História Elevador - One Short Jung Hoseok - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Hoseok, Jhope, One-short
Visualizações 95
Palavras 4.180
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capítulo Único


P.O.V Hoseok ON

-Já se passaram dois meses, Rabech. Dois meses! -Gritei com a minha melhor amiga que ainda chorava em desespero pelo o término do namoro. -Ele não vale à pena que você sofra desse jeito. -Acariciei seus cabelos lhe tomando em meus braços sobre a cama.
 

R-Hope. -Me chamou baixinho entre os soluços. -Eu nunca pensei que eu teria um namorado tão perfeito como Jungkook. -Levantou o rosto e me encarou. -Eu nunca fui popular, não chamava atenção de ninguém, muito menos era bonita. Foi um milagre consegui namorar uns dos meninos mais bonitos da faculdade.
 

-Aigo. -Revirei meus olhos indignado. -Não fala besteira. Jungkook teve sorte de consegui namorar você. E você é muito linda.
 

R-Nã-não. -Soluçou. -Eu posso até ser bonitinha agora. Mas nunca fui linda.
 

-Sempre foi, princesa. -Lhe abraçei forte. -Me dói te ouvi falar isso. Você é linda, inteligente, independente... Posso falar muito mais coisa.
 

R-Pois fale, não irá achar mais nenhuma qualidade. -Sua voz saiu abafada, devido seu rosto está descansando sobre meu peito.
 

-Agradável, amigável, afetuosa, bondosa, carismática, otimista, confiante, dedicada, educada, fofa, honesta, humilde, prestativa, responsável, solidária e simpática. -Escutei seu choro cessar. -E muito mais, Rabech. Você é incrível. Não quero que fale assim de si mesma.
 

R-Obrigada oppa. -Falou baixinho limpando seu lindo rosto com suas pequenas mãos. -Mas pra ele terminar comigo, tem que haver algum motivo. Um defeito em mim, só pode!
 

-Não há defeito algum. Não quero que fique assim! Toda vez que venho pra cá é pra te ouvi chorar. Quero que siga sua vida e seja feliz.
 

R-Nunca irei superar um namorado como Jungkook. -Falou triste fitando a coxa da cama. Isso me doeu, confesso. Sou apaixonado por ela ainda na época de escola mas nunca tinha coragem de si ser algo.

Quando o meu melhor amigo, Yoongi, finalmente me convenceu de me declarar pra Rabech, ela já estava com Jungkook. Eu engoli em seco esse relacionamento e apoiei com toda força a minha amiga. Pra mim a felicidade dela já bastava.

Segui com a minha vida e mesmo assim não saí do lado dela. Eu sabia que algum dia ela irá reconhecer todo o meu esforço e carinho que tenho por ela. Mas ouvi-la falar que que praticamente Jungkook é insubstituível me dói demais. E só me faz pensar que nunca poderei desmostrar o namorado perfeito que eu seria se eu lhe tivesse.

-Arrumará um namorado ainda melhor. Só deixe acontecer. -Falei tentando desfaçar o meu nervosismo. -Vamos assisti um filme hoje?
 

R-Não to afim de saí de casa. -Falou melancólica afundando seu rosto no travesseiro ao meu lado.
 

-Rabech! Tem que abri sua loja novamente. -Rabech tinha uma pequena lojinha de roupas que ela mesma desenhou e costurou. Ainda estava fazendo sua faculdade de Moda, mas com uma ajudinha dos seus pais conseguiu abri uma lojinha no shopping.
 

R-Aigo, tem razão. -Sentou-se na cama e me fitou. -Mas não estou com animação alguma pra trabalhar.
 

-Já basta está faltando suas aulas. Pode reprovar, já pensou nisso? -Ela negou levemente. -Você tem muito mais o que fazer do quê ficar chorando por Jungkook.
 

R-Tem razão. -Levantou-se da cama e limpou melhor seu rosto das lágrimas. -Minha faculdade é meu bem precioso, eu não posso reprovar. -Fitou o chão e respirou fundo.
 

-São... -Levei meu pulso a frente do meu rosto para olhar as horas no relógio que eu usava. -Meio de dia, irei fazer uma comidinha rápido pra gente almoçar enquanto toma banho e se arrumar para abri sua loja. -Levantei da cama.

Rabech fazia faculdade de manhã e abria sua lojinha à tarde. Todo esse período de dois meses, ela frequentou poucos vezes as aulas. E sua lojinha não foi aberta uma só vez.

A mais nova assentiu e logo entrou no seu banheiro. Me retirei do seu quarto e me direcionei a cozinha. Preparei o famoso miojo, só que acrescentando alguns temperos para dar mais sabor.

Rabech aparece na cozinha, linda com um vestido justo na cor branco e com os cabelos soltos. Por mais que por fora esteja esbanjando beleza e simpátia, posso vê em seus olhos que está triste e desanimada. 

Aproximou-se da mês a e eu lhe servi o almoço. Almoçamos em silêncio, não conseguia arrumar algum assunto para lhe distraí. Deixamos nossas lousas na pia e lavamos juntos.

-Vou te deixar no shopping. -Peguei em sua mão com uma mão e com a outra apalpei meus bolsos para verificar que não estava deixando nada em sua casa.

Ao saí de sua casa e entramos no meu carro. Dei partida e dirigi por ums 25 minutos até chegar no shopping. Rabech agradeceu a carona com um abraço e saiu do veículo.

Saí do estacionamento do shopping e dirigir a caminho da minha academia de dança. Logo que eu me formei em Dançar abri uma pequena academia de dança onde ensinava dança pra crianças. Um ano depois eu pude abri uma academia de dançar bem maior e elegeu meus ensinamentos para adolescentes e adultos.

M-Professor! -Mina, uma das minhas alunas corria em minha direção. -Jimin se machucou.
 

-O que houve? -Perguntei preocupado adentrando minha academia. Aproximei de Jimin que se encontrava sentando na cadeira gemendo de dor no pé.
 

M-Ele se desinquilibrou. -Respondeu.
 

-Acho que torceu o pé. -Falei analisando o pé de Jimin. -Vou te levar ai médico.
 

Jm-Eu vou ficar bem, hyung. Vá chamei um amigo para me levar.
 

-Tem certeza que não quer que eu te leve agora?
 

Jm-Tenho, ele deve está chegando. -Assenti preocupado. Mandei meus alunos irem para seus devidos lugares pra se alongar para o início da aula. -Foi mal não poder te ajudar hoje com a turma.
 

-Não se preocupe. Trate só de melhorar, descanse.
 

Jm-Valeu. -Aguardei junto com Jimin até esse seu amigo chegar. Depois de um tempo Jimin disse que recebeu um whats do amigo dizendo que já havia chegado.

Ajudei Jimin caminhar para fora da academia até o carro estacionado na minha logo em frente. Ajudei Jimin entrar no carro , e rapidamente vi o porte físico do seu amigo que me lembrou bastante Jungkook.

Não deu pra vê seu rosto, mas seu corpo e até mesmo um pouco do cabelo castanho lembrava Jungkook. Vi o carro se afastar e olhei o modelo.

-Não. Acho que estou louco, nem é o mesmo carro. -Falei pra mim mesmo, ao vê o modelo do carro. Não era o mesmo de Jungkook.

Voltei para dentro da academia e dei início a minha aula. Era mais de 50 alunos só daquele horário. Logo a aula acaba e incia outra turma, e assim vai indo até chegar oito horas da noite, horário que eu fecho.

Estava exausto, sem a ajuda de Jimin realmente as coisas fica puxadas pra mim. Jimin também era professor, um ótimo dançarino, ama a dança assim como eu. Lhe contratei assim que vi os números de alunos crescerem na academia.

Ao chegar em casa me joguei no sofá, cansado e com fome mas não tinha forças para me levantar do sofá. Fechei meus olhos aogumas vezes sentindo o sono se aproximar.

Me levantei rapidamente do sofá. Não queria adormecer todo sujo e ainda mais no sofá. Eu acordaria amanhã todo quebrado sem ter como dar aulas.

Fui para meu quarto e entrei no banheiro. Retirei minhas roupas e liguei o chuveiro. Lavei meu cabelo e limpei meu corpo. Debaixo d'água sentia algo me incomodando, uma sensação que eu havia esquecido de alguma coisa.

Sentia mais uma vez o sono tentar me invadi, então tratei de finalizar o banho e me preparar para dormi. Deitei na cama e fechei meus olhos, logo veio em minha mente a imagem da minha melhor amiga, vulgo Rabech, vulgo amor da minha vida.

-Droga! -Exclamei alto, lembrando que eu tinha que pega-la no shopping. Praticamente pulei da cama e corri até meu guarda pegando a primeira calça e a primeira camiseta que vi.

Vesti minha calça preta rasgada do joelho e a camiseta sem manga que deixava meu braço nu completamente. Procurei meu celular que estava no bolso da outra calça que estava vestido antes de tomar banho.

Celular estava descarregado, apostado que tem varias chamadas perdidas feita por Rabech. Peguei meu carregador e as chaves e corri para fora de casa. No carro coloquei meu celular pra carregar enquanto dava partida para o shopping.

No meio do caminho quando meu celular já tinha dado uma boa carga liguei pra ela é avisei que na estava a caminho.

No estacionamento sai do meu carro e entrei no shopping vários, praticamente. Só havia os guardas e mais ninguém. Subi para o terceiro andar e caminhei em direção da lojinha da minha amiga. A porta estava trancada mais podia vê uma luzinha cintilante que fazia parte da decoração acesa.

Bati na porta de vidro e chamei por seu nome. Lhe vi sai dali com sua bolsa em mãos e uma carinha triste. As luzes no shopping já estava quase todas apagadado e as escadas rolante ja estavam paradas que nos pegar o elevador.

-Não vai me dizer o porquê dessa cara? -Falei enquanto entravamos no elevador. Apertei o botão do térreo e esperei a porta fechar automaticamente.
 

R-Te falo amanhã, não quero falar agora, eu to cansada. -Suspirou fundo e fitou a porta do elevador se fechando. Devagar vi a placa do elevador anunciando que estávamos passado pelo o segundo andar. -O que foi isso?! -Perguntou nervosa com os olhos arregalados quando o elevador não deu nenhum sinal ee movimento.
 

-Acho que o elevador parou. -Respondi vendo a placa do elevador parado no numero 2, e nada do numero 1 chegar. As luz daquele lugar havia se diminuído, então corri até o painel nos botões e apertei no botão de emergência.
 

R-Não acredito que estamos trancados aqui. -Falou nervosa. Lhe mandei acalma-se preocupado pois sabia que Rabech tinha uma leve claustofobia. -Aigo, temos que saí daqui.

Pude ouvi alguém falar através do elevador. Gritamos por socorro e a voz nos avisou que o elevador parou entre o segundo e o primeiro andar. A pessoa se identificou como um dos guarda do shopping e que iria atrás do responsável da parte técnica do elevador.

-O quarda vai chamar o técnico, logo logo sairemos daqui. Não precisa se preocupar. -Rabech assentiu e logo me abraçou com um certo medo. -Vem, vamos sentar aqui enquanto o socorro chegue. -Sentamos no chao e nos escoramos em umas das parede espelhadas do elevador de frente para a porta.
 

R-E se o elevador começar a cair? -Me olhou com os olhos arregalados. Começei a rir, e depois de alguns segundos ela ria junto comigo.
 

-Você é louca. -Falei cessando o riso. -O que aconteceu hoje pra você está com aquela cara triste? Ainda é Jungkook?
 

R-Eu o vi hoje. -Suspirou triste. -Ele foi falar comigo e acabou de vez com o restinho do meu coração.
 

-O que houve? -Perguntei preocupado. No fundo eu me segurava para não transparecer a raiva e medo por Jungkook ter falado algo que lhe magoasse mais ainda.
 

R-Ele... -Foi interrompida por sua lágrimas que já estava presente em seu rosto. -Ele falou qie não sentia mais nada por mim, que tentasse entender o lado dele.
 

-Que lado é esse? Que ele é um idiota? -Falei alterado. -Que é bacana? Um escroto do caralho?!
 

R-Gay. -Falou rapidamente.
 

-Me chamou de quê?! -Falei automaticamente irritado.
 

R-Não. -Tentou-se explicar. -Não é com você. Jungkook disse que era gay.
 

-Quê?! -Paralisei atenestesiado. -Como assim gay?
 

R-Também não sei explicar. Ele disse que descobriu fazia alguns meses e não podia mais viver em uma vida de mentira. Disse que estava namorando um rapaz que só estava me contando isso por quê me devia uma explicação, mas ainda tem medo de assumi. E pediu pra que eu não contasse pra ninguém.

Sem sombra de dúvida, tenho certeza que o cara que vi mais cedo era Jungkook. O cara qure levou Jimin para o hospital, espero que sejam muito felizes.

-O que você disse?
 

R-Eu... O que eu devia falar em uma situação como essa? Saber que um cara tem muito mais coisa pra oferecer à ele do quê eu! Disse que entendia ele, mas foi só pra encerrar a conversa logo pra que ele fosse embora. Pra enfim pôder chorar sozinha.
 

-Não chore. Agora você sabe que a culpa não foi sua. -Abraçei lhe puxando pra mais perto deixando sentada entre minhas pernas.
 

R-Isso é tão triste, oppa. Ser trocada por um cara! -Descansou sua cabeça sobre meu ombro. -Qual é o meu problema?!
 

-Nenhum. -Falei baixinho acariciando seu cabelo. -Você é perfeita. Não devia estar assim. Ele é gay e pronto, o problema não está em você, o corpo dele descobriu que é atraído por caras, só isso. Não seja preconceituosa.
 

R-Oppa, não estou sendo preconceituosa. Só que é difícil aceitar que fui trocada por um cara.
 

-Pensa comigo. E se Jungkook lhe trocasse por outra mulher? Qual você irira preferi, ser trocada por um cara ou por outra mulher?
 

R-Preferia não ser trocada. -Falou birrenta inflando as bochechas. -Mas devo adimiti que se fosse por outra mulher, a dor seria pior.
 

-Eu senti raiva por ele ter terminado, mas ele não tem culpa Rabech, que se descobriu.
 

R-Eh. -Levantou a cabeça. -Ele é gay, irá senti atração por homens, ne? -Assenti. -Então se ele senti atração por homem, eu como mulher não teria culpa nisso. E se ele fosse hetero ele seria atração por mulheres, tipo, eu. Ele sentiria, ou não sentiria atração por mim? -Me encarou com seus olhinhos esperançoso anciosa por minha resposta.
 

-Claro que sentiria. -Sorri. -Sabe por quê?! Porque não há nada de errado com você, você é maravilhosa. -Pela a prineira vez em dois meses vejo Rabech sorrir. Levei uma mecha do seu cabelos para atrás da orelha, acariciei sua bochecha admirando o seu lindo sorriso.
 

R-Você é tão fofo, Hope. -Abraçou-me se ajeitando em meu colo. -De um certo modo Jungkook foi um bom namorado, quero que seja feliz. -Falou encostando seu rosto no meu peito. -Sorri levemente me convencendo que esteja aceitando a situação e logo ela esquecerá Jungkook.

Por quê não posso tentar faze-la esquece-lo?

Lhe apertei em um abraço forte, como se quisesse fazer com que nossos corpos se tornassem um só. Deslisei uma mão para sua coxa e lhe acariciei ali. Senti sua pele é dos melhores momentos da minha vida.

Subi minha mão levemente até chegar a barra do seu vestido. Adentrei minha mão por dentro de suas vestes até senti a alça de sua peça íntima.

R-O que está fazendo, Hope? -Perguntou espontânea levando tudo que estava fazendo na brincadeira. Respondi com um sussurro "Shiu", foi quando vi sua pele se arrepiar. -Ãh? -Fintou-me sem entender. Sorri de lado e puxei a lateral de sua calcinha fazendo aquela peça deslizar por suas pernas. -Hoseok! -Falou baixinho observando tudo que eu fazia.

Sussurrei mais um "Shiu" e foi quando que a vi ficar mais quieta, meio que me deixando fazer o que eu queria. Levantei seu vestido até sua cintura e logo ela fechou as pernas para que eu não vesse nada.

Ri da sua atitude e levei minhas mãos até alças do vestido, puxei para baixo e logo seu sutiã rendado na cor branco foi revelado. Abri o fecho frontal e joguei a peça logo. Encarei seus seios redondos juntamente com seus biquinhos rosados.

R-Eu não to entendendo. -Cruzou os braços escondendo seus seios. -Por quê está fazendo isso? -Fitou-me esperando a minha resposta.
 

-Quero te fazer senti bem. -Respondi olhando profundamente em seus olhos. -Me deixe te mostrar o quanto que eu te quero.
 

R-Hoseok... -Tomei seus labios nos meus sem se importar com mais nada. Com um braço lhe puxei pra mais perto e outro acariciava sua bochecha.

Pedi passagem da língua e ela hesitou por alguns segundos mas logo pude senti deixar minha língua explorar sua boca. Nossas línguas se entrelaçaram, puxei sua língua levemente com os dentes e logo puxei.

Quando a falta de ar se aproximava me recusava parar com aquele momento. Assim começei a mordiscar e chupar seu lábios inferior. Desci meus beijos por seu queixo descendo por sua garganta e trilhei beijos até seu pescoço.

Arrodiei seu pescoço com beijos, chupões e mordidas. Já tinha perdido as contas das vezes que Rabech já havia arfado. Aquilo estava sendo tão incrível, ela estava tão entregue á mim.

Seus seios novamente estava em meu campo de vista, eram tão perfeitos que parecia uma obra de arte que é pra ser admirado e não tocado. Mas não me contive, minha boca saliva em vê-los e meu membro pulsava para mais toques nela.

Levei minha meus lábios até seu biquinho esquerdo onde fazia movimentos circulares em torno do mesmo enquanto apertava firme sua cintura. Mordisquei e chupei com vontade seu seio como um bebe faminto.

Passei para seu seio direito e chupei seu biquinho fazendo a garota gemer baixinho, que só pude ouvi devido o silêncio que havia no ambiente. Subi seu vestido embolado em sua cintura até deixado completamente nua pra mim.

-Perfeita. -Falei observando, admirando, inautecendo, apreciando, contemplando cada canto do seu corpo.

Lhe puxei pra mais um beijo, aproveitando o máximo de tempo que nosso ar em nossos pulmões permitia. Puxei minha camiseta para cima mostrando o abdômen que ganhei todos esses anos na academia de dança.

Rabech corou desviando algumas vezes seu olhar para os lados, que não deu muito certo pois as paredes espelhadas do elevador refletia seu corpo nu e o meio semi nu. E isso acabou lhe deixando mais corada ainda. 

Lhe puxei pra mais um beijo para que ela não ficasse com vergonha. Calmamente lhe coloquei deitada sobre o chão do elevador ficando entre suas pernas. Me abaixei para que eu podesse vê sua intimidade.

Meu membro pulsou com tanta beleza e delicadeza. Era realmente perfeita, seus lábios rosados eram levemente gordinhos, seus lábios internos minúsculo e seu botãozinho bem apetitoso.

Aproximei meu rosto da sua intimidade e ali comecei delicadamente chupa-la. Penetrei dois dedos os movimentando vagarosamente enquanto sugava e chupava seu clitóris.

R-Oppa! -Gemeu agarrando meus cabelos pra mais contato. Seu quadril começara a movimentar-se rebolando sobre meu rosto. -Oppa! -Gemeu sôfrega arquendo as costas, seu corpo se arrepiou e logo veio seu orgasmo.

Rabech apertava os olhos com força enquanto ofegava. Retirei meus dedos e os pus em meus lábios e me deliciei do seu gostinho. O melhor de todos que já provei.

-Você está bem? -Ela assentiu. Estendeu seu braço para que eu lhe ajudasse a ficar sentada.
 

R-Hoseok, estou com medo. -Se encolheu em meu colo e me abraçou. -Estou com medo que alguma coisa mude com a gente depois disso. -Lhe abraçei e beijei o topo da sua cabeça.
 

-Se algo mudar, será pra melhor. -Ela levantou sua cabeça me fitando com uma expressão de dúvida. -Por favor Rabech, será que ainda não vê? Eu sou louco por você, sempre fui. Será que nunca viu isso?!
 

R-Eu... -Se encolheu cobrindo sua nudez. -Até pensei sim nisso, mas pensei que era só coisa da minha cabeça. -Falou levemente corada fitando o chão. -E agora?
 

-E agora, que eu quero que me dê uma chance pra eu te fazer feliz. -Levei minha mão até seu queixo e virei seu rosto para me olhar. -Só uma chance. -Falei calmo. Aproximei meu rosto fitando seus lábios entre a abertos querendo falar algo, mas não saía nada.

Lhe dei um selinho demorado e no momento que eu já ia afastar meus labios dos seus, senti suas mãos em meu rosto me impedindo de me afastar de sua boca. Intensifiquei o beijo pedindo passando da língua que rapidamente ela cedeu.

Puxei sua cintura fazendo-a sentar bem em cima do meu membro -que clamava por sua atenção- lhe fazendo rebolar em meu colo. Sua minha mão destra passando por suas costas até chegar em sua nuca, onde puxei seu cabelo fazendo sua cabeça tombar pra trás. Assim deixando seu pescoço muito bem exposto.

Mordisquei seu queixo e maltratei seu pescoço por chupões. Sei que mulheres não gostam que ficam marcas mas Rabech pareceu não se importa. Queria deixar quantas marcas podesse deixar para que eu vejo que eu foi eu que as fiz, e não outro homem.

Voltei a dar atenção para seus seios, que eu já estava com saudades. Rabech intensificou suas reboladas me enlouquecendo, eu já arfava com os seus movimentos.

-Por favor... -Sussurrei. -Eu não to aguentando mais. -Lhe tirei no meu colo, deixando-a sentada mais pra perto dos meus joelhos. Desabortoei o botão da minha calça e abaixei o zíper.

Vi suas delicadas mãos me ajudar á tirar a calça. Arfei aliviado, meu membro estava dolorido extremamente duro, louco por atenção. Rabech apriximou-se e passou a língua por toda meu comprimento debaixo para cima.

Ficou de quatro em cima das minhas pernas enquanto chupava minha cabecinha como um pirulito. Uma de suas mãozinhas moviam-se para cima e para baixo de acordo que sua boquinha me chupava.

Gemi rouco sentindo meu corpo arrepiar quando sua boquinha foi mais fundo me chupando o que sua boca cabia, e o que não cabia sua mãozinha dava um jeito.

Controlei-me para não agarrar seus cabelos para que ela fizesse do jeito e na velocidade dela. Tombei minha cabeça pra trás gemendo sem se preocupar se alguém ouvia.

-Chega! -Lhe puxei para parar de me chupar com um certo cuidado, e lhe coloquei deitada. -Eu quero você. -Beijei seus lábios me colocando entre suas pernas. Roçei minha cabecinha no seu botãozinho que lhe fez gemer manhosa.
 

R-Vamos hope! -Pediu manhosa rebolando seu quadril fazendo nossas intimidades se roçarem mais ainda. -Awn. -Gemeu quando realizei para dentro dela, começando com estocadas lentas.

Estava conhecendo cada canto do seu interior tão molhado, tão quente, tão macio e tão apertado. Acelerei um pouco minha vendo Rabech se agradar com aquele velocidade, então fiquei naquele ritmo que lhe fazia gemer manhosa e fazia seus seios moverem de acordo que nossos corpos se chocarem.

Eu gostaria de ir maos rápido, mas ela me parece tão satisfeita com a velocidade que estou que não quero interromper seu momento. Coloquei suas pernas por cima dos meus ombros e assim consegui senti ir mais fundo.

Me aproximei para um beijo e não ouvi nenhuma reclamação de dor. Agradeci por ser flexível, realmente gosto de posições que pede flexibilidade.

R-Oppa. -Me chamou ofegante. -Mais rápido. -Pediu com um leve biquinho. Amei ouvi isso, queria ir mais rápido e com mais força e só precisava de sua permissão.

Sorri de lado e lhe dei mais um beijo. Afastei meus meu quadril fazendo com meu membro saísse ficando somente a cabecinha dentro dela. Vi o semblante da minha melhor amiga já estava prestes a reclamar por estar pensando que eu esteja parando.

Quando sua boca se abriu para reclamar, lhe estoquei com força fazendo com que sua palavras se transformassem em gemidos manhosos e altos. Me retirei novamente e voltei a estocar com força fazendo seu interior se contrair.

R-Porra Hosoek, eu vou gozar. -Fechou os olhos com força se concentrando nas estocadas fortes e fundas. Mordia os lábios, mas mesmo assim seu gemidos conseguiam sair com nitidez. -Hope! -Me abraçou e fincou sua unhas em minhas costas. -Awn. -Gemeu arrastada atingindo seu ápice.

Seu corpo estava mole e ofegava. Me retirei dela lhe puxei para trocar de posição. Mas antes lhe puxei para um beijo calmo e carinhoso enquanto acariciava sua bochecha.

Lhe virei de costas deixando seu bumbum bem empinado pra mim. Puxei seus braços para suas costas onde segurei firme fazendo seu rosto descansasse no chão. Me posicionei na sua entradinha logo já estava lhe estocando com força.

Disferi tapas por seu bumbum com a mão livre deixando o local bem vermelhinho. Joguei minha cabeça pra trás enquanto gemia rouco me concentrando no prazer que ela me proporcionava.

Seus gemidos manhosos entravam no meu ouvido fazendo com que meu tesão aumentasse cada vez mais. Meu corpo arrepiou-se e aos poucos sentia meu membro pulsar. Soltei os braços de Rabech trocando por seu cabelo.

Gemi seu nome estapeando sei bumbum sentindo meu orgasmo bem próximo. Nossos gemidos se misturavam e eu já não sabia distingui os meus gemidos dos dela. Apertei forte seu bumbum estocando com força atingindo meu orgasmo.

Sai de dentro dela cansado e sentei-me no chão ofegando. Rabech se aproximou e sentou em meu colo. Lhe envolvi em meus braços e abracei forte com medo que tudo aquilo que acaba de acontecer fosse um sonho.

R-Promete cuidar de mim e nunca me magoar? -Falou baixinhos se aconchegando em meus braços. -Promete?
 

-Prometo. -Assenti olhando nos fundos dos seus lindos olhos. Ela sorriu doce e me beijou calmo e doce. De repente o elevador deu um solavanco que nos fez gritar.

Logo a porta foi aberta revelando algums guardas do shopping que conseguiram fazer o elevador funcionar. Alguns guardas nos olhavam surpresos e outros sorriam malicioso como se dizesse "Se fosse eu fazia o mesmo."

 

Acho que transar no elevador não foi uma boa escolha, ou foi?


Notas Finais


@Bechinha

Oi amores, eu fiz um ano aqui no spirit. Então me senti motivada á postar um hotizinho, dessa vez do Hoseok.

Eu espero sinceramente que tenham gostado. Um beijão até a próxima.

Meus Imagines: https://www.spiritfanfiction.com/listas/meu-imagines3-3712376

Meus Oneshort: https://www.spiritfanfiction.com/listas/minhas-oneshort3-3489188


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...