1. Spirit Fanfics >
  2. Emma Lily Potter >
  3. Poção fumegante

História Emma Lily Potter - Capítulo 32


Escrita por:


Notas do Autor


Queria pedir mil desculpas pela demora para atualizar a fic! Depois que eu terminei A Filha de Snape e Lily, eu acabei ficando um tempo sem fazer nada, tirei umas férias. E também em outro site estou postando a versão em inglês de A Irmã mais nova de Rosalie Hale e isso acabou tomando um pouco do meu tempo e dei uma esquecida de atualizar essa aqui.

Capítulo 32 - Poção fumegante


Algumas semanas depois, vi que a maioria dos alunos estava amando as aulas de DCAT, tudo graças ao Prof. Lupin. Os únicos que não gostavam muito eram Draco e o pessoal que andava com ele. Eu estava me dando bem em todas as matérias, inclusive Poções, Harry sempre teve problemas com essa matéria, não sei se por causa de Snape ou ele realmente não leva jeito algum para Poções. 

Eu estava na sala comunal fazendo a lição de casa de História da Magia, com Lúcifer em meu colo, e ajudando Gina com a dela, quando a sala começou a ficar mais tumultuada, várias pessoas estavam falando animadas sobre algo. Bem na hora Harry chegou do seu treino de Quadribol. 

- Que foi que aconteceu? - ele perguntou para Rony e Hermione, que sentavam perto de nós.

- Primeiro fim de semana em Hogsmeade. - Rony respondeu. - Fim de outubro. Dia das Bruxas. 

- Ótimo. - Fred comentou. - Preciso visitar a Zonko"s. Meus chumbinhos fedorentos estão quase no fim.

Harry se atirou ao lado de Rony.

- Harry tenho certeza de que você vai poder ir na próxima visita. - Hermione disse. - Vão acabar pegando o Black logo. Ele já foi avistado uma vez. 

- Black não é louco de tentar alguma coisa em Hogsmeade. Pergunte a McGonagall se você pode ir Harry, a próxima vez talvez demore um tempão para acontecer... - Rony disse.

- Duvido que ela deixe... - eu disse.

- Ele não pode ser o único aluno de terceiro ano que vai ficar. Pergunta a McGonagall, anda, Harry...  

- É, acho que vou perguntar. - Harry disse. 

Vi Hermione abrir a boca para protestar, mas bem na hora Bichento pulou em seu colo, trazendo uma enorme aranha morta na boca.

- Ele tem que comer isso na frente da gente? - Rony perguntou. 

- Bichento inteligente, você apanhou a aranha sozinho? - Hermione perguntou.

Ele mastigava a aranha lentamente, olhando fixo para Rony.

- Vê se ao menos segura ele aí. - Rony disse irritado. - Perebas está dormindo na minha mochila. 

Logo depois, Gina e eu terminamos nosso dever de casa e fomos para o nosso dormitório dormir.

 

 

Na manhã do Dia das Bruxas, quando eu tomava meu café da manhã, vi Harry bem desanimado. 

- Vamos lhe trazer um monte de doces da Dedosdemel. - Hermione prometeu. 

- É, montes. - Rony concordou.

- Não se preocupem comigo. - Harry disse.

Fui com Harry e os outros até o saguão, onde Filch esperava na entrada, verificando os nomes na lista. Ficamos lá até todos os alunos irem embora.

- Harry, não se preocupe, ainda vai ter muitos anos para ir à Hogsmeade. - eu tentei confortá-lo. 

Ele deu de ombros, ainda claramente triste. Nós dois voltamos juntos à sala comunal.

- Senha? - perguntou a Mulher Gorda.

- Fortuna Major. - disse Harry.

- Harry! Harry! Oi, Harry! - uma voz o chamou assim que entramos na sala. 

Era Colin, do segundo ano assim como eu. 

- Você não vai a Hogsmeade, Harry? Por que não? Ei, - Colin disse, olhando para os amigos. - pode vir se sentar conosco, se quiser, Harry!

É claro, é como se eu nem estivesse ali.

- Hum... Não, obrigado, Colin. - Harry respondeu. - Tenho... Tenho que ir à biblioteca, preciso fazer um trabalho.

- Espere, Harry, eu vou com você. - eu disse, quando vi ele dando meia-volta.

- Não precis-

- Eu quero.

Saímos da sala comunal. Estávamos andando pelos corredores quando alguém nos chamou. 

- Harry? Emma?

Nos viramos para ver quem havia nos chamado. Era o Prof. Lupin. 

- Que é que vocês estão fazendo? - ele perguntou. -  Onde estão Rony e Hermione? 

- Hogsmeade. - nós dois respondemos. 

- Ah. - Lupin disse. Ele ficou nos observando por um tempo. - Por que vocês não entram? Estive aguardando a entrega de um grindylow para a nossa próxima aula. 

- De um o quê? - Harry perguntou.

Obviamente eu já sabia do que Lupin estava falando. Nós dois entramos na sala dele. Num canto, consegui ver uma caixa de água com um grinfylow dentro; ele era verde e tinha chifrinhos pontudos.

- Demônio aquático. - Lupin explicou. - Não deve nos dar muito trabalho, não depois dos kappas. O truque é deixar as mãos deles sem ação. Repararam nos dedos anormalmente compridos? Fortes mas muito quebradiços. 

- Aceitam uma xícara de chá? - Lupin ofereceu. - Eu estava mesmo pensando em preparar uma.  

- Tudo bem. - respondi por nós dois.

Lupin lançou um feitiço na chaleira e em seguida a água esquentou.

- Sentem-se. - ele convidou. - Receio que só tenha chá em saquinhos... Mas eu diria que você, Harry, já bebeu chá em folhas que chegue. 

- Como foi que o senhor soube disso? - Harry perguntou.

Lupin estava falando da aula de Adivinhação de Harry, quando no chá dele apareceu a figura do Sinistro. 

- A Profª. McGonagall me contou. - Lupin disse, entregando duas xícaras de chá para nós. - Você não está preocupado, está? 

- Não. 

Harry parecia estar pensando em alguma coisa, e Lupin acho que percebeu também.

- Tem alguma coisa preocupando-o, Harry?

- Não. - Harry disse, bebendo um pouco do chá enquanto observava o grindylow. - Tem. - ele disse de repente. - O senhor se lembra daquele dia em que lutamos contra o bicho-papão?  

Ah, o dia em que o bicho-papão de Harry se transformou em um dementador.

- Claro. 

- Por que o senhor não me deixou enfrentar o bicho?

Lupin ergueu as sobrancelhas.

- Eu teria pensado que isto era óbvio, Harry. - ele disse, surpreso.

-  Por quê?

Já estava acostumada com a lerdeza de Harry.

- Bem - disse, franzindo a testa. -, presumi que se o bicho-papão o enfrentasse, ele assumiria a forma de Lord Voldemort. 

Harry arregalou os olhos, não vou negar que também fiquei um pouco surpresa. Quase ninguém falava o nome de Voldemort.

- Pelo visto eu me enganei. - Lupin disse. - Mas eu não achei uma boa ideia Lord Voldemort se materializar na sala dos professores. Imaginei que os alunos entrariam em pânico. 

- Logo no começo, eu realmente pensei em Voldemort. — Mas depois, eu... Eu me lembrei daqueles dementadores.  

- Entendo. - ele disse, meio pensativo. - Bem, bem... Estou impressionado. Isto sugere que o que você mais teme é o medo. Muito sensato, Harry.  

Continuei bebendo o chá. Ouvimos uma batida na porta.

A porta se abriu e Snape entrou. Ele trazia um cálice fumegante, e parou ao ver Harry e eu.

- Ah, Severo. - Lupin exclamou sorridente. - Muito obrigado. Podia deixar aí na mesa para mim? 

Ele deixou o cálice em cima da mesa, seus olhos iam de Harry para mim, e depois para Lupin. 

- Eu estava mostrando a Harry e Emma o meu grindylow. - ele disse agradavelmente, apontando para o tanque de água com a cabeça.

- Fascinante. - Snape disse, sem nem olhar para o tanque. - Você devia beber isso logo, Lupin.

- É, é, vou beber. 

- Fiz um caldeirão cheio. - Snape continuou. - Se precisar de mais...  

- Provavelmente eu deveria tomar mais um pouco amanhã. Muito obrigado, Severo.

- De nada. - Snape disse, de cara fechada. Ele logo saiu da sala.

Harry e eu olhamos curiosos para o cálice.

- O Profº. Snape teve a bondade de preparar esta poção para mim. - Lupin explicou. - Nunca fui um bom preparador de poções e esta aqui é particularmente complexa. - ele pegou o cálice e o cheirou. - É pena que o açúcar estrague o efeito da poção. - e então tomou um gole.

- Por quê...? - eu perguntei.

Lupin olhou para mim.

- Tenho me sentido meio indisposto. Esta poção é a única coisa que me ajuda. Tenho a sorte de estar trabalhando ao lado do Profº. Snape; não há muitos bruxos que saibam prepará-la. 

Ele tomou outro gole.

- Mas aposto que com alguns anos mais de prática, você vai saber prepará-la, Emma. - ele disse, ainda me olhando. - Fiquei sabendo do seu talento para Poções.

- O Profº. Snape é muito interessado nas Artes das Trevas. - Harry disse.

- É mesmo? - Lupin disse, tomando outro gole.

- Tem gente que supõe que ele faria qualquer coisa para ocupar o cargo de professor de Defesa contra as Artes das Trevas. 

Lupin esvaziou o cálice.

- Bem, Emma, Harry, é melhor eu voltar ao trabalho. Vejo vocês mais tarde. 

Balançamos a cabeça e deixamos as xícaras em cima da mesa.

Fomos então de volta a sala comunal. 

- Segurem aí. - Rony disse. - Compramos o máximo que podíamos carregar. 

Uma chuva de doces caiu em cima de nós dois.

- Obrigado. - Harry agradeceu. - Como é que é Hogsmeade? Aonde é que vocês foram?  

Eles foram para todos os lugares possíveis. Queria tanta ir na Zonkos e tomar uma cerveja amanteigada...

- A Dedosdemel tem um novo tipo de bombom estavam distribuindo amostras grátis, olha aí um pedacinho, olha...  

- Achamos que vimos um ogro, juro, tem gente de todo o tipo no Três Vassouras... 

- Gostaria que a gente pudesse ter trazido cerveja amanteigada para vocês, esquenta para valer...  

- Que foi que vocês ficaram fazendo? - Hermione perguntou. - Terminou algum dever, Harry? 

Harry contou da nossa ida na sala do Lupin e como ele bebeu uma poção feita por Snape.


Notas Finais


Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...