História Entre a cruz e a espada - Myg and Jhs - YoonSeok - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Sobi, Sope, Yoonseok
Visualizações 15
Palavras 2.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


• Boa leituraaaaaa!

Capítulo 8 - Cap7 - Não se foge do destino.


Fanfic / Fanfiction Entre a cruz e a espada - Myg and Jhs - YoonSeok - Capítulo 8 - Cap7 - Não se foge do destino.


POV. Autora

Depois que Yoongi foi embora da festa, Hoseok desceu novamente, na intenção de ir pra casa. Sentia-se estranho, não devia ter deixado o azulado sair daquele jeito, ele parecia transtornado.

O que eu tô pensando? Não sou babá de ninguém.

Caminhou em direção à porta, mas estancou o passo ao ouvi seu nome ser chamado.

-Hoseok?

Virou-se em direção a voz doce que a algum tempo não ouvia.

-Mark, cara quanto tempo. – Hoseok abriu um grande sorriso ao reconhecer o amigo do seu irmão, um garoto que viu crescer junto com Jungkook.

Abraçaram-se.

Mark se esforçou, mas não conseguiu esconder com perfeição o constrangimento de estar diante do homem que lhe tirou a virgindade quando tinha 15 anos. Um rubor lhe cobria as faces sempre que encontrava o coreano, por isso, evitava contato. Mas ao vê-lo ali, Mark não conseguiu se impedir de chama-lo, talvez a bebida tenha contribuído um pouco.

Hoseok olhou-o de alto a baixo algumas vezes, Mark é realmente um garoto bonito, não bem um garoto, tem seus vinte anos, mas incrivelmente bonito.

Lembrava-se dele moleque, correndo pela casa com Jungkook, e lembrava-se dele gemendo seu nome em sua cama alguns anos antes.

Belas lembranças. – pensava maliciosamente Hoseok – Seria ótimo revivê-las.

-Você cresceu, Mark. Mas continua lindo como eu lembrava. – falou próximo ao ouvido do rapaz.

Mark sorriu e disse:

-E você continua um sedutor incorrigível. O que tem feito? Além de roubar a virgindade de mocinhos inocentes, é claro. – riu da própria frase e Hoseok o acompanhou.

-O que você acha de sairmos daqui para a minha casa? Aí eu posso te mostrar o que tenho feito em vez de apenas dizer. – sua face tornou-se maliciosa. Ele queria aquele garoto novamente.

Se não podia ter o azulafo em sua cama, ao menos não dormiria sozinho essa noite, e Mark era uma bela e absolutamente gostosa companhia.

Mark não sabia dizer se fora a bebida, ou simplesmente o desejo que aquele homem lhe causava, mas topou de cara ir para a casa do ruivo. Jungkook que o perdoasse por deixar a festa e dormir com seu irmão, Hoseok era gostoso de mais pra negar um pedido desses.

-Vamos lá, ruivo. Me mostre do que é capaz.

Hoseok pegou Mark pelo braço e o puxou até seu carro, entraram, e Hoseok praticamente voou pra casa.

Ao chegarem, Hoseok mal deixou que o mais jovem entrasse, o agarrou pela cintura e o beijou intensamente.

Que estranho. – pensou – Não sinto nada além de desejo ao beijá-lo, ao contrario do que senti ao beijar aquele azulado. A boca doce do azulado me fez sentir como se estivesse em chamas, e um desejo estranho e avassalador se espalhou por todo meu corpo. Com Mark é diferente, tô com tesão, óbvio, mas não passa disso, eu só quero o corpo dele. Do azulado eu quero tudo, absolutamente tudo.

Mark gemeu na boca de Hoseok quando sentiu as mãos atrevidas do ruivo praticamente arrancarem suas roupas, eles seguiram para o quarto sem largar a boca um do outro. Já sem a parte de cima das roupas, Hoseok empurrou Mark na cama, que caiu deitado, sentou-se nas pernas dele e continuou a beijá-lo, desceu os beijos pelo pescoço alvo, tão alvo quanto o de certo coreano.

Pare já com isso, Hoseok! – repreendeu-se mentalmente – Você tá com um cara absolutamente gostoso na cama, não tem que pensar naquele baixinho arrogante.

A noite estava só começando, e quando o dia amanhecesse o maldito azulado que lhe tomava os pensamentos naquela hora seria uma mera lembrança. Uma lembrança de alguém que nunca mais veria.

.......................................

Era segunda – feira de manhã. Yoongi acordou com uma dor de cabeça provinda do inferno, ia se atrasar pra faculdade novamente. Para sua felicidade, sua irmãzinha Jiu ia da casa da amiga diretamente para a escola e ele só precisaria se preocupar em ir busca-la.

Levantou-se, fez sua higiene matinal e saiu do quarto para comer algo na cozinha. Algo porém, fez com que ele interrompe-se o passo, tinha alguém lá, ele ouvia o barulho de algo sendo mexido na cozinha.

Mamãe! – pensou imediatamente – Ela voltou.

Desceu a escada que dava para o andar de baixo da casa pulando os degraus de dois em dois, passou pelo corredor e adentrou a cozinha.

-Mãe? – diz.

Ela está de pé mexendo em um dos armários da cozinha.

-Onde está a Jiu? – ela pergunta sem o olhar.

-Na casa de uma amiga dela, mãe. Vou busca-la mais tarde. Você está bem? – Yoongi nota que ela parece abatida. Seus cabelos escuros estão desgrenhados e ela ainda não se virou para olha-lo.

-Não devia deixar a Jiu dormir fora de casa. – não responde a pergunta.

-Mamãe, você está bem? – como ela não responde, Yoongi caminha até ela e a puxa pelo braço, seu queixo cai.

-Meu Deus, mamãe! O que houve com o seu rosto? – ela está completamente machucada, seu lábio está cortado e tem um olho roxo e inchado.

-NÃO ME TOQUE! – ela afasta rudemente as mãos do azulado. Ela começa a chorar descontroladamente enquanto diz:

-Desculpa, meu pequeno! Eu destruí sua vida. Destruí sua vida e a da Jiu. Eu sou um lixo.

Yoongi se aproxima cautelosamente dela. As alterações de humor dela são assustadoras. Toca seu rosto carinhosamente e diz:

-Nao mamãe. Você fez o que pode por todos nós. Eu e a Jiu te amamos.

Ela se agarrou ao azulado enquanto ainda chorava:

-Nao! Eu sou uma vadia suja! Eu quero morrer, Yoongi. Eu quero morrer!

Yoongi estava pasmo. Eram as drogas, ele sabia. Como sua mãe chegou àquela situação? E ainda depois do marido ser assassinado por causa de tudo aquilo.

Yoongi pegou-a no colo e a levou para o quarto, a pôs na cama e sentou ao lado dela.

-Vou cuidar de você, mamãe. De você e da Jiu.

-Você é um bom menino, Yoongi, nao merece a vida que leva. – ela sussurrou antes de adormecer.

Yoongi beijou-lhe o rosto, pegou suas coisas e rumou pra academia. O dia seria longo, e a tarde ainda teria que ir conversar com o detetive Namjoon. Faria aquele trabalho com prazer, iria destruir quem destruiu sua vida. Não era vingança, era justiça.

..........................................

Hoseok acordou atrasado naquela manhã.

-Maldição! – praguejou enquanto levantava da cama totalmente despido. Olhou de lado e viu um rapaz de pele alva deitado, não conseguia ver seu rosto, pois estava encoberto pelo lençol.

Não lembrava de ter dormido com ninguém noite passada, aproximou-se cautelosamente e puxou o lençol. Seu coração parou.

-Bom dia, meu amor! – disse o garoto azulado olhando-o sorridente. – Por que está me olhando assim?

Milo olhou para os lados, completamente atordoado. Coçou os olhos e olhou novamente para o azulado.

-Que porra é essa? Eu tô sonhando?

-Sonhando? – pergunta o azulado sentando na cama, ele puxa o lençol e fica completamente despido. – Nao. Mas se você nao lembra o que aconteceu, entao podemos relembrar.

O azulado levanta da cama e vai em sua direção, caminhando de forma felina, seus cabelos balançando de forma fluida. Hoseok está completamente hipnotizado.

Yoongi cola seu corpo ao de Hoseok, o puxa em direção a cama, joga-o nela e senta sobre os seus quadris. Hoseok solta um gemido ao sentir sua ereção roçar as nádegas do azulado.

-O que está fazendo, pequeno?

O azulado beija sua boca de forma quente e molhada, olha em seus olhos e diz:

-Apenas te dando prazer, ruivo gostoso. – dizendo isso, ele pega o membro de Hoseok e o direciona a sua entrada.

Um barulho de despertador soa no ambiente e Hoseok abre seus olhos de forma abrupta, senta na cama desorientado.

Mas que inferno! – passa as mãos no cabelo. – O que foi isso?

Olhou pra baixo e viu que uma ereção escandalosa se anunciava entre suas pernas.

Não é possível, não sou mais um adolescente pra acordar assim. O que caralho está havendo comigo?

Olha para o lado da cama e nota uma folha sobre a cama, pega-a e lê.

"Caro Hoseok,

Obrigado pela noite passada, você ainda continua bom de cama. Precisei sair cedo, a faculdade me espera. Te desejo um bom dia, a gente se vê por aí.

Mark."

Hoseok sorriu. Gostava de Mark, ele sempre sabia a hora de ir embora. Era sexo e só, sem todo sentimentalismo.

Levantou da cama, tinha que ir a empresa, mas antes tinha um problema enorme entre as pernas para tratar e faria isso pensando em um moleque de cabelos azuis desbotados.

...........................................

POV. Yoongi

As aulas passaram rapidamente, nada de novo aconteceu, tirando a falta do professor Chen, o que é estranho já que ele nunca falta, e que eu não consegui prestar atenção na aula, eu ainda sentia a pressão de lábios macios e quentes sobre os meus.

Já na saída, Jungkook segura meu braço. Ele me olha seriamente.

-Preciso falar com você sobre ontem, Yoongi.

Meu sangue gelou.

Sobre ontem? Será que ele me viu com o ruivo tarado? A perspectiva é aterradora.

-Sobre ontem? Nao sei sobre o que quer falar já que nada aconteceu. Mas tudo bem, só sejamos rápidos, tenho um compromisso.

Jungkook me olha de cara fechada e me arrasta até o restaurante de sempre. Depois que o garçom deixa nossos pedidos e se afasta, Jungkook me encara e diz:

-Eu não esperava isso de você, Yoonie. Eu sei de tudo. – ele parece magoado.

-Nao sei do que está falando. – digo sinceramente. – O que houve?

-Fala sério Yoongi, nós somos amigos a dois anos, você é o melhor amigo que tenho. Pensei que eu também fosse o seu.

-É sobre o ruivo, nao é? – digo derrotado.

-É. Como tudo aquilo acontece e você não me conta?

-Como soube?

-Algumas pessoas que viram me contaram. Agora quero saber de você, me diga tudo. Desde o beijo do Shur, quem ele é, a briga, tudo.

Conto toda a história pra ele, obviamente omitindo a parte do quarto, Jungkook iria me tirar o couro com isso. E também o fato de que não faço ideia de quem ele seja. Jungkook está me olhando boquiaberto.

-kook, o que foi? – pergunto com cautela.

-Você ficou com ele na minha biblioteca? – cai na risada. – Cara, essa eu ainda não sabia. Espera. – ele toma um pouco de água pra se controlar – Você nem sabe o nome dele! E você dizendo que nada de bom ia rolar na minha festa.

Dessa vez olho ferozmente pra ele.

-Se você tá dizendo que ficar com um ruivo safado, atrevido, arrogante e com o maior ego do mundo é bom, você é louco. E eu nao fiquei com ele, ele me beijou de surpresa – sentencio.

-Já notou que nunca foi tão afetado por alguém quanto por esse ruivo? Isso não é normal.

-Ele não me “afetou”. Meu Deus, você vê coisas onde nao existe. Nao quero mais falar disso.

-É claro que afetou! Vê só como você ficou, está todo...

Bato com a mão espalmada na mesa, e ele me olha assustado.

-O que eu acabei de dizer, Jungkook? Se você continuar a falar disso vou chutar seu pau na primeira oportunidade.

-Que violência, cara. Porque em vez de chutar o coitado, você não dá um beijinho nele?

Só reviro os olhos pra ele. Ele fica mais sério e diz:

-Eu queria ter te apresentado o meu irmão ontem. Te conheço a um tempo mas ainda não consegui apresentar vocês.

-Seu irmão estava lá? – pergunto sem muito interesse.

-Estava. Mas quando fui te procurar pra apresentar vocês, você tinha sumido e depois meu irmão fugiu da festa com o Mark.

-Seu irmão e o Mark estao juntos? – estou surpreso, Mark é sempre tão reservado.

-Meu irmão é um sedutor incorrigível sempre, e um tarado nas horas vagas. – ri – Acho que é só diversão.

Olho o relógio, pego a bolça e levanto.

-Tenho que ir. Tenho um trabalho pra ver. – digo pra ele.

Ele me olha sorri e diz.

-Boa sorte, amor. – pisca pra mim. – Je t’aime.

Reviro os olhos.

-Je t’aime, Jungkook. – Digo sarcasticamente.

E vou em direção a o departamento de polícia de New York.

...........................................

-Yoongi, que bom que veio! – Namjoon me recebe assim que entro sua sala. – Sente-se, temos negócios a tratar. Quer beber algo?

Sento-me na mesma cadeira que sentei antes.

-Nao, agradeço. É melhor irmos direto ao que interessa.

-Claro. – ele me sorri. – Primeiramente quero que pegue isso. – ele me passa uma pasta grossa cheia de folhas. – Aí estão as informações detalhadas do caso que vamos trabalhar. Vou te contar tudo agora, mas resumidamente.

Pego a pasta, ponho na mochila e me volto para ele novamente.

-Estou ouvindo. – digo sério.

-Há cinco anos – ele começa – recebemos a denuncia de que uma nova facção que atuava no ramo do tráfico internacional de drogas se instalou na cidade. Investigamos muito a fundo e descobrimos que a facção era financiada por um milionário cujo nome ainda não sabemos. Armamos todo o tipo de esquema para atraí-lo, mas ele nunca caiu, ele sempre sabe onde vamos estar antes de chegarmos lá.

-Como ele poderia saber disso? – pergunto – Quer dizer, tem que haver um espiao, nao é? Como ele saberia se nao houvesse?

-Há um espião, Yoongi. O melhor deles. Um que é impossível pegarmos. São satélites.

Meu cenho se franze.

-Satélites? Entao eles usam a transmissão do sinal pra rastrear a polícia? – estou surpreso. – É um esquema esperto, sujo e desonesto, mas esperto.

-Você é um rapaz perspicaz, Yoongi, gosto disso em você. – ele sorri pra mim – É mesmo um bom esquema. Eles são espertos, mas nós também somos. Cada satélite tem um tipo único de sinal, como um impressão digital, nós conseguimos rastrear de onde os sinais são enviados. Já ouviu falar na Jung Mobile? É uma empresa de telecomunicações que pertence a família Jung.

Meus olhos se arregalaram. É claro que conheço a empresa, todo mundo conhece. Mas não é só isso, um dos herdeiros da Jung Mobile é meu melhor amigo, Jeon Jungkook. Não pode ser.

-Você quer dizer que o sinal veio dela? Da Jung mobile? – pergunto ainda perplexo – Acho que agora aceito uma água, senhor Namjoon.

-Imagino que isso deve deixa-lo confuso, temos conhecimento do seu relacionamento com o mais novo dos irmãos Jung. – ele pega um copo com água e me entrega. – Mas acalme-se, eu disse que o sinal veio de um dos satélites deles, não que eles estavam envolvidos. Sistemas são invadidos, Yoongi.

-Entao acha que eles nao estão envolvidos?

Eu não conheço o irmão do Jungkook, mas conheço Jungkook o suficiente pra saber que não se envolveria com isso, e nem permitiria a seu irmão se envolver.

-Acho improvável que estejam. Investigamos a vida dos dois, não foi achado nenhum delito que comprometesse a moral deles. Em todo caso, é pra isso que você está aqui, pra achar quem é o mafioso desgraçado por trás disso.

Estou aliviado, Jungkook não está metido nisso, eu sei. Não suportaria se estivesse, ele sabe sobre o meu pai.

-Sabe que estou dentro, senhor Namjoon. Só me diga o que fazer.

-Apenas fique ligado ao seu celular, quando surgir uma pista eu ligo pra você. Você vai lá e faz o seu trabalho. Suas fotos serão usadas como provas para incriminar os suspeitos. Compreende?

-Sim. Sei o que fazer.

-Ótimo. Nós não sabemos quem é o chefe, então começaremos pegando os peixes menores, vamos encurrala-lo e desmantelar todo o esquema. Bom, é isso. Pode ir para casa agora, estude o arquivo para saber com o que está lidando e aguarde contato.

Levanto e vou até a porta.

-Obrigado por vir, Yoongi. – ele me estende a mão. – Foi um prazer.

Aperto sua mão.

-Obrigado, senhor Namjoon. O prazer foi meu.

Saio da sala e vou até meu carro. Tenho que buscar a Jiu na casa da amiga, mas no caminho resolvo dar uma olhada no alvo das minhas investigações: Jung mobile.

Passando em frente a grande fachada envidraçada, eu desvio os olhos da rua e a olho, quando viro o rosto novamente, um vulto surge na frente do carro e não consigo frear a tempo.

Merda! O que fiz?

Saio imediatamente do carro, o homem está sentado no chão esfregando o rosto. Quando ele olha pra mim meu coração para


Notas Finais


• Espero que tenham gostado

• Bjs na bunda

(Desculpem os erros ;';)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...