História Elementais - Nos domínios de Flora - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Elementais, Nos Dominios De Flora
Visualizações 2
Palavras 1.748
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


INICIAMOS O TERCEIRO LIVRO!!!! Estou bem ansioso...
Boa leitura e desculpem possíveis erros...

Capítulo 3 - Recebemos os mortos, com pequenas complicações


Naquela mesma noite, houve uma celebração.

Todos se reuniram no refeitório para celebrar a volta de Alisa e de Sebastian, no qual assumira uma forma menos colossal, um tigre siberiano de quase um metro e oitenta de altura, enquanto seu comprimento se equivaleria à de um carro sedan. Uma fogueira brilhava do lado de fora do refeitório onde havia música oriunda de violões e tambores, e dentro do mesmo as mesas foram preenchidas de frutas de pequeno porte e jarras volumosas de limonada fresca. Todos esbanjavam sorrisos, e me pareciam autênticos e verdadeiros.

Era estranho pensar em comemorações naquele momento. A resistência prestes a ser invadida, Igor dormindo, nem ao mínimo estávamos em posse de Kanni. A única coisa relevante que tínhamos era eu, ou o que me tornei, a Fênix. E a volta de Alisa e Sebastian teve seu motivo muito bem pontuado por Neblus, eles estavam alí para nos dar mais ajuda, pois não conseguiremos deter as forças de Quilom. De certo modo, uma celebração seria a última coisa que estávamos precisando.

A cada amora que eu comia eu só conseguia olhar em direção à casa dos líderes, mais precisamente para o segundo andar dela, diretamente para janela onde Igor estava. Era estranho não tê-lo por perto, afinal nos últimos meses era raro os momentos que não estivéssemos juntos, como uma tribo. Ainda mais agora… Ainda me pergunto se eu não podia ter feito alguma coisa para impedir que isso acontecesse com ele.

- Curtindo a celebração? - Filipe questionou sentando-se ao meu lado junto das escadas que davam entrada para o refeitório.

- Sim e não. - Respondi. - E você?

- Honestamente, não faço ideia de quem são eles. - Ele retrucou e eu esbocei um sorriso. - Você faz?

- Ela é uma das líderes da resistência e tinha sido morta à alguns meses durante uma batalha que tivemos contra Neblus e os Cinzas, já o felino alí, é uma quimera, também estava morta, e era do… - Disse e parei um pouco. Em, seguida joguei umas frutas em minha boca, e completei. - ...era do Igor. Nos conhecemos pouco antes do Igor deixá-lo destruir um estádio.

- Caramba, que surpreendente. - Ele exclamou sem muito ânimo. - E você está bem?

- Claro, por que não estaria? - Retruquei sem muita certeza, levando o copo de limonada à boca.

- Não sei, você meio que morreu. - Ele disse também tomando um gole do copo em sua mão. - Estava com Kanni em punhos e a perdeu para Quilom. Seu namorado está em coma. Eu não me sentiria bem, ainda mais com um batalha que nos espera, ainda mais se eu fosse citado na profecia.

- Eu estou bem. - Menti. - Preciso ser forte.

- Sabe que pode desabafar comigo, posso estar bem mais avançado em idade, mas ainda sou seu irmão mais velho. - Filipe me disse se levantando. - Não tem problema ter fraquezas, ok? Apenas não a deixe te consumir. - Apenas assenti  com a cabeça. - Vou tentar achar a Eduarda. -  Ele disse se retirando.

Tentei deixar de lado meus pensamentos, e um barulho de um talher batendo numa taça de vidro me ajudou nisso.

- Quero propor um brinde! - Teiju anunciou e todos se aproximaram. O refeitório estava bem lotado, mas mesmo assim consegui ver o Eddie do outro lado da sala junto da Tainã. Ele acenou para mim com a cabeça e eu retribuí da mesma forma. - Primeiramente, quero dizer que é uma honra… - Teiju começou seu discurso, sua voz era notável e clara. - ... ter a quimera, Sebastian, junto da nossa resistência, que sua força e coragem nos seja de grande ajuda. - Todos assentiram num brado de alegria. - Entretanto, desejo, de forma especial, receber novamente não somente uma líder, mas uma amiga e parceira. Seja bem-vinda de volta, Alisa! - Todos comemoraram com palmas e houve alguns que assobiaram. Olhei para o Eddie e ele ergueu seu copo em minha direção.

Apenas sorri de canto de rosto, e num piscar de olhos, o refeitório vazio. Sem ninguém, nem uma alma sequer. Olhei ao meu redor e nada, ninguém. Então me virei para trás e uma mão agarrou meu pescoço.

- Não… - Disse com dificuldade.

“Eu falei que te mataria.” A voz como de Quilom me disse. “Você não pode escapar disso.” E no momento que vi uma espada em sua outra mão, meu coração começou a disparar.

- Não… - Disse me libertando e retomei minha visão, à presente recepção da Alisa e as palmas que lhe era dada.

- Seja bem-vinda! - A voz de Túlio sobressaiu dentre as demais.

“Você não pode escapar…” A voz disse sorrateiramente no meu ouvido. Um sussurro demoníaco. Subitamente olhei ao meu redor para ver se alguém estava falando comigo, porém não era o que estava acontecendo. O que estava acontecendo? “O que fiz com o Igor é só o começo…”

- Pare… - Sussurrei para mim mesmo. Meu coração batia mais rápido que uma britadeira e senti que da minha testa escorria suor. Minhas mãos tremiam e sentia um frio intenso tomar meu corpo.

“Ninguém pode te salvar agora…” Ao terminar dessas palavras senti algo terrível no meu peito. Uma dor terrível. Seguidamente, senti minha garganta ser comprimida, minha respiração começou a ser obstruída, me fazendo instintivamente levar minhas mãos à mesma na esperança de parar seja lá o que estava me ocorrendo.

- Ajuda… - Disse caminhando perdida para fora do refeitório me afastando das pessoas, ou quem sabe da voz. Cambaleava com as mãos no pescoço tentando me fazer respirar.

“Eu vou matá-la…” A minha frente minha veio a visão do Igor sendo golpeado pela Kanni. Quilom encravando Kanni em seu peito, ao mesmo tempo ele me olhava nos olhos, me olhando com uma satisfação perversa. “... de novo, como fiz com seu alfa.”

- Chega!!! - Gritei liberando uma onda de chamas que acabou por colidir com elementais que estavam mais perto de mim.

- Ei!! - Um deles protestou, mas eu o olhei com fúria no olhar. - Júlia… - Ele exclamou, mas o ignorei e direcionei uma rajada de fogo contra ele. Mas ele foi empurrando para o lado sem obras de mãos, fazendo com que minhas chamas apenas seguissem e explodisse na fogueira de onde os vinham os sons de música. A música parou e todos os olhos focaram em mim.

- Júlia… - Ouvi a voz do Filipe. - O que está havendo?

- Faz ele parar… - Pedi chorando.

“Ele não pode fazer nada...” À minha frente a figura de Quilom surgiu exibindo Kanni

- O que está havendo? - Eddie disse saindo do refeitório e ficando ao lado do Filipe.

“O que lhe resta é morrer… de novo...” Dito isso, ele veio contra mim

- Não!!! - Gritei agora criando um raio de fogo e o atirando para frente, nele.

- Júlia!... - Ouvi a voz de Filipe, e por um segundo vi minhas chamas indo contra ele de forma intensa e contínua, sendo barradas unicamente por algum tipo de campo de força, já em outro segundo, era Quilom que apenas com a palma estendida para mim, bloqueava as chamas.

- O que deu nela? - Ouvi Eddie perguntar.

- Não é a melhor hora para mim responder isso. - Filipe retrucou. Sua fala me fez notar que ele estava fazendo esforço.

- Concordo. Júlia… - Ouvi Eddie. E minha visão clareou e pude vê-lo vindo em minha direção. - Fique calma!

“Vou destruir você totalmente...” Quilom me voltou à vista o que me irou. Eu não estava aguentando e tudo que queria era queimá-lo.

- Eddie… - Disse em meio aquilo tudo com lágrimas escorrendo dos meus olhos. - Me ajude… - Pedi à ele.  

- Calma… - Ele disse e por um minuto eu o vi se pondo na frente da minha rajada de fogo.

- O quê?!! - Ouvi Filipe exclamar.

- Está tudo bem… - Eddie disse caminhando até mim sendo acertado pelas chamas e ao mesmo tempo que eu tentava apenas focar nele, negar a voz ao demônio em minha mente e focar nele. - Você sabe que eu não me queimo, mas isso ainda assim machuca. - Ele falou se aproximando com dificuldade. - Não sei o que está acontecendo, mas sei que você é mais forte que isso.

“Não, não é…”

- Argh!!! - Gritei. - Saí da minha cabeça!

- Júlia, feche os olhos. - Ele pediu e com medo segui sua voz, a mesma voz que esteve ao meu lado desde a morte dos meus pais, do meu fiel amigo. E aquela voz foi a fagulha que me levou a cessar minha rajada de chamas. - Isso, mantenha-os fechados. - Ele continuou.

“Vou matá-la…”

- Eddie… - Disse tremendo e totalmente abalada. - Faça-o parar, por favor...

- Calma… - Eddie disse e senti seus braços me abraçarem. - Está tudo bem...

- Eu não me sinto bem… Eu não ouço a voz dele em minha mente, Eddie… ele.. - Disse desabando nos braços dele, chorando e chorando. Meus braços o abraçaram com força, de modo que acho que nunca abraçara ou abraçaria alguém, assim como, deixei minha cabeça cair sobre seu peito, podendo assim sentir sua pele quente e o cheiro de lã queimada, provavelmente de suas roupas queimadas pelas chamas. E aquilo me passou segurança, e a voz, o demônio em minha mente, sumira. - Eu… - Tentei falar.

- Não precisa dizer mais nada. - Ele disse me confortando.

E apenas me calei chorando em seu peito. Senti meu corpo ceder e aos poucos fui caindo, curiosamente uma pedra se ergueu do chão como um perfeito assento pra mim e para o Eddie. Olhei para Filipe e ao lado dele Eduarda me olhava com um sorriso reconfortante no rosto.

- Obrigada… - Sussurrei de leve. E li no movimento de seus lábios um “Não foi nada”. Em seguida, voltei a fechar os olhos e descansar nos braços de Eddie.

- Só me promete uma coisa… - Eddie sussurrou.

- O quê? - Retruquei da mesma forma.

- Que não vai dar a louca e matar todo mundo como a Jean Grey, possessa, sendo a Fênix Negra.

- Idiota. - Retruquei dando um pequeno riso, juntamente senti que aquela tensão havia passado e não havia mais lágrimas em meus olhos.

- Todos bem… - Ouvi Teiju dizer de longe, seguido de: - O que aconteceu?


Notas Finais


Sem mais...
Até breve...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...