1. Spirit Fanfics >
  2. Enemies or ... friends? >
  3. Jisung was right.

História Enemies or ... friends? - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


ㅡ dESCULPEM a demora por atualizar essa obra aquiKKKKKK eu realmente estava com mais foco no VdA que deixei ela de ladinho.
ㅡ o capítulo de hoje é muito... soft, nhonho, cute-cute ???¿¿¿
ㅡ os próximos eu pegarei pesado, relaxem 😎
ㅡ enfim, sem muita conversa, espero que gostem, foi revisado a pouco, então perdoem qualquer erro.
ㅡ dêem amor e boa leitura!

Capítulo 10 - Jisung was right.


Fanfic / Fanfiction Enemies or ... friends? - Capítulo 10 - Jisung was right.

- Garotos, hora de acordar. 

A doce voz da Quinzel preencheu o cômodo logo cedo naquela manhã, ela estava ótima, vestindo uma roupa mais confortável, e parecia já ter tomado banho. A maior esboçava um sorriso acolhedor, ao assistir os quatro garotos despertarem aos poucos. Jeongin estava tão agarrado em Hyunjin que ambos poderiam se tornar um só ali, quanto Jisung estava cerca de vinte centímetros longe de Minho, tendo boa parte de seu corpo para fora do colchão.

- O café já está pronto, e bom dia, meninos. - A mais velha não esperou mais nenhum segundo em frente ao quarto, e traçou rumo à cozinha.

Hyunjin moveu-se ao lado do misto, que resmungou com tal atitude e apertou, cada vez mais, o torso do esverdeado, que lhe deu uns tapinhas fracos no braço, fazendo o outro abrir seus olhos. 

- Não me acorde assim… ㅡ Reclamou, afastando-se minimamente do corpo alheio.

- Desculpe, princesa, mas você estava me apertando demais. - Rebateu, e já estava sendo grosseiro logo cedo com o pequeno Quinzel?

- Ele me odeia, gente. - Jeongin reclamou.

- Odeia. Odeia muito. - Minho ironizou, sentando-se sobre o colchão, e somente agora observando Jisung. - Se ajeita, Han.

- Por que vocês falam demais quando acordam? - Indagou, sonolento, o filho de Barry, que forçou-se a ficar sentado.

- Ele é tão bonito depois que acorda, não é? - Minho suspira apaixonado, ganhando apenas uma careta indiferente do outro casal, que deu de ombros, afinal, cada um tinha seu cada um… Se é que a frase fosse assim, enfim. 

Os jovens levantaram, e pacientemente, cada um foi lavar seu rosto no banheiro do cômodo, e isso não demorou tanto, somente dez minutinhos, depois o quarteto já estava descendo a escada, conversando sobre um assunto que surgiu durante aquela manhã.

- Quanta energia, vão gastá-la na festa de hoje, não é? - Harley comentou, saindo da cozinha, enquanto segurava uma caneca, que aparentemente estava cheia de café. 

- Festa? Oh, sim! - Jeongin sorriu largo, pois por um instante, havia esquecido da tal festa que ocorreria naquele dia. Hilário. Como poderia esquecer? Ele teria a chance de dar uns pegas no esverdeado ao seu lado, e não desperdiçaria tal oportunidade. 

- Que sorriso assustador. - Comentou Minho, tendo uma careta.

- Tenham juízo na festa, por favor, garotos. - Pediu, carinhosa, aproximando-se dos mais novos. - Usem preservativos e não bebam tanto, certo? - Alisou, em especial, o rostinho angelical de seu amado filho. 

- Não se preocupe. - Confortou o Hwang, recebendo uma confirmação dos outros jovens.

- Cuidaremos uns dos outros. - Jisung assegurou, mesmo que mal conhecesse muito os outros dois jovens ali.

- Obrigado, bem, vão tomar o café de vocês, já, já os acompanho. - Sorriu, apontando para o cômodo.

O quarteto seguiu para a cozinha, onde começaram a servir-se e aproveitaram para conversarem, assim podendo se conhecer melhor, e por mais que Jeongin e Jisung não se conhecessem tão bem, até que estavam se dando bem. Os mais jovens iniciaram uma conversinha duvidosa, - ao ver do Napier e do Wayne - que dariam de tudo para saber o que tanto os baixinhos conversavam, para deixarem risinhos ou olhares maliciosos, escaparem. 

- O que estão aprontando? - Indagou Minho, já impaciente com tanto segredinho.

- Nada. - Responderam uníssono, dando de ombros.

- Nada? Vocês estão faz quinze minutos conversando em segredinho. - Hyunjin comentou, cruzando seus braços.

- Está com ciúmes? - Arqueou uma sobrancelha, Jisung, contendo um sorriso. 

- Não, nada disso mas-

- Ele está. - Jeongin sorriu vitorioso, em seguida deu uma bebericada em seu café. - Ah, Jisung, com que roupa você vai? Estou em dúvida em qual usar… - Formou um biquinho, e tamanho assunto causou curiosidade nos mais velhos, mesmo que esses não quisessem deixar tão explícito assim.

- Eu ainda não decidi. - Respondeu o outro, pensativo. 

- Poderia lhe mostrar com quais pretendo ir? Caso se interesse em alguma, lhe empresto.

- Acho ótimo!

- Chega de conversa, meninos. O café irá esfriar, uh? - Harley adentrou a cozinha, não tardando em juntar-se com os mais novos, para assim os acompanhar durante o café da manhã, aproveitando para conhecer melhor os amigos de sua preciosidade, tirando Minho, o velho conhecido da família.

Bem, tudo foi jogado a limpo ali, ou quase tudo, já que Hyunjin manteve-se quieto sobre um determinado assunto, esse tal que trataria somente com Jeongin, e se tudo desse certo, ainda hoje, na festa de Felix. Uma parte do esverdeado comemorava sobre a coragem do mesmo em falar sobre determinado assunto, já outra parte dizia que não era o certo a se fazer, mas não deu ouvidos a essa segunda parte, precisava criar um vínculo mais confiável entre ele e Jeongin, e tinha ciência disso.

- Não pense tanto. Sua cabeça explodirá. - Implicou Minho, dando um tapa na nuca do esverdeado, ao traçar rumo à saída da cozinha. 

- Não sou você! - Rebateu, enquanto massageava o local que havia recebido o tapa.

- O que tanto pensava, Hyunjin? - Perguntou em tom baixo, Jisung, mesmo que só estivessem os dois ali no cômodo da casa.

- Sobre como contarei a Jeongin. - Respondeu no mesmo tom, suspirando em seguida.

- Não se preocupe, seja verdadeiro. Ele entenderá. - Confortou. 

- Ainda tenho que contar a senhora Harley. - Suspirou, frustrado, era muita carga para cima de si, Jisung poderia até mesmo sentir tal peso.

- Conte primeiro ao filho, tendo ajuda, ela aceitará também. - Assegurou, calmo.

- Se caso não aceitarem…? - Supôs, incerto e nervoso.

- Não me faça mais perguntas. 

- Sobre o que conversam? - Jeongin surgiu da puta abiogênese, sorrindo leve, caminhando diretamente ao colo do esverdeado, sentou-se ali.

- Nada de importante. É só sobre a festa. - Jisung driblou o assunto, sorrindo.

- Minho está lhe chamando. - Quinzel comentou, sapequinha. - No quarto. - Sussurrou perverso, fazendo o filho de Barry corar.

- Até mais. - Sumiu das vistas alheias.

- Que mentira descarada. - Hyunjin riu alto.

- Não seja chato. - Roçou a ponta de seu nariz ao do maior, que sorriu, depositando um selar contra os finos lábios com sabor doce. - Queria um momento a sós com você…

- Mas não terá, que pouca sem vergonhice, Jeongin. - Quinzel adentrou a cozinha, assustando ao casal não assumido, deixando um Hyunjin envergonhado e um Jeongin sorridente mas frustrado por dentro. - Já que os quatro curtirão mais tarde, irão me ajudar na casa. - Avisou, procurando algo pelas gavetas da bancada.

- Ajudar? Mas mãe! 

- Nada disso. - Negou, retirando uma chave de dentro da gaveta. - Vou pegar as coisas, vamos cuidar da casa, meninos. Minho! Trás o teu namorado, vamos cuidar da casa! - Gritou da cozinha.

O esverdeado gargalhou alto, não que quisesse soar tão alto mas era inevitável para si, Jeongin negou com a cabeça enquanto Harley tratava de ir buscar os itens que precisaria, e os quais os garotos usariam. Era domingo, mas ninguém descansaria hoje, talvez somente um cochilinho à tarde, e nada mais.

Harley conseguiu cansar os garotos, os colocou para trabalhar, uns tomando conta da sala de estar, outros do quartos e afins, mas para si não era um trabalho tão cansativo, mas para o quarteto sedentário era muito. Minho e Hyunjin nunca haviam se sentido tão fatigados quanto agora, e olha que participavam do time de basquete! Jisung nem pensava que passar aquele dia na casa do Quinzel fosse resultar naquilo, anotou mentalmente que jamais aceitaria vir novamente passar a noite na residência. Jeongin era o único, mais ou menos, acostumado com aquilo, mas isso não significava que não sentia o mesmo cansaço que seus amigos. Era inevitável.

A manhã se passou lentamente, quase que uma amostra grátis de como seria viver no inferno, ou algo bem parecido, mas tal experiência fora marcante para os jovens. O horário do almoço chegou, a Quinzel mais velha ficou responsável em cuidar de tudo na cozinha enquanto os mais novos resolviam tomar um banho.

- Vista essa roupa aqui, é bem folgada. - Dizia Jeongin, entregando um par de roupa a Jisung, que aceitou de bom grado, já que não iria repetir a sua roupa suada.

- Obrigado, Jeongin. - Sorriu admirando as vestes. - Ah, aproveitando que os garotos não estão aqui… Com qual roupa pretende ir? - Perguntou baixinho, de certa forma curioso.

- Venha cá.

Jeongin não tardou em puxar o seu mais novo amigo para dentro do closet, que não era tão grande mas com um espaço considerável. Jisung pôde notar que o misto tinha roupas um tanto quanto… Curiosas. É, essa talvez seria a palavra correta para classificar. 

- Não dói? - Indagou, ao pegar um dos shorts do mais novo.

- Não. São do meu tamaninho. - Disse orgulhoso recolhendo a peça e a guardou em seu devido lugar. - Eu estava planejando ir com uma calça… Ela é bem sexy. - Compartilhou.

- Ah é? - Arqueou uma sobrancelha, curioso.

- Sim! - Sorriu tratando de procurar rapidamente a dita cuja, não demorando tanto, apenas atiçando mais a curiosidade de Jisung.

- Nossa! Mas ela é linda!

- Eu sei. - Sorriu, colocando a peça em frente ao seu próprio corpo. - Nem em pensamentos mamãe deixaria eu ir com ela para o colégio, então irei para a festa.

- Gostei, eu pensei em usar uma justa na cintura e larga nas coxas, ficaria legal? - Indagou.

- O seu corpo é perfeito com tudo, então sim. - Jeongin assentiu com suas próprias palavras.

- Perfeito! - Alargou seu sorriso, mas antes que pudesse dizer mais uma coisa, a voz do filho de Wayne invade o closet, assustando aos mais novos, que por um segundo haviam esquecido que haviam os dois lá fora.

- O que fazem aqui? - Perguntou curioso, vagueando o olhar pelo local já bem conhecido. 

- Estávamos conversando, até você nos atrapalhar. - Rebateu Jeongin, cruzando seus bracinhos.

- Não atrapalhei nada. - Formou um bico, tomando a liberdade em abraçar ao Flash, que sorriu abobado, um sorriso que não fora despercebido pelo misto.

- Melhor irmos, não é? - Jeongin guardou as coisas que havia tirado de seu lugar.

- Que horas será a festa? 

- Não sei, mas mais tarde iremos começar a nos arrumar. - Minho sorriu de canto.

Saíram do local, e logo deram de cara com um Hyunjin distraído com seu celular, deitado na cama de Jeongin como se fosse sua, sério, estava sendo muito folgado e aproveitador, mas o mais novo não reclamava daquilo, ele até que amaria ter o cheirinho doce do esverdeado em sua caminha.

O almoço foi anunciado, e o quarteto partiu em direção a cozinha.

[...]

Jeongin se juntou ao esverdeado na cama, deitou sua cabeça no peitoral do mesmo e assim pôde assistir o que o maior estava fazendo em seu celular. Suspirou, ele estava conversando com seus amigos, ou melhor dizendo, somente lendo as mensagens, e eram muitas! É de se esperar, claro.

- Esperava o quê? - Perguntou, sua voz estando rouca, pelo não uso da mesma durante um bom tempinho.

- Ah, sei lá… - Fez biquinho, ainda mantendo o seu olhar fixo ao ecrã do aparelho, assim podendo ler algumas mensagens idiotas dos amigos do Napier.

- Fofo. - Desligou o ecrã, largando o aparelho ao seu lado na cama, com sua mão vaga segurou o queixinho do mais baixo, assim podendo depositar um selinho sobre os finos lábios. 

- Lindos, eles esquecem que nós estamos aqui. - Minho reclamou, Jisung contendo o seu riso.

- Deixa eles para lá e vamos descansar, a festa promete. - Jisung comentou, deixando em ênfase à parte de "a festa promete" lançando um olhar para o esverdeado, que pareceu entender o recado, fechando sua cara numa carranca nada boa, isso passando despercebido somente pelo garotinho de madeixas mistas.

- Hyunjin?

- Hum?

- Me dá mais um beijinho. - Pediu baixinho, manhoso.

- Claro. - Sorriu amoroso, juntando seus lábios, novamente, aos do menor.

Ficaram aos beijinhos durante a tarde, mas não toda, já que, após muita insistência da parte de Jeongin, foram tirar um cochilo.

[...]

Jeongin despertou ao sentir algo cutucar sua barriga, não somente uma ou duas vezes, e sim várias vezes até que se desse por acordado, dando um resmungo para que seja lá quem fosse, parar de cutucar a sua barriga.

- Que bom que acordou. - Era a voz de Minho, aliviado.

- O que foi? - Sentou-se na cama, e percebeu que estava só na mesma, onde Hyunjin estaria?

- A festa começa daqui de uma hora, ok? - Avisou, alisando o rostinho delicado de seu amigo. - Eu já estou indo junto com Jisung, lhe encontro lá, uh? - Recebeu um aceno preguiçoso vindo da parte do menor, sorriu. - Acho tão lindo você assim… 

- Não seja bobo. - Sentiu suas bochechas esquentarem, Jeongin puxou o mais velho para um abraço apertado e carinhoso, ato esse que foi rapidamente retribuído pelo Wayne. 

- Mas é verdade, hein. - Beijou a bochecha do misto e afastou-se. - Hyunjin está terminando o banho, tchau.

- Tchau.

O esverdeado adentrou o quarto, Jeongin o deixou confortável para se trocar, aproveitando tal momento para que pudesse tomar um banho refrescante, e para pensar sobre qual peça combinaria melhor para tal ocasião. Queria ousar. Ele seria o centro das atenções ali.

Hyunjin escolheu sua roupa de forma rápida, afinal, tudo o que vestia caía bem em seu corpo, não querendo se gabar mas todos sabiam que aquela era a mais pura verdade. O esverdeado optou por uma regata branca bem folgada, uma jaqueta preta com correntinhas em prata, uma calça de couro, bem o seu estilo, e finalizou com seu all star, nada tão chamativo, afinal, seu foco não era somente ir e beber, mas sim conversar com Jeongin num ambiente distraído e, se tudo der certo, ficar com o baixinho.

- Posso sair? - O misto perguntou, encostando sua bochecha contra a porta do banheiro, esperando ansioso uma resposta positiva do mais velho, que estava em seu quarto.

- Claro. - Hyunjin jogou-se na cama, e seu cabelo outrora arrumado, ficou bagunçadinho.

- Uau, que bonito. - Jeongin analisou a roupa do esverdeado, que lhe lançou um olhar curioso, mas desistiu de manter tal contato, assim voltando a ter sua cabeça contra o colchão.

- Gostou? Pode pegar para você. - Sorriu de canto, levando sua destra até seus fios, assim os jogando para trás.

- Eu já tenho você. - Resmungou, caminhando até seu closet. 

- E não sabe aproveitar…

- É… Mas hoje você não escapa.

- Nunca tentei escapar. - O esverdeado riu, sentando-se na cama.

- Você entendeu. - Revirou seus olhinhos.

O pequeno Quinzel adentrou o closet e se trancou ali, alegando a si mesmo que gostaria de fazer uma surpresinha ao Napier. Jeongin pensou muito, e depois de uns quinze minutos olhando as roupas, finalmente, pegou uma camisa branca com estampa aesthetic soft, algo bem sua cara, numa tonalidade de rosa bebê. O tecido era curto em seu frontal, e cobria todas as costas, muito belo. A calça da vez fora uma justa, preta, um pouco folgada nas coxas que apertava-se em seu calcanhares, sem contar que havia rasgos nos joelhos. Pegou uma bota de cano médio, com um salto pequeno, calçou a mesma e sorriu. Estava perfeito, mas não terminou por aí, faltava fazer uma maquiagem para complementar o seu look.

- Já pode elogiar. - O misto abriu o closet, como se estivesse num desfile, caminhou até o esverdeado, que perdia-se no que via. Jeongin estava incrivelmente belo vestido daquele jeito. 

- Deixa eu ver mais de perto - Deu um tapinha em sua coxa, e Jeongin correu até o mais velho, sentou-se sobre a coxa do mesmo e sorriu. - Muito belo, meu amor. - Disse, analisando a vestimenta, não conteve o seu sorriso. Jeongin estava fodidamente gostoso vestido daquela forma, e muito, mas muito bonito mesmo.

- Melhor irmos, não acha? - Comentou, tirando o esverdeado de seus pensamentos perversos.

- Sim, já chamei o carro. - Comentou, levantando-se após o mais novo ter feito o mesmo.

- Carro? Tipo, da sua família? - Perguntou, com um certo medo.

- Sim, relaxa que o motorista não irá dizer absolutamente nada aos meus pais. - Confortou o misto, que sorriu aliviado. - Vamos?

- Vamos.

O pequeno Quinzel despediu-se de sua mãe, e a mesma não mediu esforços em dizer para que o mais novo tivesse cuidado, que não aceitasse bebidas de estranhos e essas coisas de mãe, inclusive ainda ameaçou o esverdeado, que entendeu que aquilo era para que tivesse cuidado com o misto, claramente o Napier entendeu. O carro chegou sem muita demora, os garotos adentraram o veículo, o motorista cumprimentando o esverdeado e respeitosamente a sua companhia também, e após aquilo um clima descontraído e bom pairou no ar. E o local da festa? Simples, uma casinha na praia. Algo bem no estilinho do filho do Aquaman.

A música alta já podia ser escutada, mesmo que estivessem consideravelmente longe. O motorista perguntou se viria buscá-los mas Hyunjin negou, não se basearia somente em algumas horas naquela festa, ele gostaria de aproveitá-la como se fosse o seu último dia de vida, queria aproveitar estando ao lado da pessoa que mais amava no mundo, a pessoa mais dócil e, em partes, grudenta e manhosa.

Os dedinhos se entrelaçaram com os longos do esverdeado, que sorriu com a atitude infantil de seu parceiro, não reclamaria, afinal, se adentrasse a festa daquela forma todos poderiam ver que ele e Jeongin pertenciam um ao outro, e nada poderia separá-los.

- Nossa, Felix sabe mesmo fazer uma festa! - O Quinzel disse num tom mais elevado, para que o mais velho pudesse escutá-lo.

- É porque você não viu as outras! - Compartilhou rente à orelha do baixinho, que sorriu.

A casa estava bem enfeitada, ao centro da sala de estar havia uma piscina montável, que já tinha várias pessoas dentro, e talvez a água nem estivesse tão límpida, já que alguns copos de bebidas estavam jogado dentro. Jeongin não podia esconder a sua felicidade misturada com curiosidade, de fato aquele ambiente era super novo para si, e estava gostando, mesmo que em algumas vezes se estressasse ao esbarrar em alguma pessoa bêbada, ou que as mesmas se jogassem para cima de si ou de Hyunjin.

- Vocês vieram! - Felix afastou-se de Changbin, que até então estava aos beijos com o australiano, uma cena nada discreta ou agradável de ver, se assim podiam dizer.

- Claro que viemos. Atrapalhamos? - O esverdeado cumprimentou o anfitrião com um toque de mão amigável.

- Não. Não estávamos fazendo nada demais. - O filho da Ravena comentou, bebendo sua bebida.

- Sei.

- Jeongin, não é? - O garoto se aproximou do misto, que sustentava um sorriso angelical nos lábios.

- Sim.

- Se divirta na festa. - Entregou um copo descartável com um líquido rosado dentro. - Cortesia da casa. - Piscou.

- Obrigado. - Jeongin sorriu, antes mesmo de dar um gole na bebida, e formar uma careta. Eca, o gosto era forte.

- O que tem lá? - Indagou o Napier, pegando o copo da mão do mais novo e bebeu seu líquido. 

- Vodka. Nada demais. - Deu de ombros. - Vão se divertir, vão. - Praticamente expulsou os jovens do cômodo, não antes de poder os entregar dois copos com bebida. - Desejo lhe ver mais vezes nas minhas festas! - Gritou para que o Quinzel escutasse, o misto riu alto. Felix era escandaloso.

A festa ocorria como uma outra qualquer, música alta e jovens bêbados se esfregando, mas não haviam tantas pessoas ali, cerca de metade do colégio, ou não, enfim, não era uma quantidade que esperavam mas agradeciam, assim as brigas inúteis poderiam ser evitadas.

O pequeno Quinzel começou a se sentir mais leve no decorrer da noite, e nem fora preciso encher a cara de bebida para que criasse coragem em puxar o esverdeado para uma parte do "salão" da casa, um lugar mais vago para que começassem a dançar coladinhos, uma dança não somente voltada para o sensual como também para o romântico, porque acima de tudo, Hyunjin era um garoto romântico com o mais novo. As grandes mãos repousavam sobre o quadril, segurando o mesmo sem muita força, sentindo o mesmo fazer os seus movimentos graciosos, ondulantes, perfeitos. O rosto de Jeongin descansava sobre o ombro do Napier, de vez em quando depositando beijinhos sobre a derme do pescoço do maior, este segundo que sorria levemente, alisando as costinhas de seu garotinho.

- Podemos beber um pouco mais? - A pergunta repentina espantou o silêncio entre os dois, mesmo que houvesse uma música alta ao fundo.

- Claro. 

Caminharam em direção a cozinha, fizeram uma mistura que até que havia ficado gostosa, e decidiram não permanecer mais naquele ambiente, em respeito à saúde de seus tímpanos e outros órgãos, claro. Foram para o jardim. Beberam e conversaram durante o trajeto, e logo a areia da praia pôde ser sentida nos pés descalços do pequeno Quinzel, estava geladinha e úmida, assim como o copo que segurava, que continha um restinho de bebida. Hyunjin segurou a mãozinha de Jeongin, o menorzinho ergueu seu olhar ao esverdeado, e sorriu mínimo, não querendo admitir mas sentia-se um tremendo idiota por não ter aceitado namorar o esverdeado, droga de cabeça!

Napier estava manso, como se estivesse sob o efeito de drogas, - culpa-se Jeongin -, o maior encontrou um bom ponto para que pudesse encostar as costinhas de Jeongin sobre a casca da árvore não baixa e tomar a liberdade de juntar seus lábios aos do mais novo, sem ao menos lhe dizer uma só palavrinha. Claramente que o Quinzel assustou-se mas não hesitou em retribuir o ósculo, agora podendo desfrutar das mais diversas sensações e sabores que só aqueles lábios, aquela boca, aquele garoto, poderiam fornecer ao menor. As mãozinhas largaram o copo descartável e os sapatos no mesmo instante, para que pudesse ocupar as mesmas com os longos e sedosos fios esverdeados do Napier.

As respirações já estavam alteradas, o gosto do álcool doce se misturava em ambas as bocas, as línguas não travavam uma guerra mas dançavam lindamente. Hyunjin pareceu não se contentar somente com aquilo, ansiava por mais, ele queria o pequenino mais para si. Atacou a derme leitosa do pescoço do Quinzel, que em resposta a tal ato, apertou mais os fios entre seus dedos e os puxou, ganhando um gemido arrastado da parte do mais alto. Ficaram nas provocações ali mesmo, nem se importando com as vozes logo atrás. 

- H-Hyunjin… Aqui não. 

Não. Jeongin não gostaria de perder a sua querida virgindade daquela forma, não ao ar livre e com supostas formigas, e sim num cantinho quentinho, de quebra um quarto ou algo assim. Hyunjin entendeu, e então sorriu. 

- Vamos curtir um pouco mais e depois voltamos para a sua casa? - Sugeriu, não tardando em receber um aceno da parte do misto. - Perfeito.

- Será que só tem bebida aqui? - Perguntou num tom frustrado, enquanto apanhava do chão seus sapatos. 

- Deve ter doces, Felix é muito bom na cozinha. - Deu de ombros, esperando o menor calçar seus sapatos.

- Não sabia dessa. 

Um silêncio pairou.

- Jeongin? - Chamou, baixinho.

- Sim? - Ergueu-se e passou suas mãos em suas vestes. 

- Preciso lhe dizer uma coisa. - Suspirou pesado, causando uma estranheza no mais baixo, que notou que o clima havia ficado desconfortável.

- Pode dizer. - Encorajou, sorrindo nervoso. Afinal, o que o esverdeado teria de tão importante em dizer numa festa daquelas?

- Meu pai é o homem de cabelos verdes que sua mãe tanto odeia. - Disse tudo de uma vez, assustando ao baixinho.

- Essa brincadeira não é legal. - Disse sério, cruzando seus braços, pronto para dar um sermão no maior mas o mesmo o interrompe.

- Não é brincadeira. Eu sou filho de Jack Napier, o tão famoso Coringa. Isso está estampado na minha cara. Não minha risada. - Apontava para si enquanto dizia tudo.

Jeongin sentiu uma certa raiva invadir seu corpo, mas mesmo que quisesse, não poderia culpar o esverdeado a sua frente, ele não tinha culpa pelo sofrimento de sua mãe. Respirou fundo.

- Isso impedirá algo em nosso futuro relacionamento, Jeongin? - Perguntou seriamente, criando tal escudo para que não demonstrasse o seu nervosismo. Jeongin até errou as batidas de seu coração, sorriu minimamente e pulou sobre Hyunjin, que se assustou mas abraçou o corpinho com força.

- Não. Claro que não. - Respondeu, afastando-se minimamente para poder fitar o rosto do maior. - Eu só estou muito irritado por aquele cara ser o seu pai… - Confessou.

- Eu também estou assim… Imagina quando sua mãe souber. - Negou com a cabeça.

- Eu tenho medo dela não aceitar isso. - Sussurrou, abraçando mais o corpo do maior, Hyunjin respirou fundo, depositando um carinho sobre os fios do mais novo. - Mas podemos esconder isso, não é?

- Não acho certo. - Riu e o misto lhe acompanhou.

- Verdade… Vamos curtir então. - Segurou na mão do Napier e o puxou para dentro da casa. Hyunjin estava sentindo-se mais leve após ter contado sobre tal assunto, e notou que foi mais fácil do que o imaginado. Talvez Jisung tivesse razão.

[...]

- Hyunjin, você não bebeu tanto, não é? - Indagou o mais novo, ao escutar o esverdeado cantarolar aleatoriamente, enquanto abraçava o corpinho do misto, que se confortava ao lado do maior. 

- Não… - Sibilou grogue, virou seu rosto assim podendo admirar o rosto de seu amado. 

- Que mentira. - Riu baixinho, virando o seu rosto também, sorriu. 

- Eu estaria mentindo se… Se eu dissesse que você não fica bonito sob um luar praístico. - Formou uma careta com sua frase, e com aquilo conseguiu deixar o Quinzel todo bobinho.

- Eu te amo. - Roçou a ponta de seu nariz a do maior, antes de juntar seus lábios aos do Napier e dá início a um beijo lento e proveitoso, mais um dos diversos que deram durante a festa, mas agora haviam deixado toda aquela barulheira para trás para que pudesse aproveitar o som calmante das ondas da água batendo contra areia.

E ali, deitados sobre a areia, escutando o som das águas, aproveitando a brisa fresca e um luar mágico, os jovens ficaram aos amassos, beijos e tudo o que tinham direito, mal se importando se ficariam sujos de areia ou não, pois o que realmente importava era os dois aproveitarem tal momento a sós.

Mas os garotos não contavam que fossem cair num sono tão bom ali, ficando uma bolinha, dois adolescentes que mal se importavam com o mundo ao seu redor. Porém, aquele bom momento, teve que ser encerrado pelo som insistente do celular de Jeongin, que somente na quinta chamada foi desperto, acordando o Napier também, sorriu ainda confuso, sentou-se sobre o colo do esverdeado e pegou o aparelho, não tardando em atender tal ligação.

- Alô?

- Jeongin! - Praticamente gritou do outro lado. - Filho, já está tarde, onde está?!

- Mãe… - Sussurrou, encarando o rosto de Hyunjin, este que sorria levemente. - Na festa. Só que fora dela…

- Deus… - Harley respirou fundo. - Volta para casa, mamãe está preocupada. 

- Já voltaremos, mãe. - Sorriu, inclinando-se para frente, assim podendo depositar um selinho nos lábios do esverdeado. 

- Hyunjin está com você? 

- Sim.

- Você está bêbado, Jeongin? - A chamada ficou silenciosa. - Entendi, voltem em segurança, vou ficar esperando. 

- Eu te amo, beijos. 

Desligou a chamada, e após breves segundos os dois garotos caíram na gargalhada, estavam meramente afetados pela bebida.

Retornaram para casa após fazerem um pequeno trajeto a pé, - após despedirem-se dos seus amigos - e ao pagarem o taxista, os mais jovens adentraram a casa, que tinha suas luzes acesas, e o corpo da Quinzel repousado no sofá, estava dormindo, ou pelo menos os garotos pensaram.

- Quatro e quarenta. - Comentou, fitando séria os dois, que serviam como apoio um ao outro. - Não tenham nada a dizer?

- A festa foi incrível! - Jeongin exclamou feliz, rindo em seguida.

- Ah, meu amor… Vão tomar banho e depois dormirem, ok? Já vi que mais tarde vocês terão uma baita dor de cabeça. - Suspirou, levantando-se. 

- Certo, e me desculpe, senhora Quinzel. - Hyunjin sorriu amarelo para a mais velha.

- Tudo bem, vão lá. Irei dormir.

Despediram-se, e seguiram em direção ao banheiro, até porque não poderiam dormir daquela forma, além de estarem fedendo a bebida, eles estavam sujos de areia. Uma sujeira e tanta.

- Toma banho comigo, Jinnie. - Pediu de forma manhosa, formando um biquinho enquanto piscava seus olhinhos.

- Quer isso mesmo? - Indagou, alisando o rostinho do mais baixo, que assentiu.

- Sim! Vamos juntos! - Puxou o maior para dentro do cômodo, e sem perder tempo começou a se despir. 

O banho ocorreu bem, com certos beijinhos ali ou aqui, Jeongin ficando tímido somente alguns minutos mais tarde após ter convidado o maior para o banho, assim como Hyunjin também ficou envergonhado, mas tal clima esvaiu-se do banheiro, pois, se caso quisessem ser namorados, eles teriam que se acostumar com tal cena, certo?

Saíram do cômodo úmido, um vapor quente invadiu o quarto; os garotos vestiram-se confortavelmente e despencaram na cama, extremamente cansados, sorriram levemente.

- Obrigado por hoje, eu gostei. - Comentou, confortando-se melhor ao lado do maior.

- Que bom, princesa. 

- Não me chame de princesa! 

- Vai dizer que não gosta? - Arqueou uma sobrancelha, sorrindo sacana.

- Vamos dormir. - Deu um selinho no esverdeado.

- Boa noite, princesinha. - Sussurrou, abraçando melhor o pequeno corpo e fechou seus olhos. 

- Boa noite, chato. - Sorriu leve, fechando seus olhinhos, respirou fundo e permitiu-se descansar pelo resto daquela madrugada.




Notas Finais


{👸} = ㅡ vão coletar os créditos no whosfan para o stray kids ganhar no kingdom!¡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...