1. Spirit Fanfics >
  2. Em Nome Da Lei >
  3. Capítulo 45 - Epílogo

História Em Nome Da Lei - Capítulo 45


Escrita por: wisleyvondys

Notas do Autor


chegamos a mais um final de uma linda e maravilhosa fic eu sei que muitos de vcs já leram essa fic por que ela já esta postada aqui no Spirit por que a autora original dela é a ELITERBD ela é uma ótima e excelente autora e eu amei tanto essa fic que pedi autorização e se podia postar ela aqui na minha conta e ela me autorizo e me enviou os capítulos mais esta ai para que todos leiam e mais uma vez eu digo que a fic não é minha ela e de autoria da autora ELITERBD e os créditos vão para ela obrigado por terem me acompanhado até o fim.

Capítulo 45 - Capítulo 45 - Epílogo


[···]

Passaram-se dois meses. Dulce tinha marcado mais uma ultrassonografia. O médico disse que
a posição que o bebê estava, não dava para ver o sexo. Então, seria uma surpresa. Somente na
hora do parto iam saber se era um menino ou uma menina. Optaram não fazer sexagem por
feto.

Christopher e Dulce ficaram desapontados, mas ao mesmo tempo se sentiram mais ansiosos e
mais encantados com a situação. Todos deram suas opiniões sobre o bebê: Christopher,
Blanca, Maitê e Alfonso achavam que seria uma menina. Dulce, Christian, Anahí, Ramirez,
Parker e Victor achavam que seria um menino.

U -- Vai ser uma menininha linda. (Dulce entregou o ultrassom para Christopher ver. Eles
estavam no apartamento dela sentados no sofá)

D -- Sinto que é um menino.

U -- Seja menino ou menina, será uma criança muito amada. (Disse acariciando a barriga dela,
já estava bem visível)

D -- Sem dúvidas!

U -- Mas está sendo divertido darmos o nosso palpite. Logo cedo já está nos enlouquecendo.

D -- Maitê e Christian apostaram que quem errar vai lavar a louça sozinho durante um mês.
Eles detestam lavar louça.

U -- Ha! Isso aí é moleza!

D -- O que seria uma coisa difícil ?

U -- Bom, pra nós dois apostarmos, o que seria interessante é trocar as fraldas do nosso filho.
(Eles riram) -- É claro que vamos dividir as funções, mas durante um mês, se você perder, você
troca as fraldas dele quando for a minha vez.

D -- E se eu ganhar, é você quem troca na minha vez.

U -- E aí ? Topa ?

D -- Fechado, papai!

U -- Agora, vamos selar esse acordo com um beijo e com um sexo bem gostoso! (Disse
beijando o pescoço de Dulce) -- Hoje eu estou louco pra te foder.

Ele pegou no quadril dela e fez ela se sentar no colo dele.

D -- E qual é o dia que você não está ? (Eles riram)

U -- Acho que logo que esse aqui nascer, você fica grávida de novo. (Disse roçando o nariz no
rosto dela)

D -- Ah, não mesmo! Eu quero esperar um bom tempo para ter outro. Não inventa,
Christopher!

U -- Eu te disse que quero três filhos.

D -- Você é maluco! Três é demais! (Eles riram)

U -- Não é não! (Beijou-a e deu uma leve mordida no lábio inferior dela) -- E se fossem gêmeos
? Você engravadaria de novo ?

D -- A gravidez não conta e sim os bebês.

U -- E nosso casamento ? Já tá tudo pronto ?

D -- Não quero casar com um barrigão porque não vou caber no vestido. Tinha que ser o mais
rápido possível. Ainda bem que minha mãe, May e Annie me ajudaram nos preparativos.

U -- Seria a coisa mais linda você de noiva com a barriga enorme.

D -- Fala isso porque não é você que vai se sentir apertado no vestido.

U -- Mas vou me sentir no terno.

D -- Você fica muito gostoso de terno.

U -- E você fica ainda mais gostosa nua!!

D -- Safado!!

U-- Nosso filho estará presente para garantir que eu faça a mãe dele feliz.

D -- Sim.

U -- Papai promete que vai fazer vocês dois felizes. (Acariciou a barriga de Dulce) -- Meus dois
amores. Os amores da minha vida.

D -- Nós te amamos! (Deram um beijo apaixonado)
····················

Depois que eles transaram no sofá, foram para a cama, transaram novamente e ficaram
deitados abraçados conversando. Dulce encostou a cabeça no ombro de Christopher.

D -- E aí, vai querer fazer uma festa de despedida de solteiro ?

U -- Acho que eu já tive a minha despedida antecipada. Ela durou alguns anos. Isso aí é
besteira, meu amor. Nós podemos pular essa parte ?

D -- Por que não, amor ? Você pode fazer alguma coisa com o Alfonso e o Christian. Como eles
já são casados, eu sei que eles vão se comportar.

U -- E você acha que eu vou me comportar também ?

D -- Você ? Eu tenho certeza! (Disse acariciando o rosto dele)

U -- O que você sugere ? Uma casa noturna com umas mulheres fazendo pole dance ?

D -- Você pode até ir. Só que te garanto que não será apenas uma despedida de solteiro, mas
também uma despedida de Christopher Von Uckermann da face da terra. (Ela deu uma
apertada no ombro dele segurando uma risada)

Christopher riu freneticamente.

U -- Sabia que eu adoro ver você assim com ciúmes de mim ?

D -- Ah é ?

U -- É! Você fica tão linda fazendo essa carinha de brava! Me excita!

D -- Safado!

U -- É verdade! Você sempre fez uma cara de brava no trabalho e era isso que me deixava de
pau duro. Eu pensava assim: Queria essa braveza toda na minha cama!

D -- Nossa. Eu não podia imaginar que minhas expressões sérias te excitavam.

U -- Você não faz ideia!! Mas fica tranquila, meu amor! Você sabe que eu nunca frequentei
esses lugares. Nem quando eu era um cafajeste. Eram só barzinhos mesmo.

D -- Você era um mulherengo exigente. (Eles riram)

U -- Era.

D -- Mas falando sério, vai ser bom vocês saírem para se divertirem. Só os homens.

U -- Humm... Que tal então... um jogo de boliche no fim de semana ?

D -- Legal! Eu apoio!

U -- Posso chamar meu pai, o seu pai e o seu meio irmão também.

D -- Que ótima ideia! Quanto mais amigos, melhor.

U -- E vocês, mulheres, vão fazer o que ?

D -- Nós podemos... ir ao shopping fazer umas comprinhas, fofocar e assistir um filme no
cinema.

U -- Bem capaz da Anahí pensar em uma festa com uns caras fazendo striptease e tudo.

D -- Eu não duvido! Do jeito que ela é maluca. O único homem que eu quero ver tirando a
roupa, é você! (Disse deslizando o seu dedo indicador de cima para baixo no tórax de
Christopher)

U -- E você é a única mulher que eu quero ver rebolando em um pau. Mas bem aqui no meu.
(Disse mordendo o lábio inferior)

D -- E eu adoro rebolar no seu pau! É uma delícia!

U -- Vem aqui e mostra pra mim o quanto você gosta de fazer isso.

Dulce ficou por cima de Christopher e roçou suas intimidades uma na outra por cima do lençol.

D -- Uau! Já tá bem duro pra mim!

U -- Tô pronto pra entrar em você de novo.

Ela tirou o lençol que cobria a cintura dele e apoiou o membro de Christopher em cima da
barriga dele. Dulce levantou o quadril e começou a roçar sua intimidade em toda a extensão
do membro dele. Seus lábios vaginais se separaban enquanto ela subia e descia seu corpo
deslizando-se nele. Passou a roçar seu clitóris na glande dele.

U -- Ohhh.. Quero ver você gozando assim antes de eu te foder.

D -- E eu quero que você me foda de quatro e estapeie minha bunda.

U -- Porra, Dulce. Desse jeito eu vou gozar em mim mesmo!

Ela foi continuando e roçava seu ponto sensível na glande do membro de Christopher. Até que
gozou.

D -- Aaahh... Christopher.. Isso é muito bom!! (Ela levou uma mão nos testículos dele e
começou a acariciar)

U -- Já gozou, né ?

D -- Sim.

U -- Agora vira a sua bunda deliciosa pra mim. Vou te foder com força, Dulce María. Se
prepara!

Ela fez o que ele pediu. Christopher sem demora a penetrou. Agarrou o quadril dela e foi
chocando o corpo dela com força contra o seu corpo.

U -- É uma linda visão a sua bunda batendo em mim, tremendo e ver meu pau entrando e
saindo de você todo lambuzado.

Em dado momento, Christopher a estapeou nas nádegas.

D -- Ohhh.. eu tô quase... Vai mais rápido e continua assim. (Disse manhosa) -- Ohh... não
pare..

U -- Diz quem é que tá te comendo gostoso. (Deu outro tapa em sua nádega)

D -- Uckermann.

U -- Ohh.. eu tô quase indo também amor. Goze para mim. (Ele se inclina e pede ao ouvido
dela em um tom de voz rouco e cheio de luxúria)

Depois de seu pedido, Dulce se desmanchou em um orgasmo intenso. Christopher gozou
segundos depois dela após mais três estocadas. Os dois se deitaram na cama exaustos e
ofegantes para se recuperarem de seus orgasmos.

U -- Que delícia sua boceta gozando no meu pau.

D -- E sentir você gozando dentro de mim é perfeito!

U -- Te amo!

D -- Também te amo!

U -- Quantas vezes você gozou hoje ?

D -- Umas... Cinco.

U -- Uau! Pelo visto, tô fazendo o serviço direito. Que bom que estou agradando a minha
futura esposa.

D -- Não tem como não gozar mais de uma vez com você, amor.

U -- Digo o mesmo! Eu sempre quero mais e mais.

D -- Fico feliz que você sinta todo esse apetite sexual por mim.

U -- Sabe o que mais me dá tesão ? Não é apenas seu corpo gostoso. O amor que sinto por
você me excita de uma maneira única. Nunca senti um tesão assim. E nunca tive orgasmos tão
bons quanto os que tenho com você. Eu quero isso pra sempre!

D -- Eu também te quero pra sempre. Meu coração sempre será seu. Meu Capitão Christopher
Uckermann!

U -- Minha linda detetive e futura senhora Uckermann!

Os dois se beijaram apaixonados.

[···]

Três semanas depois.....

O dia do casamento de Dulce e Christopher chegou. Decidiram se casar ao ar livre. Ela estava
terminando de se arrumar na casa de Blanca. Christopher estava no apartamento de Dulce
porque ele já tinha vendido o seu.

Maitê -- Ai amiga, estou tão feliz por você. Por vocês! Depois de tudo o que passaram, vocês
merecem ser muito, muito felizes.

D -- Obrigada, May!

M -- Eu realmente não podia imaginar que o homem da sua vida seria o cara que foi meu
vizinho por mais de dois anos.

D -- Muito menos eu.

M -- Me lembro como se fosse ontem do dia em que ele se mudou pra lá. Realmente o destino
queria que vocês se conhecessem. Se não fosse no trabalho, seria no prédio.

D -- Desde a primeira vez que eu o vi, ele me chamou atenção. Eu o achei muito bonito. Mas
depois, não dei tanta importância. Então, teve um dia que eu vi ele entrar no apartamento de
frente para o seu.

M -- Eu lembro que você me perguntou o nome dele porque achou que pudesse estar se
confundindo.

D -- É! Confesso que achei aquilo muita coincidência. De tantas pessoas que poderiam morar
ali, era justo o meu colega de trabalho.

M -- E aí, você começou a me contar que ele te olhava de um jeito estranho.

D -- Eu não conseguia decifrar o porquê, mas percebia que toda vez que eu chegava ele me
respondia uma boa tarde com um tom áspero. Eu sempre cumprimentava todos os policiais
que passavam por mim. Com ele não seria diferente.

M -- Você achava que era porque ele devia ter namorada e não queria ser indiscreto. Aí eu te
disse que tinha visto ele no elevador beijando uma mulher.

D -- Foi aí que tive certeza das minhas suspeitas. Mas depois, você me contou que o viu com
uma mulher diferente da do outro dia.

M -- E os dias se passaram, e estava acompanhado de uma garota totalmente diferente da
outra. Então, eu percebi que ele era um galinha.

D -- E eu percebi que ele era um metido e que gostava de se aparecer. Ele vivia de conversa
com o amiguinho dele contando como tinha conseguido prender tal bandido. O Spencer já era
detetive e o Christopher ficava na mesa dele conversando. Qualquer um podia escutar as
conversas deles. E eu notei que ele fazia isso de propósito. Para se engrandecer diante dos
outros policiais.

M -- E você dizia que ele era um babaca fazendo essas coisas.

D -- Ele era mesmo. Eu queria esgana-lo toda vez que se metia nos meus casos e no meu
trabalho. Ele tinha que se mostrar e se provar o tempo todo. Não só pra mim, mas para todos.

M -- Que intrometido! (Ela riu)

D -- A gente se estranhava cada vez mais. Às vezes quando não tinha muito serviço e estava
quase tudo na mais perfeita ordem na delegacia, eu conversava com alguns policiais. E dava
pra gente bater um papinho...

M -- E também mandar ver nas rosquinhas, né ? (Ela riu)

D -- Isso é um típico estereótipo contra os policiais. (Ela riu) -- Me lembro que uma vez o
Spencer veio fazer fofoca pra mim. Me perguntou se eu conhecia o Christopher de outro lugar.
Eu disse que não. Daí ele me falou que o Christopher vivia me criticando e falando mal de mim.
Eu fiquei muito nervosa e fui tirar satisfações com ele.

M -- Ha! Olha aí! Desde o começo esse maníaco desequilibrado era leva e trás. O que você
disse pro Christopher ?

D -- Que se ele tivesse alguma coisa pra me dizer, era pra dizer na minha cara. Ele ficou
estressado e começou a bater boca comigo. Todos ficaram olhando.

M -- O que ele te disse ?

D -- Me chamou de louca, disse que eu estava querendo chamar atenção e que estava fazendo
um escândalo. Mas eu não gritei nem nada. Eu só fui até a mesa que ele estava sentado e bati
a mão em cima dela com força.

M -- Aí começou a treta!

D -- Eu nunca fui de levar desaforo para casa. Eu queria saber o que ele tinha contra mim. Eu
nunca tinha feito nada para que não gostasse de mim. A gente nem se conhecia e muito
menos trabalhávamos juntos. Foram raras as vezes que ficamos no mesmo turno. Acho que
meu pai percebeu e quis evitar problemas na delegacia entre nós.

M -- Era simplesmente, amor o problema que ele tinha com você!

D -- Teve uma época em que nós nem olhávamos na cara do outro. A gente se ignorava
completamente. Mas quando começamos a trabalhar juntos como detetives, ele ficava cada
vez mais implicante. Não sei como, mas eu acabava me estressando com ele também.

M -- E hoje, estão cada vez mais apaixonados, prestes a se casarem e esperando esse
bebezinho aí nascer.

D -- É! E estou com uma felicidade que nem cabe dentro de mim, May. Nunca imaginei que o
cara que mais me tratou mal, se tornaria o homem a demonstrar mais amor por mim em toda
a minha vida. E eu também o amo. Como nunca amei ninguém. (Ela limpou uma lágrima que
escorreu por seu rosto)

M -- Aahh! Isso é tão lindo!

D -- A cada dia que passa, Christopher compensa os dias que foi um ogro comigo. Mas eu
também não ficava para trás. Eu o alfinetava de vez em quando pra mostrar que eu não era
como as mulheres que ele era acostumado a lidar.

M -- Você não abaixava a cabeça.

D -- Não! Mas teve uma hora que cansou. Teve uma época que fingi que ele nem existia e acho
que foi aí que ele pegou ainda mais raiva de mim.

M -- A história de vocês realmente deu uma reviravolta. Uckermann está de quatro por você.

D -- Ele se permitiu amar e ser amado também. E eu lhe dei a chance de provar que ele queria
mudar e se tornar outra pessoa. E ele mudou por mim. Eu também mudei em muitas coisas
por ele. Tenho certeza que estou prestes a me casar com o amor da minha vida. Com o
homem que vai continuar mudando e também vai me mudar e juntos vamos aprender a
cultivar nosso amor para nunca deixar ele morrer.

[···]

A cerimônia foi bem simples. Convidaram os familiares, e os amigos próximos. Eles não
quiseram fazer uma festa. Ramirez acompanhou Dulce e a entregou para Christopher.

Após os votos cerimoniais......

Ramirez -- Não preciso nem dizer, né, Uckermann ? Pra cuidar bem da minha filha. Essa
responsabilidade agora está nas suas mãos!

U -- Prometo que farei ela se sentir a mulher mais feliz desse mundo. Todos os dias.

D -- Eu já sou a mulher mais feliz, meu amor! Fica tranquilo, pai. Eu não poderia estar com um
homem melhor.

R -- Olha só pra vocês! Quem diria ? Me lembro das briguinhas e das discussões dos dois na
delegacia. Pareciam dois adolescentes emburrados.

U -- E como nós brigavámos! Chega até ser vergonhoso lembrar disso agora. Mas eu é que
sempre provocava ela.

D -- E por causa disso, o meu pai dava a maior bronca em mim também.

R -- Eu tinha que ser imparcial. Mas no fundo, eu sentia muita vontade de te socar por chatear
minha filha.

U -- Eu imagino! E nem podia dizer que ela era sua filha.

R -- Vocês sempre foram os melhores policiais, mas também eram os que mais me davam
trabalho.

U -- Nem tudo é perfeito.

D -- Eu discordo. Esse dia está sendo perfeito!

U -- Há algumas exceções!

D -- Nossa família e nossos amigos reunidos aqui pra presenciar o quanto nos amamos. É um
momento muito especial e único.

U -- Está tudo maravilhoso. Perfeito! E mais perfeito ainda porque você é a minha esposa!

R -- E eu me sinto muito honrado por você ter me pedido para te acompanhar, Dulce. De
verdade! Significa muito para mim. Esse lugar seria do seu outro pai, naturalmente. Já que foi
ele quem te criou.

D -- Se ele estivesse vivo, os dois iam me acompanhar. Um de cada lado.

U -- Ia ser divertido ver meus dois sogros me entregando a filha deles. Você ia acabar virando
uma policial de qualquer jeito, amor. Seus dois pais seguiram essa profissão.

D -- Quais as chances disso acontecer ?

U -- Acho que as mesmas de encontrarmos o amor da nossa vida. (Eles sorriram um para o
outro)

D -- Realmente, tudo o que houve no passado nos uniu. (Eles estrelaçaram suas mãos e
Christopher depositou um beijo na mão de Dulce)

R -- Já decidiram qual vai ser o nome do bebê ?

D -- Hum, ainda não! De menina, eu gosto de Alexandra e de menino, eu gosto de Nathan.

U -- Eu sugeri que se for menina, pode ser Marie. E se for menino, pode ser Alexander ou
Christopher Alexander Júnior. Não acha que são nomes mais bonitos que Nathan, senhor
Ramirez ?

R -- Eu só acho que pode ser um menino, não vou opinar no nome. Isso aí é com vocês.

U -- Vamos perguntar pra sua mãe, Dul. Você vai ver que ela vai dar preferência para o meu
nome: Alexander. É um nome mais forte e respeitável.

D -- Ai, eu mereço! Seu convencido!

[···]

Todos os convidados foram cumprimentar e conversar um pouco com os recém casados.
Blanca estava muito emocionada, não pôde conter as lágrimas por ver sua filha vestida de
noiva e ao lado de um marido que ela tinha certeza que lhe daria todo o amor e carinho do
mundo.

Victor sentia-se orgulhoso de seu filho, estava muito contente e animado por seu primeiro
neto já estar a caminho. Como eles não fizeram uma festa, todos combinaram de se encontrar
na pizzaria do Alfonso para comemorar.

Christopher, Alfonso e Christian tinham construído uma amizade muito bacana entre eles.
Christopher perdeu um amigo, mas ganhou dois. Ele também estava se dando muito bem com
o detetive Diaz. Às vezes, o Capitão Uckermann ajudava em algumas investigações
importantes.

Alfonso e Christopher conversavam.....

Alfonso -- Onde vão passar a lua de mel ?

U -- Aqui na cidade mesmo. Vamos para um hotel ainda hoje. Não podemos viajar agora por
causa do trabalho. Estamos com alguns casos importantes.

A -- É sério ?

U -- É! A vida de policial não é tão fácil quanto parece. Ainda mais agora que sou o Capitão,
tenho mais responsabilidades de quando eu era detetive. E muito mais trabalho também!

A -- Vocês dois gostam mesmo do que fazem, né ?

U -- Sim. Não me vejo fazendo outra coisa. E por mais que a Dulce tenha pensado em sair um
dia, eu sei que ela também gosta de ser uma policial.

A -- Eu também não tenho do que reclamar, sabia ? Eu adoro tocar essa pizzaria aqui. Já a
Anahí nem tem que se preocupar com trabalho porque tem muitos funcionários que
trabalham por ela. (Eles riram)

U -- Como você e a Anahí se conheceram ?

Christian -- E aí, meus amigos! O assunto de vocês acabou de chegar! (Disse sentando-se na
mesa ao lado de Christopher)

A -- Não estávamos falando de você, cunhadinho. Falamos sobre coisas mais importantes.
(Brincou)

C -- Como você é insensível! (Brincou)

U -- O Alfonso ia me contar como conheceu sua irmã.

C -- Aproveita e conta também que você a acalmou. A minha irmãzinha sofria de uma
síndrome chamada irresponsabilidade. Depois que ela começou a namorar o Alfonso, Annie
mudou completamente. Ela era muito chata, sério. Nada pra ela estava bom. E sem contar que
era uma egocêntrica metida. Aprendeu isso com minha falecida avó que gostava de
menosprezar as pessoas com status social inferior.

A -- Nos conhecemos no avião. Em um vôo para São Francisco. Eu fui visitar uns parentes e ela
estava indo a passeio. Ela ficou em um assento atrás do meu. Nós começamos a conversar,
trocamos telefones e... foi rolando naturalmente. A Anahí era quase igual a você, Christopher.
Vivia na farra e não tinha compromisso com ninguém. Estava sempre viajando sozinha ou com
umas amigas patricinhas. Ainda bem que ela nunca mais falou com aquelas malucas.

U -- E você e a Maitê ? Como começaram o romance ?

C -- Olha, é uma história muito mais emocionante que a do Alfonso com a minha irmã. Depois
que os dois começaram a namorar, eu comecei a frequentar essa pizzaria pra ficar de olho nos
dois. Mentira, é porque eu sempre amei a pizza desse lugar.

A -- Obrigado pelo elogio!

C -- Uma vez, eu vi uma linda moça brigando com um cara do lado de fora enquanto eu estava
indo embora. Eu imaginava que seria o namorado dela. A Maitê namorava um sujeito muito
ciumento. Ele queria saber até o nome dos cachorros que ela cuidava na clínica. Ele estava
machucando o braço dela, como eu não aguento ver uma dama sendo maltratada, me
intrometi. Nós dois brigamos. Foi a primeira e única vez que soquei a cara de alguém.

U -- Nossa! Quem diria ? Você não parece ser do tipo briguento.

C -- Só os policias conseguiram me tirar de cima dele. A briga foi feia. Ele precisava de uma boa
surra.

A -- Todo mundo tem uma história pra contar. Um brinde aos noivos! (Ele levanta sua taça de
champanhe) -- Agora nós três estamos muito bem casados. Eu com minha loira, Chris com sua
morena e Christopher com sua policial.

U -- E que policial! A mulher que virou minha cabeça do avesso e roubou meu coração. Saúde!

C -- Saúde! (Os três brindaram com suas taças)

[···]

Um pouco mais de três meses depois.....

Tudo estava na mais perfeita paz e tranquilidade. Dulce não estava mais indo trabalhar, faltava
muito pouco para o bebê nascer. Eles já estavam morando na casa nova. O quarto do bebê
ainda não estava completamente pronto por conta do mistério do sexo. As paredes ainda
estavam brancas. Christopher sugeriu mandar colocar um papel de parede assim que ele
nascesse.

Christopher tinha chegado da delegacia....

U -- Oi, meu amor!

D -- Oi, meu amor! (Ela estava sentada no sofá assistindo TV)

U -- Como está a nossa bola de basquete ? (Disse dando um selinho nela e beijando a sua
barriga enorme)

D -- Está muito agitada. Quer sentir ?

U -- Quero! (Dulce pegou a mão de Christopher e colocou um pouco mais para baixo) -- Uau!
Acho que ela não vê a hora de sair daí. Minha filha, não acha que já está na hora de libertar a
sua mãe ?

D -- Não vai demorar muito pra isso acontecer.

U -- Como se sente ? A barriga está muito pesada ?

D -- É um pouquinho pesada, sim. Mas dá para aguentar.

U -- Precisa de alguma coisa ?

D -- Não, meu amor. Eu estou bem.

U -- Parece que a sua barriga vai explodir a qualquer momento. Eu vou pegar um travesseiro
para colocar nas suas costas. Espera aí. (Ele foi até o quarto e voltou com um travesseiro. Ele
ajeitou para ela) -- Prontinho! Está melhor ?

D -- Está! Obrigada! (Christopher estava muito atencioso com Dulce, ele queria que ela se
sentisse muito bem) -- Não precisava se incomodar.

U -- Se quiser que eu faça qualquer coisa, é só me pedir. Estou aqui para te atender, meu
amor. Você e nosso bebê.

D -- Tá! (Ela sorriu para ele) -- Você é tão lindo e está sendo tão fofo e atencioso.

Christopher ficou encarando Dulce e começou a acariciar o rosto dela.

D -- O que foi ?

U -- Você está cada vez mais linda, sabia ?

D -- Enorme, você quer dizer.

U -- Está maravilhosa! Sério! Seu rosto está mais lindo que nunca. Eu te amo tanto!

D -- Eu também te amo!

U -- Seus seios sim estão bem enormes. Muito maiores. Não vejo a hora de chupar.

D -- Seu depravado! (Ela mordeu o lábio inferior)

U -- Será que depois do jantar eu posso ter a sua deliciosa boceta como sobremesa ? Quero
chupar você todinha!

D -- Você sabe que não precisa nem pedir.

Os dois continuavam sentindo o mesmo tesão pelo outro. O amor deles aumentava cada vez
mais.

[···]

No decorrer de uma semana, Dulce começou a sentir fortes contrações. Ela sentia que o bebê
estava a caminho. Não demorou muito para o grande dia chegar. Eles estavam dormindo, e de
madrugada, ela sentiu a bolsa estourar. Christopher a levou para o hospital rapidamente.

Maitê, Christian e Blanca foram os primeiros a visitar Dulce para conhecer o bebê. Ramirez
estava viajando com a família dele. Anahí e Alfonso também decidiram fazer uma viagem
romântica para as ilhas Maldivas. Christopher assistiu o parto e avisou os amigos e parentes
pelo celular. Também pediu para Parker segurar as pontas na delegacia.

Maitê -- Oi, Dul! Awn, que coisinha mais linda! Que fofura! Qual é o nome dela ? (Disse
entrando no quarto do hospital)

Dulce -- Mariah Alexandra Espinosa Von Uckermann.

Ucker -- Um nome forte e sobrenomes fortes. Em homenagem a Dulce e também a minha mãe
Alexandra.

D -- E a você também, Alexander.

U -- A Dul está começando a se acostumar a me chamar pelo meu segundo nome.

D -- É lindo também! Assim como Christopher.

M -- Oi, Mariah! Eu sou a tia Maitê! Christopher, ela é igualzinha a você. Olha só!

Christian -- Tenho que concordar. É a sua cópia! Impressionante!

Blanca -- Ela é muito linda! A vovó não vai desgrudar dessa menininha preciosa.

U -- E eu queria uma menina para ela se parecer com a Dul. Que decepção, Mariah.

D -- E olha que eu nem me estressei com você durante a gravidez. (Todos riram) -- Mas pelo
menos a boquinha dela é igual a minha.

B -- Verdade! E os olhos.

C -- Parece uma bonequinha. Que lindinha!

U -- Já estão com vontade de ter um ?

M -- Quem sabe mais pra frente ? Por enquanto, eu vou mimar muito essa gracinha aqui.
Posso pegar ela, Dul ?

D -- Claro! Ela é bem quietinha. É calma como a vovó Blanca. O Alexander está com medo de
pegar. Vocês acreditam ?

B -- É sério ?

U -- Não é medo, eu não tenho jeito. E se ela chorar ou...

D -- Meu amor, ela não vai quebrar se você pegá-la. May, depois coloca a Mariah nos braços
do Christopher, por favor ?

M -- Pode deixar! (Ela segurou a bebê por mais algum tempo e logo entregou-a para
Christopher) -- Eu vou te ensinar a pegar um bebê. Não seja medroso. Você é o pai. Só é
preciso tomar cuidado com o pescocinho e a cabecinha dela.

D -- Pronto! É difícil ? (Ela riu)

U -- Não! Oi, Mariah! Eu sou seu pai! Você é muito linda, sabia ? (Disse acariciando a mãozinha
dela com o dedo indicador) -- A sua mãe está rindo de mim. Diz pra ela parar. Ela tem os seus
lindos olhos marcantes, meu amor.

D -- Pelo menos em alguma coisa ela se parece comigo! (Eles riram)

Todos tiveram sua vez de segurar Mariah. Blanca disse que ia ajudá-los em tudo que
precisassem. Christopher e Dulce estavam muito emocionados. O fruto do amor deles estava
bem ali em seus braços. Os dois sentiam um novo tipo de amor. Uma nova forma de amar. O
sentimento um pelo outro também foi fortalecido.

Aquilo era algo único na vida deles e que jamais se esqueceriam. Agora, teriam a
responsabilidade de educar uma criança. Ensinar os valores que eles aprenderam com seus
pais para a filha deles ser uma pessoa de bem quando crescesse.

[···]

Quatro anos depois.......

Em uma tarde de sábado, Dulce estava na cozinha preparando um sanduíche para Mariah e
para Christopher. Quando ela foi até o jardim, viu que eles brincavam na grama. Mariah estava
sentada em cima das costas dele. Ele estava com os joelhos dobrados no chão. Mariah ria e se
divertia muito. Dulce se sentou em uma cadeira e ficou observando as brincadeiras de pai e
filha. Alguns minutos depois, Christopher foi se sentar ao lado de sua esposa.

U -- A Mariah disse que não está com fome, mas eu estou. (Disse pegando o sanduíche que
estava no prato em cima de uma cadeira)

D -- Eu não sei quem é mais criança: você ou ela. (Ela sorriu)

U -- Em termos de disposição, claro que é ela. Essa menina tem uma energia!

D -- Pra quem será que ela puxou essa energia toda ?

U -- Não é só minha! Você também tem disposição de sobra para certas coisas. (Ele sorriu
maliciosamente e levantou as sobrancelhas) -- Principalmente na hora de fazer amor.

D -- Seu abusado!

U -- Eu queria que ela não crescesse nunca.

D -- Isso é inevitável, meu amor! Quatro anos passaram muito rápido, não é ?

U -- É! Eu acho que ela está ficando um pouco mais parecida com você.

D -- Isso é bom! (Ela sorriu)

U -- A nossa princesinha está cada vez mais linda. Olha lá ela brincando com aquelas
panelinhas. Eu perguntei qual era a brincadeira que ela mais gosta, sabe o que me respondeu ?
Que gosta de brincar que está fazendo comida. O que você acha que ela vai ser quando crescer
?

D -- Ao que tudo indica, será como o avô. Creio que ela vai assumir o De Oliver.

U -- Eu não segui os passos do meu pai, mas minha filha pelo jeito vai seguir. Confesso que fico
aliviado por não querer ser policial como eu ou uma agente do FBI como a mãe dela.

D -- Ainda não quer! Mas quem sabe com o tempo ela muda de opinião. Ah, a minha mãe disse
que vem buscar a Mariah hoje à noite para dormir na casa dela. Vai ser bom. Ela gosta de
brincar com o meu sobrinho.

U -- Humm, então... isso quer dizer que teremos a casa toda só pra nós dois ? (Fez uma
expressão maliciosa)

D -- É! (Ela piscou para ele)

U -- O que você acha de providenciarmos um irmãozinho para a nossa filha ? Já está na hora
não acha ?

D -- Sério ? Você quer ?

U -- Estou falando sério. Eu quero muito ter outro filho com você, Dulce. O que a Mariah veio
de rápido, o outro está demorando.

D -- Espero que você tenha tirado da cabeça aquela ideia de ter três filhos.

U -- Não! Eu ainda queria isso. Mas eu acho que posso me contentar com dois.

D -- Viu só como dá trabalho, né ?

U -- Sim, mas é um trabalho prazeroso. Eu não trocaria os momentos desses últimos anos com
vocês por nada nesse mundo.

D -- Aahh. Que lindo!

U -- E então ? Vamos tentar ? Sei que está tomando remédios e se você parar, creio que a
gente faz outro bem rapidinho. Do jeito que nós nos pegamos com tanta vontade e sempre
mais de uma vez ao dia! (Eles riram)

D -- Ok. Vamos tentar.

U -- Sério ?

D -- Sim. Vou te dar esse presente. Seu aniversário está chegando e creio que até lá, eu já
estarei grávida de novo.

U -- Obrigado, amor! Será o melhor presente da minha vida. (Ele pega na mão de Dulce e
deposita um beijo)

D -- Isso se você tiver disposição pra me foder a noite toda até acertar o alvo.

U -- Disposição é o que não me falta, meu doce. Podemos começar hoje mesmo. O bom é que
essa noite você vai poder gritar e gemer o quanto quiser. Sem correr o risco da Mariah pensar
que estou batendo na mãe dela.

D -- Depravado!

U -- Vai lá brincar um pouquinho com ela. Agora é a minha vez de descansar. Preciso estar bem
disposto pra essa noite. Eu vou te foder tanto, senhora Uckermann. Você vai até se cansar de
tanto gozar pra mim.

D -- Você não muda! E isso é muito bom. Eu gosto de você assim desse jeito.

U -- Safado ?

D -- Essa combinação de romântico e safado. Eu te amo! Te amo muito!

U -- Eu também te amo! Vou te amar pra sempre e sempre!! Vem aqui me dar um beijo!
(Dulce sentou no colo de Christopher e o beijou apaixonadamente) -- Adoro sentir o sabor dos

seus lábios. São viciantes e nunca me canso de te beijar. Amo muito você, minha agente do FBI
mais linda e gostosa! Amo vocês!

D -- Eu te amo, meu Capitão mais lindo de todos. Nós duas te amamos.

U -- As duas mulheres da minha vida. Que me fazem o homem mais feliz do mundo. Em nome
de todo o meu amor por você, eu prometo te amar por mais quatro, dez, quinze, vinte, trinta
anos. Até depois dessa vida.

D -- Em nome do meu amor por você, prometo te amar até depois dessa vida.

Eles relembraram seus votos matrimoniais. Sempre fizeram isso durante todos esses últimos
anos e iam continuar fazendo. EM NOME DO AMOR que sentem e continuarão sentindo até
mesmo depois do fim.

[···]

FIM


Notas Finais


boa leitura e até a minha próxima fic.
mais tarde eu venho com a minha mais nova fic.
até mais galerinha.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...