História Entre 88 teclas de um piano - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Ação, Bangtan Boys, Bts, Comedia, Longfic, Luta, Min Yoongi, Musica, Yoongi
Visualizações 18
Palavras 4.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


bom, espero que gostem!!

Capítulo 1 - Primeiro dia de aula nunca é bom!


Fanfic / Fanfiction Entre 88 teclas de um piano - Capítulo 1 - Primeiro dia de aula nunca é bom!

~Narradora on~

Em seu primeiro dia de aula a primeira vez que vai visitar o campus, passou a noite em um hotel antes de se mudar de vez para a universidade, e onde a criança tá? Isso mesmo, na cama...
bom vocês devem estar se perguntando com que condições ela foi parar na Coréia do Sul? Ela sabe falar em coreano? Ela tem afinidade com alguém importante da Coréia?

Por que não deixamos ela mesma contar......

~Narradora off~

~Jullye on~

         Acordo com o bendito despertador tocando, serio esse barulho é tão irritante que eu chego a amaldiçoar o ser infeliz que criou esse objeto, sem demora trato de acabar com o som do objeto que tanto me  incomoda, bom já desperta vou contar um pouco da minha história para vocês – enquanto eu me arrumo por que eu posso ser tudo menos irresponsável ao ponto de chegar atrasada nos locais -  meu nome é Kim Jullye, ou Jullye Smith, confuso? Eu explico. Meu pai verdadeiro, Kim Dak-Ho é coreano, em uma época de carnaval no Brasil – no qual muitas coisas podem acontecer, se é que me entendem – conheceu minha mãe, Bella Bittencourt brasileira, jovens e malucos por aventura se aventuraram para além dos beijos e deu no que deu, aqui to eu, MAS a gravidez era de risco e minha mãe morreu no parto, o que eu sei era que antes da mesma morrer pediu para Dak-Ho me registrar com o nome que tenho agora , e como não tinha jeito teve que registrar com o seu sobrenome, fiquei com ele até os 6 anos mais ou menos, logo depois me deixou em um orfanato no Brasil mesmo, naquela época eu já sabia falar tanto coreano quanto português – todos me denominavam ter uma inteligência rara, mas eu não posso fazer nada, é isso que acontece quando mora no Brasil e tem um pai coreano – com Dak-Ho alegando que não tinha condições de me cuidar, Dak-Ho sumiu no mundo, anos mais velha – com 12 anos – descobri que a santa alma de meu pai era dono de uma das maiores empresas de seu país – Coréia do Sul – denominado empresas Kim – aquilo com certeza me deixou triste, mas já tinha passado tanto sofrimento por estar sozinha que coloquei na minha cabeça que não era esse detalhe que ia me derrubar – meses depois apareceu um casal querendo adotar uma garota, e ai que o sobrenome Smith entra em ação, a grande sortuda aqui foi adotada pelo casal até então adorável aos olhos d todo Alycia Smith e Edward Smith, meus pais atuais, Alycia é muito bem sucedida, tem uma rede de lojas – uma das melhores pode-se dizer – nos E.U.A, e ela tem muito bom gosto para moda, já Edward é um dos CEOs mais importantes e também bem sucedido dos E.U.A, e dono de ações muito importantes – ou seja sai do berço de ouro para cair em um de diamante – como por algum motivo ainda desconhecido por mim eles não conseguiram substituir o sobrenome de meu pai verdadeiro, apenas acrescentaram o sobrenome deles, ficando Kim Jullye Smith. Eles também eram estrangeiros (obvio) então embarquei do Brasil direto para E.U.A – Los Angeles – demorou um pouquinho para eu me adequar a tudo principalmente a língua em que falavam, digamos que eu estava bem, tinha de tudo amor, carinho, respeito e principalmente dinheiro, mas ainda me sentia sozinha via meus pais adotivos apenas nos finais de semana, por causa do trabalho de ambos inclusive viagens – em algumas eles me levavam junto pois sabiam que eu passava muito tempo sozinha, então já viajei para muitos lugares – se apareceram no meio dela já era motivo para chover diamantes. Foi ai que eu encontrei pela primeira vez um piano, e desde o primeiro toque a primeira nota, o primeiro som, que eu me apaixonei por aquele objeto que eu tanto me identifiquei, tratei de pedir logo um para mim e comecei a fazer aulas particulares com um dos melhores pianistas da cidade – para variar – então desde aos 13 anos até agora, com 22 anos continuo com o primeiro piano que tive em toda a minha vida – não que eu não consiga tocar em outro, mas é como se eu tivesse uma ligação com o mesmo eu não consigo me separar, para onde eu me mudo eu tenho que leva-lo comigo. Então por acaso fiquei sabendo dessa universidade na Coréia e me interessei – Universidade Villa-Lobos (é um nome brasileiro, por que sim!). E aqui estou eu me arrumando para ir para meu primeiro dia de aula.

Não gosto de me arrumar muito, não tenho essas frescuras – vesti uma calça jeans preta com alguns rasgados na coxa, uma blusa de malha também preta estilo rock que vai um pouco a baixo da minha cintura  com franja e manga longa e pra completar minha jaqueta de couro, e sapato, uma bota cano curto bico fino de camurça com um pequeno detalhe de metal dourado enfeitando o zíper, e fechou já acho que é produção demais, de maquiagem utilizo apenas rímel e lápis de olho, faço um penteado básico em meu cabelo (foto lá em cima, obs: a cor é assim mesmo ok?).

Já pronta desço para o saguão do hotel – junto com minha mochila que contem o necessário para o primeiro dia de aula em uma universidade de música – e encontro meu motorista já a minha espera – apesar da minha insistência de que eu sei dirigir, mas não, é perigoso andar por ai sozinha, e o Zack vai te fazer companhia, blé – me aproximo do mesmo o cumprimentando.

- Bom dia Zack, dormiu bem? – falo colocando uma mão em seu ombro

- Oh! Srta. Smith – fez uma reverencia – dormi sim, vamos? Vai se atrasar para a aula.

- Zack quantas vezes eu já te falei para parar com essas formalidades, eu me sinto como uma senhora de 60 anos desse jeito – digo cruzando os braços, me sentindo desconfortável.

- D-desculpa Sr..... Jullye, prometo me controlar, é que ainda é difícil de aceitar que a senho... você não aceita esse tipo de formalidade – foi sua vez de ficar desconfortável – mas vamos vai se atrasar.

- Vamos sim – grudei no braço do mesmo, ele ficou surpreso, mas logo depois sorriu e começamos a andar em direção ao carro

         Zack está a anos servindo a minha família, quando cheguei na mesma ele já estava, trabalhando para nós não acho que chega a ser um senhor de idade, mas deve beirar os 56 anos, ele é um homem muito legal e um dos poucos que consegue me compreender, hoje para mim ele é mais do que meu motorista, é meu ouvinte, me compreende e me da conselhos acho que identifico ele como meu segundo pai, como passei o resto da minha infância com os empregados da casa então, passava maior parte do tempo conversando e ajudando eles, principalmente a tia Rosa e o Zack então quando decidi me mudar para a Coréia tratei de traze-los comigo, achei que estava até os obrigando, mas quando falei que se eles não quiserem ir era só falar, disseram que iam me dar uma coça se eu fosse embora e deixasse eles para trás.

         Já dentro do carro em movimento dou uma olhada na hora e é 7:15 e tenho que estar lá as 8:00 então estou tranquila, de repente recebo uma mensagem de minha mãe.

Omma: Oi, querida está tudo bem?

Jullye: Ya omma! está tudo bem sim e você?

Omma: Que bom meu bem... Já está na universidade?

Jullye: Não omma estamos a caminho, por?

Omma: Por nada meu bem, me ligue quando terminar seu dia, quero saber como foi...!

Jullye: Pode deixar, omma vou para de te responder acabei de chegar na universidade!

Omma: Ok querida, boa aula!

[Omma ficou offline]

[Jullye ficou offline]

 

         Vejo Zack dar a volta no carro e abrir a porta do passageiro para mim já que eu estava no banco de trás.

- Bem-vinda a Universidade Villa-Lobos – Fala Zack logo que eu saio do carro

- Uau! – não vou mentir era tudo muito lindo, só antes de atravessar o portão ainda dentro do carro já dava para ver que o campus era bem espaço e por dentro era maior ainda, e devo admitir que era lindo, as estruturas dos prédios era tudo muito bem feito, maior parte a onde era para ser concreto era vestido por paredes de vidros bem resistente e de longe dava para ver que o local era bem organizado, sem demora entro no local com Zack a minha cola.

- Tenho que admitir esse lugar superou as minhas expectativas – disse Zack atrás de mim

- Tenho que concordar olha... – disse ainda admirando o local – temos que ir à diretoria... – digo olhando algumas placas de localização, logo sei que direção seguir

- Temos que subir até o primeiro andar – disse olhando para o elevador – vamos?

- Sim – respondo seguindo Zack

         Já no andar de cima fomos em direção a diretoria, e batemos na porta tendo a permissão de entrada. Peço para Zack esperar do lado de fora.

- Com licença... – falo entrando e fechando a portam – meu nome é Kim Jullye Smith, mas pode me chamar só de Jullye – disse fazendo uma reverencia – sou a universitária nova...

- Assim só um minuto – diz a mulher mexendo em alguns papeis em cima da mesa – aqui está, Jullye Smith, é um prazer tela em nosso território, aqui estão seus horários, chaves do armário e do seu dormitório, mas tem um porém como a senhorita chegou agora todas as vagas de dormitórios já foram preenchidas, só restou um dormitório com a cama vaga, o problema é que seu colega de quarto é um garoto, você tem algum problema quanto a isso?

- Oh! Não a incomodo nenhum, eu que devo agradecer por me acolherem...! – falo pegando as chaves e o horário – muito obrigada mesmo, mas se me da licença vou me retirar, ainda quero pegar a primeira aula... – disse apontando para a porta

- Claro sem problemas... Ah! Já ia me esquecendo, apresente esse bilhete para o professor já que vai chegar atrasada, você precisa justificar seu atraso. – disse me entregando o bilhete

- Oh! Claro! – pego o bilhete – mais uma vez muito obrigado – faço reverencia – com licença... – saio da sala fechando novamente aporta atrás de mim, encontro Zack sentado em uma das cadeiras de espera que tinha por ali.

- E então...? – perguntou se levantando

- Eu preciso que você vá levar minhas malas para meu dormitório, estou atrasada demais para fazer isso agora, acha que pode fazer por mim? – perguntei começando a andar atrás da minha sala

- Claro que sim! Me diga aonde é e levo suas bagagens até lá... – disse me acompanhando

- Ótimo, fica no prédio B, acho que é o prédio aqui do lado, vá até o último andar, dormitório 16, Ah! E não se engane por incrível que pareça meu colega de quarto é um garoto, então não se assuste – falo parando na porta da minha sala – acha mesmo que pode fazer isso? – pergunto entregando as chaves do dormitório

- Claro que posso, mas alguma coisa – pergunta prestes a sair

- Não muito obrigada! Me encontre em uma das lanchonetes no final do dia. – Falo e ele faz uma reverencia e se retira – ele nunca prende... – digo verificando mais uma vez o horário, vejo que é aula de pratica, logo me prontifico e bato na porta

- Sim? – um homem de estatura alta, que julgo ser o professor abre a porta

- Eu sou a nova universitária – falo fazendo reverencia – perdoe-me por chegar atrasada estava na diretoria – entrego o bilhete para o mesmo

- Oh! Claro seja bem-vinda Srta. Smith, estava a sua espera – fala dando passagem para mim poder entrar

- Por favor, me chame de Jullye – falo entrando na sala, no mesmo instante todos os olhares caíram sobre mim

- Pessoal essa é a aluna nova, por favor se apresente – disse fechando a porta enquanto me dirijo para o centro da sala

- Bom, meu nome é Kim Jullye Smith, vim de Los Angeles, tenho 22 anos espero me dar bem com todos – falo fazendo reverencia, enquanto todos me olham surpresos – Ah! E só para constar eu não mordo, e meu sobrenome é amaldiçoado... – falo dando um sorriso doce

- Você é mesmo a Jullye Smith? – pergunta uma aluna

- Eu mesmo em carne e osso – falo rindo

-Uau! – ela exclama surpresa

- Bom já chega né, Jullye pode se sentar, como aquele é o único lugar vago suponho que o mesmo seja seu colega de quarto, não é senhor Min Yoongi? – perguntou o professor, com o olhar em direção a um garoto que.... estava dormindo? É o que. Outro garoto que eu suponho ser amigo dele, da um tapa na cabeça do pálido a sua frente, fazendo o mesmo acordar – Jullye sente-se por favor – assim fiz, as carteiras são em duplas suponho que a dupla de cada um seja seu colega de quarto – dormindo na minha aula de novo senhor Min?! – perguntou com um olhar furioso sobre o garoto agora ao meu lado

- Desculpa professor – disse revirando os olhos

- Ela é gostosa deve ser boa na cama... – escuto um garoto, que senta na minha frente falar e o outro concordar com um sorriso perverso, foi o bastante para mim fechar a cara, mas ignoro o comentário e pego minha mochila tirando o necessário para poder copiar a explicação no quadro antes de começar a pratica.

- E você quem é? – perguntou o meu “colega de quarto” me olhando de cima a baixo me avaliando

- Prazer, sua nova colega de quarto! – respondo mal-humorada

- Parece que alguém aqui acordou de mal humor – disse dando um risinho

- Não enche – comecei a copiar o conteúdo, ele se virou para frente e começou a fazer o mesmo

         Analisando melhor a sala, ela é bem bonita, quando você abre a porta da de cara com o quadro e as  carteiras que estão na primeira fileira, quando você entra consegue enxergar o resto de toda sala junto com as carteiras, mais ao fundo, da para ver um piano de cauda  - muito bem conservado – e em volta poltronas que eu julgo serem confortáveis, possivelmente ali é onde praticaríamos as atividades. Olhando no geral os alunos são de altura padrão apenas dois que são mais baixos um garoto de cabelos meio alaranjados, mas desbotados por causa do tempo, e o garoto pálido, que senta ao meu lado, que no momento esta dormindo de novo – para variar – ele tem cabelos negros que destaca mais a sua pele pálida e tem os lábios meio vermelhos por conta do frio, ele parece um anjo dormindo, seria se eu não tivesse certeza de que é o demônio quando esta acordado. Como todos terminamos de copiar o que estava no quadro o professor chama nossa atenção.

- Bom, acho que já deu tempo o suficiente para todos copiar então vamos praticar – logo que ele fala isso todos os alunos começam a se levantar e ir em direção as poltronas faço o mesmo e quando estava prestes a sair me deparo com o individuo ainda dormindo, ai sobra para quem acordar isso mesmo a idiota de coração bom aqui – nem tanto.

- Ei.... o professor vai te dar uma bronca de novo. – Falo o cutucando, mas nada

- Caralho moleque acorda é hora de praticar... – disse o chacoalhando, mas NADA, aí eu perdi a paciência

- OH SATANAS ACORDA! – disse o empurrando da cadeira, fazendo o mesmo cair e ao mesmo tempo levantar assustado

- O que aconteceu? – perguntou ele ainda confuso, aí ele sacou o que avia acontecido – Por que fez isso? – disse com raiva massageando o ombro por causa da queda

- Você não queria acordar – dou de ombros e começo a andar em direção as poltronas, me afundando em uma delas

- Você me paga – disse mal-humorado quando passou perto de mim, se sentando um pouco distante de mim perto de uns garotos

- Depois eu que estou de mal humor – resmungo e o professor começa a falar

- Bom hoje eu vou querer saber se vocês estão praticando, ou estão com os dedos enferrujados, podem escolher qualquer música para poder tocar e quando estiver pronto venha até o piano e toque, quem vai ser o primeiro? – pergunta e depois de algum tempo uma garota se levanta e vai até o piano e começa a tocar, eu já até qual música eu vou tocar.

         Estávamos no finalzinho dos alunos, quando do nada, a criatura pálida se senta na poltrona do meu lado, e ficou lá que nem uma estátua, passaram-se mais 5 alunos aí a múmia resolve abrir a boca.

- Lembra que eu disse que você ia me pagar, então essa hora chegou – disse com um sorrisinho de lado – aposto que eu sou bem melhor que você no piano... – disse se afundando na poltrona

- Isso é um desafio? – pergunto encarando o mesmo

- Não sei... – dá de ombros

- Aceito – respondo rapidamente

- Prepara-se para perder.... – Ele se levantou da cadeira – eu sou o próximo – disse quando um aluno estava deixando o piano, segui em direção ao mesmo e começou a tocar

         Eu conhecia aquela música ela era difícil de se tocar por causa da rapidez, demorei para aprende-la direito, era uma música alegre, do incrível e famoso Mozart, a musica se chama Rondo Alla Turca é incrivelmente uma música bonita de se ouvir é uma música agitada que faz você querer se levantar e balançar o corpo. Ele terminou e recebeu aplausos de muitas pessoas, inclusive meus por que vamo concordar o garoto toca bem pra porra.

- E então, ainda ta no desafio? – perguntou enquanto me levantava

- Eu sou a próxima! – disse por fim – ainda estou no “desafio” – disse fazendo aspas com a mão – mas esqueci de avisar que eu só entro para ganhar... – disse e ele levantou a sobrancelha fingindo estar impressionado, segui em direção ao piano me sentei no banco do mesmo, estralei meus dedos e comecei a tocar.

 Uma musica normal até então, mas eu mesmo criei um remix para ela é uma das minhas preferidas e muito difícil de tocar nem meu próprio professor conseguiu toca-la quando mostrei para o mesmo, a música se chama Pirates Of The Caribbeam, é uma musica bem agitada e que me deixa feliz, quando eu estava um pouco mais da metade da música, olhei para o garoto que agora mantinha um semblante surpreso, assim como todos presentes na sala inclusive o professor, sorri e voltei a fechar os olhos aproveitando a sensação de magia que flui quando eu toco é sempre assim me entrego a música quando estou tocando, e ninguém pode me tirar desse transe enquanto não terminar. Quando terminei de tocar as últimas notas, abri os olhos e vi que todos estavam com os olhos presos em mim, dei um sorriso tímido e voltei a me sentar – ainda com todos me olhando – encarei o pálido que estava estático me olhando.

- Ah! Qual é? É só uma música... – digo olhando para frente

(...)

Aula foi, aula vem e o sinal que anunciava que a aula acabou por hoje tocou, todos começam a sair e eu me ponho a arrumar meu material de volta na mochila, até que sinto alguém tocando meu ombro, me viro e vejo o garoto de cabelos alaranjados na minha frente

- Oi? – pergunto terminando de arrumar meu material

- Olá, hum eu só queria dizer que você tocou muito bem, parabéns! – diz ele com um sorriso doce

- Assim! Obrigada – faço uma reverencia – nem foi muita coisa – dou um sorriso

- YA! Não precisa disso se bestar eu sou mais novo que vo... a Srta. – disse fazendo uma expressão engraçada

- A não você também não – faço bico fofo – sem Srtas. Por favor – juntei minhas mãos em oração

- Ah! Ok, me chame de Jimin – disse balançando as mãos no ar

- Jullye... você está nervoso? – aponto para suas mãos

- Ah! É... sim, acho que sim – disse juntando as mãos e abaixando-as – é que... tipo nossa, eu to falando com Jullye Smith, uau!

- Ei calma eu não sei o que sabem de mim, mas.... – Fiz uma pausa pensando no que dizer – eu... não vou fugir ok?

- Não é que... – o tal Min Yoongi o interrompe

- Ele ta querendo dizer que por você ser uma Smith vai deixa-lo de lado e o ignorar da próxima vez que ele quiser falar com você, simplesmente por que você tem dinheiro e pode ser uma daquelas garotas metidas e enjoadas – disse com cara de tedio – é difícil dizer isso Park Jimin?

- Cala boca aí Suga, desculpa por isso – disse meio desconcertado

- Perae, Suga? Oi? – começo a rir, tipo muito

- YA! Qual é a graça? – perguntou o cara pálida (é assim que vou chama-lo agora)

- É o açúcar mais azedo que eu já vi – dou mais risada ainda

- Blé... aff azeda é você – disse ficando frustrado

- Relaxa o cara pálida, ninguém tá te batendo – pego minha mochila – e Jimin não é por que eu tenho o sobrenome Smith para carregar, que significa que eu sou essas tia metida e mandona por aí não, aliás eu não vou te esquecer quem disse? – perguntei cruzando os braços

- Ele – apontou para o cara pálida – sério me desculpa por isso...

- Quer saber?! Eu to com fomeeeee!! – disse indo em direção a porta – a gente se vê por aí Jimin, tchau para você também cara pálida. – disse indo em direção ao térreo atrás de Zack

         O Jimin me parece uma boa pessoa, seria... um amigo novo? Talvez... ele é fofo jesus, parando agora para avaliar, que pedaço de mal caminho, socorro. É Jullye parece que você não largou o seu lado tarado não é mesmo? Daria medo se não fosse cômico. Assim que chego no térreo, procuro Zack e o mesmo está sentado em uma das mesas, me aproximo do mesmo e me jogo no banco.

- Fomeeeee, vou pedir um salgado para mim vai querer? – pergunto para Zack

- Não já comi e na verdade a Rosa lhe mandou um lanche, disse que vai sentir falta de você lá nos dias de semana, e ta com medo de você comer só besteira que era o que você ia fazer agora – disse pegando uma sacola e retirando a comida – Ah! Antes que eu me esqueça, ela te mandou um beijo – deu um beijo em minha bochecha

- Obrigado, e comida da tia Rosa sempre é bem-vinda... – disse pegando os talheres – Ah! Eu também irei sentir saudades dela, aquela velha, um dia ainda acaba comigo – disse fazendo bico fofo logo começando a comer

- Deixa ela saber que você ta chamando-a de velha, ela vem aqui a pé só para te bater – disse rindo

 - Verdade – dou risada também – segredinho nosso – dou uma piscadinha para ele. Sabe quando o satã tem inveja da sua felicidade e manda a obra dele para te infernizar, então...

- Olha o que temos aqui... – um garoto moreno de estatura mediana, brota na frente da minha mesa com mais dois garotos – e ainda tem guarda costas, fiquei com medo agora – disse debochando – sai dai coroa queremos nos sentar! – disse mandando o Zack sair de um dos bancos

- O “coroa” aqui tem nome, é Zack, e ele fica – disse ainda focada em minha comida, dando mais uma garfada

- Como é eu não ouvi? Bem que eu digo é igualzinha as outras vadias, que dão uma de riquinha por aí... – disse dando uma risada, que me fez ter ânsia de vomito

- Deixo que digam o que quiser, não acho que eu seja obrigada a me rotular por elas – respondo calma

- Vem cá garota você sabe quem eu sou para falar assim comigo? – disse puxando minha vasilha de comida, obrigando a olhar para ele, solto um suspiro pesado, sinal de que minha paciência já está acabando.

- Como não saber... – dou um sorriso torto – Kim Taehyung, filho do grande e poderoso Kim Dak-Ho! – falo me encostando no suporte do banco.


Notas Finais


espero mesmo que tenham gostado até o próximo!!

link da musica do Yoongi:
https://www.youtube.com/watch?v=aeEmGvm7kDk&list=RDEMiV30cZkQLMl8dvkOpVcP8g&index=10

link da musica da Jullye:
https://www.youtube.com/watch?v=NNqVoDjiVY8

aconselho a verem pelo menos a musica da Jullye SÉRIO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...