História Enterre-me...


Escrita por: ~


Sinopse:
Você já perdeu alguém muito importante na sua vida de forma a ver tudo com olhos acromáticos? Ou já se sentiu culpado por não ter improvisado o que era capaz para salvar a pessoa que você amava? Eu já. Por isso, inumei todas as nuanças – minhas emoções – para não afrontar minha própria culpa, a própria realidade, minha gris solidão.

[Aoiha]
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Visualizações 736
Favoritos 42
Comentários 108
Listas de Leitura 3
Palavras 39.807
Terminada Sim
Categorias The GazettE
Personagens Aoi, Kai, Reita, Ruki, Uruha
Tags Aoi, Aoiha, Bury, Drama, Enterre-me, Gazette, Kai, Kill, Kou, Kouyou, Reita, Ruki, Shiroyama, Takashima, The, Uruha, Yaoi, Yuu

Fanfic / Fanfiction Enterre-me...
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Lírica, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
Preto: Amor
10
204
3.327
 
2.
Cinza: Apatia
7
76
3.130
 
3.
Amarelo: Incômodo
7
61
3.173
 
4.
Roxo: Ira
8
51
3.629
 
5.
Laranja: Saudade
10
65
3.325
 
6.
Rosa: Inveja
9
51
3.746
 
7.
Vermelho: Suicídio
10
60
3.440
 
8.
Marrom: Aceitação
9
35
3.393
 
9.
Verde: Esperança
10
38
3.177
 
10.
Branco: Luto
9
30
3.247
 
11.
Azul: Tristeza
9
30
3.204
 
12.
Cores: Vida
10
35
3.016

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

Postado por ~Liinah
Capítulo 12 - Cores: Vida
Usuário: ~Liinah
Usuário
Oh, I hadn’t even begun to read and I was already crying for everything, even for the longing I know I will feel of such a beautiful plot. Gorgeous, from start to finish ♥

Yuu's words in the end made me cry too much and I was glad to see him accept it all that way, even though it hurt. I didn’t believe it was always the Kou beside him, not a hallucination! And the coma, so philosophical ... Several interpretations can be taken from this *o*

And even in the end you still give us moral lesson in the words of the chapter and in your notes. My love, I loved this story so much and I will hold it in my heart with great affection! I'll miss you, but I'll tell you that I'm hoping for more of your stories, so never stop writing ♥

See you tomorrow in another story? I loved it! Thanks and congratulations! ♥

Kisses! *----*
Postado por ~RoseWalker
Capítulo 12 - Cores: Vida
Usuário: ~RoseWalker
Usuário
Chorei com o final, mas achei tão lindo, tão repleto de significados e interpretações ♥ Procuro ainda a minha interpretação nas palavras e fábula do Kou, que nem acredito que era ele o tempo todo a alucinação! Amei, sem mais ♥

As últimas palavras e esclarecimentos do Yuu: isso é que é amor, hein? Chorei demais e achei lindo. Queria abraçá-lo novamente e queria um abraço agora, pois sentirei muita falta dessa fic...

Nunca pensei que teria cabeça e estômago pra ler um enredo desses, mas vc realizou o impossível pra mim e saiba que essa fic se tornou a minha favorita sua! Obrigada e parabéns por tudo! ♥ Espero mais fics suas, seja deles ou não! Só quero mais da sua arte! E a finalização da outra também, hein? Obrigada! ♥

Te amo, garota repleta de sentimentos!

Beijos!
Postado por ~Te-chan
Capítulo 1 - Preto: Amor
Usuário: ~Te-chan
Usuário
Olá!
Tudo bem?

Eu queria começar esse comentário te pedindo desculpas por não ter vindo ler antes essa fic. Na vdd, eu tinha muita vontade de a ler, principalmente depois de Phantom, mas me faltou muita coragem.
Coragem em dois sentidos: o primeiro é por eu estar em uma fase que não estou lendo com gosto e nem tenho muito ânimo para isso, e o segundo é por eu saber que iria chorar com esaa fic.
Na vdd, estou de olho na outra que você esta postando, mas como ando numa fase bem triste, estou procurando me afastar de coisas que sejam capazes de me deixar mais para baixo ainda.
Espero que não se ofenda com isso, pois o que eu na verdade estou tentando dizer é que tenho total empatia com seus personagens, mas não sei explicar se é por sua escrita, pelo enredo, pelos sentimentos que são expostos ou algo a mais...

Eu li esse primeiro capítulo num surto de vontade, pois eles tem sido tão raros, que devo aproveita-los.
Confesso que fiquei extremamente abalada com a narrativa do Aoi, e a culpa que ele sente refletiu em mim e me fez pensar sobre várias coisas que ocorreram.
Ele se culpa por ter sido o causador da morte do amado, mas ele esquece que também foi o causador de muito amor para o Kouyou. Nos somos jovens, nos não tememos a morte e nem somos capazes de preve-la, mas ver o quanto ele deve ter passado e repassado essas últimas memórias e que isso o fez imaginar, como se aqueles últimos momentos com o Kouyou fossem claramente uma despedida, tentando achar um sentido em tudo o que ocorreu é que me faz ver o quanto somos frágeis.

Aoi é um ser que consegue ser frágil e forte através da culpa. Frágil por sofrer com isso, forte por aguentar toda essa dor achando que não é merecedor e respeitando todo o espaço (que na cabeça dele é o certo) da família e de outras pessoas.

Eu não pretendo ler, por enquanto, os próximos capítulos, mas eu apenas espero que o Aoi se encontre nas cores. Que ele veja que todas as suas ações e que todo o amor que ele cultivou pelo Kou, são mais forte que qualquer culpa que ele possa sentir pela fatalidade da morte prematura.

Outra coisa, antes que eu esqueça. Gosto da forma que ele ve o preto e imagino que irei gostar muito de ler suas outras cores. Cada um deve levar consigo as boas lembranças e com ela tentar seguir em frente. As cores não devem ser limitadas ao senso comum, mas sim as experiências individuais de cada um 💗

Obrigada por mais uma fic maravilhosa e de ótima escrita, até uma proxima leitura e me desculpe por não ser capaz de te retribuir com um (ou vários) comentários de acordo com o quanto essa fic é tocante!


Até breve o/
Postado por ~ideuseok
Capítulo 1 - Preto: Amor
Usuário: ~ideuseok
Usuário
Peço perdão pela demora em vir aqui, sou sempre assim. Tenho medo de ler aquilo que sei o tipo de emoção e terror em minha mente. Por isso vim ler durante o dia.

Essa semana não tem sido fácil para mim, é uma crise atrás da outra. Choro após choro. Pessoas preocupadas e vontade de morrer. Completamente doloroso.

E olha como começamos dessa vez. Comprendo tando o que Yuu sente... Já perdi pessoas importantes: Meu irmão mais velho, que não fora covarde como eu sempre fui; Meu primeiro amor, aquele que me ensinou quão bom é ter no estoque uma lâmina; Dois melhores amigos que tanto se assemelham aos Sad Boys e seu estilo de vida libertino; contudo, ainda parece que não me acostumarei tão facilmente com essa sensação de perda.

Todo esse negro que o Yuu vê esse amor preto, é incrível, senão maravilhoso, ouse dizer. É como se ele entendesse perfeitamente o que eu vivo a dizer e tantos tentam calar-me.

Por que o branco é paz e vida? Que cor toma teu corpo quando jaz morto naquela bela vestimenta que nunca usaria no dia-a-dia? Garanto que não é o preto.

Yuu e Kouyou aqui, lembra a mim mesma e meus dois amigos apaixonados e mortos. Um sempre seguindo o outro para algo ilícito. Quantas vezes não fugimos madrugada a fora em busca de álcool e uma droga que seja? Ou quantas vezes entramos em lojas 24h e compramos besteiras e mais álcool? E quantas vezes não compramos daqueles curativos infantis para escondermos nossos ferimentos ''de batalha'' como gostávamos de chamar aquilo que nós três fazíamos? Quantas vezes não assisti-os se amarem dentro do carro, no banco de trás sem ao menos usar alguma proteção?

Inúmeras.

O cinza do Yuu é exatamente como me sinto. Triste. Porém conformada. Não nada a se fazer, aquele fora o marco do fim de algo bom.

''Tão ruim, mas tão doce''

E será sempre assim, como uma forma de explicitar que ''tudo que é bom dura pouco''

Mas o que é bom? O que é pouco? Apenas pontos de vista.

Um cego que tem um lampejo da visão por míseros 5 segundos não considera pouco sabendo que nunca mais verá, apenas aproveita. Não era nem mesmo para esses 5 segundos existirem, na verdade.

E sempre será assim. O caminho mais fácil que encontrei foi criar uma máscara indolente, carregada de reminiscências, entretanto, não significa que durante as noites não irei chorar agustiadamente.

Acho que perdi a linha aqui, mas tudo bem, faltam 11 capítulos não é mesmo?

Nos vemos no próximo Maah ♥