História Eleanor e Park - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Personagens Originais
Tags Bts, Comedia, Geek, Park Jimin, Romance
Visualizações 4
Palavras 1.436
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - 01 Park


Fanfic / Fanfiction Eleanor e Park - Capítulo 1 - 01 Park


Ele parou de tentar trazê-la de volta.

Ela só voltava quando bem entendia, em sonhos e mentiras e déjà-vus partidos.

Por exemplo, quando ele estava dirigindo para o trabalho e viu uma garota com os cabelos

vermelhos, em pé na esquina. E ele podia jurar, pelo menos por um momento, ser ela.

Então, ele via que aquele cabelo era, na verdade, mais loiro do que ruivo.

E que ela estava com um cigarro na mão... E vestindo uma camiseta do Sex Pistols.

Eleanor odiava o Sex Pistols.

Eleanor...

Em pé, às suas costas, até que ele virasse para trás. Deitada ao seu lado segundos antes de ele acordar. Fazendo que todo o resto do mundo parecesse mais sombrio, mais superficial, e nunca bom o bastante.

Eleanor, acabando com tudo.

Eleanor, indo embora.

Ele parou de tentar trazê-la de volta.


Park Jimin


Apertando os fones contra as orelhas, Park admitiu que o XTC não conseguia abafar o barulho do ônibus. No dia seguinte, ouviria Skinny Puppy ou Misfits. Ou talvez gravasse uma fita para o ônibus com o máximo de gritaria possível.

Park poderia voltar a ouvir pós-punk dentro de dois meses, depois que tirasse a carteira de motorista. Sua mãe lhe daria o Impala, e ele já tinha economizado dinheiro suficiente para um toca-fitas. Além disso, depois que começasse a ir de carro para a escola, poderia dormir vinte minutos a mais.

– Isso não existe – alguém gritou, lá no fundo do ônibus, por cima das risadas.

– Existe sim, porra – disse Steve. – Estilo do macaco bêbado, cara, essa porra existe mesmo. Dá pra matar uma pessoa com esse estilo...

– Tá de gozação.

Você tá de gozação – retrucou Steve. – Park! Ei, Park!

Park ouviu, mas não respondeu. Às vezes, se você ignorasse o Steve por um minuto, ele procurava outra pessoa. Saber disso já garantia 80% de chance de sobrevivência tendo o Steve como vizinho. Os outros 20% eram ficar de cabeça baixa.

Algo de que Park se esquecera por um momento. Uma bola de papel o atingiu bem na nuca.

– Você acaba de amassar minhas anotações de Crescimento e Desenvolvimento Humano, seu mala sem alça – Tina falou.

– Desculpa, gatinha – respondeu Steve. – Eu te ensino tudo sobre crescimento e desenvolvimento humano; o que você precisa saber?

– Ensine o estilo do macaco bêbado – alguém afirmou.

– PARK! – Steve gritou.

Park virou-se para o fundo do ônibus. Steve concentrava todas as atenções para si, lá na frente. Mesmo sentado, sua cabeça praticamente encostava no teto. Sempre parecia que tudo que o cercava era feito em miniatura. Desde a sétima série, ele já tinha cara de adulto, e isso foi antes de a barba cheia crescer. Bem antes.

Às vezes, Park se perguntava se Steve começara a perseguir a Tina porque ela o fazia parecer ainda mais monstruoso. A maioria das meninas das Colinas era baixa, mas Tina não tinha mais do que um metro e meio. Contando o cabelão.

Uma vez, no ano passado, alguém estava zoando o Steve, dizendo que era melhor ele não engravidar a Tina, ou seus bebês gigantes poderiam matá-la.

– Vão sair rasgando a barriga dela feito aliens – o cara falou. Steve quebrou o dedinho na cara do sujeito.

– Alguém tem que ensinar a esse brutamontes como se dá um soco – disse o pai de Park quando ouviu a história, mas Park torcia para que ninguém o fizesse. O garoto que Steve socou ficou sem abrir o olho por uma semana.

Park virou-se em seu assento e jogou para Tina a sua bola de lição de casa. Ela a pegou.

– Park – disse Steve –, conte pro Mikey sobre o estilo do macaco bêbado.

– Não sei nada disso – Park deu de ombros.

– Mas existe, né?

– Acho que já ouvi falar.

– Aí – Steve procurou algo para arremessar em Mikey, mas não achou nada. Em vez disso, só apontou para ele. – Eu não disse, cacete?

– Mas o que o Sheridan sabe sobre kung fu? – Mikey perguntou.

– Você é retardado? – Steve disse. – A mãe dele é chinesa.

Mikey olhou para Park com atenção. Park sorriu e seus olhos quase se fecharam.

– Ah, tô vendo mesmo – Mikey. – Sempre pensei que você fosse mexicano.

– Caramba, Mikey – disse Steve –, você é um puta dum racista.

– Ela não é chinesa – Tina interpelou. – É coreana.

– Quem? – Steve perguntou.

– A mãe do Park.

A mãe do Park cortava o cabelo da Tina desde o Ensino Fundamental. As duas usavam o mesmo estilo: permanente com espirais compridas e franja repicada.

– Ela é muito gostosa, isso sim – disse Steve, rolando de rir. – Sem ofensa, Park.

Park esforçou-se para sorrir mais uma vez e se esparramou no banco, colocando os fones nos ouvidos e aumentando o volume. Ainda dava para ouvir Steve e Mikey, quatro bancos atrás.

– Mas do que se trata, afinal? – Mikey perguntou.

– Velho, você ia querer lutar com um macaco bêbado? Eles são imensos, grandes pra cacete. É tipo aquele filme Doido para brigar... Louco para amar, mano. Imagina um cara descendo o cacete em você.

Park notou a aluna nova quase ao mesmo tempo que o resto da turma. Ela estava em pé na entrada do ônibus, ao lado do primeiro lugar vago.

Havia um menino sentado ali sozinho, um calouro. Ele colocou a mochila no assento ao lado, depois virou a cara. Ao longo de todo o corredor, ninguém sentado sozinho abriu espaço para que ela se sentasse. Park ouviu Tina abafar um risinho; ela vivia para tirar sarro dos outros.

A garota, a aluna nova, respirou fundo e foi seguindo pelo corredor. Ninguém nem a olhava. Park tentou fazer o mesmo, mas era uma situação do tipo desastre de trem, ou eclipse: você simplesmente tem de olhar.

A menina tinha a aparência exata do tipo de pessoa com o qual isso costuma acontecer.

Não só por ser uma pessoa nova ali, mas por ser grande e esquisita. Com cabelo bagunçado, bem ruivo, além de cacheado. E se vestia como se... como se quisesse que as pessoas ficassem olhando. Como se não sacasse que estava um desastre completo. Usava camisa xadrez masculina, meia dúzia de colares estranhos pendurados em volta do pescoço e lenços amarrados nos pulsos. 

Fez Park pensar num espantalho ou nas bonequinhas das preocupações que ficavam na cômoda da mãe. Enfim, do tipo que não conseguiria sobreviver no colegial.

O ônibus parou novamente, e mais um grupo de crianças entrou. Passaram pela menina, empurrando-a, trombando nela, e cada um despencou no seu lugar.

O fato era que todo mundo que andava no ônibus já tinha seu lugar definido, escolhido no primeiro dia de aula. Quem teve a sorte de ficar com um banco inteiro só para si – caso do Park – não ia querer perdê-lo. Principalmente por causa de uma pessoa dessas.

Park olhou mais uma vez para a menina. Ela estava ali, em pé, parada.

– Ei, você – gritou a motorista –, vá se sentar.

– Ei, você – Steve brincou, fazendo voz de homem das cavernas. Todos concordavam que a motorista tinha inteligência suficiente apenas para levá-los ao colégio. Sempre que ela abria a boca, Steve tirava sarro. – Em pé, errado – ele grunhiu de novo. – Sentado, certo. – Tina soltou um risinho.

A garota foi para o fundo do ônibus. Direto para a boca do tubarão. Não, pensou Park, pare. Volte para trás. Dava para imaginar Steve e Mickey lambendo os beiços conforme a menina se aproximava. Ele tentou desviar o olhar mais uma vez.

Então, a garota avistou o banco vazio oposto ao de Park. O rosto dela se iluminou, aliviado, e ela correu para se sentar.

– Ei – Tina disse, ardida. – A menina continuou andando. – Ei – Tina provocou. – Bozo.

Steve desatou a rir. Os amigos caíram no riso alguns segundos depois.

– Não pode se sentar aí – disse Tina. – É o lugar da Mikayla.

A menina parou e olhou para Tina, depois de volta para o banco vazio.

– Sente-se – gritou a motorista, lá da frente.

– Tenho que me sentar em algum lugar – a garota falou, num tom calmo e firme.

– Não diga que não avisei – Tina devolveu. 

O ônibus partiu, e a menina deu um passo para a frente, a fim de não cair. Park tentou aumentar o volume do walkman, mas já estava no máximo. Olhou de novo para a menina; parecia que ela ia começar a chorar.

Antes mesmo de decidir fazê-lo, Park deslizou para perto da janela.

– Sente-se aí – disse, num tom agressivo. A menina ficou parada, olhando, como se não soubesse se era outra gozação ou algo assim. – Caramba – Park continuou, baixinho, acenando com a cabeça para o espaço ao lado dele –, é só sentar.

A menina obedeceu. Não falou nada – felizmente, ela não agradeceu – e deixou quinze centímetros de espaço entre os dois.

Park virou-se para o vidro da janela e esperou que o mundo desabasse sobre sua cabeça.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...