História Entre duas eras (em revisão) - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kagome Higurashi
Tags Amizade, Amor, Comedia, Confusão, Drama, Ecchi, Inugome, Inuyasha, Kagome, Paixão, Romance
Visualizações 84
Palavras 2.238
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente a fic não esta em hiatus eu estava com problemas de inspiração, mas voltei!!!
O capitulo contem um mini hentai então se não gostar desse tipo de conteúdo já sabe é so pular :D
Bom esperem que gostem e em breve venho corrigir os erros ;*

Capítulo 17 - Viva enquanto puder


Fanfic / Fanfiction Entre duas eras (em revisão) - Capítulo 17 - Viva enquanto puder

Era feudal:

As duas serpentes Youkais vagaram por todo o lugar em busca do Taisho mas a cada rastejar a falha fazia o ódio da youkai vermelha ressoar em seus corpos, adentraram a floresta Inuyasha e as duas cobras se dividiram em quatro seguindo assim para lados opostos até que uma das serpentes vagou para dentro do poço e teve seu corpo destroçado, as outras puderam sentir aquilo e foram ao seu encontro algumas tentaram ir depois do poço e algo as repeliu fazendo com que seus corpos evaporassem como uma rajada forte de vento tudo o que a Youkai vermelha sentiu com aquilo foi raiva, havia alguém protegendo aquele lugar um poder puro ao qual ela não poderia se opor, se impulsionou no ar e suas asas de fogo se movimentavam lentamente, seus olhos negros se tornaram brancos e como uma águia foi capaz de enxergar uma luz de cor azul clara, uma cor tão pura quanto o céu limpo a sua volta sorriu ao perceber que aquela aura era a herança e pertencia a uma sacerdotisa morta.

- Vamos ver quanto tempo aguentará – com essas palavras e um sorriso sádico deixou seu corpo pousar na montanha, quebrou o pescoço do humano morto por suas chamas o carregava consigo e devorou-lhe a carne. O perigo estava cada vez mais perto e diferente de Naraku essa não possuía falhas apenas a vontade de massacrar aqueles que no passado a atraiçoaram.

 

Era atual:

Inuyasha e Kagome já haviam treinado mais que o suficiente para uma única festa e agora com o entardecer ambos se pegaram estirados no chão.

- Inuyasha você não gostaria de viver aqui?

- Espera ai Kagome que papo é esse? Nós combinamos que depois de derrotar o Youkai festa nós íamos voltar para a minha era.

- Você é um teimoso, nós podemos ficar nas duas, um pouquinho em cada uma – sorriu

- Kéh! Eu não vou discutir com vocês

- Seu chato! Vamos fazer alguma coisa, sem discussões certo!

- E o que você quer fazer Kagome? – o humor dele estava péssimo e parte da culpa era sua se ele aprendesse a controlar aquele humor péssimo nada seria dessa forma.

- Eu não sei, eu so estou um pouco entediada, já sei! Vamos cozinhar e eu vou te apresentar uns jogos de mesa bem legais – ela estava determinada a fundir as duas eras, queria que ele aprendesse um pouco de seus costumes e sabia que mesmo que ele a trata-se daquela forma não recusaria uma boa diversão – Vamos Inuyasha – puxou a manga da camisa que insistiu para o mesmo usar

- Ok eu já estou indo - a contragosto se levantou e a seguiu até a cozinha onde preparam algumas guloseimas que ele julgou muito doce, mas, ainda assim, aproveitou a companhia dela e mesmo não querendo se divertiu bastante com os jogos de carta que a mesma apresentou, realmente estava tendo um momento relaxante ao lado da muler que amava, ambos não faziam ideia do perigo que rondava o vilarejo que a pobre Kaede tentava a todo custo proteger.

~~ corte de tempo~~

 

O grande dia havia chego e Kagome estava linda dentro de um longo vestido verde enquanto Souta e Inuyasha se vestiam entre uma conversa e outra, assim que o carro alugado chegou para pegá-los a senhora Kyura fez questão de fotografar todos juntos o que daria uma bela recordação, todos entraram no carro e o prateado estava estressado por esta com os pés cobertos e em um lugar fechado, mas o sacrifício valia a pena nunca havia visto a miko tão bonita em toda a sua vida. Quando a porta do carro abriu o lugar extremamente iluminado parecia estranhamente nauseante para o prateado que portava a tesaiga na cintura, Kagome segurou em seus braços e ambos seguiram para a festa, a decoração estava linda e todos se divertindo, Kagome vislumbrou ao longe seus amigos que dançavam e gargalhavam sem parar e seus olhos foram de encontro ao do prateado.

- Vamos lá né fazer o que! - com seu jeito turrão concordou em ir até os outros.

- Nossa Kah, eu achei que vocês haviam terminado! - Yuka falou

- Não... não, nós estamos juntos a muito tempo... - Kagome desconversou

- E então o que você andou fazendo que nunca mais te vimos na casa da Kagome – Eri perguntou com um sorriso

- Bem – Inuyasha pensou antes de responder e Kagome se manteve nervosa – Eu andei construindo uma casa, na verdade levou bastante tempo – as amigas dela se mostraram interessadas e o encheram de perguntas:

- E você construiu sozinho? - Yuka

- Nossa Kagome que sorte! Inuyasha então você trabalha com construções? - Eri

- E para quem era a casa? - Ayumi foi indiscreta

- Eu construi com um amigo, para quando a Kagome voltasse, ela vivia reclamando que não gostava de dormir sobre as estrelas então construir uma casa pra nós – o sangue da Higurashi gelou com a espontaneidade das palavras dele.

- Nossa Kah eu não sabia que as coisas estavam tão sérias - Yuka a abraçou – Então você gosta de acampar?

- Sempre acampamos muito na minha er.... - foi interrompido

- Vamos dançar Inuyasha eu amo essa música – arrastou o prateado para a pista que estava encabulado demais para se mexer apenas observava os movimentos dela e aos seus olhos era excitante.

- Você cansou de ficar com as suas amigas?

- Digamos que sim – uma música lenta começou e a mesma o puxou para mais perto no intuito de fazê-lo dançar e por alguns minutos funcionou, ambos dançaram lindamente no salão e quando cansou Inuyasha foi ate a mesa e se sentou ao lado de Souta que estava bem entediado, Kagome sorriu ao vê-lo ali compenetrado em cada movimento que a mesma fazia.

- Você está linda – uma voz a tirou do transe e um abraço lhe foi dado com carinho.

- Takeda! - ela sorriu e o abraçou mais forte o que aos olhos do prateado era péssimo, a mistura de cheiros do ambiente o incomodava mais nada era pior do que aquilo que vira, sua Kagome abraçando com alegria outro homem, um mero desconhecido.

- Vamos dançar gatinha! - sorriu a e mesma olhou o prateado que agora vinha em sua direção visivelmente irritado.

- Inuyasha esse é o Takeda o meu grande amigo, Takeda esse é o Inuyasha o meu... namorado – corou com aquilo e o garoto de cabelos castanhos sorriu para o pratedo que se manteve sério.

- Então você é o amigo maldito da Kagome... - o seu controla ja estava indo pro espaço.

- Takeda, eu falo com você depois, preciso ter uma conversinha com o senhor descontrolado – sorriu sem vontade pois estava sem graça com as palavras de Inuyasha e o puxou para o lado de fora da festa.

- Inuyasha qual é o seu problema? - Você está de mal humor e quase arrumou uma confusão a toa.

- Kéh! Aquele era o maldito, quando vir te buscar o cheiro dele estava em você! - comprimiu os dedos

- Inuyasha, olha pra mim porque eu só vou falar uma vez, eu e o Takeda somos só amigos! Então pare ja com isso e vamos voltar para a festa.

- Kéh! Essa amizade é muito estranha, você não fica por ai abraçando o Miroku e muito menos outros homens! Uma coisa é o Souta, ou Shippo outra bem diferente maldita é você abraçar o Kouga, esse seu amigo desgraçado que eu quero matar entre outros! - lhe faltou o bom senso.

- Você é um idiota! Não quer ficar muito bem então! Pode ir, vai pra casa eu não ligo mais. Agora se decidir ficar eu estou la dentro – entrou e foi direto para o centro do salão onde passou um bom tempo se divertindo afinal aquela era a sua festa de formatura e não deixaria a imaturidade de seu relacionamento com o prateado estragá-la e por horas não o viu na festa, sabia que estava exigindo muito dele mas não se importava mais pois, tinha a certeza de que ele havia ido embora.

Já passavam das duas da manhã, a familia Higurashi havia se retirado a horas, todos estavam com hora marcada para viajar, haviam comprado as passagens com o embarque as 2 da manhã pois o valor era mais em conta e somente fariam a viagem pois a tia de Kagome insistiu muito para que ambos estivesse no aniversário de um ano de seu filho, Kagome já havia avisado que não poderia comparecer pois havia combinado com o prateado de voltar para a era feudal e agora nesse exato momento se preparava para ir embora, passou pela porta da entrada do salão e deu de cara com um prateado parado na porta sério.

- Você não foi pra casa? - seus olhos cintilaram ao vê-lo trajando as roupas de festa

- Kéh! E te deixar nas mãos daquele desgraçado? Fora que a comida estava bem gostosa – colocou o blazer vermelho sobre ela e abaixou, a mesma subiu nas suas costas e se aconchegou no dorso de seu ombro, Inuyasha deu alguns pulos e correu livremente no ar chegando até a casa dela rapidamente – Amanha voltamos para a minha era – cruzou os braços enquanto a mesma sorria para a expressão enciumada.

- Amanhã voltamos, mas por hora vamos dormir – se aproximou dele e selou seus lábios o que o deixou confuso, seguiu para chuveiro, a água quente estava deliciosa, sorriu ao pensar em como as coisas estavam correndo tão bem, fechou o registro e saiu do chuveiro vestindo uma camisola azul de tamanho mediano já que ultimamente em Tokio estava bem quente, entrou no quarto e se deparou com um prateado sem camisa e com os cabelos levemente humidecidos – Eu tomei um banho também, o cheiro daquele local entranhou nas roupas estranhas que me pediu para vestir, deitou-se na cama ao lado dele e apoiou a cabeça no braço masculino, sua face foi acariciada e seus lábios tomados nenhuma palavra foi dita, sua camisola fora cuidadosamente retirada e o beijo continuou ininterrupto, as mãos do prateado exploravam o seu corpo com calma como se quisesse memorizar cada pedacinho, beijos foram distribuídos em seus ombros o prateado parou por um momento para contemplá-la um beijo quente invadiu seus lábios enquanto uma de suas mãos dava atenção aos seios expostos e as mãos femininas antes em torno de seu pescoço arranhavam suas costas, ela não tinha controle algum sobre o que estava acontecendo apenas não conseguia resistir mais a ele, se deixou dominar pelo desejo enquanto a mão esquerda do prateado ia de encontro a sua última peça de roupa, com a ponta da garra indicadora a peça foi destroçada e seus dedos tatearam o local ela apenas arfou com aquela sensação e sem que o ósculo fosse interrompido o membro rijo alcançou sua entrada a penetrando lentamente seus movimentos carregados de luxuria a invadiam a contemplando a mesma agradeceu por estarem sozinhos pois não conseguia conter os gemidos que escapavam por entre seus lábios, suas unhas arranhavam as costas do prateado com força e o mesmo não se importou o ombro nu e convidativo a sua frente onde por um momento a besta assumiu, deixando seus olhos vermelhos e as marcas arroxeadas apareceram em seu rosto, com um sorriso lascivo e sem perder o ritmo das investidas as presas afundaram a carne de seu ombro depositando seu veneno e por um instante foi difícil recuperar o controle, mas ao sentir o toque dos lábios dela novamente o seu saiu de seu estado de torpor e entregou-se ao prazer a preenchendo totalmente.

- Nunca duvide de que eu te amo Kagome – sussurrou as palavras para a mulher que olhava no fundo de seus olhos e aos poucos saiu de dentro dela e deitou-se ao seu lado, a puxou para si e deixou que a mesma permanecesse assim, nenhuma palavra mais foi dita e ambos caíram no sono enquanto o sol brilhava intensamente no seu, a face tranquila do casal na cama indicava que ambos estavam em total sintonia e que dessa vez ela permaneceria assim.

 

Enquanto isso na era feudal:

- Vovó Kaede desfaça essa barreira! - Sango pedia e a senhora apenas negava

- Senhora Kaede se continuar assim a sua vida irá se extinguir – o monge tentou inutilmente

- você não sente Miroku o yuki maligno que esta nós rodeando a dias, se eu desfizer essa barreira temo que todos nós sejamos mortos!

- Mas a senhora não pode sacrificar a sua vida assim, por favor vovó, pare – Rin suplicou enquanto a abraçava com lágrimas nos olhos, o joelho da miko cansada se dobrou ao chão e com muita calma seu corpo foi caindo.

- Me desculpem, não ter a força necessária para protegê-los… me perdoe minha irmã – uma lágrima escorreu de seu olhos que agora se fechava lentamente.

- Rápido Sango me ajude, ela ainda esta viva – Miroku começou a rezar ao lado da senhora enquanto Rin segurava com força em sua mão e Sango tentava dar-lhe um pouco de remédio, a barreira permanecia de pé para a infelicidade da Youkai que continuava a consumir carne humana enquanto esperava que a vida da pobre sacerdotisa se extinguisse.

- Por favor nos ajude senhor Sesshoumaru - as palavras da pequena Rin trariam como o vento o imponente Dai-Youkai que destruiria aqueles que ousaram fazê-la chorar


Notas Finais


Estamos na reta final da fic <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...