1. Spirit Fanfics >
  2. Elísios - Solangelo >
  3. IX - Will

História Elísios - Solangelo - Capítulo 10


Escrita por: aloserghost

Notas do Autor


Oioi! Mais um capítulo vindo aí!

Sei que costumo trazer capítulos semana sim semana não, mas nesse fim de semana com o feriado acabei conseguindo escrever kkkk

Capítulo 10 - IX - Will


Após o dia onde compartilharam seus maiores segredos um para o outro, Will e Nico ficaram bem mais próximos do que antes. Agora o garoto das trevas ia frequentemente até os Elísios, fazendo várias visitas ao filho de Apolo.

Will não sabia ao certo como se sentir sobre isso, ele estava feliz por ter a confiança de Nico, e Nico, por incrível que pareça, parecia feliz quando estava na companhia de Will. Além disso, como qualquer pessoa normal, o filho de Apolo adoraria passar horas e horas ao lado de quem ele gosta.

Mas a situação dos meninos não era tão simples assim.

Durante o tempo em que gastavam juntos, Will e Nico andavam pelos campos conversando, sorrindo e fazendo brincadeiras idiotas como qualquer adolescente normal. Quem os visse de longe, sem saber da história de ambos, certamente acharia que eles eram apenas adolescentes normais.

Bons amigos tirando um dia de férias da cidade grande e indo conhecer o campo ou talvez apenas dois jovens vivendo seu primeiro amor de verão... Era isso que humanos normais achariam se vissem Will e Nico interagindo sem contexto algum. Era isso o que Will e Nico queriam ser.

Mas a realidade era outra.

As brincadeiras e conversas com Nico sempre eram divertidas. Vez ou outra ajudavam a distrair a mente. Mas Will nunca conseguia esquecer completamente a situação onde ambos se encontravam.

Em todas as vezes em que Nico aparecia para visatá-lo, Will tratava como se fosse a última, pois nunca havia como saber quando Nico simplesmente pararia de ir vê-lo.

Às vezes Will queria que Nico nunca tivesse voltado a visitá-lo. Assim seria muito mais fácil. Muito menos doloroso.

Enquanto pensava sobre tudo isso, Will observava Nico.

O filho de Hades estava deitado no gramado, bem ao seu lado. Suas mãos estavam apoiando sua cabeça e ele olhava para as nuvens espalhadas pelo céu. Como sempre, ele estava lindo.

Inclusive, o fato de ter um céu e nuvens em um local adentrando ao submundo intrigava Will. O filho de Apolo se lembrava de Nico ter tentado explicar para ele o porquê disso, mas provavelmente Nico estava tão lindo naquele dia que Will não conseguiu prestar atenção na conversa.

Will deixou esse pensamento de lado e voltou a olhar para o filho de Hades.

O cabelo de Nico provavelmente não via uma tesoura há um tempo considerável. Seus fios pretos e levemente ondulados estavam batendo em seus ombros.

Nico dizia que mantinha o cabelo assim por estilo, Will achava que era mais por preguiça de cortá-lo do que qualquer outra coisa.

Enquanto permanecia com seu olhar fixo em Nico, Will sorria levemente pensando na ideia de fazer tranças no cabelo do garoto das trevas. Will pensou em um Nico cheio de trancinhas mal feitas amarradas com laços coloridos.

O filho de Apolo soltou uma leve risada com o pensamento. Nico com certeza não gostaria dessa ideia, mas talvez deixasse Will fazê-la com um pouco de insistência.

Isso tudo seria divertido se não fosse pela impossibilidade de contato físico entre ambos.

No momento em que Will soltou aquela leve risada, Nico virou o rosto em sua direção, como se querendo saber o que era engraçado.

Will preferiu inventar uma desculpa qualquer ao invés de contar o real motivo da graça.

—Aquela nuvem. – Disse Will apontando para uma nuvem qualquer no céu. – Parece um pato brincando de boneca.

Nico desviou seu olhar de Will e voltou-o para a nuvem, franzindo as sobrancelhas.

—Você já pensou em ir num oftalmogista? Ou talvez um psiquiatra? – Disse Nico. – Aquilo claramente é um esqueleto detetive.

A verdade era que aquela nuvem não parecia nenhuma das duas coisas. Era só uma nuvem comum.

Will soltou mais uma risada. Estava feliz desde o momento em que Nico começou a conversar com ele de forma mais aberta. Saber que Nico tinha um lado meio bobo e descontraído e que escolhera compartilhar essa parte de si mesmo com Will fazia o filho de Apolo feliz.

—Eu acho que o único que precisa de ajuda médica aqui é você. – Disse Will de forma sarcástica e com um sorriso estampado em seu rosto.

Nico revirou os olhos, fechando-os logo em seguida e soltando um suspiro seguido de um leve sorriso de lábios.

Nico sorrindo. Essa era praticamente a religião de Will. O filho de Apolo daria de tudo para que aquele sorriso estampado no rosto do garoto das trevas continuasse a existir ali durante muitos e muitos anos.

Will realmente gostava de ver Nico feliz. Essa era a parte boa de evitar trazer à tona conversas sobre o futuro inexistente dos dois. Ninguém ficava triste.

—Sabe? – Nico disse de repente. – Tem muita coisa acontecendo agora no mundo lá de cima.

—Tipo? – Perguntou Will.

—Um cara do acamapamento romano teve suas memórias apagadas e foi levado até o acampamento meio-sangue. Além disso, Percy sumiu completamente do mapa.

Nico tinha contado para Will sobre os dois acampamentos anteriormente. Os romanos, os gregos e toda a sua rivalidade ao longo dos anos. Will ainda achava tudo isso meio confuso, mas havia entendido ao menos o básico.

—Estão dizendo que essa parte foi obra de Hera. Um plano para unir gregos e romanos. – Disse Nico. – Pelo que parece há mais uma guerra a caminho...

—Batalhas, guerras, mortes... – Will suspirou. – Aparentemente essa é a única vida possível para os semideuses.

—É como um ciclo vicioso... nunca acaba. – Terminou Nico, com pesar no olhar.

Will apenas ficou quieto por alguns segundos, até que tomou coragem para perguntar:

—Tem algum motivo pra você ter me contado isso tão de repente, não tem?

Uma onda de silêncio se instalou entre eles. Nico não parecia querer responder.

—Di Angelo? Te conheço bem o suficiente para saber que você está planejando fazer alguma loucura, estou certo?

Assim como antes, nenhuma palavra saiu da boca de Nico. Will interpretou a quietude do filho de Hades como um "sim" silencioso.

—Eu... não posso apenas ficar parado. – Disse Nico após um tempo, com um sorriso forçado no rosto.

Will podia perceber somente pelo olhar de Nico o quanto o garoto das trevas estava cansado daquela vida. Das batalhas, dos problemas, das dores, das mortes...

Todos os semideuses sofriam e não era fácil ter de lidar com tantos problemas. Mas por algum motivo - talvez alguma maldição antiga ou talvez apenas por culpa de um horrendo destino - os filhos de Hades eram aqueles que mais acumulavam sofrimento em vida.

Will achava isso injusto. Nico era uma pessoa boa, deveria ter a chance de ser feliz quando ainda vivo.

—Não morra. – Disse Will. – Estou falando sério. Se eu ver seu espírito por aqui cedo demais eu mesmo te ressuscito e te mato outra vez.

Nico soltou uma leve risada.

—Não se preocupe, não tenho planos para morrer tão cedo.

—Acho bom. – Disse Will. – Não é porque gosto de você que gostaria que virasse um habitante permanente dos elísios junto comigo.

Vagarosamente, Nico voltou seu olhar para Will com uma expressão de confusão, como se esperando que o filho de Apolo confirmasse algo.

Só então Will percebeu o que ele havia acabado de dizer. "Não é porque gosto de você...".

"Gosto de você...".

Não havia como e nem porque Will negar ou se recusar a falar agora.

—Nico... – Will voltou seu olhar em direção ao garoto das trevas, olhando diretamente em seus olhos escuros. – Eu gosto de você. É possível que eu esteja me apaixonando por você.

Will disse isso de forma extremamente séria. Aquilo não era uma confissão qualquer entre jovens normais. Era uma declaração de uma pessoa morta para uma pessoa viva. Não seria um momento romântico e feliz independentemente da resposta de Nico.

Will podia ver algumas lágrimas que se formavam nos olhos do filho de Hades resistindo à vontade de escorrer por todo seu rosto.

—Eu... eu também. – Nico engoliu em seco. – Acho que também gosto de você.

Naquele momento Will sentiu como se uma flecha atravessasse seu peito. Ser aceito provavelmente seria pior do que ser rejeitado dada a situação em que ele e Nico se encontravam.

Os sentimentos de Will por Nico eram recíprocos. Will estava ferrado. Nico se encontrava em uma situação ainda pior visto que ele não poderia apenas escolher renascer e esquecer completamente essa vida.

Mesmo sabendo sobre a impossibilidade de contato físico, Will sobrepôs sua mão à mão de Nico, que ainda estava apoiada no chão. O filho de Apolo ainda tinha uma mísera fagulha de esperança de que a física abriria uma exceção para eles. De que, nem que fosse apenas dessa vez, ele e Nico conseguiriam ficar de mãos dadas.

Mas não. Pelo jeito a física é como um professor se recusando a dar alguns poucos pontos a mais para um aluno que precisa daquilo para passar de ano. Não gosta de abrir exceções.

Nico voltou seu olhar em direção à mão de Will, que transpassava pela sua.

—Maldita seja a física. – Disse Nico, agora com uma lágrima escorrendo por seu rosto.

Will tentou apertar a mão de Nico. Mais uma vez, sem sucesso algum.

"Se eu ao menos fosse mais forte... se não tivesse morrido naquele dia em Manhattan e se tivesse me aproximado de Nico antes... talvez as coisas pudessem ter sido diferentes..."  – Esses eram os pensamentos que invadiam a mente de um garoto morto após passar mais um dia ao lado do garoto vivo de quem ele gosta, e que, agora, também gosta dele.


Notas Finais


Confesso que esse capítulo foi, ao menos pra mim, um dos mais tristes dentre os que escrevi até agora.

Sei que vocês provavelmente estão muito ansiosos pelo momento onde as coisas vão começar a melhorar mas (me desculpem) ainda não vai rolar.

E agora eu queria agradecer à todos que estão acompanhando, comentando e dando favorito na fic! Semana passada chegamos à 1k de visualizações e eu acho q fazia um bom tempo q eu n ficava tão feliz kkkk

Sério, vocês são incríveis! Obrigado por toda a motivação!

Vejo vocês na próxima! Até mais :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...