História Entre Erros e Acertos - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Afterdeath, Colegial, Crepic, Dreamberry, Errink, Long-fic, Nighthate, Romance, Sanscest, Sanses, Superação
Visualizações 36
Palavras 2.583
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu tava de boas vendo um programa aleatório, quando começou a passar a propaganda do Dolly!
...
AQUELE THEMÔNIO! ESSA MÚSICA NÃO SAI DA CABEÇA!!

×××

Fala meus... docetes?

Milton: Apelido merda!

•-•

[Take 2]

Fala, povo! Tudo blz?
Antes de tudo.. tenho sérios problemas com títulos, por isso foi esse msm...

Trouxe outro capítulo direto do forno pra vcs!
Demorei um pouquinho... maus! ^^"

Enfim, fiquem com o capítulo e...
LEIAM AS NOTAS FINAIS!

~Dicupa us elos!

Capítulo 2 - Capítulo I


     Hate observava Nightmare mexendo no celular, estava sendo ignorado, ou melhor, trocado. Tudo que desejou foi saber com quem seu amado estava conversando, para matá-lo (N/A: Acho que alguém é yandere!) Se aproximou do menor, tentando pegar o celular, esse recuou e desligou o aparelho, guardando-o no bolso.

ー Nighty, quer fazer alguma coisa? ー Hate perguntou com uma voz fofa, encarando docemente o namorado. Nightmare arqueou uma das sobrancelhas inexistentes, como se dissesse “É sério isso?”. ー O quê? Não posso te tratar bem?

ー Hate, está doente? ー o pesadelo perguntou colocando uma das mãos na testa do maior, checando sua temperatura. Aquele comportamento não era seu normal, só costumava agir assim quando queria algo, ou, em último caso, quando estava carente.

A fumaça bufou e cruzou os braços, fingindo indignação. Agradeceu por estarem em uma área pouco utilizada do refeitório, se qualquer outro aluno visse-o daquela maneira, não pegaria bem.

ー Okay, se quiser volto a ser o idiota ranzinza de sempre! Acho que meu jeito “amável”, ー fez questão de fazer aspas com as mãos. ー Não te agrada! ー Night soltou uma risada ao ver o show do namorado, sabia que ele estava mentindo, é que, provavelmente, queria alguma coisa.

ー Tudo bem, idiota! ー disse apertando as bochechas do maior, que resmungou alguns palavrões. ー Só me diga o que você quer!

ー O que te faz pensar que eu quero algu... tá, eu quero você! ー admitiu. Aproveitou o fato de estarem um de frente para o outro, para envolver Nightmare em um abraço, enquanto afundava sua cabeça da curvatura de seu pescoço, respirando seu doce e viciante cheiro. Queria sentir mais daquele aroma, queria provar mais de seu amado. Passou a língua lentamente sobre o pescoço do menor, recebendo um suspiro lânguido como prêmio.

ー A-Aqui não! Alguém pode chegar... ー pediu em vão. O maior desceu as mãos até sua cintura, puxando-o mais para perto, e colocando pressão sobre o local, o que fez Nightmare soltar um pequeno gemido.

ー Nightmare, por favor, nos ajude com o traba... ー Cross!Chara disse , mas calou-se ao ver a cena. Havia revirado o internato a procurado do representante, que o avisou por uma mensagem que estava ocupado. ー Perdão, estou atrapalhando algo?

ー Sim, está! ー Hate disse curto e grosso, encarando mortalmente o fantasma, que recuou um pouco. Nightmare deu um tapa no ombro do namorado, que bufou e desviou o olhar irritado.

ー Não liga não, ele é grosso assim mesmo... ー desculpou-se pelo maior, que havia acabado de achar o momento perfeito para uma piada, bem imprópria, por assim dizer.

ー Grosso, grande e reto! ー retrucou com um sorriso sacana. Night corou de imediato, ao entender a piada indecente; Cross!Chara demorou alguns segundos para compreender, mas logo caiu da gargalhada. ー Bem, vou indo! ー disse levantando-se e parando ao lado de Nightmare, segurou-lhe o queixo de modo brusco e selou seus lábios em um beijo rápido, porém intenso. ー Cuidado, Nightmare. Qualquer coisa me liga... ー não o esperou responder, apenas andou até uma parte deserta da escola.

ー Percebi como você estava ocupado! ー zombou o fantasma, que por pouco não foi atingido por um dos tentáculos do pesadelo. ー NÃO ESTÁ MAIS AQUI QUEM FALOU! Eu pedi para o Fresh ir para a biblioteca, vamos nos encontrar lá!


[...]


Ink olhava com indignação para Error, que havia acabado de cochilar. Se fosse para fazer o trabalho assim, iria preferir fazer sozinho. Suspirou ao se lembrar que não tinha escolha, e que era isso ou nada.

Os dois estavam nos fundos do jardim, um lugar calmo e bonito. O pintor sempre recorria ao seu pequeno paraíso quando precisava de inspiração, e dessa vez não foi diferente... só não contava com a preguiça e má vontade de Error.

ー ACORDA, FILHO DE UMA ÓTIMA DE ABENÇOADA MÃE! ー gritou já perdendo a paciência. Aquele não era o xingamento que iria usar, mas ao se lembrar que o encosto era irmão de Geno e Fresh pensou duas vezes. Error deu um pulo, sem sair do lugar, e encarou o pintor assustado, esse fez uma carinha fofa e sorriu. ー Vamos fazer o trabalho, Ruru?

ー Bipolaridade mata... ー sussurrou esfregando os olhos, depois bocejou. Ink não havia entendido sua fala, mas preferiu deixar quieto. ー Três coisas. Primeiro: NÃO GRITA COMIGO, CARALHO! Segundo: Estou pouco me fudendo para esse trabalho; Terceiro: NUNCA MAIS ME CHAMA DE RURU!

O menor emburrou a cara e cruzou os braços, tentando acreditar na ousadia do seu “adorável colega”, enquanto se segurava para não pular em seu pescoço. Se aproximou mais do maior, a ponto de sentirem a respiração um do outro; seu olhar era penetrante, e mesmo que não admitisse, por um momento, Error sentiu-se intimidado.

ー Não sei o que você estava fazendo quando à Toriel disse que deveríamos fazer o trabalho EM DUPLA! ー gritou já exaltado. ー NÃO É PARA FAZER SOZINHO, NÃO É PARA FAZER EM TRIO! É PARA FAZER EM DUPLA!

ー PARA DE GRITAR, CACETE! ー pediu empurrando o menor que caiu sentado na relva. ー Você é o melhor aluno de artes do colégio, pensei que iria conseguir fazer sozinho...

ー Pensou errado. ー retrucou seco, ajeitando-se no chão e pegando um caderno. Deu três tapinhas ao seu lado, pedindo que o bug sentasse-se, e assim fez. ー Vamos começar, o que é amor?

ー Eu vou saber? Pergunta para os seus amiguinhos, eles devem saber! ー disse cruzando os braços.

ー Ah, boa ideia! Eu até faria isso... SE PUDESSE! AGORA AQUIETA O CU E FAZ ESSA MERDA DIREITO!

ー Tá de TPM? ー zombou com um sorriso travesso, recebendo um dedo do meio como resposta. ー Okay, o que é amor para você?

ー Não sei... ー respondeu em tom melancólico, o que não passou despercebido pelo maior. Ink possuía sentimentos artificiais, porém, eles não chegavam a ser tão intensos, como os sentimentos de verdade... por isso nunca teve uma ideia de como era amar alguém.

O silêncio predominou no local, só sendo quebrado pelo barulho do vento sobre as árvores e, uma vez ou outra, um pássaro cantando. O pintor brincava com suas mãos, queria ter algum assunto, mas nada vinha-lhe a mente. Foi quando teve uma ideia.

ー Já sei! ー exclamou orgulhoso de sua ideia. Error o fitou, fazendo sinais para que ele continuasse. ー Eu vi isso em um filme! Vamos fazer o que pessoas apaixonadas fazem, assim poderemos ter uma ideia do que é amor!

ー Mas nós não estamos apai... ー Não conseguiu acabar sua fala, visto que foi cortado por um beijo rápido, vindo do menor. Travou por alguns segundos, tentando compreender o que havia acabado de acontecer. Suas bochechas ganharam uma cor amarelada, deixando evidente sua vergonha, que logo foi substituída por raiva. ー O QUE PENSA QUE ESTÁ FAZENDO?!

ー Eu só te beijei... ー admitiu calmo, no entanto, pareceu perceber o peso de seus palavras. ー “Eu beijei ele...” ー Pensou limpando a boca, com um misto de cores preenchendo suas bochechas. ー DESCULPA, ERROR! EU NÃO PENSEI DIREITO!

ー ENFIA ESSAS DESCULPAS NO SEU CU, VOU MATAR VOCÊ, DESGRAÇADO! ー gritou se levantando. Ink ainda estava em choque, por isso não esboçou nenhuma reação. ー Um...

ー Fudeu... ー murmurou começando a correr como se não houvesse amanhã.


[...]


Cross e Epic conversavam assuntos aleatórios no dormitório do híbrido. Deveriam estar fazendo o trabalho, mas preferiam deixar para última hora. Um pouco de desespero não faz mal a ninguém.

ー Então, eu saí correndo! ー Epic terminou, contando pela centésima vez a história de como roubou um pão de queijo (N/A: •-•). Cross chegava a se debater de tanto rir, adorava aquela história, era uma daquelas que nunca perdiam a graça. O de jaleco acabou se contagiando com sua risada, começando a rir também.

Os dois ficaram assim por alguns minutos, acalmando-se aos poucos, até que pararam de rir completamente. Cross suspirou, pegando seu ar ser volta e limpando algumas lágrimas nos cantos dos olhos; deitou sua cabeça no colo de Epic, que a princípio ficou sem reação, no entanto, logo começou a relaxar.

Os dois ficaram se observando por alguns minutos, que mais pareciam segundos, de tão rápido que passaram. Epic observou cada detalhe do híbrido, se perguntava quando passou a gostar daquele idiota; Cross perdia-se no olhar penetrante do de jaleco, poderia ficar o dia inteiro daquele jeito, nunca se cansaria da beleza dos olhos de seu melhor amigo.

ー Conta de novo, Epicy? ー pediu fazendo uma voz fofa. A ALMA do maior derreteu diante daquela cena, tudo que ele queria era colocar Cross em um potinho, todavia não deixou isso transparecer.

ー Epicy? Pff, sério isso, Bruh? ー perguntou soltando algumas risadas, o menor apenas fechou a cara, aquela foi a única coisa que veio-lhe a mente. ー Não, já contei essa história um milhão de vezes!

ー Cento e quarenta e três, Dude! ー corrigiu levantando-se de seu colo, logo se sentando ao seu lado. ー Por favor, nunca te pedi nada! ー implorou juntando as mãos e fazendo o rosto mais fofo que conseguira. Epic sorriu e apertou suas bochechas.

ー Talvez eu conte, Bruh... se você me der um cookie! ー disse com um sorriso. Amava cookies, era um de seus doces preferidos. Cross franziu o cenho, seus últimos cookies haviam sido devorados por Cross!Chara. ー Chocolate, talvez? ー mudou ao perceber a face do amigo.

O híbrido pulou da cama animado, ele tinha chocolate. Correu até um guarda-roupa, procurando algo em uma das gavetas, foi quando achou uma embalagem de chocolate, intacta. Levantou o doce como se fosse um troféu, andando a passos lentos até Epic, que chorava mentalmente ao perceber que teria que recontar a história.

ー Aqui está, majestade! ー zombou fazendo uma reverência, enquanto entrega o doce ao amigo.

ー Muito obrigado, meu caro! ー respondeu entrando na brincadeira, pegando o chocolate. Observou atentamente a barra, ela estava mais leve que o normal, mas decidiu ignorar. Abriu com cuidado a embalagem, conseguindo ver... um pedaço de papelão? ー O que é isso?

Cross se aproximou, surpreendendo-se. Pegou a embalagem, conseguindo ver um bilhete:


Isso foi por me excluírem!

Beijos doces no cu de vocês! =3

Ass: Rei da porra toda!


Epic riu ao acabar de ler a carta, iria parar de subestimar Cross!Chara. O híbrido, por outro lado, estava com um tique nervoso em um dos olhos. Estava guardando aquele chocolate para um momento especial, confiou seu segredo ao fantasma... mas foi apunhalado pelas costas! Amassou a carta, e a jogou fora, logo olhando de modo determinado para o de jaleco.

ー Vai ter volta, Bruh? ー perguntou já sabendo da resposta. Os dois saíram do quarto, enquanto planejavam sua vingança.


[...]


ー Ficou bom, Berry? ー Dream perguntou ao namorado finalizando os últimos detalhes do quadro. Os dois já estavam terminando o trabalho, foi até bem fácil de fazer. Blue se aproximou do sonhador, fazendo um sinal positivo com a mão, enquanto jogava mais um pouco de tinta na tela.

O resultado foi um quadro simples e ao mesmo tempo complexo. Pessoas comuns não conseguiriam entender o real significado de tantos rabiscos e respingos, mas para os dois aquilo era o amor: uma explosão de sentimentos impossíveis de se compreender.

ー Ficou incrível, Dreamy! ー o maior disse dando um pequeno selinho nos lábios ósseos de Dream, que a princípio corou, mas correspondeu com um sorriso.

Os dois namoravam a algumas semanas, porém ainda não haviam contado a ninguém. Dream temia a reação de Nightmare, que por algum motivo, estava super-protetor consigo; já Blueberry de seu irmão, Carrot. Tinham medo das consequências, que cedo ou tarde viriam... todavia a verdade seria descoberta de um jeito ou de outro.

ー Berry. ー chamou recebendo a atenção do namorado. ー Acha que contamos ao Ink?

Blue pensou por um momento. Adorava o pintor, sem dúvida ele era um ótimo amigo... no entanto, era impossível prever sua reação; ao mesmo tempo que ele poderia abraçar a noticia, e dar força aos amigos, ele poderia tirar proveito da situação.

ー Não sei... Não acho que ele seja confiável... ー admitiu um pouco triste por não conseguir confiar no amigo. Dream ficou parado a sua frente, segurando seu rosto e o forçando a encara-lo.

ー Temos todos os motivos do mundo para não confiar nele... mas também temos todos para confiar! ー explicou com os olhos brilhando. ー Não se esqueça que ele sempre nos ajudou!

ー Mas também foi a fonte de muitos problemas! ー acrescentou desviando o olhar. O sonhador refletiu por um momento, realmente, ele estava certo.

ー Temos 50% de chance! ー disse animado, essa animação acabou contagiando Berry, que começou a sorrir e concordou. Os dois tomaram uma certa distância, então pegaram a tela. Iriam levá-la para o jardim, lá ela poderia secar. Aproveitaram o caminho para planejar como seria aquela declaração, e como encarar uma possível falha.


[...]


ー Aceito! ー Reaper disse sorrindo para Fresh, que quase o abraçou de tanta felicidade. Sempre quis ver seu irmão feliz, o mesmo fazia de tudo por ele e Error; quando viu a determinação de Death para conquistá-lo, e percebeu que não haviam segundas intenções, concluiu que aquele era o cunhado perfeito.

ー Ah, brigado! ー agradeceu sorrindo. Olhou seu irmão com o canto dos olhos, percebendo que o mesmo ainda não havia notado-o. ー Chega mais, Brosky! ー pediu. Reaper logo chegou mais perto do menor, que sussurrou algumas coisas em seu provável ouvido. ー Olha, sei que meu irmão é osso duro de roer... mas ele é boa pessoa! ー sussurrava Fresh. ー Se você quiser conquistá-lo, comece pela sua confiança! Mas, não vá rápido demais, ele ainda não está completamente recuperado do último relacionamento!

O maior se espantou um pouco. Não sabia que After já havia namorado. Não pôde evitar sentir ciúmes ao perceber que outra pessoa teve o privilégio de tocar e estar com SEU Geninho.

ー Último relacionamento? ー perguntou na esperança de conseguir mais informações.

ー Olha, a única coisa que eu sei é que ele...

ー O que está fazendo? ー Geno perguntou surgindo atrás do caçula. Tanto Fresh, tanto Death, pularam para trás, devido ao susto. Ambos se perguntavam de onde After havia surgido, enquanto esse esperava uma explicação. ー Do que estavam falando?

ー Então foi isso, Brosky! Até logo! ー o menor disse se dirigindo até a saída da biblioteca, onde se encontrou com Nightmare e Cross!Chara, os três foram até um lugar menos movimentado. Enquanto isso, os dois maiores encaravam a porta com cara de paisagem

ー O que vocês esta... ー Geno começou, mas não pôde terminar, visto que foi surpreendido por um abraço. Não soube como reagir, então não correspondeu. Reaper trouxe o menor para mais perto de si, enquanto sussurrava alguns elogios em seu ouvido (?).

     ー Você será meu, meu amor... custe o que custar! ー o maior decidiu. No começo After iria pedir para ele parar com aquelas gracinhas e começar a trabalhar, no entanto, o tom firme de sua voz o fez mudar de ideia. Não mentiria, gostava de Death... Porém não estava preparado psicologicamente para outro relacionamento... afinal, todos são iguais, todos brincam com seus sentimentos e te tratam como se fosse um objeto... isso não iria mudar... por que seria diferente....





[LEIA AS NOTAS FINAIS K7!] 


Notas Finais


Howdy, pessoas!
Quatro avisinhos:

1) Esse é pra quem acompanhava a fanfic antes: bem provável que a partir do próximo capítulo as coisas vão ficar parecidas com a antiga história!

2) Acho que o próximo capítulo pode demorar um pouco mais, porque eu prometi a mim mesma que só postaria qualquer outra história quando fizesse o especial para uma fanfic que eu sou co-autora. Bem, estou enrolando a uns 2 meses...

3) Ainda vou fazer os erros de gravação para quando completarmos 30 favoritos!

4) Eu coloquei todas as fanfics que me inspiraram no final do último capítulo. Posso ir adicionando mais com o tempo, visto que a cada dia tenho mais ideias para essa fanfic!

×××

Bem, então foi isso pessoas!
Espero que tenham gostado, não esqueçam de dizer o que acharam, pois como eu havia dito, isso me incentiva muito a continuar!

Não tenham medo de comentar! Eu não mordo... a não ser que vcs queiram!
7w7r


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...