História Enquanto o para sempre durar - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 17
Palavras 1.165
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ayo ladies and gentlemans! turu bonzinho? boa leituraa

Capítulo 5 - "por essa eu nao esperava"


Após ficar horas e horas conversando com evan em sua casa, decido que é melhor ir para casa antes que os pais dele comecem a insistir para eu almoçar la. Ele me acompanha até a porta e me despeço dele com um abraço, até escutar sua voz grossa soar:

-vou estar la para te assistir.

-o-oque? Você não vai não!

-obvio que eu vou, claramente fui eu que arranjei esse emprego para você, não perderia por nada

-mas se você estiver la eu vou ficar nervosa... muito

-por que? Eu já te ouvi cantar, não tem motivo para você...

-não se faça de idiota! Vai ser igual aquele trabalho de artes, que eu estava falando com você e comecei a rir só porque você estava me olhando. Vai dar muita merda

-voce canta de olhos fechados, esqueceu?

-foda-se, evan! V-voce vai me fazer começar a rir no meio da musica

-ta, então eu não vou. Já se sabe que musica vai cantar? Você tem algumas horas para ensaiar

-eu já sei qual, sim...

-abre o bico

-blackbear? Eu gosto das musicas dele... as letras são fáceis também.

-do re mi? Aquela que tu tava viciada?

-uhum, essa mesma –fito seus olhos, que estavam levemente cansados- dormiu bem ontem?

-claro que sim, mae –ele ri e da um tapa no meu ombro- vai embora de uma vez, estamos parecendo minha mae e a vizinha conversando na porta de casa!

-nossa, eu também te amo!

-abestada. Te amo minha praga, tchau.

-adeus, filho

Coloco as mãos nos bolsos e saio da frente da casa dele, com um sorriso atravessando os lábios. Evan realmente me faz bem, talvez... ele seja um bom namorado. Eu namoraria com ele sem problemas, o ruim é que seria meio forçado, porque... eu nunca senti amor desse tipo por ele. Amor de amigo, é isso que ele me desperta. Não sei se eu teria coragem de beijar ele, seria estranho, eu teria medo.

Chegar em casa, almoçar e trabalhar na musica foi uma tarefa um tanto fácil, levando em conta que eu escutava essa musica freneticamente todos s dias, até uma semana atrás. A letra era rápida, mas eu conseguia acompanhar. Tentei fazer as notas no violão e acho que consegui. Eu acho o som acústico um tanto simples, então tranquilamente me adaptei á minha versão da musica. Agora o que me restava fazer era me arrumar e ir para o local, verificar se evan realmente estava planejando não aparecer, e por fim, socializar com a secretaria simpática, que eu acho que teve uma recaída marota assim que viu evan. Ela era linda, tinha uma voz agradável, e inocentemente falando, tinha um corpo maravilhoso. Parecia simpática e trabalha. Qual é, uma ruivona alta, gostosa e simpática é perfeita para ele. Será que cupido é uma profissão? Seria possível adquirir à lista?

Cheguei ao lugar com meu violão no horário marcado, com o nervosismo á flor da pele. Me aproximei do balcão e a mulher de cabelos vermelhos levantou o olhar, sorrindo em seguida.

-boa noite querida, como vai?

-estou só um pouco nervosa –sorrio- quando eu começo?

-por enquanto você pode só relaxar um pouco, estamos a chefe vir se apresentar e então você pode subir no palco

-ah, ok

-aquele... seu... esquece –ele olha para a porta

-o meu amigo? Ah, ele não vem hoje, desculpe –sorrio travessa- ele é maravilhoso, em todos os sentidos. Pena que... eu torço para outro time

-oh, você é lesbica? Que legal, nunca conheci alguém homossexual –ela me olha curiosa- mas... o que estava dizendo? Sobre seu amigo?

-o nome dele é evan. Acho que deveria apresenta-lo para você, não?

-o que? Não, não! Foi só... curiosidade –ela olha envergonhada para as unhas, fingindo estar concentrada

-que isso, gata. Ta tudo bem, acho que vocês devem até combinar, sei la, não tenho certeza

-voce acha? –ele se pronuncia, eufórica- céus, o que estou pensando? Preciso segurar minha língua, urgentemente.

-tudo bem –rio- eu sabia que você tinha interesse desde que olhei para você olhando para ele.

-é tao notável assim? –ela suspira- nunca fui boa em ser discreta

-me identifiquei! –rimos juntas até que vejo uma mulher loira, de aparentemente uns 40 anos aparecer e se pronunciar:

-voces duas se deram bem? Que bom! Esta pronta para cantar...

-sabrina, meu nome é Sabrina

-isso! Bem, eu sou a dona daqui, angelina, e se você gostar de cantar, poderei ser sua chefe, huh?

-espero qur sim, angelina.

-otimo! Pode subir, querida.

Olhei de relance para a secretaria de cabelos vermelhos, que –uau- eu ainda não sei o nome e fui até o palco, peguei meu violão e fechei, imaginando que estava sozinha. Toco as primeiras notas e começo a cantar, me esforçando ao máximo para não errar a letra, e ficar ciente do que estava fazendo no violão.

Do re mi fa so fucking done with you girl

(Dó ré mi fá tão cansado de você, garota)
So fucking done with all the games

(tão cansado de todos os jogos)
You play I ain't no tic tac toe

(que você joga, eu não sou nenhum jogo da velha)
Send the x and o's on another note

(Envie os abraços e beijos para outra pessoa)
I'm ghost

(eu morri)
Do re mi fa so fucking done with you girl

(Dó ré mi fá tão cansado de você, garota)

So send the x and o's on another note

(Envie os abraços e beijos para outra pessoa)

I'm ghost

(eu morri)

 

Após terminar de cantar os últimos versos, abro timidamente os olhos e engulo seco, vendo quase todos do bar olhando nitidamente para mim, em seguida começam a aplaudir e eu sorrio. Ah, eu mato ele. Evan estava sentado, em uma mesa do fundo, rindo. Esse idiota mentiu para mim. Ele assistiu a minha apresentação, esse babaca... ele vai ter que me aguentar no punho quando sairmos dali.

Desço do palco e agradeço as pessoas, apenas com um gesto de cabeça. Vou correndo até a mesa de evan e o deposito um peteleco na nuca

-ai! Sua agressiva!

-isso é para você aprender a não mentir mais para mim! Mas você me...

Sou interrompida por uma mulher de uns 30 anos, com uma roupa um tanto elegante e um sorriso gigante. Estava acompanhada de um homem, bonito e bem vestido, que era sorridente assim como ela.

-desculpe atrapalhar –sorrio sem graça e evan solta uma risada- mas... você trabalha como cantora? Ou algo do tipo? Você tem muito talento para isso!

-não, eu...

-de qualquer forma, aqui esta meu cartão com meu numero, se tiver interesse. Você tem um timbre de voz impecável! Não sei como ainda não tínhamos encontrado você! –ela olha para o... marido talvez –levando em conta que eles usavam anéis iguais- e os dois riam.

-ah, obrigada... eu acho...

-de nada! Ligue quando quiser querida! –ela sorri grande e se afasta, me deixando sozinha com evan, e ele diz, espantado:

-nossa... por essa eu não esperava


Notas Finais


:)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...