História Em pé de guerra! - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias Soul Eater
Personagens Black Star, Crona, Death the Kid, Liz Thompson, Maka Albarn, Patty Thompson, Personagens Originais, Shinigami-Sama (Death), Soul Eater Evans, Spirit Albarn, Tsubaki Nakatsukasa
Tags Comedia, Maka Albarn, Soul Eater Soulxmaka
Visualizações 90
Palavras 2.044
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello!
Peoples!
Gomen!
Sumi né? Muito tempo kkk
Enfim, acho melhor deixá-los com o capítulo. O primeiro hentão tá próximo, hein? Safadinhos de prontão u.u
Affs, me ignorem. Apenas leiam e comentem. É uma ordem.
Brincadeira kkkkk
Aproveitem a leitura
(〜^∇^)〜└(★o★)┐

Capítulo 51 - A Criança Da Morte Assume o Lugar de Deus


Fanfic / Fanfiction Em pé de guerra! - Capítulo 51 - A Criança Da Morte Assume o Lugar de Deus

Kid on:


Isso deve resolver.

Olhei para a as runas escritas no chão com sangue. Velas e símbolos espalhados pra todo lado. Diversas almas de bruxas flutuavam à centímetros do chão e no centro da runa, apenas uma bruxa estava viva. Ela flutuava no ar, em posição de lótus. Um livro flutuava do seu lado, enquanto suas mãos estavam unidas, como em uma oração. Seus olhos estavam fechados e no meio de sua testa, havia um símbolo.

- Espere...– Stella disse, assim que estendi a mão na direção da bruxa.

- O que foi?- a fitei.

- Essas runas... – ela olhou para as runas, passando ao redor. – Isso... É um feitiço para quebrar selos poderosos...

- O quão poderoso?- perguntei.

- Poderoso o suficiente para precisar do poder de alma de cem bruxas pra conseguir quebrar o primeiro código. É como... Um sistema...- ela rodeou ao redor das runas. – Imagine um cadeado com senha. Três senhas são necessárias para destravá-lo. Esse feitiço é como a primeira senha.

- E a segunda?- perguntei, vendo ela entrar no círculo e pegar o livro. De repente, o selo se desfez, e a bruxa caiu no chão. Seu corpo desapareceu logo em seguida, restando apenas sua alma.

- Sangue. – disse ela, abrindo o livro. – Todos os feitiços poderosos precisam de sangue humano.

- E... O terceiro?- ela parou de olhar o livro e me fitou.

- Varia, dependendo do que você deseja libertar. Há seiscentos anos, quando Aracne cometeu crimes gravíssimos e seus seguidores esconderam-se ou foram aniquilados pelo Shinigami-sama... Um grupo que venerava um rei demônio descrito em livros e contos tentou libertá-lo, enquanto Deus estava revirando céu e terra atrás de Aracne, mesmo sem a permissão da rainha. Eles não possuíam sacrifícios suficientes e erraram a última “senha” do selo. – ela disse, me fitando nos olhos. – Todos tornaram-se esculturas de pedra horrendas e hoje.. São o que enfeitam o grande salão da convenção anual de bruxas. A última senha sempre varia, dependendo do que se quer libertar. Para libertar o kishin de sua própria pele, foi necessário sangue negro, criado por Medusa. Foi necessário muito sangue negro. Se contar o número de vítimas consumidas pelo sangue negro e a quantidade necessária que foi usada, calculei cerca de duzentas e setenta vítimas humanas, apenas para que o Kishin, Ashura, fosse liberto. Houverem outras situações em que o necessário para romper o selo envolvia um sacrifício animal ou sequer algum sacrifício. Há milhares de maneiras de liberar um selo... – ela folheou o livro todo em um instante e tornou à me olhar.

Olhei ao redor. Haviam estantes de livros que iam até o teto, que tinha um formato oval. No centro do teto, havia um outro símbolo. Nunca quis assumir a guerra com as bruxas e sim, buscar a paz e harmonia. Guerra atrapalha a simetria do mundo. Não quero um mundo dividido.

- É um feitiço para enfraquecer almas. – disse Stella e a encarei. – Devem ter usado isso para enfraquecer a alma de Shinigami-sama...

- Shibusen ainda está indefesa sem mim. – falei, ao me lembrar que eles estavam sem ninguém para comandar.

Depois de destruirmos os selos que haviam ali e desfazer as runas do teto, selei aquele lugar temporariamente, antes de Stella eu seguirmos rumo à Death City.

O nascer do sol ameaçava despontar e mesmo sentindo que algo estava errado, tentei não demonstrar meu nervosismo.

Em poucos minutos, estávamos de volta à Nevada, e quanto mais chegávamos próximos de Death City, mais eu sentia aquela sensação estranha. Foi quando eu vi.

A escola, completamente destruída. A cidade sendo invadida. Diversos alunos lutando, explosões, sons de tiros e lâminas se chocando. No ar, haviam em torno de dez bruxas e avistei uma em especial. Um brilho forte vinha dela, enquanto ela falava coisas próximo à lua.

- Salve a cidade. – disse Stella, seguindo na direção da bruxa.

Sem discutir mais nada, ergui minhas mãos em direção à cidade. Uma névoa negra surgiu aos poucos, ao redor de toda a Death City e quando localizei todos os inimigos, fechei os olhos e inspirei. Quando expirei, tornei à abrir os olhos e coordenei meu ataque.

Da névoa negra, diversas mãos e flechas negras saíam, indo direto nos inimigos, os puxando para a névoa, os fazendo desaparecer no vácuo. Durante alguns segundos, mantive a névoa sob a cidade, antes de ela retornar para minhas mãos rapidamente.

Senti minha cabeça latejar. Nunca levei tanta matéria ao lado imaterial... Sempre guardei apenas meu skate e itens de emergência... Mas agora, tenho ovos de kishin e bruxas dentro do meu corpo. Suspirei, vendo Stella derrubar aquela bruxa, a empurrando para baixo e de repente, a bruxa desaparecer no ar.

Algo está errado. Ainda não confio em Stella. E esses ataques ocorrerem apenas quando não me encontro...

Segui em direção à Shibusen, resolvido à entender o que acontecia, quando vi vários dos artesãos que lutavam contra as bruxas no ar, virem em minha direção.

- Onde estão Soul e Maka?- olhei para um rapaz que pertence à segunda equipe da Shibusen, além da Spartoi, a Element.

Todos eles se entreolharam, olhando para baixo em seguida. Esperei que todos se reunissem no pátio da Shibusen. Haviam muitos feridos, carregados pelos que estavam quase bem.

- Black Star e Tsubaki...?- Black Star seria o primeiro à gritar e escandalizar quanto ao meu retorno e a cabeça branca de Soul é visível à quilômetros. Mas mesmo entre dezenas de alunos, não ouvi escândalos e nem vi a cabeça de vela do Soul. – Podem... Me explicar o que aconteceu desde que parti?

Kilik resolveu tomar à frente e começou à relatar sobre o primeiro ataque, em que a escola foi destruída.

- Há... Algumas horas, sofremos um segundo ataque. Maka e Black Star lideravam, e enquanto Black Star permanecia com um grupo na linha de frente, Maka comandava a retaguarda. Quando... Bruxas atacaram. Maka ia atacar a bruxa que estava emitindo um brilho forte... Quando desapareceu, junto de Soul. Black Star, que estava subindo as escadas, provavelmente porque achou que seria mais divertido lutar contra as bruxas, viu o que aconteceu e quando ia atacá-la, gritando algo sobre como ele era grandioso, ele desapareceu do mesmo jeito. – explicou. O olhei por um longo tempo, tentando entender exatamente o que queria dizer com “Desaparecer”, até que me lembrei de como aquela bruxa fugiu. Ela desapareceu no ar...

Preciso pensar melhor, porém preciso de Azusa e Stein para ter alguma conclusões concretas.

Planei meio metro além do chão e vi alguns me olharem, completamente confusos. Agora posso me locomover sem meu skate.

- Escutem todos. – falei alto. – Fizeram bem em proteger nossa cidade. Podem descansar, pois eu cuidarei de tudo. – completei e todos suspiraram alto, deixando o corpo cair no chão. Todos ao mesmo tempo, caíram já adormecendo. Devem estar mesmo cansados...


Vaguei pela cidade, vendo Stella ainda parada no mesmo lugar de antes e após ver todo aquele estrago, suspirei. Se contatarmos todos os arquitetos da Shibusen, levará em torno de dois meses para a cidade voltar à ser como era antes.

Mas o modo como ela era antes me dava agonia. Por isso, o melhor é aproveitar que está tudo destruído e remodelar a cidade... Não... Papai não iria gostar. Ele amava a cidade da maneira que ela era.



- Kid. – Stein desceu do carro. Lizzy e Patty desceram logo em seguida, completamente pálidas. Amanhã a Lua de Sangue se completará. Felizmente eles conseguiram retornar... – Onde esteve quando...?

- Fui encontrar meu pai. – respondi, o cortando. – E... A barreira está intacta agora. A alma do meu pai está como antes.

- Isso é bom. – disse Stein, enquanto me acompanhava, escadas acima.

- Stein, precisamos conversar em particular. – falei e ele confirmou. – Lizzy, Patty, vão ao subsolo da Shibusen e confirmem se todos estão bem.

- Ceeeeerto!- Patty bateu continência, antes de subir as escadas correndo.

- Okay. – Lizzy suspirou, acelerando os passos.

Stein continuava do meu lado, com as mãos nos bolsos da calça, tragando um cigarro pendurado entre os lábios.

- Stein... Meu pai se foi. – seus passos pararam de me acompanhar, porém continuei subindo mais alguns degraus, antes de me virar e fitá-lo. – Ele confiava em suas habilidades tanto quanto artesão, tanto quanto médico. Espero poder contar com você, de agora em diante. – o fitei, sério e ele confirmou, com um aceno de cabeça.

- Minhas habilidades são inteiramente à dispôr da Shibusen. – disse ele, soprando a fumaça no ar. – Agora... Explique-me direito como tudo isso aconteceu.

- Bem... Uma bruxa me sequestrou... – comecei meu relato e quando enfim terminei, ele continuava me fitando, em silêncio.

- Então não sabemos onde duas Deathscytes estão... Toda a cidade está danificada, a Shibusen completamente destruída, ainda não temos informações precisas quanto ao número de baixas, Sid e Azusa encontram-se desacordados... E Marie?

- Ela e o seu filho estão bem. – falei. – Os andares inferiores da Shibusen resistiram bem ao ataque. A maioria dos cidadãos estão ilesos, assim como o hospital. Elas pretendiam desfazer o selo da Crona, mas falharam.

- Isso é mal... – disse, tornando à tragar do cigarro. – Você... Assumirá como o Novo Deus de agora em diante... Muitas responsabilidades cairão sobre você.

- Nos últimos dias vim me acostumando com o cargo. Nada que o filho do Deus da Morte não dê conta. – me virei e continuei à subir. – Ah... E também há Stella. A bruxa que me levou até meu pai. Ela confrontou a bruxa que fez Soul, Maka, Black Star e Tsubaki desaparecerem. Já vi do que ela é capaz. Deixá-la fugir daquela maneira ou foi imprudência...

- Ou ela não está totalmente do nosso lado. – concluiu ele.

- Por hora, iremos cuidar dos feridos e convocar J.B. E... Fique de olho nela...

- Certo. – ele confirmou.

Quando enfim chegamos ao pátio da Shibusen, vi Blair se aproximar de nós. Ela usava a parte superior de um biquíni amarelo e um short azul, com flores rosas. Um enorme chapéu de palha e óculos escuros. Estava bronzeada, quando me abraçou de repente.

- Kid-kuuuuun!- disse, quase me sufocando com... Bem... Com sua arma usada contra Soul todos os dias. – Fiquei tão preocupada! Tudo está uma bagunça e...

- Por onde esteve?- perguntei e ela se afastou, forçando um sorriso.

- Err... Tehee... – mostrou língua, dando um leve tapinha na testa, antes de abaixar a cabeça. – Tudo bem, niah! Blair estava no Havaí. – confessou quando percebeu que a última resposta não me contentaria. – Onde está Soul-kun e Maka-chan e...

- Iremos descobrir. – falei, vendo seu rosto se tornar sério e seu sorriso bobo desaparecer. – Eles desapareceram no meio de um combate, assim como Black Star e Tsubaki.

- Foram as bruxas, não é?- perguntou, em um tom neutro.

- Sim. – falei. – Tentarei entrar em contato com eles e colocaremos todas as forças que restam da Shibusen empenhadas em localizá-los. – falei e ela concordou.

- Kid-kun... Eu não ia falar nada... – ela apontou pro meu cabelo.

- Meu pai se foi. Deixou pra mim tudo o que ele era. – expliquei brevemente e ela pareceu chocada, ficando atônita logo em seguida.

- Blair está triste por Kid-kun... – fungou, ameaçando começar à chorar.

- Não chore ainda, Blair. – falei. – Você consegue arrumar o apartamento de vocês em segundos, usando a sua magia, certo?

- Sim. – ela disse.

- Você...?- eu ia perguntar à ela apenas para que reerguesse a DeathRoom, pois muitos documentos importantes estavam lá, porém ela colocou um sorriso animado no rosto e me fitou, segurando as lágrimas.

- Blair vai se manter positiva. Soul-kun, Maka-chan, Tsubaki-chan e Black Star-kun... Todos estão bem, tentando achar um meio de voltar. – ela falou. – E Blair não consegue reconstruir tudo sozinha. – suspirei. – Irei procurar minhas irmãs! Elas ajudarão Blair, Niah!- ela disse, sorrindo.

- Você tem irmãs?- perguntei por reflexo e ela sorriu.

- Só sete. – disse e me vi tentando não criar fantasias, onde todas são simetricamente idênticas. – Irei até elas. – ela disse, se transformando em gato e correndo pelas escadas. Olhei para a Shibusen.

Aquela magnífica construção, a epítome da perfeição, o mais belo exemplo de simetria e beleza, agora estava em destroços. Tudo por eu ter falhado como Shinigami. Não permitirei que outros erros assim ocorram.

Eu sou o Deus agora... E irei colocar ordem nesse mundo.


Notas Finais


E então?!
Kid não mitou U.U ainda
Ele ainda está descobrindo os poderes, calma peoples.
Blair tem irmãs. Será que são como Kid imagina?
A cidade está um caos e enfim Stein e as Thompsons retornaram.
O hentão está próximo hein kkk
Só não digo de quem U.U

Enfim, obrigada por lerem, comentem o que acharam, perdoem a demora, o próximo PROMETE surpresas e até 😋😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...