seguinte.

Harry abre os olhos e observa o teto por alguns momentos, e finalmente se lembra do que aconteceu no dia anterior.

De repente, lembra que na noite passada não foi dar sua aula de tutoria e não informou aos pais da criança! Ele se senta e pega sua bolsa para encontrar pergaminho para os enviar uma coruja. Ele queria se desculpar.

A cabeça dele está girando e fecha os olhos e continua procurando. Ele encontra, mas não há tinta para escrever.

Desta vez.

A porta se abre. Sra. Kerry entra com uma garrafa térmica na mão. Ela percebe que Harry está segurando sua bolsa e olhando em volta. Ela pergunta: "Senhor Prewett, o que você está procurando?"

"Estou sem tinta para pergaminho..."

“Sem tinta? Espere um pouco, eu tenho um pouco, você pode usá-la.”

Harry rapidamente escreve no pergaminho para enviar magicamente pois sua coruja estava no dormitório ainda.

Em seu celular trouxa há 8 chamadas não atendidas, 7 de Hermione, um da mãe.

Harry procura o endereço dos pais de seus alunos. Ele envia:

 Desculpe. Na noite passada, sofri um acidente, não consegui dar aula para seu filho. Eu também não consegui avisar você. Sinto muito ...

Seu aluno é Blake Harrison.

Depois de um tempo, a sra. Harrison lhe responde dizendo:

 "Está tudo bem. Ontem levei Blake à casa da avó dele. Eu também esqueci das aulas dele. Hoje à noite você também não precisa vir. Venha na próxima semana.”

Harry se impressiona e sorri.

É ótimo. Ele não precisa pedir um dia de folga.

Ele então chama sua mãe e Hermione. Ele então desligou o telefone.

Pela voz de sua mãe, ele sabe que não sabia sobre sua lesão. Felizmente, ela não sabe se não, ela ficaria preocupada.

"Senhor Prewett, se apresse e coma as coisas que lhe trouxe."

Harry sai da cama e vai para a mesa. Ele se senta.

Em cima da mesa está o café da manhã, há bolinhos, mingau e um pequeno prato de acompanhamento fresco e saboroso. É um sabor muito leve.

Harry sorri e agradece: "Obrigada, Sr. Kerry."

Sr. Kerry respondeu; "Não precisa me agradecer. É o Sr. Riddle. Ele disse que você realmente gosta do café da manhã desse restaurante então ele me pediu especialmente para comprá-lo para você, ele também me pediu para comprar um sabor leve. Sr. Riddle é realmente bom para você, nunca o vi tão gentil.”

Harry sorri e não responde.

O seu livro de bolsa vibra quando está comendo.

Harry pega e percebe que é a foto de Rebeca Parkinson reagindo a magia. Ele murmura um encantamento para aceitar.

Ele poderia adivinhar o que Rebeca Parkinson queria dizer. Aurores pegaram Pansy, hoje ela o chama, é claro, porque ela quer que ajude Pansy.

Ele responde.

A imagem de Rebeca Parkinson diz: “Harry, por que você está apenas me respondendo agora? Você está bem, certo? Em que hospital trouxa você está? Tia vai ai para visitá-lo agora”

Não precisa tia. Eu estou muito bem, não precisa se preocupar”. Harry diz calmamente.

"Quem está se preocupando com você!" Rebeca Parkinson diz em voz alta: "Em que hospital você está?"

Harry ri com sarcasmo: "Tia, não fique com tanta raiva que isso prejudicará seu corpo."

Harry Prewett, você quer que eu morra certo? Você e sua mãe são iguais. Esses dez anos, você sempre bebe, come, usa, estuda com o nosso dinheiro. Nossa família e a sua não são relacionadas. É difícil pra gente? Estamos criando um miserável ingrato? Pansy é apenas um pouco emocional e bateu em você, você inesperadamente pediu aos aurores para pegá-la e a trancou por um dia, como você pode ser tão cruel?

Harry olha para a janela.

Harry Prewett, olhe para nossa bondade por sua família nesses dez anos. Você deixou Pansy ir. Pense nisso como meu pedido para você. Ela nunca foi tratada dessa maneira. Ela não aguentara o sofrimento. Por favor, ajude-a, ok?”

Harry apenas fique em silêncio.

Rebeca Parkinson fica preocupado: "Você está me ouvindo?"

Tia, minha cabeça está machucada. Eu quero descansar”. Harry diz calmamente.

Rebeca Parkinson grita com raiva: " Harry Prewett!" Ela então fala baixinho: “Harry, mais tarde o ministério descobrirá onde está, que você entenda a situação. Você deveria dizer que não foi o Pansy que bateu em você. E deixe-a ir, tudo bem?”

"Não se preocupe, tia. Vou contar a verdade "

Harry Prewett, você tem coragem de se opor novamente a mim, certo? Não pense que porque você tem apoio, pode agir como quiser! "

Alguém o apoia?

Harry fica assustado.

"O que você quer dizer? Quem me apoia?”

Rebeca Parkinson ri friamente: “Por que você está agindo assim, você sobe direito à cama de Tom Riddle, se não como um grande bruxo daquele pode intervir nesse pequeno assunto? Realmente não esperava que você seja tão habilidoso! "

Harry é inteligente, é claro que entende o significado de Rebeca Parkinson.

Não é à toa que Perseus não tirou Pansy da custodia do Ministério, é por causa da intervenção de Tom.

Não sabia por que, o coração de Harry bate de repente tão rápido.

Por quê?

Por que ele o está tratando tão bem ...

Rebeca Parkinson ainda fala: “E se você puder brincar com Tom Riddle? Um sangue ruim como você, no máximo, será um amante. Espere até ele acabar com você, veja se ele irá protegê-lo ou não!"

Essas palavras são rancorosas, Harry faz uma careta.

Tia, está tudo bem para você dizer coisas assim para mim, afinal eu sou impotente quanto a isso, e não tenho influência. Eu não posso fazer nada para você. Mas se você diz algo assim ao Sr. Riddle, não sente medo de que ele possa saber e se vingar de você?

"Você não ......" Rebeca Parkinson engasga.

"Tia, quanto ao assunto de Pansy, não ajo de forma errada contra ela. Por causa de um homem, ela me ataca. Essa personalidade emocional, no futuro, será perigosa. Por que não a deixa trancada por vários dias, deixá-la mudar? Desta vez, me bater é uma questão pequena, mas no futuro, e se ela matar alguém? Quem a ajudará?”

"AHH ..." Rebeca Parkinson está furioso e não conseguiu dizer nada.

"Eu também faço isso pelo bem dela. Tia, não fique com raiva desse jeito. Adeus, tia.”



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...