História Em direção ao sol - Capítulo 6


Escrita por: e Shiro_Dono

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Jiraiya, Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shion, Tsunade Senju
Tags Comedia, Hinata, Naruhina, Naruto, Romance, Sasusaku
Visualizações 8
Palavras 1.385
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente!Turu pão?

Para a felicidade de alguns,aqui estamos vivas,e com a sanidade mental boa,eu acho...

Capítulo 6 - Quinto Verso.


O Sol, que pelas ruas da cidade 

Revela as marcas ao viver humano

Sobre teu belo rosto soberano

Espalha apenas pura claridade.







Os fios castanhos balançavam com o vento numa dança muda, os olhos perolados reluzentes com brilho da qual tremeluziam sob a luz do sol. 

Na sacada a jovem princesa observava a aurora vermelha e logo depois o belo o nascer do sol, a brisa fresca da manhã entrava em contato com sua pele branca a refrescando, seus cabelos se soltaram em fios desgrenhados e bagunçados.

A camisola amarela em tons pastéis, não era muito quente e balançava com o sopro natural. O sol assumiu uma posição exata no céu, a menina contou até cinco e o sino que anunciava mais um dia de trabalho ressoou, mais um dia começaria.

Saiu da sacada entrando em seu enorme quarto, as paredes de cores claras destacam a seu guarda roupa que tinha uma cor escurecida, seu quarto era composto basicamente de amarelo clarinho. A empregada já havia preparado seu banho matinal, desanimada e tediosa, tirou a camisola e foi andando a passos devagares e curtos até a banheira. O contato com a água quente fez seu corpo relaxar quase que de imediato, sentiu seu couro cabeludo ser massageado delicadamente em movimentos circulares fazendo mais espuma na banheira. Fechou os olhos aproveitando aquele carinho que recebia. 

Ao terminar o banho secou-se, e vestiu seu vestido predileto, o vestido era de um amarelo radiante da qual ia clareando conforme se aproximava da borda do vestido, pequenas pérolas contornavam seu pescoço, detalhes em branco em seu vestido, na barra pequenas flores. Outra mulher que aparentava ser mais velha sentou-se na cama e pôs-se a escovar os cabelos úmidos da princesa, depois disso, em sua cabeça fora colocado uma tiara pequena que se baseava principalmente em prata e pérolas. Odiava ter de usar o espartilho pois deixava sua cintura fina demais além de incomodá-la, seus sapatos eram de amarelo queimado, brilhosos como o sol.

Ao sair do quarto, seguiu pelos corredores limpos da qual refletiam sua imagem no chão, andava atentamente, mantendo sempre a postura e o rosto sério. Chegou na sala refeições, um servo arrastou uma cadeira para a mesma se sentar, a mesa do desjejum estava farta, e como sempre seus pais não estavam ali, deviam estar ocupados com algo sobre o reino.

Comeu um pedaço de torta com creme enquanto bebia um chá de ervas doces, depois comeu uma fruta e um pão feito pelo melhor padeiro com geleia de amora.

Ao terminar de comer, seguiu para a sala do trono, lembrou que seu pai o rei Hiashi VI queria conversar com ela, se animou pois dificilmente seu pai a informava de algo ou a chamava pra alguma coisa que não seja ir a aldeia falar alguma coisa, passava a mão pela a extensão de seu vestido para eliminar qualquer amassado que estivesse ali. Sempre pontual, sabia que seu pai odiava atrasos ainda mais vindo dela.

Levou uma mecha de cabelo para atrás da orelha, respirou fundo umas cinco vezes buscando saudações agradáveis para falar caso o rei estivesse de mal humor - ou seja sempre- olhou para frente e os guardas abriram a porta, um frio tomou conta de seu ventre enquanto caminhava para o centro da sala.

O rei estava de pé, sua túnica esvoaçante balançava em brilhos dourados reluzindo, era elegante e dava poder aos olhos de qualquer um, menos aos dela mesma, algo digno ao rei, suas vestimentas baseavam em cores dourado preto e lilás, as cores do reino. Ele segurava uma taça  de vinho espumante, e em sua outra mão uma carta aberta. 


-Requisitou minha presença? -Perguntou dócil com voz baixa em respeito.


-Hanabi, que bom que está aqui, trago ótimas notícias!-O rei sorriu de canto, seu sorrisinho frio e falso da qual sempre odiou.


-E que notícia seria essa para alegrar vossa majestade e deixá-lo de bom humor?- Hanabi sabia como fazer as perguntas de modo que não o ofendesse porém o deixava irritado.


O rei andou lento e firme, seus olhos pérolas frias a cortava ao meio, se sentou no trono ainda a olhando de com deboche e puro desgosto, Hanabi andou até ele ereta com os olhos tão cruéis e frios quanto os do pai, que estendia a carta em direção a ela, puxou a Carta e o papel deslizou, a carta tinha uma cor amarelada era selada por um símbolo de uma raposa em tinta alaranjada num misto ao vermelho, seus olhos continuaram inexpressivo mesmo sua mente estando atordoada, seu pé começou com seu tio nervoso, a cada palavra lida, a cada vírgula, a cada ponto, a cada letra sua raiva se estendia e a dominava.

"A fim de manter sua união e paz sobre nossos povos, o reino Uzumaki-Namikase sugere que seu primogênito (Uzumaki Naruto) se case com a herdeira (Hanabi Hyuuga).

Caso aquiescer com o pedido, é viável que em Quatro meses ocorra a cerimônia.

Atenciosamente:

Reino Uzumaki-Namikase."


....


Caminhou até seu quarto, entrou se jogando  na cama, desarrumou os lençóis de seda e amassou seu vestido, jogou várias  de suas almofadas fofinhas no chão, sua grande cama se encontrava uma total bagunça, pois o pequeno tornado passou por ali.

Não choraria, não, não o faria mesmo por isso, seu pai era o próprio demônio, abraçou firmemente a almofada contra o peito, estava irada com um sentimento muito pesado, precisava se alguém para conversar, mas quem? 

Ouviu uma leve batida na porta, uma garota que nunca tinha visto antes adentrou no quarto.


-Vossa alteza?


-Saia daqui!- Praticamente roubou, não queria que ninguém visse seu estado deprimente.


A jovem recuou dois passos, mas logo  se recompôs, cruzou o quarto com uma grande bandeja dourada em mãos, deixando na mesa que tinha na varanda.


-Perdoe-me, a rainha me pediu para trazer seu chá, caso seja necessário chamarei alguma das empregadas para arrumar-te. 


- Não é necessário, às chamarei quando tiver vontade.


-Como queira- a menina fez uma reverência em respeito, seu vestido preto e lilás combinava com suas cores.


Hanabi a observou, a menina tinha cabelos azulados tão escuros, pele clara, quando ela ergueu a cabeça pôde ver o sorriso gentil e caloroso, não lembrava da última vez que recebeu um sorriso singelo e que não era falso, se surpreendeu ao ver que os olhos, eram perolados como os seus e os do pai, porém eram diferentes, tinham brilho não eram frios tão pouco cruéis. A lembravam a primavera.


Sentiu uma presença boa com e serenidade com aquela mulher, se levantou e caminhou para a varanda, a criada a seguiu e serviu um pouco de chá em uma xícara branca com flores lilás de botões dourados, tomou junto  com um pedaço generoso de torta de maçã.


-Arrume minha cama.-Bebericou seu chá.


Observou a garota ajustar sua cama delicadamente, ela tinha um ar gracioso da qual nem ao menos se esforçava, era diferente dela que mesmo com todos aqueles vestidos e jóias nunca conseguia ser feminina e graciosa o suficiente, a criada parecia muito gentil, levou um pedaço de torta a boca, deu um suspiro de satisfação com o sabor.


-Kurenai sabe o jeito que eu gosto, depois diga a ela que essa torta estava uma maravilha! -Exclamou bebendo um pouco de chá. 


-Kurenai sempre levou jeito com a cozinha, uma cozinheira de conchas cheias.


Hanabi a encarou, era proibido que criadas respondesse algo que não fosse sinônimo de "sim".


- Você é nova aqui, não é?


- Sou sim, meu nome é Hinata.


-Escute Hinata, caso foste chamada para atender qualquer um além de mim, não diga nada apenas concorde, entendido? Não acho que minha mãe ou o rei vão gostar de te ouvir, e quer saber o que acontece? Eles cortam sua língua fora!


A jovem recolheu a xícara e o bule, junto do prato sujo, colocou na bandeja e seguiu em direção a porta.


-Obrigada por me avisar Hanabi-Sama, não gosto nem um pouco da ideia de não ter língua!


Hanabi riu, a menina saiu do quarto após uma reverência. 

  

A brisa fresca mais uma vez invadiu seu quarto, certamente chamaria Hinata mais vezes, gostou dela ainda mais agora, talvez depois de um tempo a faria sua dama de companhia.




Nasceste para o Sol; és mocidade 

Em plena floração, fruto sem dano

Rosa que enfloresceu, ano por ano

Para uma esplêndida maioridade [...]


Notas Finais


Oieeee, sdds de mim?
*ninguém*
;-;
Ent Gent esse é o cap 5/6 não tem praticamente nada de mais não é? Kk *risada extremamente suspeita*
Obg por aguardaram e digo que tem mais. Até a próxima amiguinhos
Não fumem ok?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...