1. Spirit Fanfics >
  2. Em Chamas >
  3. Quarentena.

História Em Chamas - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura meus anjos 😇📚

Capítulo 18 - Quarentena.


Fanfic / Fanfiction Em Chamas - Capítulo 18 - Quarentena.

Quando todo mundo acha que você é um monstro, não é preciso perder tempo fazendo monstruosidades.

- Six Of Crows, Leigh Bardugo.


         Pov's Scott McCall

Assim que o centro de controle de prevenção de doenças chega eles fecham o local e montam uma espécie de hospital improvisado. Eu vou atrás da mãe da Lydia para saber o que vamos fazer, entro numa espécie de cápsula onde a Sydney está com a Sra. Martin.

Natalie- O que está fazendo aqui Scott?

Scott- Vim perguntar se precisam de ajuda e o que vamos fazer.

Natalie- Eles cuidaram disso, Vamos isolar os contaminados e aguardar instruções. Se for um erro meu, logo eles saem daqui e eu vou ser a professora louca de biologia que entrou em pânico por nada. - ela cobri a Sydney e sai. Vejo a Sydney olhando as próprias mãos preocupada.

Scott- Ei. - ela me olha.  - Você vai ficar bem.

Sydney- Não é isso, é que essa prova é pra bolsa de estudos do programa do governo, meus pais não podem pagar uma universidade sem essa bolsa.

Scott- Aposto que vai poder fazer de novo. - ela sorri e eu saio.

                 Pov's Stiles Stilinski 

Stiles- Estão dizendo que é varíola. - eu falo pra Kira e a Malia.

Simon- Eu acho que não. - nós olhamos pra ele. - A varíola foi erradicada em todo o mundo em setenta e nove. Somente dois vírus foram erradicados na história, o outro foi a peste bovina. Matava vacas.

Stiles- Então acho que é um bom sinal né? - que cara mais estranho.

Simon- Ou pode ser pior. - que ótimo.

Malia- Seja o que for estão levando bem a sério. Tá cheio de carro e caminhão lá fora, seu pai tá lá. - ela fala usando sua super audição.

Stiles- Melhor eu ligar pra ele. - eu vou até os envelopes com os celulares e começo a procurar o meu.

Simon- É inútil. - eu olho pra ele. - Já devem ter cortado toda forma de comunicação com o mundo lá fora. Sem sinal de celular, sem Wi-Fi, não se gera pânico. Pelo visto todos vão ter que ficar aqui e ver o que acontece. - ele fala calmo, esse cara é muito estranho.

                   Pov's Lilian McCall

Nós entramos no carro e o Derek começa a dirigir, mas não é para escola.

Lilian- Para onde estamos indo? - eu pergunto confusa.

Derek- Pra Clínica, vamos ver se o Deaton conseguiu descobrir alguma coisa sobre o vírus.

Lilian- Ou a cura. - ele concorda, quando chegamos na clínica vemos uma mulher asiática com um cara meio transformado.

Deaton- Como começa? - ele pergunta para mulher.

Senhora asiática- Com febre, depois a transformação fica incontrolável, presas, garras, até chegar na transformação involuntária. Nós nos mudamos para floresta quando começou, depois foi ficando cada vez mais rápido, eles não suportavam. Mas a pior foi a cegueira repentina. - o Deaton olha para ela confuso.

Deaton- Total? - ele checa os olhos do homem.

Senhora asiática- Eles não enxergavam nada, depois eles.... - ela faz uma pequena pausa. - Viveram só mais alguns minutos. - eles continuam conversando sem nos notar.

Deaton- Eu vou ser sincero Satome, temos que levá- lo para um hospital. - eu olho para o Derek.

Satome- Isso nunca foi uma opção pra nossa espécie, a menos que saiba alguma coisa que eu não sei.

Deaton- Não alguma coisa, mas alguém. - eu entro na sala com o Derek logo atrás de mim.

Lilian- Vocês não vão precisar da minha mãe dessa vez. - a Satome nos olha confusa enquanto o Deaton nos olha surpreso.

Deaton- O que Vocês estão fazendo aqui?

Derek- O Vírus que matou a sua matilha foi solto na escola e o Scott, a Malia, o Stiles e a Kira estão lá dentro.

Lilian- Precisamos de um antídoto.

Satome- E Como isso vai ajudá-lo? Ele já vai ter morrido até lá. - eu sorriu para mesma.

Lilian- Pelo que você falou o vírus pode ser detectado no sangue se foi contaminado por ingestão. - eu me viro para o Deaton. - A pessoa que fez isso está com os meus amigos, o meu irmão e já matou uma matilha inteira, nós precisamos deté-lo.

Deaton- Como?

Lilian- Tire o sangue dele e colete um pouco dessa forma preta que está saindo dele. - ele faz o que eu falo.

Satome- Como vão ajudá- lo? - eu não falo nada e vou em direção ao homem, mas ela se põe na minha frente.

Derek- Ela sabe o que está fazendo. - ele fala tomando a minha frente e eu sorriu, assim que o Deaton termina de fazer o que eu pedi eu seguro as mãos do homem e me concentro, sinto minhas mãos esquentarem e depois de um tempo eu abro os olhos vendo ele voltando ao normal e ele abrindo os olhos, eu me acalmo e solto suas mãos. Eu cambaleio um pouco para trás me sentindo tonta e o Derek me segura. - Você está bem? - ele pergunta preocupado.

Lilian- Eu estou bem. - a Satome me olha confusa.

Satome- Como você fez isso? O que é você? - eu sorriu.

Lilian- Todos queríamos saber. - ela nos olha ainda mais confusa.

Homem- Obrigado. - eu sorriu para ele.

Satome- O que vocês vão fazer agora?

Lilian- Achar a cura.

                   Pov's Scott McCall 

Eu começo a me sentir tonto e entro no vestiário, minha audição começa a ficar mais aguçada e eu já não tenho controle sobre ela. Ouço batidas na porta.

Natalie- Scott? Já tem tempo que você está aí, tá tudo bem? - eu não respondo e ela bate na porta novamente. - Você tem que sair e ficar com o pessoal. Eu me seguro na pia sentindo a transformação, eu tento controlar, mas eu não consigo, quando me olho no espelho perco o controle e vejo as minhas presas.


                Pov's Lydia Martin 

Depois de pegar as coisas da Meredith na mão do Parrish eu vim para casa do lago, para o quarto onde eu consegui a primeira senha, eu me sento de frente para o toca discos e abro a caixa tirando o perfume, o buquê de flores mortas e o ursinho de pelúcia com uma foto. Eu ligo o toca discos.

Lydia- Olha Meredith, eu não sei como fazer isso. Eu não sou clarividente e pelo visto eu também não sou lá uma grande Banshee, mas eu quero ajudar os meus amigos. Eu não sei se pode me ouvir, nem o que eu devo perguntar pra você. - eu respiro. - Mas se eu tenho essa coisa, ela tem que funcionar de vês em quando tem que ajudar alguém. - eu olho para o toca discos, por mais inconsciente que seja, esperando uma resposta. - Eu quero que saiba que o que eu tô tentando dizer é.....- Eu paro tentando segurar as lágrimas. - Me perdoa, eu queria ter ajudado. - uma lágrima solitária cai dos meus olhos. - Me perdoa. - eu desligo o toca discos e começo a guardar as coisas de volta na caixa, até que vejo a foto, a foto que alguém tirou para ela nessa sala. Eu me levanto e procuro pelo lugar exato da foto.

                 Pov's Lilian McCall

Eu e o Deaton começamos a analisar as amostras.

Lilian- Você encontrou alguma coisa nos outros corpos? - ele nega com a cabeça.

Deaton- Eu procurei por indícios do vírus, mas era como se tivesse sumido, no começo eu pensei que eles tinham sido envenenados, mas também não tinha indício de envenenamento.

Lilian- Então o vírus não é detectável depois que ele mata. - ele concorda, nós examinamos o sangue mais não achamos nada, nem na gosma preta. Eu paro para pensar- Se ele não é detectável no sangue talvez ele não seja infectado quando ingerido, mas pelo toque? - o Deaton começa a pensar.

Deaton- Podendo assim invadir as células corporais e infectar o cérebro.... - eu o interrompo.

Lilian- Tendo assim controle total sobre as ações do indivíduo. - nós nos preparamos e começamos a abrir um dos corpos, o Deaton examina o seu cérebro e olha para nós.

Deaton- Acho que eu sei o que é isso, infelizmente se eu estiver certo e o Scott e os outros forem infectados não vai ser nada bom. Eles vão morrer sem o antídoto.


                  Pov's Malia Tate 

Nós entramos na fila para tirar sangue e eu não consigo tirar que o Scott e o Stiles estão me escondendo alguma coisa.

Malia- Kira. - ela se vira. - Tem a impressão de que as vezes o Scott e o Stiles não te contam tudo? - ela me olha parecendo nervosa.

Kira- Como assim?

Malia- Que escondem coisas. - eu sorriu.

Kira- Eu acho que se escondem deve ser por um bom motivo né? - ela fala nervosa.

Malia- Sabe o que tem na mala de baixo da cama do Scott?

Kira- O que? Não, não, eu nunca estive de baixo da cama do Scott, só em cima e eu tava de roupa. - ela fala nervosa, informação demais.

Médica- Kira Yukimura. - ela se vira para médica. - Se sente bem? - ela faz que sim. A Kira olha pra agulha. - Também não gosto de agulha, prometo ser rápida. - a médica tenta furar ela com a agulha, mas leva um choque e é rapidamente levada pelos outros.


Malia- Kira? - ela não responde. - Vem Kira. - eu puxo ela.

                 Pov's Scott McCall 

Eu olho pro pai da Kira sentindo os meus olhos ficarem vermelhos.

Sr. Yukimura- Ainda fazendo efeito. - eu olho pra Malia que tem as garras a mostra.

Malia- Não consigo desfazer isso.

Sr. Yukimura- O Vírus afeta vocês dois de um jeito que não afeta os seres humanos.

Stiles- Vocês tem que se esconder, vão ficar de quarentena da quarentena.

Kira- Tá, mas onde? E se ficarem violentos igual na lua cheia?

Scott- Nós vamos sair daqui, no vestiário não.

Malia- Uma sala de aula não segura a gente.

Kira- E o porão?

Scott- Tem muitas saídas, precisamos de um lugar seguro onde ninguém possa nos achar.

Stiles- O cofre. - eu olho pra ele. - O cofre dos Hale.

Scott- Os Hale sempre tem uma rota de fuga, como a casa deles. Tem que ter outra entrada. - o pai da Kira nos leva até a sala dele, pega a planta da escola e nos mostra.

Stiles- Tá, a placa com o nome da escola fica aqui, o cofre tem que tá por aqui.

Sr. Yukimura- Se tiver uma segunda entrada provavelmente o acesso deve ser pelo porão.

Stiles- Deve ser nesse corredor, o corredor oeste. - ele cai e o pai da Kira o pega. Ele puxa a manga do Stiles.

Sr. Yukimura- Está afetando você também, está ficando doente. Todos estão. - ele olha pra Kira.

Kira- Eu não tô mau.

Sr. Yukimura-  Acho que está te afetando de outro jeito, neurologicamente. Eu tive a oportunidade de ver as respostas da sua prova. - ele tira a prova do bolso, ela marcou todos fora do lugar. Nós decemos pro porão e começamos a procurar pela entrada.

Stiles- Aí gente, chega aqui. - a gente vai até ele e eu ajudo ele a arrastar a estante. - Olha as marcas na parede, deve ser o lado de fora da entrada, só se abre com garras, de qualquer um né? - ele me olha sabendo que só um Hale pode abrir e depois olha pra Malia.

Scott- Ah. - eu me viro pra Malia. - Malia, quer tentar?

Malia- Porque eu?

Scott- Eu tô sem controle. - eu mostro as minhas mãos.

Malia- Legal, eu tento, mas me fala o que estão escondendo de mim.

Stiles- O que? - ele me olha e depois volta a olhar pra ela.

Malia- Eu sei que querem me proteger, mas eu aguento. - o Stiles me olha mais uma vez. - Eu sei que eu tô na lista. - eu suspiro aliviado.

Stiles- Pois é.

Malia- Então quanto?

Stiles- Quanto o que?

Malia- Qual o meu valor?

Scott- Quatro milhões.

Stiles- Você está bem?

Malia- Tô, o Scott vale vinte e cinco, a Lilian vinte e sete, a Kira seis, vão matar vocês primeiro.

Stiles- Foi um progresso, foi um progresso. - ela abre a porta pro cofre e nós entramos.

Notas Finais


Obrigada por ler e me desculpe por qualquer erro de ortográfia.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...