História Elipse - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Dra. Caitlin Snow
Visualizações 90
Palavras 2.846
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Q U A T R O


Q U A T R O

Caitlin não sabia exatamente onde encontra-lo. Tinha a vaga lembrança de uma casa em uma rua calma, das copas das árvores batendo uma nas outras, do barulho das crianças andando em suas bicicletas passando na rua da frente, do rangido dos degraus quando alguém carregava muito peso escada a cima, da chuva contra a janela do seu futuro quarto, do balanço no jardim, da grama contra seus pés, do bosque atrás da casa e do caminho que levava ao pequeno riacho. Se lembrava de como Barry havia dirigido pelo bairro em busca do cachorro perdido da sua vizinha, eles passaram a tarde todo rondando o bairro para achar o filhote de poodle escondido embaixo dos degraus de entrada de sua casa.

Aquela casa, mesmo ainda em construção, era sua definição de lar.

Girou o volante entrando na rua calma, Iris ao seu lado batucava os dedos contra o banco meio impaciente. Elas iam dar apenas uma volta pelo bairro em busca da casa, Caitlin a havia convencido a fazer isso para acalmar seu coração, as duas estavam nervosas e ansiosas em níveis diferentes, mas sentiam a mesma apreensão. Desde de que contará a Iris sobre Barry, ela havia notado a súbita mudança de atitude da West. Iris havia acreditado nela logo de cara, o que não seria uma coisa normal, Caitlin achava que ela também suspeitava que algo estava faltando.

-Estamos perto? - ela indagou torcendo a boca e olhando o conjunto de casas ao seu redor.

-Não sei, eu lembro como ela é, mas não lembro exatamente onde ela está. - disse diminuindo a velocidade para observar as fachadas com mais calma. - Isso é meio ridículo. Procurar algo que eu nem sei se é real.

-Mas o Barry é real, não é?

-Com certeza. Eu sei que ele é, não estaria enlouquecendo todos apenas por uma suspeita.

Iris ficou calada enquanto Caitlin continuou a dirigir, ela guiou o carro até uma das últimas ruas antes do bosque, as casas começarem a diminuir de quantidade. Sentiu o coração pesar a cada residência que passava que não reconhecia, por fim decidiu desistir e voltar para o laboratório, porém mudou de ideia ao ver a casa de dois andares no final da rua. Seguiu até lá estacionando o carro na garagem e descendo.

A frente da casa era uma mistura de madeira com pedras, rústico, mas moderno. Se entreolhou com Iris antes de silenciosamente decidirem entrar na casa, subiu os degraus de pedra olhando atentamente todos os detalhes, se agachou levantando o vaso de argila e pegando a chave reserva.

-Pelo menos disso você se lembra. - Iris falou enquanto elas entravam na casa. Tudo ainda estava bagunçado e desorganizado, caixas estavam amontoadas perto da escada e o sofá ainda estava coberto com o tecido branco. Não havia fotos nas paredes ou qualquer evidência de que alguém vivesse ali.

Iris seguiu para a cozinha enquanto ela subiu para o segundo andar, havia cinco portas ao todo naquele corredor, as duas primeiras eram o banheiro e um armário pequeno, a terceira um quarto vazio, a quarta também deveria era um quarto, porém estava trancada, e a quinta que ficava no final do corredor era o seu quarto.

A cama estava arrumada com uma colcha azul turquesa, o closet estava fechado, mas ela podia ver pelo vidro opaco algumas roupas grossas para o inverno. Caminhou até o criado-mudo abrindo a gaveta, havia uma única foto lá, ela e Barry. As memórias em sua cabeça ficaram cada vez mais vividas, porém ainda confusas. Sorriu sentindo seus olhos umedecerem, uma lágrima rolou caindo sobre a fotografia.

-Caitlin? - Iris chamou.

-Aqui em cima, ultima porta. - gritou fechando a gaveta e se sentando na cama. Ela então ouviu os passos escada acima, a West parou na porta do quarto olhando para o cômodo.

-Então é aqui?

-Sim. - sussurrou esticando a fotografia para ela. - Está é minha casa e este é o Barry.

Iris analisou a foto e um pequeno sorriso surgiu em seu rosto junto com as lágrimas em seus olhos.

-Eu lembro. - ela disse. - Eu lembro dele. Lembro de quando ele chegou a minha casa, quando nós conhecemos. E lembro da última vez que conversamos.

-Vocês falaram de que?

-De muitas coisas, mas ele falou de quanto estava feliz com você. - Iris se sentou ao seu lado. - Eu nunca o tinha visto tão feliz.

-Se você consegue se lembrar dele, então os outros também vão. - disse animada. Iris assentiu.

-Vou ligar pro Cisco e dizer que achamos a casa. - ela se levantou pegando o celular no bolso e se afastando.

Caitlin voltou o olhar para a foto que Iris tinha deixado em cima da cama. Soltou um suspiro aliviado, estava cada vez mais perto de acha-lo, sentia aquilo dentro de si. Se levantou da cama caminhando até a varanda, abriu a porta de correr e saiu para fora. As folhas das árvores já estavam caindo deixando o chão coberto por uma camada de laranja vivo.

Fechou os olhos por um único segundo sentindo o vento em seu rosto.

E é exatamente por isso que eu te amo.

Sorriu.

×××

-Ele fugiu. - Cisco disse assim que ela entrou no córtex. - Tolkien fugiu.

-O que? Ele não estava na prisão?

-Sim, mas Joe acabou de ligar e dizer que ele fugiu junto com outros metas.

Caitlin parou olhando para ele abismada, aquilo deveria ser uma péssima piada de mau gosto, porque aquilo estava acontecendo justo agora.

-Wally?

-Já está perseguindo alguns, mas nada do Tolkien.

-Bem, acione o satélite, caso alguém dê alguma pista pelo aplicativo poderemos acha-los. - falou colocando a bolsa em sua mesa. - Foi para isso que ele foi criado, para facilitar a nossa vida.

-Verdade, agora eu tenho que ir. Gipsy trouxe Breacher para dizer um oi.  

-Sério? Mas ele não te odeia?

-Com toda as forças do mundo. - ele se lastimou. - Mas temos algo em comum. O amor de Cynthia.

-Você nunca vai largar do pé dela por causa desse nome, né?

-Nunca.

Caitlin riu enquanto Cisco saía da sala. Ela balançou a cabeça se sentando em sua cadeira.

A fuga dos meta-humanos e de Tolkien era apenas a pedra final daquela história. Se aquele idiota tivesse alguma coisa haver com o sumiço de Barry ela o pensaria contra a parede atrás de respostas. Suspiro rodando o anel em seu dedo anelar.  

-Olá florzinha. - a voz soou mansa e tranquila. - Quanto tempo.

Caitlin girou a cadeira encarando Tolkien parado alguns metros à sua frente. Ele girava a arma automática na mão e tinha uma ar despreocupado como se tudo estivesse bem.

-O que você está fazendo aqui?

-Vim pegar algo que me pertence. - ele disse e ela sabia exatamente ao que estava se referindo.

-Mandamos para a A.R.G.U.S.

-Não minta para mim, minha bela. Saberei muito bem se fizer isso. - Tolkien se aproximou agilmente colocando uma mão de cada lado de sua cadeira a prendendo, seus olhos tinham um brilho perigoso e desafiador. - Agora me diga onde está.

Caitlin prensou os lábios sem desviar o olhar. Nunca cederia a ele de maneira alguma, ela sabia muito bem como aquilo acabaria se ele pegasse o que tanto queria.

Tolkien soltou uma risada sem humor antes de puxa-la pelo braço para fora da sala. O aperto que ele fazia acabaria deixando uma enorme marca roxa em sua pele. Eles seguiram o caminho até o armazém, Tolkien conhecia aquele prédio como a palma de sua mão, parecia ser a sina deles, os amigos sempre acabavam virando vilões. Caitlin se lamentou por não estar com seu celular, assim poderia ativar o alerta e chamar a atenção de alguém. Tolkien parou na frente da porta de metal.

-Abra. - ele ordenou empurrando a arma contra a coluna dela. Caitlin colocou a mão sobre o painel, a porta deslizou silenciosamente, Tolkien a empurrou para dentro analisando tudo ao seu redor.

Aquela sala era como um depósito para as armas e aparelhos que os vilões construíam e que eles não podiam jogar fora, Cisco sempre aproveitava para desmontar algumas coisas e criar novas invenções que os ajudavam. Tolkien procurava sua última invenção, um amplificador de poderes que o deixa mais poderoso do qualquer outra meta-humano existente.

-Onde está? - ele indagou, Caitlin revirou os olhos.

-Como eu disse, está com a A.R.G.U.S.  

-Por que?

-Eles vão destrui-lo. - disse, Tolkien rosnou a empurrando contra uma das mesas de metal. Caitlin se apoiou em uma das cadeiras impedindo sua queda. Fechou os olhos se concentrando o máximo que podia para invocar seus poderes, já estava cansada daquele joguinho idiota.

-Nem ouse fazer isso, Caitlin. Ou eu farei coisa pior.

Ela não abriu os olhos, pois sabia que Tolkien tinha a arma apontada e engatilhada em sua direção, Caitlin engoliu seco quando ouviu o barulho do disparo, não havia escapatória, estava encurralada, presa em uma armadilha. Talvez a morte não fosse tão ruim assim. Talvez pudesse finalmente encontrar-se com Barry. Seu coração se aqueceu com aquele pensamento. Ter Barry para si novamente. Deus como ela o amava.

Apertou as mãos com força sentido as unhas cravarem em sua pele, preferia morrer de forma rápida e sem dor do que sofrer por muito tempo, então o vento bagunçou seu cabelo e ela sentiu a eletricidade ao seu redor fazer os pelos do seu corpo arrepiarem. Abriu os olhos devagar vislumbrando a figura vestindo um traje vermelho, a máscara cobria apenas metade do seu rosto deixando os olhos que a encaravam esperançosos e a boca que lhe sorria casualmente a amostra. Caitlin abriu a boca para falar alguma coisa, mas foi impedida pelo barulho da série de tiros que Tolkien deu.

A figura virou e ela não conseguiu ver mais nada além de Tolkien sendo prensado contra a parede.

-Te vejo na Pipeline. - a figura disse antes de correr para fora da sala usando sua velocidade, Caitlin levo cerca de dois segundos para assimilar a voz, existia uma grande diferença entre o eco de sua cabeça e o eco da sala.

-Barry. - sussurrou antes de correr desesperadamente. Mas ela não precisou correr muito para encontra-lo, depois de dias de uma busca incessante lá estava ele, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. O tempo pareceu caminhar lentamente enquanto ela o encarava pelo que parecia ser longos minutos. Tinha medo de piscar e ele desaparecer por completo, como uma miragem no meio do deserto, seu coração batia acelerado deixando sua respiração ofegante. Barry foi o primeiro a dar um passo à frente, mas foi ela quem correr até ele se jogando em seus braços. O apertou com força contra o seu corpo não querendo se soltar nunca mais, porém Barry a empurrou com cuidado segurando seu rosto com uma das mãos, ela sorriu fazendo com que as lágrimas acumuladas caíssem aos poucos. Se inclinou um pouco mais para frente grudando seus lábios nos dele, Barry tinha a mão livre em sua cintura lhe prendendo a ele como uma âncora. Ela sorriu em meio ao beijo, sentindo todo aquele medo que lhe prensava os pulmões se esvair.

-Eu te amo. - sussurrou baixinho como se contasse um segredo.

-Eu também te amo. - ele a beijou novamente sem conseguir conter o sorriso.

-Você não sabe quantas vezes eu sonhei com isso. Em ter você aqui. - disse, sua testa encostada na de Barry deixando sua voz baixa e calma. - O quanto te procurei.

-Eu sei, sabia que você me encontraria, Cait. Eu sempre soube.

-O que ele fez com você, Barry? Onde você estava?

-É uma longa história.

-Temos tempo. - ela disse fazendo-o sorrir.

-Eu sei, mas primeiro eu preciso de um banho. Vamos pra casa. - ele sussurrou.

-Para nossa casa.

×××

Caitlin observava enquanto a chuva cordialmente lhe dava boas vindas despejando suas gotas na varanda e contra a porta de vidro. Sorriu se aconchegando ainda mais contra a pilha de travesseiros em suas costas, o barulho do chuveiro sendo desligado chamou sua atenção, a porta do banheiro se abriu revelando seu Barry usando uma calça folgada e um antigo moletom. Ele caminhou até a cama se sentando a sua frente, Caitlin não conseguia parar de encara-lo, era como um sonho que ela não queria acordar.

-Onde você estava esse tempo todo? - indagou esticando a mão e tocando o rosto dele, a barba fez cócegas em seus dedos.

-Não sei exatamente, era como se estivesse de volta a speed force, meio confuso e solitário. Não tinha a menor ideia de como iria sair de lá, mas então esse portal se abriu e eu sai bem no momento em que Tolkien iria atirar em você. - ele disse se aproximando dela, Barry colocou a mão pela sua cintura a puxando contra a cama, eles se deitaram um de frente para o outro. - O que ele fez?

-Tolkien conseguiu que todos nós nos esquecessemos de você. Joe, Iris, Wally, Cisco, eu. Ninguém se lembrava de você.

-Isso é horrível, como alguém pode esquecer de mim? Eu sou inesquecível.

Ela riu e usou o dedão para fazer pequenos círculos na bochecha dele.

-Eu sei, depois de um tempo eu acabei ficando incomodada por não conseguia lembrar de uma coisa. De início eu achei que era alguma bobeira, mas aquilo me machucava fisicamente. Eu sentia falta de você, mas não sabia disso.

-Você se lembrava de mim.

-Não totalmente. Mas mais do que os outros, Cisco disse que isso é uma coisa de almas gêmeas. - revelou, Barry riu. - Eu sei é bobo, mas me ajudou a ti recuperar. Eu faria qualquer coisa para encontrar você, Barry.

-Eu sei. - ele disse em um tom convencido, Caitlin soltou um pequeno riso antes de soca-lo no peito, mas então Barry completou em um tom sério. - Prometemos que nunca abandonaremos um ao outro. Eu iria até o fim do mundo por você, não importasse o que acontecesse comigo, eu nunca deixaria você ir.

Ela sorriu aproximando-se do rosto dele e o beijando.

-Eu te amo, Bartholomew Henry Allen.

-E eu te amo, Caitlin Penélope Snow.

-Argh...Porque eu fui falar o meu maldito nome. - resmungou rindo, Barry a puxou para perto cravando as pontas dos dedos em sua cintura. Caitlin fechou os olhos enquanto os beijos dele desciam pelo seu pescoço até o colo, ele puxou a barra da blusa dela para cima, se desfez da peça peça a jogando em algum canto do quarto, riu enquanto ele a rolava pela cama ficando por cima. As mãos dele percorriam seu corpo demoradamente parecendo cravar em sua memória motora cada detalhe dela. - Eu senti muito muito a sua falta. - sussurrou, Barry ergueu a cabeça deixando seus olhos na altura dos dela, um arrepio tomou conta de seu corpo. - Pensei que iria morrer sem ter você aqui.

-Você me trouxe de volta, você e é essa sua teimosia de nunca desistir de mim. - ele disse jogando os fios soltos do cabelo dela para longe de seu rosto. - Você me salvou, como sempre faz.

Ela sorriu sentindo as lágrimas se acumularem, de repente o celular tocou interrompendo o clima. Caitlin bufou, Barry se afastou dela pegando o celular na mesinha de cabeceira e olhando o visor, ela se preparou para dar um desculpa muito bom para quem quer que estivesse no outro lado da linha, mas Barry foi mais rápido e atendeu a ligação.

-Hey Cis. É o Barry. - ele disse com um sorriso travesso no rosto, Caitlin arregalou levemente os olhos ouvindo Cisco balbuciar algo incoerente. - É Cisco, o mesmo Barry….Sim, ela está comigo. Aqui do meu lado….cara é uma longa história que eu juro que vou te contar, mas agora eu tenho que dar atenção a minha noiva que está me olhando com uma cara ameaçadora...Eu sei, também estava com saudades. Avisa ao Joe que eu estou bem e que logo estarei aí com vocês, apenas preciso ficar um tempo com a minha salvadora...Até daqui a pouco...Sim Cisco, eu também te amo, cara. - Barry desligou o celular o jogando no meio da cama, Caitlin ainda o olhou um pouco perplexa antes de cair na gargalhada. - Que foi?

-Eu te amo, cara? Sério? - indagou fazendo ele bufar.

-Isso se chama amor fraterno. - Barry se defendeu antes rolar para o lado e puxar o corpo dela sobre o seu. Caitlin parou de rir e o encarou traçando pequenos círculos em seu queixo e bochechas.

-Obrigada por estar aqui. - murmurou apoiando o queixo sobre o peitoral dele.

-Obrigado por nunca desistir de mim, nem quando tudo parecia perdido.

-Não me faça chorar de novo, por favor. - pediu soltando um riso fraco. Barry sorriu acariciando seu rosto. Eles não precisavam dizer mais nada, não haveria palavras o suficiente para descrever o que sentiam naquele momento. Para Caitlin o amor era assim, esperar e ver o que de melhor pode acontecer. E o melhor sempre acontecia. 


Notas Finais


•E aqui estamos nós de novo, mais um fim de mais uma estória que eu amei escrever. Obrigada a todos que a acompanharam esses momentos desesperadores de Caitlin em busca do seu amado Barry. O amor sempre vence no final, não é?
•Ps. Gente, sabe o que eu descobri? Que muita gente mesmo não gosta muito de como Iris está sendo escrita em The Flash, dizem que eles deram a ela uma liderança que ela não tem. Como já disse várias vezes, eu amo a personagem e a atriz, mas acho meio forçado o que eles fazem e vez enquanto. Tipo essa amizade dela com a Caitlin, não deveria ser assim, me pareceu completamente ensaiado, nem teve nada natural ali.
•Enfim, este é o fim. Um milhão de Beijos e abraços e sorrisos e votos de agradecimento e chocolate e carinho para todos vocês. Bay, bay.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...