História Entertainer - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Haechan, Jaemin, Jeno, Mark
Tags Markhyuck, Nomin
Visualizações 57
Palavras 2.177
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - I know a fake love when I see it anyway


Mark está no mundo da lua pensando na noite passada quando Jaemin o cutuca por trás

- Essa aula tá um saco, você já pensou sobre qual vai ser o tema do seu projeto?

Ele pergunta e Mark franze sua testa em descontentamento pela interrupção do seu devaneio.

- Jaemin, você que me obrigou a fazer essa aula idiota e agora está reclamando, você jura?

- Não haja como se você também não precisasse das horas extras para sua grade okay e eu sou humano me deixe viver

- Estatística é realmente um saco então não vou discutir, mas essa foi sua decisão, não se esqueça disso.

- Não foi minha decisão o Jeno ser o monitor dessa matéria

Jaemin sussurra baixinho enquanto tampa a boca olhando de lado para o garoto moreno na frente deles.

- A diferença é que ele faz engenharia e a gente cinema, Jaemin, CINEMA.

Mark vê Nana fazendo biquinho e solta um suspiro

- Você sempre tem que colocar a gente nos lugares mais inadequados possíveis por causa de macho.

- Mas ele é tão lindo, olha pra ele.

Jaemin aponta com o lápis e Jeno se vira para devolver alguma coisa para a pessoa que estava sentada atrás dele no mesmo instante, os olhos de ambos se encontram e os dois coram de vergonha e voltam rapidamente a fazer o que estavam fazendo antes

Mark assiste a cena se sentindo enjoado.

- Vocês estão em algum romance clichê por acaso? Isso foi algo

- Cala boca

Jaemin responde ainda sentindo suas orelhas queimarem

- Então, respondendo sua pergunta, eu ainda não tenho ideia do que fazer para o projeto.

- Não estou surpreso

- Okay nerd, me diga então no que você já pensou?

- Vou fazer algo relacionado ao nosso curso obviamente

- E como você vai conectar estatística com cinema, me responda, eu quero muito saber.

Mark diz provocando como se tivesse alguma razão parar duvidar de Jaemin.

Ele não tem.

E ele sabe disso.

Uma das coisas que ele mais gosta sobre seu melhor amigo é que ele pode literalmente fazer quase tudo que quer.

- Vou fazer algo simples

Mark o escuta dizer atentamente

- Eu tenho prova de inglês no sábado, então vou precisar terminar rápido, vou fazer uma pesquisa sobre as expectativas em cima dos calouros do nosso curso, vou consultar os alunos do último semestre sobre a preferencia deles e montar uma tabela onde vou buscar padrões entre os alunos escolhidos e as pessoas que escolheram, e vai ser legal comparar no futuro, não acha? Ver quem realmente se destacou e quem desistiu, se as apostas sobre o futuro deles estavam certas.

- Você chama isso de simples?

- Você não acha?

Mark revira os olhos

- O que você perguntaria?

- Começaria com algo como, talvez, quem é seu ator preferido? Pois pode ter alguma relação com o aluno escolhido e o modelo de atuação do entrevistado.

Mark morde a tampa de sua caneta preta

Ele não sabe quem é seu ator preferido, ele nunca parou para pensar sobre isso.

Mas ele com certeza sabe quem é a pessoa que ele mais gosta de ver atuar

Jaemin o olha frustrado esperando uma reação sobre a sua resposta, mas ele não tem nenhuma, Mark se encontra ocupado pensando coisas demais no momento para prestar atenção nele.

- O que você responderia? Quem seria o seu escolhido?

Jaemin pergunta tentando o trazer de volta para o mundo real

- Donghyuck

Mark responde sem pensar ou por pensar demais

- Hyuck não faz cinema, Mark

- Eu sei

Mark parece realmente estar em outro planeta, Jaemin observa e o abandona voltando sua atenção para o livro em sua mesa, o deixando em seu próprio mundo.

Um mundo totalmente dominado por Donghyuck.

Mark não sabe por que, mas toda vez que ele se encontra com o mais novo, toda vez que ele percorre cada centímetro do seu corpo com sua boca como se fosse a coisa mais importante do mundo, ele se sente vivo como se tudo que ele fizesse sem ser relacionado a ele fosse ordinário e sem importância, como se tudo e todas as coisas fossem insignificantes, como se o toque da pele quente de Hyuck fosse a única coisa que realmente importasse no mundo.

Mas ele sente seu coração se quebrar em milhares de pedaços toda vez que Hycuk beija seu pescoço educadamente e o olha nos olhos enquanto toca seu rosto sussurrando como se fosse um segredo o quanto ele ama o ama.

Hyuck nunca foi do tipo mentiroso, ele se lembra de observá-lo de longe no segundo ano do ensino médio dizendo todo tipo de barbaridade possível para todos os tipos de pessoas existentes na terra, não tinha ninguém que escapasse da bruta habilidade dele de ser honesto.

Ele ainda guarda uma memória vivida dentro dele de quando Hyuck chegou à sala de aula atrasado para uma prova importante de história e implorou para o professor o deixar entrar, alegando que estava atrasado porque passou a madrugada inteira maratonando the vampire diaries.

Mark riu naquele tempo da desculpa nada desculpável do mais novo e riu agora mais uma vez com a lembrança de um Hyuck mais novo e mais inocente do que é hoje.

Desde aquela época era um fato conhecido de que Hyuck não mentia.

Jaemin sempre voltava bravo quando os dois saiam para uma festa onde não deveriam estar sendo escoltado por sua irmã mais velha furiosa enquanto ligava para Mark gritando do outro lado da linha que Hyuck não conseguiria mentir para salvar a vida dele.

Até que ele mentiu.

Enquanto olhava nos olhos de Mark na quarta vez que os dois dormiram juntos.

Ele repetiu três vezes enquanto andava com seus dedos pelo peito nu de Mark.

- Eu te amo, eu te amo, eu te amo.

Ele simplesmente disse suavemente e Mark não soube o que fazer

Ele não respondeu, ele só o olhou como se seu mundo tivesse de repente acabado.

Hyuck não cobrou uma resposta por que não havia uma, Mark não poderia responder de volta quando ele sabia que era uma mentira.

Hyuck não poderia o amar, ele não poderia porque ele estava ocupado demais amando todas as outras coisas do mundo e fazendo tudo que tinha vontade de fazer sem se preocupar com o resto.

Sem se preocupar com Mark.

Mas Mark o amava e ele o amava de propósito, ele o amava e sabia, ele o assistia de longe se meter em todos os problemas possíveis e seu coração afundava no peito enquanto ele se perguntava quando ele poderia participar também, ele implorava para todos os tipos de deuses para ser incluído, ele queria fazer parte, fazer parte de tudo que ele vivia, do mundo dele, da vida dele.

Ele sentiu tudo fazer sentido quando recebeu uma ligação de Hyuck em uma sexta ás 3 horas da manhã enquanto ele estudava para uma prova não muito importante

Ele não pode acreditar no nome escrito na sua tela de celular

Ele pensou que finalmente, finalmente Hyuck tinha o notado.

E ele de fato tinha.

De certo modo.

Ele disse que tinha visto a luz do seu apartamento ligada enquanto passava de carro chegando de uma festa e tinha se perguntado se Mark estaria acordado

Ele pediu para Mark ir até a casa dele, ele não disse o porquê e Mark também não perguntou, ele só foi.

E quandoi chegou foi recebido com um beijo, um beijo sem sentido, mas desesperado, um beijo urgente.

Hyuck o fez sentir coisas que ele nunca tinha sequer imaginado que poderia sentir, Mark o deixou fazer o que ele quisesse, ele recebeu tudo que Hyuck tinha para dar.

Literalmente.

Mark cora com a lembrança embaraçosa da sua primeira vez com ele

Hyuck sabia muito mais o que fazer do que ele

Tudo parecia perfeito para Mark, finalmente.

Finalmente Hyuck tinha olhado para ele do jeito que ele queria.

Mas o sorriso que ele estampava em seu rosto como uma tatuagem foi facilmente desfeito quando Hyuck ainda preso em seus braços o olhou com um uma expressão estranha e o pediu para ir.

Ele disse que já estava quase amanhecendo e que ele deveria ir

Ele não perguntou se Mark queria ficar, ele não desejou que ele ficasse.

Mark sabia o que isso significava, mas ele queria estar errado.

Ele não estava

Hyuck não respondeu nenhuma de suas humilhantes mensagens de bom dia durante os próximos dias, e quando ele o viu empurrando Jaemin de um jeito despretensioso sentado na mesa deles no restaurante que eles frequentavam, ele agiu como se nada tivesse acontecido.

E Mark agiu também

Depois de chorar por alguns dias.

Mas seu celular tocou em um sábado e era ele, de novo.

Mark pensou em não ir, mas ele foi.

E ele não se arrepende.

Na terceira vez ele já tinha descoberto como as coisas estavam funcionando entre eles.

Hyuck o chamava e ele ia, ambos se matavam de prazer e Mark ia embora com o coração quebrado.

No outro dia nada tinha acontecido, nenhuma mensagem, nenhum olhar subliminar.

Mas na quarta vez Hyuck disse que o amava, disse com todas as palavras e Mark sentiu como se o mundo tivesse o engolido vivo.

Hyuck mentiu

Hyuck mentiu para Mark

Mark ficou furioso e jurou pra si mesmo que nunca mais se encontraria com ele porque doía demais.

Mas ele saiu correndo do seu quarto depois de uma semana quando Hyuck o chamou de novo, e ele chorou quando voltou para casa remoendo as palavras que ele tinha tido a audácia dedizer mais uma vez.

Mark não tinha forças para dizer não para Donghyuck.

Ele sempre ia, e Hyuck sempre dizia enquanto depositava beijos suaves em sua têmpora.

Mark odiava.

Mas depois de um tempo ele começou a pensar no por que, por que ele dizia? Será que ele realmente se sentia assim de algum jeito? Mark se permitiu sonhar, ele queria que fosse verdade por mais que tudo ao se redor gritasse que não fazia sentido.

Então pela primeira vez se sentindo corajoso Mark foi quem o chamou e ele sentiu uma esperança queimar em seu peito quando ele veio, na sua casa, no seu quarto.

Hyuck parecia deslumbrante deitando em sua cama.

Mark o beijou como se fosse o mundo fosse acabar e ele retribuiu, retribuiu porque mesmo tendo Mark em suas mãos, Hyuck o tratava como um tesouro precioso, ele dava tudo que ele precisasse quando os dois se encontravam na cama, eles transavam como um ritual sagrado.

Depois de entregar tudo que ele tinha para ele, como sempre, Mark o escuta dizer deitado em seu peito

- Eu amo você

E com um vazio no peito e mais confiante do que nunca, ele o responde pela primeira vez

Com outra pergunta

- Por quê?

- Eu não sei

Hyuck o responde confuso

- Não é isso o que você quer ouvir? Que eu amo você?

Mark suspira como se fosse expulsar sua alma de seu próprio corpo.

- Talvez

Ele responde e dorme pela primeira vez com Hyuck em seus braços.

A verdade é que todo seu corpo reagia apenas com a ideia de ser amado por ele.

Ele realmente odiava ouvi-lo dizer descaradamente que o amava, mas só a ideia de tê-lo mentindo por ele, só porque ele achava que o faria se sentir bem, faz seu ego vibrar confortável.

Ele não detesta tanto assim o pensamento dele estar pensando nele

Ele poderia aceitar as mentiras dele se fosse pensando nele, isso já era algo mais além do que ele tinha imaginado.

Era pouco, mas era algo.

Ele acordou na manhã seguinte sozinho, com um post-it colado em seu braço esquerdo.

“Eu amo seu rosto, a tatuagem em seu braço, sua boca na minha, seus olhos engolindo meu corpo, sua mão suada segurando a minha enquanto você me faz sentir mais o que eu jamais serei, eu amo sua voz rouca perguntando que horas são, se você já tem que ir, eu amo o jeito que você sempre vem quando eu te chamo, eu amo várias coisas sobre você, então eu acho que eu posso muito bem amar você como um todo? Você não acha? Isso não é válido?”

Mark sorri com a letra preguiçosa dele e depois chora com seu rosto afundado no travesseiro que ainda tinha o cheiro dele.

- Mark? Mark? Mark?

Mark de repente acorda do lugar em sua mente em que estava

- A aula já acabou, hello?

Jaemin diz o olhando preocupado enquanto estala seus dedos na frente no rosto dele

- ACORDA

Ele grita e Mark empurra a mão na sua frente

- Eu estou acordado

Ele protesta

- Estou vendo

Ele se levanta e segue Jaemin para fora da sala de aula, ainda com muito em sua cabeça.

Ele nem repara quando seu celular vibra em seu bolso com uma mensagem que ele só visualiza meia hora depois.

De: Hyuck

Para: Mark

Minha casa hoje, 20hrs

Eu tenho um presente.

Fim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...