1. Spirit Fanfics >
  2. Em Torno De Nós >
  3. O Que Menos Se Esperava.

História Em Torno De Nós - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


oii, enfim apareci.
mil desculpa, juro que n queria sumir por alguns dias mas tenho alguns problemas de saude que me fazem ficar impossibilitada as vezes! mas estou de volta.

Tenham uma ótima leitura <3

Capítulo 18 - O Que Menos Se Esperava.


Fanfic / Fanfiction Em Torno De Nós - Capítulo 18 - O Que Menos Se Esperava.

Negan 

 

Antes do apocalipse eu tinha uma vida normal como todas as outras pessoas, era professor de Educação Física, tinha uma esposa linda que se chamava Lucille. Eu nunca a valorizei da forma correta, sempre a traí diversas vezes e nunca ficava com algum rancor sobre isso. Ela sempre soube que fazia isso, e mesmo assim nunca desistiu de mim.


Mas infelizmente o câncer chegou até ela, fazendo com que ela ficasse debilitada, era uma mulher que adorava fazer exercícios comigo, treinávamos todos os dias. Mas quando descobriu o câncer, disse que iria ser forte e resistir em todas as quimioterapias. No início foi como ela prometeu a si mesma. Nunca desistiu de lutar em nenhum momento, mas quando o tratamento tomou proporções maiores por conta do avanço do câncer, ela teve que ser internada e cuidada por tratamentos particulares.

 

Eu vi o mal que tinha feito a ela antes do câncer, e não conseguia me perdoar de todas as vezes que a traí. Era uma mulher tão linda, merecia todo meu respeito e eu nunca pude dar isso a ela. O momento esperado chegou, a queda de cabelo quando começou ficou mais forte rapidamente, fazendo com que ela ficasse careca instantaneamente, mas continuava linda mesmo se queixando que não queria que eu a visse assim. Mas eu sempre insisti porque ela continuava linda para mim.

 

A fase terminal chegou no mesmo dia em que o apocalipse havia iniciado e sim eu vi o primeiro morto vivo dentro de um hospital também. Ela estava mal, não conseguia respirar sozinha, sempre precisava de oxigênio, até o momento em que as luzes caíram, e todos os aparelhos foram desligados. Com eles desligados, o oxigênio tinha parado e ela não tinha mais ajuda, sua respiração começou a ficar mais fraca e isso fez com que eu abrisse a porta e gritasse por ajuda, mas quando abri aquela porta pude ver pessoas comendo pessoas e só depois fui me ligar o que estava acontecendo nos tranquei naquele quarto e fiquei ao lado de Lucille até sua morte. 

 

Ela morreu e voltou como aquelas coisas que eu havia visto quando abri a porta, tentou me devorar diversas vezes e eu não podia matá-la, mas fui obrigado. Desde então, minha vida nunca mais fez sentido.

 

[...]

 

- Eles têm um novo líder, Rick Grimes. - Ouvi Simon dizer.

 

Eu havia se tornado uma espécie de líder para mais de dezenas de pessoas que eu resgatava nas ruas e ajudava sem cobrar nada, apenas que fizessem algum trabalho para ajudar nossa comunidade crescer. Vivíamos em um santuário, ali habitavam mais de setenta pessoas, tirando os guardas que eram mais de quarenta e que me ajudaram a proteger o local.

 

- Rick Grimes... - Digo cantarolando. - Interessante.

 

 

- Devemos atacar? - Ouço Simon perguntar, pegando sua arma.

 

Eu sabia que eles esperariam por nós e agora não seria o momento, eu precisava de alguns meses para deixá-los pensar que eu teria esquecido e que eles teriam nos vencidos. Era uma tarefa muito difícil para mim, pois eles tinham matado mais de uma dúzia de homens meus, mas eu sabia exatamente o que iria fazer em relação ao grupo desse xerife.

 

- Não vamos atacar ninguém agora. - Digo sorrindo pondo meu bastão em meus ombros. - Lucille quer esperar mais alguns meses para fazer uma visitinha.

 

Eu tinha um bastão, com arames farpados e chamava de Lucille, já havia passado muitas cabeças por ele, quem me desrespeitava morria e era assim que funcionava.

 

RICK GRIMES

 NOVE MESES DEPOIS

 

Nove meses haviam se passado após matarmos mais de uma dúzia de salvadores e eles ainda não tinham retalhado, isso me causava uma certa alegria e ao mesmo tempo insegurança. Pois eles podiam avançar a qualquer momento, mas nós não iríamos temer por esse grupo. Eu nunca temi e levei minha família onde estamos e espero continuar protegendo todos.

 

Nós colocamos mais proteção nos muros do já tinham, coloquei mais guardas noturnos para caso eles quisessem nos atacar pela noite e coloquei guardas atrás da comunidade e nos lados para que assim todos ficassem em segurança, mesmo eles estando em mais pessoas, se viesse mais aquele mesmo tempo que matamos, poderíamos ir matando aos poucos até chegarmos ao verdadeiro Negan.

 

Carl cuidava de algumas rondas, por ser grande sabia se virar sozinho, às vezes ajudava Beth com Judith que por sinal era a cara de Lori e já estava grandinha, era tão linda.

 

Eu ficava com ela sempre que podia, pois gostava de passar o tempo com minha filha.

 

Já Michonne a moça que Kristen salvou dos mortos, ajudava como podia, eu e ela tínhamos nos aproximado muito desde então. 

 

 

 [...]

 

 Estava sentado em um dos bancos que tinha nas ruas da comunidade vendo o sol brilhar sobre o céu.

 

 

- Pai. - Ouço Kristen me chamando, se aproximando e sentando no banco. - Eu queria conversar.

 

 

Sua barriga já era bem perceptível por já estar com 9 meses e quase ganhando, confesso que minha filha era a mulher mais linda grávida.

 

 

- Sou todo ouvidos, filha. - Eu digo olhando para ela.

 

 

- Acha que vão atacar algum dia? - Ela me pergunta sobre o grupo.

 

 

- Eu não sei. - Penso. - Não atacaram até agora quem sabe nem retalhem.

 

 

- Isso seria ótimo, viver em paz. - Ela diz sorrindo. - Eu e o bebê. - Ela passa a mão sobre sua barriga.

 

 

Minha filha estava grávida, eu não pude contar a minha alegria, eu seria avô e isso mostrava o quanto eu estava ficando velho.

 

 

- A filha, estou tão feliz por você. - Eu abraço a mesma. - Eu não vejo a hora de ter essa menina ou esse menino em meus braços.

 

 

- Obrigada pai, eu te agradeço. - Ouço ela agradecer.

 

 

- E Daryl como reagiu a notícia, quando soube? - Pergunto curioso. - Nunca lhe perguntei sobre isso.

 

 

- Não reagiu bem por ser um baque e tanto, mas depois aceitou a novidade. - Ela suspira. - Eu sei como é difícil pra ele, tem medo de ser igual seu pai, do bebê não gostar dele ou algo assim, mas tudo vai ficar bem. - Fala sorridente pondo a mão na barriga.

 

 

Coloco minha mão junto à dela em sua barriga e suspiro feliz por termos mais um membro em nossa família.

 

 

- O que está acontecendo aqui? - Carl chega até nós. - Perdi pra esse bebê agora? - Ele ri

 

 

- Você sempre será meu bebê - Puxei o mesmo para um abraço mexendo em seus cabelos.

 

 

- Para pai, não sou mais criança - Ele diz tentando sair de meus abraços

 

 

- Para, a Enid não pode ver. - Kristen diz rindo. Nós rimos e nos abraçamos em família.

 

 

- Vou sair com Daryl para uma ronda. - Disse olhando para ambos. - Cuide de Judith e você não saia daqui Kristen. - Digo arqueando as sobrancelhas.

 

 

- Vão muito longe? - Kristen pergunta. - Posso ir junto?

 

 

- Há uns quilômetros daqui, mas fique tranquila, voltaremos em breve. - Digo abraçando ela e dando um beijo em sua testa. - Filha, você está prestes a ganhar o bebê a qualquer momento, precisa ficar aqui com Hershel para cuidar do bebê.

 

- Pai, cuide do pai do meu filho. - Senti ela segurar minha mão.

 

- Pode deixar, sabemos nos cuidar filha. -Dei um beijo em sua testa.

 

 

Ela acabou concordando, me levantei e fui até Carl.

 

- Cuida da nossa família. - Dou umas batidas em suas costas e logo ele me puxou para um abraço.

 

- Pode deixar pai, tome cuidado lá fora. - Ouço ele falar.

 

[...]

 

Já estávamos há algum tempo na estrada sem nenhuma movimentação estranha, passamos por alguns andarilhos mas não fizemos questão de matá-los pois estávamos de carro. 

 

- Como estão os ânimos para ser pai ? - Perguntei olhando para ele e depois voltando a atenção para a estrada.

 

— Confesso que estou com medo, estou sentindo algo que nunca senti na vida. - Ouvi ele dizer em meias palavras.

 

— Acho que está mais nervoso que a própria mãe. - Dou risada.

 

— Rick. - Ele deu uma pausa. —  Eu tenho medo de que aconteça a mesma coisa que aconteceu com Lori . - Ele diz olhando pela janela. — E eu não estou pronto para perdê-la.

 

Me lembro como foi a perca de Lori e meu coração errou as batidas por um momento e engoli seco. Ninguém está preparado para perder alguém, não como perdi a Lori e sei que é uma dor insuportável no início, acha que nada vai curar, e até mesmo culpar a própria criança pela morte da mãe. 

 

— Daryl, vai dar tudo certo. - Paro o carro. — Nada vai acontecer com Kristen e nem com o bebê . - Sinto meus olhos marejados. — Temos muitas pessoas para protegê-las e não deixar que nada de ruim aconteça. 

 

Coloco minha mão sobre seu ombro.

 

— Confie em mim e pense positivo. - Dei um sorriso. — Eu vou estar com vocês em todas as horas que precisarem.

 

Ele me lançou um sorriso forçado segurando minha mão e apertando.

 

— Eu espero que seja assim. - Disse baixinho.

 

Daryl estava com o medo que eu tive quando Lori estava grávida, e eu realmente espero que nada ocorra de errado para que ele não possa sofrer e que eu não perca minha filha.

 

— Vamos descer por aqui. - Digo abrindo a porta.

 

Saímos do carro indo em direção a trilha que tinha por ali, vimos uma torre com cerca de cinco homens bem armados e provavelmente seria dos salvadores, e eu precisava apenas de um para saber a resposta. Mas para isso nos obrigaria matar os outros quatro.

 

Daryl atingiu o de cima da torre com uma flecha, fazendo ele cair sobre o chão.  Eu acerto o outro com uma arma que tinha silenciador fazendo sobrar somente três. Em seguida nos aproximamos mais, e os capanga de Negan sabia que algo estranho estava acontecendo e começaram a procurar. Um deles veio por trás da torre fazendo com que Daryl o estrangulasse até a morte e o penúltimo veio pela frente onde pode sentir uma faca atravessar seu crânio.

 

O outro estava sozinho, apontamos nossas armas para o mesmo.

 

— Parado aí se não quiser morrer, assim como os outros. - Digo mandando ele ir para a árvore e jogar sua arma no chão.

 

Ele concorda pois estava na cara que não queria morrer ali.

 

— Quem é Negan? - Daryl pergunta alto.

 

— Eu sou Negan. - Ele responde friamente.

 

— Não estamos brincando, onde fica o tal santuário? - Perguntei brevemente. 

 

 

Daryl enfiou uma flecha em sua perna o fazendo gritar de dor.

 

— Tá bom, tá bom, não me matem. - Ele diz nervoso. — Eu tenho família.

 

— Se tem família e quer voltar para eles, nos diga o que queremos saber. - Digo alto.

 

— Negan está muito bravo pelo que fez com a base  dele. - Ele diz baixinho.

 

— Mas não nos atacou. - Prossigo.

 

— Estavam esperando o momento certo, quando menos esperassem iriam atacar. - Ele para, por medo de falar demais.

 

— Nos diga tudo que sabe, agora. - Falo furioso.

 

Enfio uma faca em sua perna na qual Daryl já tinha enfiado a flecha, fazendo o sangue escorrer sobre ela.

 

— Ele sabe quem explodiu o bando dele, sabe exatamente que tem uma mulher grávida entre vocês e vai usar ela contra quem explodiu. - Ele termina suas palavras e Daryl se afasta soltando a besta.

 

Muitas coisas me passaram sobre a cabeça quando ouvi ele falar de Kristen, isso fez com que meu coração parasse por alguns segundos e logo voltasse a ver a proporção das coisas novamente.

 

— Quando eles vão atacar? - Pergunto alto.

 

— Eu não sei. - O homem mentia nitidamente.

 

— Que porra, quando eles vão atacar? - Vejo Daryl vindo gritar e enfiar mais fundo sua flecha na perna dele.

 

— Quando o líder saísse ficaria mais fácil. - Ele diz trêmulo.

 

 

Ou seja eles queriam atacar quando eu não estivesse para ser um pouco mais fácil.

 

Vejo Daryl pegando sua faca do seu coldre e enfiando na cabeça do homem rapidamente. Se virou pegou suas flechas e foi em direção à van que nós estávamos. 

 

Corro até a van e seguimos direção à Hilltop, diversas vezes pensei em Carl, Judith, Kristen e na pequena ou pequeno que estava por vir.

 

Continuamos a caminho no total silêncio possível, senti que Daryl estivesse mais preocupado que qualquer coisa, além do mais ele seria pai e Kristen poderia ganhar a qualquer momento.

 

Quando chegamos na direção de Hilltop, os portões da frente tinham balas, alguma coisa tinha acontecido. Eu senti um frio imenso.

 

 

Daryl Dixon.

 

Ao ver o portão cheio de buracos que eram perfeitamente de tiros, meu coração errou as batidas, Rick parou o carro e sai rapidamente gritando.

 

— Abram a porra do portão. - E logo fui atendido.

 

Entrei rapidamente vendo alguns corpos caídos no chão, olho para os lados e não encontro minha mulher.

 

— Onde está Kristen. - Pergunto olhando para todos e começo a gritar.

 

— Eles a levaram. - Carl diz saindo de casa com Judith.

 

 

Essas palavras fizeram minhas pernas bambearem, derrubei minha besta ao chão e lembrei que iria ser pai e que estava mais próximo do que nunca. Mas tiraram a coisa mais importante da minha vida.

 

— Levaram para onde? - Rick pergunta com os olhos cheio de água.

 

— Não sabemos. -Carl era um menino forte, já estava grande e bem durão.

 

Eu precisava encontrar a mulher da minha vida, peguei minha besta, e continuei caminhando até o portão.

 

— Eu vou encontrar minha mulher e meu filho. - Digo chorando.

 

— Você não pode ir sozinho. - Rick segurou meu braço.

 

— Vamos com ele. - Glenn diz e Maggie concorda.

 

 

— Precisamos preparar o povo aqui, eu vou daqui algumas horas, não façam nenhuma besteira. - Ele para, estava com os olhos cheio de água. — Se os verem, matem cada um deles. 

 

Eu concordei chorando e continuei saindo de Hilltop para encontrar a mulher que eu amava e que eu teria um filho, uma família. Eu a encontraria e sei disso.


Notas Finais


foi esse o capitulo de hoje, podem me dizer o que estão achando? Agradeceria muito!

Ate a proxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...