História End of the day (2 Temporada) - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles
Tags Drama, Fama, Harry Styles, Lauren, Romance, Shows
Visualizações 91
Palavras 2.211
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem ♡

Capítulo 16 - Social networks


Fanfic / Fanfiction End of the day (2 Temporada) - Capítulo 16 - Social networks

-Tia, está em casa? 

-Estou sim, aconteceu alguma coisa? Você parece séria. 

-Não, está tudo bem. Quer dizer...

 

Raspei a garganta, mudando o telefone para outra orelha. 

 

-Pega o notebook e abre o Twitter, você precisa ver..

-Espera, o quê? Porquê?

-Tia, pega o notebook. 

 

Ela murmurou algo do outro lado da linha e eu rolei um pouco mais a página que a tela exibia para mim. Cada comentário era uma surpresa. 

 

Era incrível a capacidade que aquelas pessoas tinham de adivinhar literalmente tudo que estava acontecendo, mesmo sem saber. 

 

-Abre o link que eu te mandei. 

-Abrindo..

-“Linz, Lucas e Pedro estavam juntos ontem, mas nada do Harry e Lauren.” 

 

Comecei a ler, ainda no telefone. 

 

-“Ela costumava postar mais, agora que ele sumiu ela também sumiu. Queria que não fosse verdade.” 

 

Desci um pouco mais. 

 

-“Eles provavelmente estão juntos agora, vão arranjar uma vida e deixem eles em paz!” Opa, esse foi interessante. 

 

Ri do comentário e pude ouvir minha tia rir do outro lado. 

 

-Ah isso está ficando apertado... 

-Escuta esse! -me ajeitei na cadeira, raspei a garganta de novo- “Harry nunca colocou sua vida amorosa para nós. Mas, apesar de tudo, ele disse que eram só amigos. Se vocês não acreditam no que ele diz, então eu não sei o que fazer.” 

 

Meu tom de voz foi diminuindo e a velocidade com que eu lia foi se desacelerando a medida que a frase acabava. Ela ficou em silêncio de lá e eu de cá, isso era ruim. 

 

-“Só espero que não seja com ela, ela não merece.” 

-É melhor a gente parar. 

 

Falei. 

 

-Sim, isso é um problema.

-Por quê? Porque eles não falam de uma vez e vivam uma vida normal como todo mundo faz? 

-Bianca, há tantas coisas por baixo dos lençóis... Nada é tão simples.

-Nós complicamos demais. Porque ter medo? São apenas fãs...

-São quem deram tudo para ele. Nós não podemos simplesmente soltar essa notícia e sair para passear na rua, Bianca. 

 

Mary já tinha mudado o tom de voz, me arrependi naquele segundo de ter ligado para ela. 

 

-Se este relacionamento vier à tona, eles não vão conseguir ficar juntos mais. A vida deles, da Lauren, tomaria proporções absurdas. Vocês estava lendo os comentários, eu sei que viu coisas cruéis. Tudo o que nós tentamos fazer é protegê-los dessa parte da história. 

-Mas...

-Harry é amado, esta garota seria massacrada verbalmente e se não tomássemos cuidado, até fisicamente. Eu não duvido, você? E agora, pensando mais friamente, porque este é o meu trabalho, todo esse bolo atrapalharia a carreira dele.

-Ele seria afetado também e aconteceria uma relação em cadeia. 

 

Completei, entendendo finalmente o que ela queria dizer. 

 

-Exato. Isso tudo é muito mais delicado do que eu gostaria. Lauren é uma menina doce, ótima, eu não quero vê-la passar por tanto. E eu tenho certeza que o H também não.

-Ela já é crescida... 

-Não Bianca, nós não podemos fazer nada sobre isso. Apenas proteger até quando não der mais. 

 

Abaixei a cabeça e soltei o ar preso nos pulmões, porém aquilo não me fez sentir mais leve. Ela mostrava mil motivos pelos quais tudo daria errado e tudo o que eu pensava era no e-mail da noite passada, nas palavras secas e cheias de sarcasmo. Aquilo vai acontecer, e eu queria que estivéssemos preparados para isso. 

 

-Espera, eu tenho uma ideia. 

 

O famoso plano B.

 

... 

 

Pov Lauren 

 

Passei o cabelo pro lado e o espremi como se fosse um simples pano, tirando o excesso da água do mar. Já era fim de tarde e a beleza desse lugar era algo que eu jamais poderia colocar em palavras.

 

A cor da água poderia ser comparada com o azul do céu sem nenhum problema. As ondas quebravam tranquilamente e era possível ver os seus pés todo o tempo. 

 

Ela corre tranquila até o seu início e forma uma espuma branca, onde as ondas se quebram e desaparecem, encontrando a areia. 

 

A areia era entre tons brancos e “cor de pele”. Tão suave que você tinha a impressão de estar caminhando por vários algodões doces. De um lado, construções enormes e modernas de tirar o fôlego. Mas do outro, provavelmente a vegetação mais verde que eu já vi. 

 

Árvores enormes e flores das mais variadas cores, com trilhas e até cachoeiras mais a fundo. Os pássaros voavam tranquilamente e o sol se banhava junto de nós. Deixando um rastro dourado na água que mais se parecia um caminho para o paraíso. 

 

Voltando a areia, uma toalha preta estendida no chão e, em cima dela, a pessoa que me fazia ter friozinhos na barriga. Ele estava sentado com os braços apoiados nos joelhos enquanto parecia me olhar.

 

Ele tinha uma camiseta preta atravessada pelos ombros e vestia uma bermuda branca, molhada. Seu corpo já estava seco e denunciava, através de vermelhidões, que havia passado o dia todo na praia. 

 

O cabelo dele ainda estava molhado, mesmo eu achando seguro dizer que estava mais seco do que molhado. Era liso e formavam cachinhos na ponta, da cor do mel.

 

Dei uma boa respirada funda, tentando inalar aquela atmosfera o máximo possível, e sorri ao me aproximar dele. Meu biquíni era preto, porém puxei uma tanga rosa para colocar por cima, Harry observou todo o movimento. 

 

-Vamos voltar amor? Acho que se demorarmos mais um pouco não vamos conseguir receber nossos amigos a tempo.

 

Harry me olhou e eu senti todo o meu corpo fraquejar seriamente, ignorando tudo o que ele tinha falado. Seus olhos verdes refletiam à luz do sol, os deixando ainda mais verdes. Um verde extremamente claro e brilhante. Como uma esmeralda. Rara.

 

Suas bochechas vermelhinhas ainda por conta do sol me fizeram sorrir. Contato visual era algo perigoso, mas amável também. Por Deus, porquê tão amável?

 

Ele se levantou devagar e sacudiu a camiseta, pronto para vesti-la. Acompanhei todo o movimento com os olhos, jamais me cansaria ou deixaria de me encantar. Você pode acreditar que ele faz coisas simples também? Como esquecer de trazer protetor, como deixar a camiseta esticada para secar no sol, como se enrolar na toalha quentinha enquanto treme de frio, como apenas se sentar na areia e ter um momento tranquilo?

 

Me cobri com a tanga e inclinei o corpo para baixo, pegando e sacudindo nossa toalha. 

 

-Deixa eu te ajudar. 

 

Ele disse doce, mas quis dizer outra coisa. Harry me beijou profundo e um arrepio gelado subiu até a minha nuca, me fazendo afastar rapidamente, cortando o beijo.

 

Ele abriu os olhos, confuso, e eu olhei em volta me dando conta de que não estávamos sozinhos e de que aquilo era perigoso.  

 

-O que? O que foi? 

-É tudo bem ficarmos assim na rua? Quer dizer.. -cochichei- Olha quantas pessoas, se alguma delas tiver visto...

 

A praia não estava cheia, mas tinha uma quantidade considerável de pessoas. Das jovens as mais velhas. E, mesmo que não seja verdade, me acostumei a ter olhos me acompanhando em tudo o que eu faço então... senti medo.

 

Harry deu um passo para trás, ainda me olhando. Mas seu semblante... ele pareceu não entender.

 

-Você não precisa ficar assim o tempo todo. 

 

Foi tudo o que ele disse. Harry disse um tanto rude e eu senti na pele o que quis dizer. Ele deu de ombros e eu tentei falar algo, mas Harry se virou antes que eu conseguisse e pegou o pano das minhas mãos. 

 

Andei à passos largos até ele e parei, tentando fazer com que olhasse para mim, mas Harry apenas continuou caminhando como se eu não estivesse ali. 

 

É o que você ganha por se preocupar demais e sentir medo. Entendi que era para me afastar então joguei meu chinelo na areia e o calcei, acompanhando um pouco mais atrás. 

 

Da praia até o nosso quarto de hotel não gastava mais do que dez minutos, mas desta vez se pareceu mais com uma hora de caminhada. 

 

Ele não disse uma palavra, não olhou para mim uma vez sequer e tão pouco segurou a minha mão ou me tocou. Harry tinha ficado chateado por eu ter receio de outras pessoas verem?

 

Bufei sozinha, não era a minha culpa. Nada daquilo era. Ele abriu a porta principal e parou onde estava, virando para mim. 

 

-Obrigada. 

 

Falei firme ao passar por ele, sem olhar para trás. Chamei o elevador algumas vezes até que enfim parasse no nosso andar, deixando algumas pessoas saírem. 

 

Cumprimentei com a cabeça e me espremi no cantinho, como se estivesse cheio e sem espaço. Harry entrou logo atrás e apertou para o nosso andar, parando próximo à mim. Mas desta vez, eu que não olhei. 

 

Eu só precisava de um banho para deixar tudo isso passar. Eu nunca fui de brigar, nunca gostei e nunca vi sentido em brigar com pessoas que eu amo por motivos não tão importantes. 

 

E eu não brigaria com ele, mas respeitaria o tempo que quisesse. A porta abriu bem devagar e eu passei por ela com pressa, quase não esperando abrir-se totalmente.

 

Atravessei o corredor até o nosso quarto e o rastro de areia deixado por nós infelizmente daria trabalho para alguém mais tarde. 

 

Posicionei o cartão em frete da máquina que lê o código e ouvi o barulho da porta se destrancando. Deixei a porta aberta e coloquei minha bolsa na mesa e os chinelos bem no cantinho, para não sujar mais do que já estava. 

 

Harry fechou a porta e fez o mesmo, se sentando na ponta da cama e pegando o cardápio oferecido pelo hotel. Me virei de costas e levantei os braços, puxando a tanga molhada e desconfortável para longe de mim. 

 

Peguei meu chinelo e caminhei até o banheiro, fechando a porta. Pendurei minha toalha no lugar certo e, assim que toquei meu biquíni, pude ouvir meu celular tocar dentro da bolsa. 

 

-Agora? 

 

Bufei de novo. Toda aquela situação com o Harry havia me deixado sem paciência. Abri a porta e corri até ela, quase jogando tudo para fora pra conseguir encontrá-lo. 

 

-Alô?

-Tudo bem Lauren? É a Mary! 

 

Respirei fundo, algo estava vindo. 

 

-Oi Mary, tudo tranquilo e com você? 

 

Harry me olhou, me virei. 

 

-Então querida, primeiro me desculpe por atrapalhar as férias de vocês. Mas nós estávamos olhando as redes sociais hoje e há bastantes comentários sobre você e Harry terem sumido.. 

 

Mary disse com calma e eu já podia sentir meus olhos queimarem em fúria. Tirei o celular do ouvido e coloquei a ligação no viva voz, eu sabia o que ela iria dizer e queria que ele escutasse. 

 

-Seus colegas de banda foram vistos e estão ativos nas contas durante esses dias mas vocês dois não. Tudo bem que o Harry sempre foi assim, mas as pessoas indagam que você não. Eles suspeitam que vocês estejam juntos e acho que você já imagina onde eu quero chegar né? 

-Sim Mary. 

 

Tentei ser paciente.

 

-Lauren, eu preciso que você poste uma foto nas suas redes sociais com alguma legenda sobre estar em casa ou qualquer outro lugar do mundo que não seja o Havaí. Agora mesmo. 

-Am.. 

 

Gaguejei por um instante. Harry se levantou da cama e decidiu me olhar, com o semblante totalmente diferente agora.

 

-Isso é tão desconfortável para mim...

-Eu sei querida, mas é necessário ok? 

 

Ela nunca saberia e minha opinião nunca valeria. Harry balançou a cabeça levemente e eu me virei de novo, respirando fundo. 

 

-Tudo bem, beijos. 

 

Finalizei a ligação e abri o meu rolo de câmera. Subi e desci várias vezes e, para minha infelicidade, nenhuma foto que se encaixasse com o momento. Olhei para frente, para os lados e para frente de novo. 

 

O armário seria o meu cenário perfeito mas... biquíni? 

 

-Lauren.. 

 

Entrei no banheiro novamente e peguei a camiseta que eu estava usando antes de ir para a praia mais cedo, vestindo-a. Passei as mãos no cabelo ainda molhado e voltei para o quarto. 

 

-Não precisa fazer isso...

-Sim Harry, eu preciso. 

 

E este foi o único momento em que olhei para ele de novo. 

 

-Onde estou? 

 

Falei baixinho, olhando em volta. Felizmente meus pais tinham descendência espanhola e felizmente minha mãe havia me dado uma bandana com as cores da bandeira do Chile e, felizmente, eu havia amarrado ela na alça da minha mala. Então eu poderia arriscar o meu espanhol agora.

 

A soltei e a amarrei em volta do meu pescoço, ajeitando com a ajuda do espelho gigante do banheiro. 

 

-Por quê vai mentir? 

-Porque as pessoas que gostam de você não gostam de mim, e eu tenho que fazer coisas assim para ter segurança.

 

Confesso que foi um pouco rude da minha parte, mais do que deveria e no mesmo nível que ele havia sido comigo. Harry não concordava mas ele também não entendia. Algumas coisas eu teria que guardar pra mim. 

 

Eu não gostava de ter que fazer essas coisas e gostava muito menos de ter que ter medo do mundo lá fora. O meu silêncio valia ouro e a minha localização valia segurança. O que eu poderia fazer? 

 

Engoli o choro que pressionava minha garganta e posicionei o celular na altura do meu rosto, forçando o meu melhor sorriso. 

 

@laurenjg: “Fue un buen día aquí en Chile hoy, te veo mañana ❤️❤️”

 

...

 

 

 


Notas Finais


Você mentiria? Você entenderia?
Deixem suas opiniões xuxus, é importante para mim :))
Até a próxima ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...