História Em Outra Realidade - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Capitão América, Guardiões da Galáxia, Homem de Ferro (Iron Man), Homem-Aranha, Homem-Formiga, Os Vingadores (The Avengers), Quarteto Fantástico
Personagens Anthony "Tony" Stark, Ben Grimm (O Coisa), Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James Buchanan "Bucky" Barnes, James Rupert "Rhodey" Rhodes, Jane Foster, Janet Van Dyne (Vespa), Johnny Storm (Tocha Humana), Maria Hill, Mulher-Hulk (Jennifer Walters), Pepper Potts, Personagens Originais, Peter Parker (Homem-Aranha), Pietro Maximoff (Mercúrio), Reed Richards (Sr. Fantástico), Scott Lang (Homem-Formiga), Sharon Carter (Agente 13), Steve Rogers, Susan "Sue" Storm (Mulher Invisível), Thor
Tags Ansiedade, Ao3, Ao3 Br, Comedia, Depressão, Família, Filha, Fluffy, Iron Woman, Maternidade, Medo, Mulher De Ferro, Natasha Stark, Nova, Nova Prime, Realidade Alternativa, Richard Rider, Se Não Tiver Escreva, Setembro Amarelo, Steve Rogers, Stony, Superfamily, Terra 3490, Universo Alternativo
Visualizações 54
Palavras 2.001
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom dia minna-san, trago outro capítulo, um ahn... especial... Vi que vocês maravilhosas leitoras perguntou mais de uma vez o que tinha acontecido na realidade da Safira e como estava Tony com tudo isso.

Pois bem... aqui está. Muito triste, digo logo, quase desisti de escrever a fic. Ai, ai. No próximo se ainda quiserem ler isso, votaremos para programação normal.

Dedicado @SchnappHolland, minha jovem maga, uma pessoa muito fofa <3, espero meu bem que goste disso aqui, e que sirva como um bom presente. Mesmo triste foi escrito com todo coração.

Gente, só para deixar claro, odeio o Reed tanto ou mais ou igual a Hill, aqui na fic.

Capa feita por mim, em um app, por isso está ruim.

Boa leitura!

Capítulo 6 - ESPECIAL: "Era uma vez, uma família..."


Fanfic / Fanfiction Em Outra Realidade - Capítulo 6 - ESPECIAL: "Era uma vez, uma família..."

Reed Richards estava agachado em seu laboratório, a explosão o fez se esconder e segurar-se na mesa de adamantium, com seus braços em volta da mesma.

Escutou um grito feminino familiar, as portas do local destravando-se, sem precisar de senha, automático. Viu a cabeleira castanha sendo sugada pelo portal recém-criado e logo após o mesmo se estabilizar e fechar-se.

Como um ricochete a Joia da Realidade, chocou-se em toda edificação, para depois se perder no céu claro de verão de Nova York.

Seu intelecto era avançado, mas levou quatro minutos para entender o ocorrido. E que sua sobrinha estava oficialmente perdida em algum lugar.

Seu experimento era simples em sua teoria. Estudaria os efeitos da gema e que benefícios a mesma poderia trazer. Facilitando suas viagens dimensionais. Não imaginava que o processo de extração de uma fração de poder, abriria um portal com um destino aleatório.

Escutou passos pesados no lado de fora. Logo, Ben Grimm, apareceu alarmado com Johnny e Sue atrás.

O mais novo carregava o bebê com tamanha precisão, para um homem que já fora dito como playboy impulsivo, fútil, infantil e rebelde – muito havia mudado no loiro no decorrer do tempo adquirindo seriedade, responsabilidade e até mesmo um emprego estável. Sua irmã tinha feições preocupadas, deixou as crianças da Fundação Futuro sozinhas quando escutou a explosão. 

A densidade do corpo maleável do Senhor Fantástico retornou ao normal. Encarrava a pergunta muda da família. Narrou os eventos acontecidos.

As feições do Tocha Humana se contorceram de tamanha raiva. Um experimento com uma Joia?! Como raios conseguiu a gema?! O marido de sua irmã tinha pirado de vez. Em suas memorias, estavam muito bem gravadas a Guerra Infinita que havia ocorrido a quatro anos, que ceifou muitas vidas, inclusive de sua esposa, Marie. Teve uma sorte tremenda que sua filha Sophie, sobreviveu a cesariana de emergência. O sacrifício de Rider, ao fazer uso do Cubo Cósmico, para prender Thanos. Apertou delicadamente Valéria em seus braços. E tudo o que ele passou, todos os transtornos que Reed Richards fez em sua vida. Os poderes, o suicídio do loiro no resgate na Zona Negativa – cujo a tecnologia do Aniquilador o trouxe a vida novamente com seus vermes –, a perda temporária dos poderes. E claro, sem falar que estavam à beira da falência. E perderiam o Edifício Baxter.

Sue foi até o marido aflita, abraçando-o e verificando se não estava machucado sem perceber que seu irmão estava em seu limite.

Até que o melhor amigo do cientista que tentava entender o ocorrido, perguntou:

- Mas, borracha o que estabilizou e fez o portal fechar?

Richards ficou mudo. Não sabia como noticiar que a herdeira Stark foi leveda para sabe se lá para onde. Por um bom tempo só podiam escutar os grunhidos que Valéria fazia no colo quentinho de seu tio.

Com o silêncio do marido, como uma lâmpada picou incrédula ao se dar conta que Sarah não estava lá. A essa hora, a guria já deveria estar ali, chamando Reed para o almoço.

- A Safira – começou com um traço de pânico nos olhos azuis – onde a menina está? – os olhos vasculharam toda a área.

Reed coçou a cabeça, como se nada de mais tivesse acontecido. Johnny foi mais rápido ligando os pontos. Tinha visto Safira se dirigir para o local momentos antes. Soube na hora, que tinha sido a menina a estabilizar e se perdendo em algum lugar.

Sua temperatura corporal aumentou, entregou o bebê ao Ben para não a machucar com sua explosão de raiva. Uma faísca queimou em seus cabelos loiros. O que se viu depois foi um soco muito bem dado no cientista. A mulher prendeu o irmão em barreiras psíquicas.

Foi tão rápido, que o Coisa mal pode intervir por causa do bebê em seus braços.

- Jonathan Lowell Spencer Storm – a matriarca afirmou em tom autoritário.

- Desgraçado! – gritou, veias verdes decorando seu rosto pálido, com tremenda raiva – Ela se foi não é! – se livrou do aperto da irmã – Psych – usou o apelido que tinha dado a jovem, por ser muito viciada nesta série – Foi ela que estabilizou o portal – as roupas sem ser de partículas instáveis, viraram pó, revelando o uniforme vermelho da equipe – Se perdendo por ai – abriu os braços, com um sorriso sombrio no rosto – Não foi isso Reed? – apontou seu dedo indicador intimidade.

A tensão ecoou no ar. Valéria começou a chorar, Sue a pegou rapidamente ninando-a. Ben estava pasmo e assustado e preocupado, o silêncio do amigo era uma resposta positiva. Trincou os dentes, não acreditava que era verdade.

Johnny riu sarcástico, virou-se para deixar o lugar.

- Você é um babaca Reed! – virou seu pescoço para o cunhado – Estou fora! Não aguento mais isso! – voltou seu olhar para sua irmã, sua voz por um momento se tornou amorosa – Te encontro no dia de Ação de Graças – encarrou o cientista novamente – Nunca te desejaria o mal Reed, não sou esse tipo de pessoa, mas todavia vai pagar por suas irresponsabilidades – gesticulou um “tchau” saindo – Nem tentou salva-la, não é? – mais silêncio – Sabia, seu desgraçado, calculista. Tenho raiva do dia que deixei se casar com minha irmã – murmurou, fazendo seu corpo voar – Agora vai conhecer a ira do Stark e da família Rogers – voou em disparada até a saída – Infeliz, acabou de criar mais uma Guerra Civil – ziguezagueou até a saída do edifício – Uma bem pior, com Stark e Capitão no mesmo lado.  

Johnny Storm, voou com toda sua rapidez, pegaria sua filha na escola e se mandaria para a casa deles em Miami. Não se importava que sua cria tivesse os mesmos poderes dele e que necessitasse do acompanhamento e treino com o Quarteto. Bom, agora Trio, não queria nem um pouco que ela ficasse no mesmo teto de Richards, e ele sozinho dava conta de ensinar a menina na questão das habilidades. Tinha pena da irmã, que não sai desse relacionamento abusivo. Um homem sem empatia, que só vivia para seus experimentos, não ligando para as consequências.

Se um dia sua irmã quisesse ir embora, a aceitaria de bom grado em sua casa.

 

Sue chegou a correr tentando alcançar seu irmão mais novo, em vão. Sua filha por sorte havia parado de chorar, para diminuir sua preocupação. Em sua cabeça tentava entender o que tinha acontecido nos últimos minutos. Sua família tinha se destruído novamente, e sem reparação dessa vez.

Ben seguiu com o olhar, a mulher loira saindo atrás de seu irmão. Ficou no laboratório, suas feições de pedra mostrando indignação.

- É verdade Reed? – perguntou para confirmar o que acontecia.

Richards se aprumou, pegando algum equipamento que caiu no chão com a ventania feita pelo portal.

- Infelizmente sim – respondeu, seu amigo balançou a cabeça, colocando as mãos nas têmporas.  

- Ela morreu? – perguntou com pesar.

- Não.

- Tem como traze-la de volta?

- Não.

Trincou os dentes.

- Você é um canalha – apertou os punhos – Que pirou de vez – passou um olhar analítico no amigo – Se tornou uma pessoa muito diferente do que era – escutou a algazarra as crianças no lado de fora – Johnny tem razão Reed, vai responder por seus atos – retirou-se do laboratório – Vou ligar para o Stark.

 

O pior pesadelo para um pai, é receber uma ligação afirmando que seu filho sumiu. E Tony Stark estava vivendo esse pesadelo. Recebeu duas chamadas. Johnny Storm quatro minutos antes a de Ben Grimm.

Sentia o oxigênio rarefeito em seus pulmões. Todo seu corpo tremia, doía e grossas lágrimas faziam caminho em sua face, uma onda de tristeza o embebedou.

Seu Starkphone trincado da primeira queda que levou com o telefonema do Tocha Humana, despedaçou-se com a última. Não sabia como, mas seu corpo o tirou de seu escritório, na Stark Solutions, costurando toda sua empresa, até o luxuoso carro. Podia ao longe escutar murmúrios preocupados dos funcionários.

Não se importava.

Sua linda princesinha, sua razão para se levantar todos os dias e enfrentar o mundo, sua depressão, que tornou o lugar colorido novamente depois de seu nascimento. Estava perdida em algum lugar, realidade, o que for, não tinha entendido direto depois “Psych sumiu Anthony” a voz de Storm era embolada, como se chorasse, o Tocha Humana era muito apegado a garota. “...Sarah está presa em alguma realidade, não podemos resgata-la” Grimm falou com amargor.

Gritou com todo seu desespero. Apoiou sua cabeça na direção do veículo, a buzina ecoou em todo estacionamento. Acionou o JARVIS em piloto automático, até o edifício Baxter. Tão mecanicamente que o moreno nem percebeu quando chegou no prédio.

Stanley, um guarda idoso, que por algum motivo ainda trabalhava na segurança do lugar, foi rapidamente até o moreno desolado que saia de seu carro. Ficou impressionado como uma pessoa em meio a um ataque, ainda conseguiu ir a seu objetivo inconscientemente.

O senhor levou-o para dentro, mesmo com alguns protestos do mesmo afirmando que poderia ir sozinho e que queria ver Richards.

O fez sentar-se em uma das poltronas da recepção e tomar os calmantes, cujo o guarda sabia que o moreno levava. Mesmo assim, o via se afundar mais e mais em seus sentimentos. Em um momento de descuido do mais velho, Tony saltou para o elevador, passando seu crachá, digital e mais uma ruma de coisas para a segurança e permissão para ir a ala da família Fantástico.

As portas se abriram, revelando uma confusão no andar e o choro de Valéria. Viu o menino Franklin, com o uniforme vermelho, seus bonitos olhos azuis e sua face juvenil estavam da mesma cor de sua roupa. Assim que viu o mais velho, gritou chamando a mãe.

Alex Power, o mais velho da Fundação Futuro, amparava uma menina africana, com cabelos no estilo Black Power. O mesmo tentava não chorar. Os moloides, Tong, que vestia um belo vestido e seus irmãos Mik, Korr e Turg, estavam entristecidos no sofá mais recuado do local. Bentley, era segurado por Ben, esperneava gritando com todos seus pulmões que iria se vingar.

Homem Dragão falava com mais duas crianças, que Tony não tinha conhecimento de quem seriam. Tinha cores exóticas, uma verde e outra rosa.

Sue apareceu em sua visão momentos depois, com o bebê em seus braços. A culpa e tristeza estampava seu rosto. Tentou falar algo, mas, todavia, o moreno passou direto, entrando na cozinha e finalmente encontrando o Richards.

Não soube bem quando atacou o cientista, deixando-o com o outro olho roxo. Xingou em todos os palavrões que conhecia. Sue o tirou de cima de seu marido com seus poderes. Abraçou o moreno até o mesmo se acalmar, ou pelo menos quase isso.

- Minha princesinha – murmurou Stark – Como pode fazer isso com minha princesa?! – encarou Reed o acusando – Você tem filhos Richards, como se sentiria se fizessem isso com eles?! – tentou se soltar do aperto maternal de Sue – Me diga! – gritou.

- Ela está viva – respondeu friamente, limpando o sangue que escoria em seus lábios.

Franklin arregalou os olhos assustado com tamanha frieza. Se escondeu nas pernas rochosas de seu padrinho evitando os chutes e mãozadas de Bentley.

- Ah, nossa! Fico mais tranquilo! – gritou sarcástico, caindo junto com a loira no chão – Minha filha está no limbo!

- Ela é forte – gaguejou Sue – Corajosa e inteligente – Tony a encarou – Vai ficar bem – a mulher estava quebrada, como todos ali com exceção do cientista – Tenho a intuição que ela está com boas pessoas, que vão cuidar dela como se fosse sua própria filha – afundou o rosto no terno do moreno – E encontrar uma forma de voltar para cá, se der – a voz abafou – Me perdoe! Me perdoe!

Passou as mãos nos cabelos da mulher, em meio a seu caos emocional, não a culpava, mas sim Reed, que diabos ele estava fazendo com uma Joia do Infinito?! E tinha a mesma intuição que ela, mas ainda assim não aliviava a perda.

Orou para que sua menina de alguma forma onde estivesse, que fosse com seus cuidados. E que sua contraparte fosse uma boa pessoa, que tinha a certeza, que era.


Notas Finais


Pequena explicação, sobre as cores do uniforme do Quarteto. Não vocês, não leram errado é vermelho. Estou usando aqui a versão das edições da Marvel Now, ou fase a pois.

Logo os uniformes são vermelho, com preto e branco. Feminino o "4" é vermelho, no masculino preto.

O mesmo com os guris da Fundação, com o diferencial nos números. O Franklin por exemplo é o n°5.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...