História Enquanto você não está II - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 99
Palavras 2.422
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, LGBT, Magia, Mistério, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


FALAA CHUCKYS E FUJOSHIS!! BLZ!! TRANQUILOS EM SEUS ASILOS TOPE!!!

EU VOLTEI AGAIN. SAUDADES? SIM! E vamos começar daquele jeitinho! Usando o Nega-senpai <3 Pra quem não sabe, Negative é um personagem criado pela LimoNeve que é basicamente o lado negro – literalmente – do Nightmare, a entidade que se apossou de seu corpo quando ele comeu do fruto proibido :3 Enfim, fiquem com essa delicia e se divirtam <3

Boa leitura o/

Capítulo 1 - Único


Estar na cama de Nightmare era uma coisa que mexia com a sanidade de Negative.

Era a cama dele! Simplesmente ainda não acreditava que estava ali! Era bom demais para ser verdade e ele se beliscou umas noventa vezes para ter certeza de que não estava sonhando ou tendo alucinações – a segunda opção era mais lógica, e mais compreensível. A cama do seu Moon era macia, fofa, aconchegante e acima de tudo excitante. Quando seu Moon havia lhe contado que dormiriam na mesma cama quase teve um desmaio, quando se deitou nela quase teve uma apoplexia, e quase fez amor com Nightmare nela quase... Quase morreu. Mas agora que estava a sois com o móvel, sem seu Moon, apenas com o cheiro dele e as lembranças das noites que dividiram juntos ali, havia o outro cheiro também... Mas Negative passou a ter a mente aberta.

— Ah Moon... — Negative gemeu manhosamente para o nada, com as pálpebras descansadas enquanto esfregava-se nos lençóis, imaginando que seu pequeno estava ali, vigiando-o de algum lugar. — Quando é que você volta... — Mal conseguiu terminar sua indagação de tão embriagado que estava em sensações doentias, ele apenas queria sua razão de vida do seu lado, e queria já!

Seu corpo já pegava fogo, sua pele óssea ouriçava-se, seu pênis pulsava, de sua boca escorria um fino e curto filete de baba. Todos esses elementos tinham apenas um significado obvio:

Hora da masturbação.

O atual dia era sábado; Nightmare estava fora e Negative estava excitado. O pobrezinho não tinha escolhas, e aquele ambiente não ajudava, mas antes de tirar toda a roupa – pois se a tirasse iria se perder e estragar tudo – ele colocou os pés para fora da cama e caminhou numa direção especifica direto para o armário do seu amado, abriu as portas e quase ficou cego com tamanha preciosidade que se encontrava ali dentro.

Da ultima vez tinha se masturbado com a camiseta roxa de Nightmare, com o tempo o príncipe ficou sabendo do ocorrido e pediu para isso não se repetir novamente, apesar de que a entidade conseguiu ver a satisfação escondida no tom de voz repreensivo utilizado pela perfeição. Com o tempo que passou tendo acesso livre a certos lugares que anteriormente não podia nem chegar perto, Negative descobriu que seu Moon tinha um casaco preto guardado – que por sinal era de bom gosto. E ainda não tinha feito uma inauguração nele! Seria perfeito para aquela ocasião, já pensava em usa-lo há muito tempo, era quase tão confortável quando a roxa.

No armário lá estava ele: o casaco preto pendurado, porém, o roxo estava ao lado dele: era o cheiro de Nightmare em dobro, Negative estava tão excitado e louco pelo amante que, enxergando os dois casacos via o mesmo que dois Nightmares. Seu corpo tremeu por inteiro quase cedendo ao chão, suas mãos no automático recolheram os casacos e seus pés fecharam as portas do armário. Por alguns segundos aspirou o cheiro forte que elas emanavam, era o cheiro dele, como um deja vú... Estava tão excitado e insano naquele dia! Porém...

Estreitou os olhos ao ver que havia algo escrito no casaco preto, trouxe aquele tecido para mais perto para poder ler melhor, estava escrito: Propriedade de Hate. Soltou um riso sacana, ah não! Aquilo não estava acontecendo! Não mesmo! Ah! Mal conseguia acreditar! Agora ele havia entendido, agora ele sacava, agora tudo fazia sentido. Não se incomodou, se estava no armário de Nightmare então significava que agora pertencia ao seu príncipe, e outra, gostava de Hate e concordava que ele mantivesse relações sexuais com seu Moon porque ao contrário de todos que cobiçavam o corpo do impuro, Hate era o único que complementava a escuridão de Nightmare e que não possuía más intenções, ainda sentia um ciúme aqui e ali – coisa normal da própria personalidade – mas decidira abrir uma exceção para o esfumaçado porque... Também achava-o atraente. Enfim.

Colocou os casacos cuidadosamente no colchão, uma bem separada da outra, ambas rente a cabeceira, andou até a frente da cama e as encarou com a mão no queixo. Negative agora via Nightmare e Hate, ambos olhavam para si com feições convidativas; desafiadoras e sensuais, ambos numa pose sexy; apenas usando calças coladas onde a ereção claramente pedia para sair. Os olhos rubis de Hate faiscavam como fogo e os roxeados de Nightmare brilhavam como Bunda¹. Arrepiou-se inteiramente.

Diante daqueles olhares, Negative passou a fazer movimentos sugestivos com sua cintura e seu traseiro, uma espécie de dancinha enquanto retirava a camisa lentamente, exibindo sua caixa torácica repleta de marcas avermelhadas e roxas, o espirito adorava ser marcado pelo seu amado, adorava ver o lado proprietário e possessivo do seu príncipe entrar em ação, o lado territorial dele era excitante! Adorava como era mordido com tanta força que parecia que a pele óssea iria ser penetrada pelos caninos; pelas unhas ou seja lá o que Nightmare iria usar. Jogou sua camiseta num canto aleatório e passou a retirar a bermuda.

Fez questão de retira-la ao mesmo tempo em que retirava sua cueca, até virou-se de costas exibindo seu traseiro ósseos para Nightmare e Hate da sua imaginação sem inibir a dancinha nem os baixos gemidos em antecipação as sensações da futura masturbação. Fez questão também de curvar o tronco inteiro e empinar a bundinha; que igual a caixa torácica estava cheio de marcas e pontos; tanto roxos quanto vermelhos. Negative teve certeza que quando se empinou, ouviu suspiro de aprovação vinda das alucinações.

Voltou a ficar de frente para seus amantes enquanto andava de volta para a cama, tratou-se de levar uma das mãos até a boca; fazendo dois de seus dedos brincarem com sua língua, nisso a outra mão levou até o próprio pênis e deu inicio a uma lenta cadencia de punheta. Os dois atos servindo para provocar os amados, da mesma maneira que eles lhe provocavam. Porém quando chegou na cama, Nightmare e Hate sumiram e Negative voltou a realidade dos casacos, mas pouco se importou porque sabia bem como hackear a própria percepção para poder ver suas luzes novamente.

Em meio a uma risada curta e uma mordida no lábio ósseo inferior, Negative pegou o casaco preto com cuidado, ela era totalmente nova para si e só por isso a massageou escrupulosamente. Coisas novas sempre atraem e despertam um lado especifico na mente dos seres vivos, e como Negative era uma entidade audaciosa com alguns distúrbios e problemas obsessivos diretamente relacionados à sentimentos atrativos, o lado que despertou em si foi o mesmo que o fez enxergar Nightmare e Hate naquela cama.

Primeiramente cobriu-se com o casaco roxo, imaginando Nightmare tocando seu corpo de todas as formas possíveis, como o tecido púrpura apenas cobria suas costas e uma parte do seu traseiro, Negative imaginou seu príncipe acariciando aquelas regiões, tocando-lhe com os dedos e lhe marcando com os dentes – como costumava fazer nas preliminares – não resistiu em soltar suspiros em reação as caricias imaginarias que pareciam tão reais.

Enquanto era tocado por Nightmare, Negative voltou sua atenção para o casaco preto. Começou a toca-lo, sentindo novamente a textura e toda a autenticidade que ele oferecia como tecido, estava se apaixonando, desceu sua boca e começou a beija-lo em devoção, em reverencia, submissão, e com isso não demorou muito para ter a alucinação de Hate novamente, bastou apenas beijar o casaco de cor fúnebre para vê-lo.

— O tão famoso Mr. Fumaça... Ou melhor, Mr. Nechisty... — Negative sussurrou apaixonado passando uma das mãos na bochecha óssea do ascendente enquanto a outra descia pela extensão da caixa torácica dele, arranhava-o durante o percurso, o esfumaçado era... Mesmo belo. — Você até que dá para o gasto. — Continuou falando completamente alucinado, até levou sua boca para o que pensava serem os lábios ósseos de Hate, dando inicio a um osculo intenso.

De repente o casaco purpura escorregou toda para o traseiro de Negative, o alucinando sentiu um arrepio eloquente percorrer por todos seus ossos se concentrando no ânus, fazendo com que seu canal se revirasse em reação. Mas o que ele viu foi um Nightmare escorregando as mãos até sua bunda exposta lhe penetrando aos poucos, viu um ciúme refletido nos olhos do seu Moon e as coisas apenas tinham começado. Diante da eliminação das preliminares, Negative segurou o casaco preto com mais força, ou melhor descrevendo, se segurou em Hate e o esfumaçado não perdeu tempo em tomar-lhe os lábios ósseos e acariciar sua ereção latente.

.

— Hate... — Nightmare gemeu baixinho arrepiando-se inteiramente com os beijos na nuca e com o roça-roça na parte traseira. — Ele precisa de mim... — Murmurou num gemido segurando a maçaneta entre suas mãos tremulas. Ver Negative se masturbando através do vão da porta era enlouquecedor, queria tanto dar um jeito na carência dele, mas o esfumaçado não estava deixando-o ir. — Nechisty... — Chamou por Hate novamente, desta vez usando o apelido e mostrando que estava falando sério. — Me deixa ir ajuda-lo.

— Ué, vai, não estou te segurando, malen. — Hate ironizou contra a região auditiva de Nightmare, lambendo ali em seguida e intensificando o roçar da sua ereção no traseiro ósseo dele – nota-se que ambos estavam com as calças no chão. — Mas se você for, é melhor nem voltar pra mim. — Disse possesso, era um golpe sujo e ambos sabiam disso. Porém, Hate nem deu tempo para Nightmare responder, quando viu que ele iria abrir a porta fez questão de penetra-lo arduamente de uma só vez. — Ahh... Droga Nightmare, eu não acredito que você ia fazer isso... — Gemeu dando inicio a uma cadência profunda de estocadas, segurou os braços do impuro contra as costas dele com uma mão, já com a outra fez questão de segurar o crânio do guardião e fazê-lo descer o rosto até o buraco da fechadura. — Você ia me trocar, que rude. — Mordeu o lábio ósseo interior numa tentativa de conter o gemido depois que sentiu o canal magico de Nightmare se apertar dolorosamente envolta de seu pênis; tamanha era a intensidade da violação.

— Que droga Hate... Ahh... Ngh... Seu merda... Eu não... Ahh...! Mais f-forte...! — O pequeno até tentou contra argumentar, porém foi inútil, logo se entregou a perdição da imensidão do êxtase que dominava os ossos, o espirito, a ALMA e a mente. Estava dividido entre o prazer de ter um grosso pênis escarlate alargando seu ânus desproporcional de um jeito rápido, profundo e eloquente – até rebolava para excitar o ascendente e motiva-lo a ir mais depressa – e o prazer da bela visão de seu Negative, seu poeta; se masturbando e gemendo alto seu nome – dava para ouvir mesmo atrás da porta. Aquela situação inusitada o fazia se indagar qual nome deveria gemer, bem, na via das duvidas: — Hate... H-Hate...! Hate...! Ahh...

— Porra Nightmare... Seu gostosinho de merda... — O esfumaçado deu uma série de tapas nas nádegas de Nightmare em reação àquela corrente de gemidos altamente obscenos, sentiu-se chegar ao ápice depois daquela. — Você quer tanto assim se livrar de mim...? — Indagou contra a região auditiva dele, deu uma espiada no buraco da porta e viu de relance Negative se masturbando com algo roxeado. — Tenho que concordar... Ele até que é bonitinho... — Declarou genuíno dando uma estocada certeira na próstata do amante e se deliciando com o gemido alto que este não conseguiu conter, lambeu o pescoço dele em devoção antes de perguntar ousadamente. — Mas e ai, você vai satisfazer ele ou eu?

— Hateee... Ngah... E-eu... Humpf...! — Nightmare realmente não estava em posição de responder, talvez se Hate fosse menos otário e saísse de dentro dele pudesse responder. Desviou o olhar para o esfumaçado, implorando com o olhar para que este o deixasse entrar, recebeu em resposta um sorriso sacana de negação. Fechou o cenho mordendo os lábios ósseos e bloqueando a saída de gemidos.

— Então é assim...? — Hate indagou irônico sentindo-se ainda mais desafiando quando o pequeno respondeu sua presente pergunta com um aceno. Estreitou as pálpebras ósseas, mas antes que pudesse dar uma lição nele... Ouviu passos. — Mas que porra é essa? — Parou com as estocadas e olhou em volta, foi quando percebeu que havia uma sombra virando o corredor. — Que merda, malen, abre a porta, seu irmãozinho tá vindo ai. — Ordenou saindo de dentro de Nightmare e guardando seu malaquias.

— O que? — Nightmare ficou perplexo, mas não deixou esse sentimento lhe afetar. Abriu a porta – o pânico do momento o fizera se esquecer do que havia lá dentro – e se enfiou no quarto com a ALMA na boca, mesmo desesperado não conteve o riso quando Hate entrou no quarto e fechou a porta com um chute murmurando mil pragas à Dream. — Essa foi por pouco. — Suspirou sentindo um alívio indizível. — Seu merda! — Deu um socão no maldito esfumaçado. — Que porra de ideia foi essa de transar no corredor?

— Eu nenhum momento você me pediu pra parar. — Hate provocou devolvendo o soco, em seguida agarrou Nightmare e jogou-o para cima de seu ombro rumando com ele até a cama para terminar o bacanal que havia começado, riu com os protestos dele, mas seu sorriso morreu quando percebeu que a cama estava ocupada. — Ora, ora, ora...

Nightmare foi bruscamente jogado na cama entre duas pernas ósseas, quando ergueu as pálpebras pronto para xingar o esfumaçado paralisou ao dar de cara com... Um pênis, e não qualquer pênis, era um pênis grande que pulsava incessantemente e estava encharcado, conhecia bem aquele falo, tão bem que até lambeu os próprios lábios ósseos e levou rapidamente sua boca até aquela magia, chupando de uma vez só até sentir a glande na garganta, ergueu os olhos procurando por Negative e quase teve um troço ao vê-lo corado gemendo seu nome, não se importou com o aperto no crânio que se sucedeu depois do inicio do boquete, pelo contrário.

Enquanto isso, Hate subia na cama e se posicionava cuidadosamente atrás de Nightmare, ou melhor, atrás da bundinha durinha dele, colocou seu malaquias escarlate para fora da calça antes de entrar lentamente dentro do amante deliciando-se com os gemidos entrecortados que o passivo-agressivo soltou, desviou o olhar para Negative, fuzilando-o com o olhar; o desafiando silenciosamente. Negative sorriu perverso aceitando o desafio e deixando esse fato visível ao estocar na boca do pequeno sem importar-se com a dispneia do seu Moon. Desafio aceito, os jogos iriam começar se alguém não tivesse os interrompido:

Nightmare, eu ouvi gemidos, tá tudo bem com você?

— Cai fora daqui, Dream, seu merda ambulante! — Hate e Negative exclamaram sincrônicos, quando perceberam isso se entreolharam e riram de canto.

Um minuto de silêncio seguido de passos se distanciando foram o suficiente para o recomeço dos jogos.


Notas Finais


Vocês são muito safados queridinhos. Não acredito que sobreviveram até aqui haha, adoro torturar vocês u3u espero que tenham gostado dessa... Loucura kkkjs

Fiquem com o Springtrap e não roobem-


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...