1. Spirit Fanfics >
  2. Em busca de uma flor desconhecida >
  3. No caminho de sua viajem,o reencontro de um amigo

História Em busca de uma flor desconhecida - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Aqui está mais um capítulo para se sair um pouco do tédio de não poder sair de casa(bom,pra mim tá assim na quarentena). Aproveitem o capítulo e me desculpem por qualquer erro ortográfico ou de pontuação.(•‿•)

*Arte feita por @mkmksomnaru_*(sério,esse é o nome do twitter do cara)

Capítulo 2 - No caminho de sua viajem,o reencontro de um amigo


Fanfic / Fanfiction Em busca de uma flor desconhecida - Capítulo 2 - No caminho de sua viajem,o reencontro de um amigo

-*suspiro*,subir e desser essa montanha todo santo dia está me deixando exausta-falou o ruivo ofegante carregando a cesta vazia em suas costas.

                                                  ****

Enquanto o tal garoto sobia a montanha até sua casa, começou a pensar se seus pais iriam acreditar em seu motivo de querer sair de casa por tanto tempo,afinal será uma viajem um tanto quanto longa e perigosa,ele nunca foi para lugares tão longes antes,a não ser seus sonhos,em falar em sonhos ,ele ainda não conseguia tirar aquele homem que havia visto em seu sonho anterior,havia tantas coisas que o estavam preocupando naquele momento,que fez Taiyo pensar se ele era algum escolhido ou algo do tipo,assim como os personagens principais de algumas histórias de aventura e suspense que seu pai lia para o mesmo ao ir dormir,era mesmo muito bom quando seu pai lia para o ele dormir a noite mesmo não precisando muito,afinal,ele dormia facilmente,contudo ainda era bom para ambos,mesmo sendo uma coisa simples.

-  Nossa,eu acho que o sono está começando a me atacar de novo- ele fala coçando os olhos cor de rubi.

- Taiyo,cuidado!!!

- Ahn?!pai,o que f- antes que o mesmo terminasse sua fala,ele persebe um javali indo em sua direção para ataca-lo,mas por ele ter olhos afiados, conseguiu desviar do animal,fazendo assim ele cair no chão e dando a chance de seu pai ataca-lo, não com uma arma qualquer,mas sim uma cabeçada com força total contra a testa do animal,o deixando assim inconsciente e caído no chão.

- Taiyo! você está bem?

- S-sim,estou, obrigado por me avisar pai;se não fosse pelo senhor e a minha boa visão,provavelmente já estaria destroçado pelas garras e presas deste javali-ele se levanta do chão com a ajuda do pai.

- Não á de que,fico feliz que esteja bem-o pai termina a frase acariciando a cabeça do menor juntamente de um sorriso bondoso.

- Mas o que está fazendo aqui pai?- o encarou confuso

- Bem,sua mãe me disse que você havia ido vender o carvão para as pessoas do vilarejo,mas que estava demorando muito pra chegar,que fez ela pensar que você havia sido assaltado ou dormido no caminho como da outra vez, então eu decidi vim te procurar para ver se estava tudo bem,e aproveitei e peguei algumas lenhas para acender a fogueira;mas já que você está aqui são e salvo poderemos ir tranquilamente para casa-ele termina colocando em seus braços algumas lenhas que haviam caído na "luta" contra o javali.

- A-a mamãe!ela ficou preocupada comigo de chegar em casa tarde hoje,tenho que me desculpar com ela por se preocupar tanto,e obrigado por vim pai, desculpe se te preocupei também.

 - Está tudo filho,eu te perdoou,mas já que você está aqui poderia me ajudar a carregar um pouco destas lenhas até em casa?

- Claro que sim!-Taiyo diz pegando um pouco de lenha que sobrou para carregar- mas e o javali,vamos deixá-lo aí?

- Bem,vou deixar ele em paz por hoje,tenho certeza que ele não nós atacará tão cedo novamente hehehe.

- Sim,tem razão hehehe.

E assim eles foram andando pela neve que caia sobre seus pés, debaixo de um céu escuro e com poucas estrelas,com apenas uma lamparina em mãos em direção a suas casas.

                                           ****

- Meninos! vocês chegaram finalmente,que bom-disse a mãe indo abraçar os dois garotos em sua frente.

- Sim,nós chegamos e troussemos algumas lenhas para acender o fogo-disse Tanjirou sorrindo para a esposa.

- Lenha!? obrigada querido, afinal estávamos precisando mesmo-respondeu Kanao dando um beijo nele juntamente de Kaburamaru que estava enrolando em seu pescoço.

- Ei mãe,me desculpe por demorar tanto pra chegar, é que eu fui visitar a casa do Warui-sam antes de vir embora,mas veja pelo lado bom,pelo menos consegui vender todo o carvão-ele fala mostrando a cesta vazia para sua mãe.

- Está tudo bem querido,estou contente que tenha vendido tudo e ainda estar bem-ela termina dando um forte braço no menor-mas vocês dois estão todos sujos, por sorte eu preparei a banheira para vocês,afinal já sabia que os dois estariam assim,então vão tomar um banho,enquanto acendo a lareira e acabo de preparar o jantar-ela diz pegando a lenha.

- Certo!- exclama ambos os garotos indo em direção a banheira cheia de água quente.

                                               ****

- Está água está mesmo muito boa não e Taiyo?

- Sim está mesmo,nada melhor do que um banho quente em um dia de inverno.

- Sim você tem toda razão hehehe

-.....ei pai- o garoto lhe chamou 

- Sim Taiyo, aconteceu alguma coisa?-disse o pai direcionando seus olhos cor de rubi para o filho em sua frente.

- Bem,na verdade sim...por acaso todos os homens da nossa família tem a mesma aparência e... possuem uma marca na testa e os brincos iguais a você?-disse ele se referindo ao homem que havia visto em seu sonho anterior.

- Bom...sobre a aparência eu acho que sim,mas a marca e os brincos...-por um pequeno tempo em sua mente,ele começa a relembrar de Yorichi,o antigo portador da respiração do sol- também é verdade que existiu.

- Sério,quem é?!- exclamou Taiyo com a resposta nada aguardada pelo pai,afinal ele pensou que o tal homem em seu sonho fosse apenas mais uma de suas imaginações, então ouvir que existia um homem assim como ele o surpreendeu.

-Bem havia um homem chamado Tsugikuni Yoriichi que também possuía a mesma aparência;brincos e marca que eue que morreu já faz muito tempo, porém,como seu sobrenome já diz ele não era de nossa família.

- Entendo-o garoto diz meio cabisbaixo.

- Mas por que a pergunta repentina?

- Não é nada,tá tudo bem- ele responde com um um olhar sorridente.

- Se você diz então tudo bem- Tanjirou termina pegando uma toalha e se enchugando,em seguida joga uma para o filho- é melhor não ficar muito tempo no banho,a menos que queira desmaiar aí dentro.

- S-sim,tem razão-ele termina fazendo o mesmo que o pai e começa a se vestir com seu quimono vermelho.

Depois de ambos já terem acabado de tomar banho e sua mãe de fazer o jantar,todos os três incluindo Kaburamaru se juntam na mesa para se desfrutarem da comida de sua mãe que por sinal estava bem cheirosa.Mesmo Kanao ter ficado praticamente cega de ambos os olhos,ela ainda tinha a companhia de Kaburamaru para lhe auxiliar nas tarefas do dia á dia,por sorte enquanto ainda morava na área borboleta juntamente de Aoi e as outras três garotinhas, pôde treinar e se adaptar a como agir no dia á dia com o auxílio das pessoas ao seu lado e Kaburamaru,sem contar que ela ainda conseguia ver mesmo sendo um pouco por um de seus olhos,facilitando ainda mais.

Taiyo comia nervoso diante da presença de seus pais,pois ele ainda não criou coragem para lhes dizer sobre a viajem que iria fazer no grande Japão,mas ele teria que lhes contar uma hora ou outra se quer mesmo botar seu plano em ação, então ele deixa a tigela com os hashis(palitos de comer)com sopa sobre a mesa,respira fundo e começa a falar direcionando seus olhos para os pais que estavam em sua frente e de uma forma séria fala:

- Mãe,pai,eu irei viajar pelo Japão,e sozinho.

- O-oque,como assim viajar sozinho pelo Japão,do que você está falando?-disse seu pai não itendendo nada.

- Eu sei que pode parecer muita loucura mas eu quero fazer isto, então por favor entendam o meu pedido.

- Mas Taiyo,por que você quer ir viajar assim do nada?desde quando tomou está decisão?-falou a mãe preocupada.

- Bem...-Taiyo começou a pensar no que continuar sem que deixem seus pais mais estericos que já estão,até que descobre em meio as suas palavras o que lhes dizer-eu sei que é uma ideia um tanto quanto rempentina e maluca, porém, enquanto estava tendo um de meus devaneios por aí pensei para mim mesmo "como deve ser o mundo lá fora;as pessoas;seus costumes;os lugares por onde a luz do sol e da lua batem",eu quero saber o que há além daqui de onde moramos,eu...quero saber mais sobre o mundo lá fora mesmo que seja só um país deste gigantesco mundo,mais eu quero;quero muito ir,e quem sabe trazer boas recordações e sensações deste lugar,por isso eu fui até a casa de Warui-sam e ele me emprestou uma busula de seu falecido pai,o mesmo tentou me alertar sobre os perigos também mas assim como o pai dele eu queria desvendar o Japão que nem alguns dos seus livro, então...-Taiyo abaixa a cabeça- por favor!me deixei fazer isso.

......

Seus pais ficaram superpresos no que ouviram,afinal,Taiyo nunca foi o tipo de pessoa que viajaria para tão longe assim do nada,ainda mais sem companhia, porém ambos não queriam que seu filho ficasse preso as mesmas coisas de sempre, pois eles se preocupavam mais com o seu futuro do que qualquer um,sem contar que Taiyo estava certo, havia mesmo muito no que se desvendar por aí,até porque eles mesmo já viram boa parte desse grande Japão quando caçavam demônios ainda jovens,e foi com este pensamento que ambos Tanjirou e Kanao abraçam Taiyo dizendo em lágrimas:

- Claro que você pode ir meu filho-disse a mãe.

- Nós confiamos em você-disse o pai.

- Mamãe,papai....- começa sair lágrimas de seus olhos- eu prometo que voltarei pra vocês!- exclamou abraçando ambos bem forte.

- Certo,estaremos esperando por você filho- falou o pai chorando sem parar.

- Eu irei voltar,eu prometo,prometo- falou apertando mais o abraço e chorando cada vez mais.

                                           ****

Depois daquela longa noite,já era de manhã e Taiyo juntamente de seus pais e algumas pessoas do vilarejo que souberam de sua jornada,já estavam na saída do vilarejo pra se despedirem.Taiyo usava seu típico quimono vermelho com desenho de sol nas mangas(assim como o desenho da capa do capítulo 1);carregando nas constas uma bolsa com o livro que ganhou de Warui e a busula que recebeu do mesmo,já pendurada na sua cintura para ficar mais fácil de pegar.

- Aqui está,alguns bolinho que fiz para você se alimentar na viajem- falou Kanao lhe entregando a caixa de bolinhos.

- Obrigado mãe-ele fala os colocando em sua bolsa.

- E aqui está o dinheiro que você ganhou ontem vendendo carvão-o pai lhe dá-use com sabedoria.

- Certo, obrigado pai, não irei desperdiçar á toa- então ele avista Kaburamaru derramando algumas lágrimas de seus olhos avermelhados- não chore Kaburamaru,eu voltarei logo,logo-ele termina acariciando o pobre animal.

- Por favor Taiyo-kun,tenha cuidado em sua viajem sim?- fã!ou o morador da vila juntamente das lágrimas que caiam em suas bochechas.

- Eu tomarei, não se preocupe-ele sorri.

E assim eles se despedem,seus pais, Kaburamaru e algumas pessoas da vila.

- Espere Taiyo!- exclama Tanjirou fazendo o ruivo parar de andar por um momento- como eu não posso viajar por causa da minha doença e a visão de sua mãe,você poderia visitar o Tomioka-sam para nós e dizer que estamos bem e para ele se cuidar?!pois tem muito tempo que nós não o vemos?!

- Tomioka-sam?claro,deixa comigo!

- E se você ver algum de nossos outros conhecidos,poderia fazer o mesmo por nós?!- termina Kanao.

- Sim,pode deixar!

E assim ele vai andando para o norte, porém para casa de Tomioka primeiro e depois sua longa viajem até o lírio.

"Pucha vida,já estou vendo que está viajem vai ser bem cançativa,mas bem divertida também,hehehe"

                                             ****

Passos pesados

- Ahn,fala sério por que todo lugar que vou tem uma montanha,já não basta a minha...bem,pelo menos a casa de Tomioka-sam é aqui perto-o garoto fala ofegante e terminando a fala no topo da colina- eba! finalmente, já consigo ver a casa dele daqui.

Taiyo então desse a tal colina até a casa de Tomioka que ficava logo embaixo.Quando o mesmo havia chegado, começou a chamar pelo tal morador.

- Tomioka-sam! sou euTaiyo Kamado,filho da Kanao e Tanjiro Kamado,vim lhe fazer uma visita; você está aí?!-exclamou o ruivo na entrada da residência.

Silêncio

- Que estranho, não apareceu ninguém,mas é claro que não apareceria ninguém além de Tomioka-sam,afinal desde a morte do Urokodaki-sam o Tomioka começou a morar sozinho!sem ninguém... além dessas árvores....e a casa..será que ele está deitado em sua cama?afinal a sua doença é igual a do meu pai,bom,só vou saber se entrar pra confirmar. Com licença!estou entrando.

Após seu aviso,ele adentra a casa mas sem antes de tirar suas botas sujas de terra e neve. Conforme ele andava pelo cômodo,podia perseber que a casa estava consideravelmente limpa,mesmo sendo habitada apenas por uma pessoa. Taiyo andou até chegar no quarto que supostamente seria de Tomioka, porém,na esperança de achar o amigo,apenas pode encontrar seu futon(cama)arrumado e o quarto completamente vazio,sem qualquer sinal de alguém no local,a não ser os raios solares que iluminavam o lugar. Mesmo Taiyo ter procurado em todos os cômodos da casa e o chamando repetidas vezes, não conseguiu acha-lo, então o garoto chegou a conclusão de que ele estaria lá fora.

O ruivo colocou novamente suas botas e começou a andar com o objetivo de achar Tomioka na floresta com neve que caia sem parar.

.....

-Pegadas?

Ao analisar as pegadas,ele supôs que seria de Tomioka, pois não haveria sentido ser de outra pessoa se só mora ele aqui. Então o garoto começou a seguir as pegadas e ao longe onde seria quase de ninguém notar qualquer presença,Taiyo encontra quem queria achar, Tomioka,o ruivo ainda agradeçe muito por ter olhos tão afiados,pois por causa deles ele era capaz de achar e de se esquivar facilmente das coisas,o que muitas pessoas não podiam.

- Tomioka-sam! -exclamou o ruivo correndo em sua direção.

- Ahn?! Tanjirou?- ele cossa seus olho- espera Taiyo é voc-ele interrompido pelo abraço do ruivo.

- Tomioka-sam,a quanto tempo,o que o senhor está fazendo aqui neste frio?seu corpo ficará pior do que já está desse jeito.

- Sim você tem razão,mas não pude me conter de vim ver meus amigos.

- Amigos?- Taiyo olha para traz de Tomioka e persebe nada além de algumas lápides- ahn...o senhor está falando de seus amigos que morreram a muito tempo,aqueles que moraram aqui na montanha assim como você,não é?

- Exato-ele diz se soltando do abraço- mesmo estando mortos ainda sinto como se eles estivessem aqui comigo- ele fala sorrindo.

- Itendo

Ambos Taiyo e Tomioka começam a rezar pelas pessoas já falecidas. Depois que terminam de rezar,eles começam a andar até a casa de Tomioka,onde adentram e Taiyo juntamente do amigo se sentam um no lado do outro sendo recebidos com um leite quente em mãos feito por Giyu.

- Obrigado por me receber em sua casa Tomioka-sam,e me desculpe por ter entrado na sua casa sem permissão-ele diz direcionando seus olhos ao de Tomioka envergonhado pela ação não tão educada.

- Tudo bem,estou feliz que tenha vindo aqui,até porque já faz um tempo que não recebo visitas,dito isto,como vai seus pais e os outros?- ele fala terminando de dar uma golada de sua bebida e direcionando seus olhos para o garoto em sua típica forma cauma.

- Bem,meus pais estam bem,nós ainda continuamos vendendo carvão,mas os outros não sei dizer se estão bem ou não,até porque,faz tempo que não os vejo,meus primos;tios e etc.

- Itendo,fico feliz que seus pais estejam bem,e os outros...-ele sorri- tenho certeza que estam também.

- Também acho hehehe-ele termina dando uma golada em sua bebida.

- Contudo,por que você veio me visitar assim derrepente e sozinho?- ele diz confuso.

- Bem e-"não posso dizer sobre meu real objetivo,ou então tudo iria ralo a baixo, infelizmente terei que "mentir" para Tomioka-sam também"-eu estou viajando pelo Japão sabe,pra conhecer ele melhor com os meus próprios olhos de gavião hehehe, então meus pais disseram para eu aproveitar e vir lhe visitar e dizer que está tudo bem e que é para o senhor se cuidar.

- Itendo, você fez bem em ter a determinação de viajar por aí mesmo que seja um país grande como o Japão,pois tenho certeza você descobrirá muitas coisas no decorrer de sua jornada, não é?-ele fala dando um sorrindo calmo.

- Sim,com certeza-ele retribui com um sorriso carinhoso.

- E não se procupe,estou me cuidando mesmo minha doença não tendo uma cura hehe.

- Bem,se o senhor diz então eu acredito- ele termina dando um sorriso de alívio.

Conforme ambos íam conversando,nem poderam perseber a noite chegar de macinho no local.

- Nossa,eu nem percebi que ficou de noite-disse o ruivo já quase caído de sono.

- É verdade, é melhor você dormir aqui, suponho que seria perigos você viajar a noite neste frio- Tomioka termina indo em seu quarto pegar um futon para que Taiyo pudesse dormir.

- Bem,se você enciste,mas deixe me lhe ajudar a pegar o fut- antes que o mesmo terminasse a fala,persebe um barulho vindo do quarto onde Tomioka estava,indo então até lá pra ver o que seria.

- Tomioka-sam!!!o senhor está bem?está tocindo sangue- o mesmo fala ajudando Tomioka a se levantar.

- E-esta t-tudo bem *toci*eu vou ficar bem, então não se preocupe sim *toci*

-De jeito nenhum vou deixar o senhor assim- Taiyo então deita Tomioka em seu futon já arrumado e começa a limpar o sangue com um pano molhado que havia pego após deitar o amigo,em seguida o ruivo vai até um poço de água e adentra a casa servindo a mesma para que Tomioka tomasse. Após tomar a água o ruivo pergunta ao amigo preocupado:

- Tomioka-sam,tem certeza que não á uma cura pra essa tal doença que você e meu pai tem?

- Sim tenho certeza,mas tá tudo bem,graças a você já melhorei um pouco, então pode ir dormir;eu agradeço- o mesmo diz se levantando.

- Não senhor,o senhor vai dormir para se recuperar,ou o senhor que ficar ainda pior?-ele termina deitando novamente Tomioka no futon.

-....está bem, você está certo,mas terá que fazer o mesmo que eu.

- Só se o senhor prometer dormir.

- Eu irei,prometo.

- Ok, então boa noite,e se precisar de alguma coisa me chame sem exitar,está bem?

- Sim,boa noite Taiyo-ele termina fechando os olhos de cansaço.

- Boa noite Tomioka-sam-ele termina fechando os olho juntamente do amigo ao seu lado.

"Estou mesmo preocupado com ele,afinal mesmo meu pai e ele terem a mesma doença nunca vi meu pai toçir sangue,apenas uma toçi "normal",e que doença é essa afinal, me disseram que ela não tem nome mas que ataca em todo seu corpo fazendo ele parar de funcionar completamente,só de pensar nisso já comecei a me preocupar se meu pai e Tomioka-sam morreriam desse jeito tão trágico e sem cura"

Lágrimas

"Droga!pensar estas coisas está me deixando muito emocional, é melhor parar e ir dormir,afinal tive um dia bem agitado hoje...só espero que ambos meus pais; Tomioka-sam e os demais estejam bem..."

Dorme

                                             ****

Após ambos já terem acordado de sua noite de sono Taiyo come algumas comidas que Tomioka havia preparado para ele comer e se apronta para partir já em sua viagem.

- Obrigado por cuidar tão bem de mim Tomioka-sam- ele fala botando a bolsa com o livro;comida;e outras coisinhas a mais em suas costas- o senhor tem certeza que ficará bem aqui sozinho?sabe,ainda estou preocupado se sua doença ataque-o novamente,e desta vez pior.

- Não se preocupe,eu ficarei bem,até porque eu conheço uma técnica de respiração que ajuda meu corpo a funcionar melhor.

- "Técnica de respiração"?o que é isso?- o garoto pergunta confuso.

- N-nada de mais- é melhor você ir andando,afinal á muita coisa pra você desvendar por aí não é mesmo?

- Sim,tem razão- ele fala já comecando a andar- se cuide!

- Você também!- o homem exclama vendo Taiyo já sumindo de sua visão- quem sabe eu vá visitar os outros quando poder hehe,o mundo está mesmo mudando, não é,pessoal?- e assim termina com o silêncio que a montanha hemanava.

                                        ****

- De acordo com a busula estou indo no caminho certo,isto quer dizer que precisarei passa por este vilarejo se quero chegar até o bosque onde a flor fica,uf! já estou com saudade de brincar com Kaburamaru como fazia quando era mais novo.

- Ei!!

Derrepente ele ouve alguém gritando e vai até o som.

- Não!me deixa ir.

- Eu me recuso a te deixar ir em bora!

- Me larga droga!

- Não por favor!não me deixa.

Por um momento Taiyo percebe quem de fato era.

- O que! Hana?!

- Primo?!



Notas Finais


O que será que está acontecendo para haver tamanha confusão,bem só saberemos se ler o próximo capítulo (・∀・)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...