História Elementar (interativa) - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Interativa
Visualizações 29
Palavras 1.028
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, FemmeSlash, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Salve, salve, espero que gostem.

Capítulo 20 - Espaço


Elion on

Estou agora em um barco, no meio do oceano pacífico, seguindo até um ponto específico entre duas ilhotas, não sei exatamente pra que estamos fazendo isso, só me disseram que é aqui onde o cara que vai nos treinar mora.

Fico encarando as águas escuras do oceano e apreciando o brilho da Lua e das estrelas refletido sobre a mesma, fico passando a esfera que sempre carrego comigo entre meus dedos, ela foi passada pra mim pela minha mãe, que tinha recebido da mãe dela e por aí vai, só sei que eu gosto de usar ela pra pensar, minha avô costumava me dizer que ela poderia me mandar mensagens sobre o meu futuro por meio de sonhos, não que isso já tenha acontecido, mas eu não deixo de acreditar.

Faço uma bola com o meu chiclete de morango e estoro a mesma, ne retiro pra parte de dentro do barco e vejo aquela garota de mechas coloridas conversando no celular, provavelmente era com a amiga da mesma.

Sinto o barco parar de se mecher e vou até a cabine de comando, não vejo o capitão então resolvo ir embora dali e prossigo até o convés, vejo todo mundo lá, colocando aqueles trajes de mergulho.

- Toma aqui – disse aquela desgraçada me jogando um dos trajes – coloca sem demora, nós já vamos descer.

Coloco a roupa e sento na beirada do barco, depois que todos pulam de costas na água, e eu não vejo nenhuma gota de sangue no mar, acompanho eles, logo sentido aquela água fria me envolver por inteiro, começamos a descer cada vez mais, vendo cada vez menos luz.

O breu toma conta do local e eu sinto um arrepio passar pelas minhas costas, mas logo chegamos em uma espécie de mansão submarina, vamos até a porta do lugar e um negócio, que parecia muito um duto de ventilação, se abre e nos puxa pra dentro, acabamos em uma sala toda branca e vemos a água ser escoada.

Sinto o frio me consumir por inteiro, saímos dali tremendo e vamos até oque parece ser a sala do local, vemos as poças de água molharem todo o chão do local, aquela mulher de cabelos brancos e pretos se senta no sofá, mesmo estando toda molhada.

- Não seria bom você se secar primeiro? – fala a de mechas coloridas.

- Não, o nosso treinador não apareceu mesmo, se ele não vir logo eu vou fazer questão de encharcar esse sofá. – ela diz se deitando sobre o mesmo.

- Então se esforce mais, esse sofá é feito de material hidrofóbico, ele não vai se encharcar tão facilmente. – disse um homem com uma mascara preta com detalhes em branco cobrindo seu rosto.

- Que é você? – disse a mulher que me ameaçou.

- Espaço, eu vou ser o treinador de vocês a partir de hoje. – ele diz e pula na nossa frente.

- Eu já disse que não preciso de treinamento. – fala a mesma mulher.

- Não seja idiota, todos vocês aqui precisam melhorar em algo, mas se quiser pode ir embora, não dou a mínima pra isso. – ele dá de ombros pra gente.

- Mas como pode nos treinar sem gostar da gente?

- Treinando, simples assim, agora vamos, tenho que mostrar o resto da casa pra vocês. – ele vira bruscamente de costas pra gente e sua capa, que parecia o céu em uma noite estrelada, acompanha.

Passamos por diversas salas, todas longes umas das outras, escondidas em um labirinto infinito, parece que a mansão era só uma fachada, o local em que ela estava se sustentando era a verdadeira casa ficava dentro do rochedo.

- Vem aqui. – diz mulher me puxando pra um quarto enquanto o Espaço estava distraído.

- O que você quer, só ameaçar a minha mãe não basta? – digo a encarando com um semblante mais sério.

- Não – ela RI de maneira sínica – a sua situação não vai melhorar depois daquilo.

- Como assim?

- Você vai ser meu bichinho aqui dentro e nada poderá te salvar disso. – ela fala em um sussurro próximo ao meu ouvido – Mais uma coisa, se falar disso pra alguém saiba que sua mãe não terá uma boa expectativa de vida.

Prossigo pelo passeio ao lado dela, se eu tentasse escapar ela me puxava de volta, até que o Espaço parou na frente de um enorme corredor.

- Aqui serão seus quartos, seus símbolos estão na frente das portas, me falem se algo os desagradar, talvez eu pense em melhorar suas situações. – ele diz com um tom irônico na voz.

- OK, vamos lá então. – diz a mulher me empurrando.

- Ele não, o garoto vem comigo. – ele me leva até uma porta que dava em uma enorme escada, descemos por ela e eu posso ver a minha porta ao lado fo seu quarto.

- Por que eu fico aqui no fundo?

- Prefiro te manter perto de mim. – ele se aproxima de mim e me abraça.

- Com licença. – digo saindo dos braços dele.

- Desculpa – ele retira a mascara e limpa seus olhos – é que você é ele, ou pelo menos uma forma dele.

- Fala do elemento lua original?

- Isso.

- Não me diga que nós...

- Não, nunca namoranos, nossa relação era mais de pai e filho, entende?

- Como assim?

- Um dia eu te conto a história, por hora vai descansar, amanhã começa seu treinamento. – posso er um sorriso escalar pela mascara e ele se retira.

         Entro no meu quarto, confuso pelo que acabou de me acontecer, mas esses pensamentos são trocados por admiração, vejo a decoração do meu quarto e me surpreende um pouco, o lugar tinha grossas paredes de vidro, onde eu podia ver todos os tipos de peixes abissais que tinha por ali, a luz de alguns deles se misturava aos abajures de luz vermelha do meu quarto, vou explorando o lugar e acho um banheiro enorme atrás de uma porta no canto do local, coloco a banheira pra encher e vou mexer no guarda-roupa do local, vejo um monte de roupas ali, justinhas do meu tamanho, mas por que esse cara fez tudo isso por mim?


Notas Finais


Ficou bom? Falem aí.
Bjs e tchau.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...