1. Spirit Fanfics >
  2. Empty Hearts >
  3. Capítulo 10

História Empty Hearts - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - Capítulo 10


Fanfic / Fanfiction Empty Hearts - Capítulo 11 - Capítulo 10

         " TUDO ME ATINGE, VEJO DEMAIS, OUÇO DEMAIS, TUDO EXIGE DEMAIS DE MIM"
          ( Clarice Lispector )



_ Senhora Clark, sinto muito, mas não estou aqui para  me xingar ou algo do tipo. Não estou aqui para escutar  seu choro de arrependimento por não ter tratado Nora  como ela realmente mereceria, que era com amor, carinho. Não estou aqui para ouvir seus desaforos irrelevantes nesse momento tão delicado, no qual a sua única filha está em um caixão, e seu esposo está em uma cadeira com  câncer acompanhado de uma enfermeira, pois a sua  querida esposa não quer  ficar ao lado dele ou ao menos cuidar dele nesses últimos dias que serão tão complicados!-Falei firmemente olhando no fundo dos seus olhos, nos quais so podiam ser visto o ódio e arrepedimento.

_ Ela só está nessa situação, por sua culpa garota. Se você não a tivesse a tirado de casa, ela nunca estaria assim!-Me culpou na maior cara de pau na frente de todos ali presente.

_ A Senhora realmente não tem vergonha na cara. A expulsou de sua própria casa por se recusar a casar com um homem que não conhecia e que não amava. Queria obriga-la a casar com ele por causa da grande fortuna que ele tem, apenas para ter dinheiro suficiente para bancar seus fetiches fúteis.-Falei a fazendo me olhar incrédula.

_ Não acreditem nessa garota! Ela está mentindo!Ela é uma louca que acabou com a vida da minha filha!FORA DAQUI SUA DELINQUENTE!-Começou a gritar histericamente chamando atenção de todos.

_ POSSO SER LOUCA, POSSO SER MENTIROSA, POSSO SER TUDO, MAS DE UMA COISA TENHO A ABSOLUTA CERTEZA, SE ALGUM DIA EU FOR MÃE E CREIO QUE ESSE DIA CHEGARÁ. NUNCA IREI OBRIGAR MEUS FILHOS A SE CASAREM COM ALGUÉM QUE ELES NÃO AMAM, NÃO IREI EXPULSA-LOS DA MINHA CASA POR NENHUM MOTIVO, SABE POR QUE? PORQUE ACIMA DE TUDO, ELES SÃO MEUS FILHOS E NÃO IMPORTA O QUE ACONTEÇA, ELES SEMPRE SERÃO MEUS FILHOS. E MESMO QUE ELES FAÇAM ALGO QUE NÃO SEJA DO MEU AGRADO, ESTAREI TODOS OS DIAS NA NOSSA CASA, APOIANDO E CUIDANDO DELES COM O MAIOR AMOR E CARINHO DO MUNDO.

_ Você não tem o direito de invadir esse local e fazer desse momento tão delicado uma baixaria!-Falou vindo em minha direção.

_ Esse local  é público, e quem tornou esse momento em um total ato de vulgaridade, foi você, quando me xingou de vagabunda.

_ Mas você é uma vagabunda.-Tornou a me ofender me fazendo segurar em seu braço direito e leva-la para mais perto do caixão.

_ Foi você que fez a maior parte da vida dela ser um inferno, foi você que a fez fazer loucuras como se cortar por se sentir culpada e excluída. Foi você que foi uma filho da puta com ela quando ela mais precisou. Então a vagabunda aqui, não sou eu, e sim você querida.-Provoquei apertando seu braço.

_ Me solta.-Mandou puxando seu braço.

_ Como quiser querida.-Falei a soltando com força a fazendo calambear.

      Olho para todos e vejo que estão espantados, menos o Senhor Ronald, pai de Nora. Que se mantém de cabeça baixa desde do momento que cheguei até agora. Caminho em passos lentos em sua direção, me ajoelho para ficar na sua altura.

_ Eu sinto muito...-Falei baixinho colocando minha mão direita sobre um de  seus ombros.

_ Sabe, eu sei muito bem como o Senhor está se sentindo agora, por muitos anos esse sentimento de culpa e arrependimento me acompanha...E advinha quem me ajudou a superar os meus maiores obstáculos?-Perguntei tentando fazer com que o mesmo converse comigo.

_ Nora..-Respondeu em um tom baixo me surpreendendo.

_ Exatamente. Nora sempre foi uma ótima conselheira, quer dizer ela sempre foi ótima em tudo, amiga, colega, filha...tudo.

_ Me arrependo muito por não ter dado o amor que ela tanto merecia. Me arrependo tanto por não ter sido um bom pai, por não ter o que ela tanto queria...-Desabafou chorando.

_ Eu sei...eu sei...mas fica calmo, pois tenho a plena certeza que ela te perdoou, na verdade ela amava tanto vocês que não conseguia  ficar com raiva das suas atitudes nem mesmo quando queria. Ela amava vocês mais do que ela mesma.

_ Você a conhecida muito bem...-Confirmou olhando em meus olhos pela primeira vez.

_ So não a conheço muito bem, como também sei, que ela está implorando para o senhor ser forte e vencer esse câncer, pois onde ela está, ela estará lhe apoiando.-Falei enquanto secava suas lágrimas com o meu polegar.

      Fico surpresa quando o mesmo me puxa para um abraço apertado.

_ Você é uma garota de ouro.-Falou entre os sussurros ainda me mantendo envolvida em seus braços.

         Após uma bela homenagem que os nossos colegas da FBI e a família fizeram. Me aproximo do "centro" da multidão.

_ O que dizer sobre Nora Clark? Bom, sinceramente não sei como explicarei sobre ela, nem as mais belas e diversas palavras existentes no mundo poderão definir Nora. Porque além de ser maravilhosa em tudo que faz, ser uma pessoa magnífica na qual você admira eternamente, ela era o tipo de pessoa que quando você caía, ela estava lá pronta para te ajudar a levantar, quando você estava prestes a se jogar de um precipício, ela estava lá com a mão  estendida, preparada para lhe puxar. Quando você desistia de viver, ela estava lá mostrando com o sorriso mais lindo do mundo que a vida é uma montanha russa de sentimentos e que não importava o que você estava sentindo, ela ficaria ao seu lado tentando te fazer rir com suas brincadeiras. E agora aqui estamos. Homenageando uma mulher magnífica, a pessoa que um dia me disse: "Não importa se o dia está ruim, se você não está bem, o que realmente importa é que você está vivo". Nora era uma boa garota? Não, ela é e sempre sera a mulher mais INCRÍVEL e INSUBSTITUÍVEL do MUNDO. Nora não importa onde você está, mas saiba que sempre você permanecerá viva dentro de mim.-Finalizei recebendo vários aplausos.

   Me aproximei de seu túmulo e coloquei sobre o mesmo um girassol. Sua flor preferida. Me despedi do Senhor Clark e me direcionei para fora do local. Como quero evitar olhar para a cara do idiota do James, chamo um taxi e vou para o departamento do FBI.
        Sinto meu celular vibra em meu bolso, pego o mesmo a notificação de uma mensagem de Christian.

     ( MENSAGEM ON)

_ Kylie, assim que você chegar no departamento, você irá mostrar as provas criminalistas que alteramos que entregamos à você  para seu chefe, assim ele desfocará um pouco da nossa equipe.

         ( MENSAGEM OFF)

     Apenas visualizo a mensagem e desligo o celular para ninguém me incomodar mais.
             Chego ao departamento e vou direto para a sala do meu chefe.

_ Olá senhor, como vai?-Cumprimento o mesmo educadamente.

_ Estou muito bem e a senhorita?-Perguntou em um tom irônico me fazendo arquear as sobrancelhas em desconfiança.

_ Estou bem também senhor, bom aqui está as provas que prometi ao senhor ao algum tempo atrás.-Falei estendendo a pasta com todos os documentos e fotos que Justin me entregou.

_ Muito obrigada Agente Jenner, não fez mais que sua obrigação. Mas lamento muito lhe dizer que você não  está mais nesse caso.-Falou pegando a pasta e colocando sobre a mesa.

_ Como assim? Eu não estou entendendo, eu não deixei o caso porque quis, eu estava com problemas pessoais!-Me alterei.

_ Você escolheu ir para Itália, agora eu escolhi te trocar. Sabia que você não  é a única agente que existe?-Debochou me fazendo ficar com raiva.

_ Pode até existir muitas agentes, mas melhores que eu, duvido.-Provoquei.

       Ouço a porta se abrir e passos se aproximarem.

_ Agente Jenner te apresento à Agente Ross, que está permanentemente no comando do caso da máfia canadense.-Falou sorrindo cinicamente.
  
       Olho para trás vendo uma loira, alta, com olhos verdes, me olhando de cima a baixo com um ar de superiodidade. Devolvo o olhar a encarando firmemente. Se essa loira aguada pensa que vai tomar meu lugar, está muito enganada.

_ Tudo bem querida? Dayse Ross à sua disposição.-Falou fazendo  meu ouvido doer com sua voz extremamente fina.

_ Claro flor, porque não estaria tudo bem? Kylie Jenner,  quando precisar de umas aulinhas me chama, adorei te conhecer viu queridinha.-Debochei saindo da sala completamente nervosa.

      Saio do meu local de trabalho com a raiva saindo juntamente com minhas secreções. Chamo um taxi e vou para um barzinho que fica perto de umas casas simples...
  
       Viro o meu décimo quinto copo de tequila, sentindo minha garganta queimar como nunca. Desço da cadeira cambaleando e vou para cima do palco e tomo o microfone de um dos cantores que estavam cantando, fazendo todo mundo me encarar.

_ Oiiiie pessoal, beleza? Bom né, é tão bom ser amado nesse...nessa...nessa vida que te-temos né.-Falei arrastado fazendo todos rirem.

_ Quem quer se divertir essa noite, grita.-Falei e logo após uma gritaria começou.

     Solto o microfone no chão fazendo um barulho estridente ecoar por todo o estabelecimento. Sinto ser puxada para fora do palco por um homem que não conheço. Empurro seu peitoral fazendo ele se afastar. Subo em cima de uma mesa e começo a dançar descontroladamente,  pego uma bebida de uma garota que estava passando por perto e abro a mesma, ja que estava lacrada e continuo a dançar. Retiro minha blusa ficando apenas de sutiã e com as partes de baixo, começo a girar meu sutiã no ar, rebolando até o chão, fazendo os homens ir a loucura.

_ TODO MUNDO FORA DESSA PORCARIA AGORA!-Gritou uma pessoa que conheço muito bem, fazendo geral sair correndo desesperados ao ver a arma em sua mão.

_ Bieber!-Falei animadamente ainda rebolando.

_ Jenner desce porra!-Falou com arrogância.

          Continuei bebendo e dançando, ignorando Justin super irritado a minha frente. De repente sinto meu corpo ser puxado com brutalidade da mesa. Observo Justin me puxar para fora do bar.

_ Ai Jus ta me machucando.-Reclamo enquanto o mesmo me jogava para dentro do carro.

_ Cala a boca.-Ordenou assim que entrou no carro.

_ Nossa querido, porque está tão arrogante comigo?-Perguntei me aproximando do mesmo.

     Segurei seu rosto, acariciando o mesmo..
     Aproximo meus lábios do seu, encarando seus lindos olhos cor de mel. 

_ Me beija agora Jus!-Implorei olhando profundamente em seus olhos.

      Sou pega de surpresa quando Justin coloca suas mãos em minha cintura e inicia um beijo intenso, com uma mistura de desejo e...paixão.
          Paro o beijo, para me sentar em seu colo e assim que ele coloca novamente sua mão em minha cintura e começa a subir e descer pela a mesma, início um novo beijo...






Notas Finais


NOTAS DA AUTORA:

ESPERO QUE GOSTEM.

VOTEM E COMENTEM

E ATÉ EM BREVE

☆☆☆☆☆☆♡☆☆☆☆☆♡☆☆♡♡☆☆♡☆


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...