História Entre flores e pedras raras - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Penelope Blossom, Personagens Originais, Reginald "Reggie" Mantle, Veronica "Ronnie" Lodge
Tags Brigas, Cheryl, Choni, Comedia, Riveldale, Romance, Toni, Toryl
Visualizações 506
Palavras 1.549
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola meus caros leitores. Não tenho nada para falar, entao...
Boa leitura!

Capítulo 8 - Um Agradecimento Muito Caro


Fanfic / Fanfiction Entre flores e pedras raras - Capítulo 8 - Um Agradecimento Muito Caro

CHERYL ON

Estava indo para o colégio de carro, quando vejo Toni andando sozinha na rua. Busino para chamar sua atenção e ela para de andar e olha na minha direção. Estaciono o carro do seu lado e abaixo a janela para falar com ela.
- Quer uma carona, senhorita Topaz?
- Com certeza.- ela entra no carro e eu dou partida.- Imagina o que é andar do Southside até aqui.
- Ue, e sua moto? Achei que esse fim de semana você iria levar para consertar junto com seus amigos.
- Eu não tenho dinheiro para concertar todos os defeitos que ele causou, o único que conseguiu o dinheiro foi o Fangs. Na proxima vez, eu que vou meter um soco na cara do infeliz do Reggie, que raiva.
- Posso te dar uma nova. - eu estava sendo gentil até  demais com ela, não entendi o porquê, mas talvez ter dado uns pegas nos deixe de bom humor mesmo.
- Nem pensar, Cheryl. O concerto já é caro, imagina uma nova.- Decido não insistir, mas esse assunto não estava perto de terminar.
Estaciono o carro e saímos dele. Toni foi encontrar com seus amigos Serpentes e eu com a Betty e o pessoal, eles conversavam animados sobre a festa que seria nessa sexta. Me disseram que chamaram todo mundo do colégio e que essa festa prometia, prometia o que se todos eles namoram. Ja para mim o negócio promete.

TONI ON

"Eu ja quero férias, não aguento mais esse povo estúpido do time de futebol, nem essas aulas chatas, podiam emendar o próximo feriado com o Natal". Era isso que eu pensava enquanto saia daquela aula de Física horrível e ia matar aula o resto da aula. Vou indo em direção ao banheiro até que ouço uma voz familiar vinda do corredor vazio. Encontro Cheryl perto dos armarios falando ao telefone.
- Me manda o endereço que eu vou depois..... Vai ser uma baita surpresa.... Porque? Sei lá, deu na telha.... Tchau, ah! Nao peraí. Você poderia vir na festa.... Claro... Tchau, meu lindo.- isso foi o que ela falava, não dava para ouvir o que a outra pessoa respondia. Não gostei muito dessa ultima parte de "meu lindo", era só o que faltava, ter ciumes da Cheryl. Ela me nota encarando ela.- Que cara é essa?
- A cara que deus me deu, não dá para mudar.- ela ri do meu comentário.- Com quem você falava? Está matando aula?
- Ele me ligou no meio da aula, achei que fosse importante.
- Ele quem?- perfunto novamente.
- Não me diga que está com ciúmes, hahaha. Inacreditável.
- Claro que não. Só queria saber quem é "seu lindo" e poder saber quem eu tenho que eliminar para te levar para cama antes.- ela vem até mim sorrindo diabólica.
- Ele pode ser lindo, mas você é gostosa.- ela susurra em meu ouvido e vai embora. Droga, Cheryl, cada vez você me tira mais do serio.

CHERYL ON

IMPAGÁVEL. Isso que define a Toni com ciúmes, mal ela save que eu estava falando com o meu primo e pedindo para ele me dar o endereço de uma loja boa de motos aqui perto, eu iria comprar uma moto para ela. Como eu disse, deu na telha, bora fazer.
Depois da aula, eu fui nessa tal loja que ele me indicou e olhei por um tempo as que tinha para comprar e vi uma que achei perfeita para a Toni. Vou levar essa ai mesmo. E ai eu vou aparecer la na frente da casa dela com a moto e uma roupa de couro super sexy. E isso deve contar como mais um ponto para mim, sim eu tô sabendo desse placar, vamos dizer que o Jughead conta algumas coisas relevantes que a Toni conta para ele.

TONI ON

A minha moto sumiu, estava na garagem e ai SUMIU, quem rouba uma moto quebrada! Tudo bem que eu comprei faz dois meses, mas está quebrada! Da onde eu tiro dinheiro para comprar outra em tão pouco tempo?! Eu estava desesperada andando de um lado para o outro do meu quarto, pensando em quem, como e porque fizeram isso. Meu celular toca me tirando desse transe, era a Cheryl.
- Alô?
- Preocupada com sua moto?- ele pergunta rindo.
- Que? Como voce sabe que....- a ficha caiu.- Cheryl, O QUE VOCÊ FEZ COM A MINHA MOTO?- ouço uma gargalhada do outro lado.
- Vem aqui no seu jardim para saber.
Desço para o jardim correndo igual uma louca (quase caí, mas é só um detalhe). Quando abro a porta, quase caio para tras com a cena mais maravilhosa que eu já vi.

Cheryl estava apoiada numa BMW GTL, só uma das motos mais bonitas, mais rápidas e mais CARAS do mundo. A moto era bonita para caralho, numa mistura perfeita de preto com detalhes vermelhos vibrantes. MAS, se a moto era bonita, quem está apoiada nela é uma deusa. Cheryl usava tudo de couro, uma calça apertadíssima, junto com uma bota e uma jaqueta igualmente apertada que estava aberta até a altura dos seios como se fosse um decote, deixando bastante coisa à mostra e dava para ver que ela não usava uma blusa por baixo, mais um óculos de sol. Ela sorri ao perceber minha reação e vem até mim.
- Vê se não baba. - ela joga as chave para mim e eu as pego.- É sua.- Eu ainda não estou acreditando, estou sonhando.- É zero km, então vai ser a primeira volta.
Na emoção do momento, puxo Cheryl pela gola e dou um beijo nela nem muito curto nem muito longo e depois corro até a moto e fico dando voltas nela para ver todos os detalhes. Se ela continuar fazendo coisas desse tipo, vou me apaixonar com certeza.
- Gostou?- ela se aproxima e me pergunta.
- Claro. Só não é mais bonita do que quem me deu.- digo a comendo com os olhos, essa roupa é muito sexy.
- Ótimo!- ela sorri.- Vamos dar uma volta?
- Só se for agora.- digo subindo na moto e a ligando.

CHERYL ON

Subo na moto e abraço Toni por trás bem apertado, e pensar que há dois meses eu nem queria que ela tivesse na mesma escola que eu. Ela acelera com tudo, ela faz um caminha para fora da cidade para poder chegar numa velocidade altíssima e bota velocidade nisso. Consigo ouvi-la rindo enquanto acelera mais e mais, parece uma criança com um brinquedo novo. Não sei quanto tempo durou, mas paramos depois de rodar para cima e para baixo. Toni nos levou até um mirante natural que só tinha um banco e o resto era só natureza, la em baixo dava para ver a cidade. Descemos da moto e ela me puxou para sentar e observar a paisagem.
- Cheryl, por que me deu essa moto?
- No fundo acho que foi uma maneira muito distorcida que eu encontrei para te agradecer.
- Agradecer pelo que?
- Por me salvar naquele dia que eu caí do portão, por me ajudar quando eu fiquei meio triste com a minha mãe e por dizer para eu mostrar quem é que manda, por confiar em mim para contar um segredo. Até mesmo por me levar a fazer coisas que pensei que nunca faria.Mas... principalmente, por querer ser minha amiga mesmo quando eu não quis. Não sou boa em me relacior e nem como te agradecer, então comprei essa moto com um "obrigada por tudo".- eu fico sem graça em dizer isso, nunca tinha dito coisas desse tipo para alguem e viro meu rosto para esconde-lo.
- Você realmente não deveria falar coisas desse tipo para mim, Cheryl Blossom. Vou acabar perdendo o jogo!- ela diz brincando e sorrindo.
- Você já perdeu, Pink Hair. E eu avisei.
- Seis a um é difícil de virar. Mas eu não desisti ainda. Difícil não é impossível.
- Seis a um? Eu deixei de contar algo?- começo a contar nos dedos.
- Esse discurso me deixou encabulada oras. Não é fácil me deixar com vergonha. Então, vale um ponto.
- Isso não faz sentido nenhum- digo rindo.
- Foi ponto para você, para de reclamar.
- Ok ok.- levantonos braços em rendição.- Mudando de assunto, você vai para a festa?
- Se alguem me der algum motivo.- ela faz uma cara sugestiva.
- Claro, um motivo que está entre o divino e o maravilhoso, com cabelos ruivos e usando um vestido muito colado.- implico com ela e a vejo sorrir, até que gosto do sorriso dela.
- Me convenceu.
- E eu tenho um motivo?
- Um motivo baixinho, de cabelos rosa que você vai ver pela primeira vez usando um vestido.
- Tomare que sexta não demore então.
Conversamos mais um pouco e ela me levou para a casa da Betty. Ao chegarmos, eu desço da moto, me despedi e virei de costas.
- Ei, ruivinha.- me viro para ela novamente.- Antes de você ir.- ela me puxa e me dá um selinho demorado.- É um simples obrigada pela moto e porque eu já não estava aguentando você nessa roupa. Se pudesse faria um pouco mais que um beijo.
Dito isso, ela vai embora e eu entro em casa.


Notas Finais


Animados para a festa? Hehehe, a festa promete.
Se alguem tivernuma ideia sobre o que gostaria que acontecesse na fic, estou aberta a pedidos. E tambem to precisando denum sobrenome para um personagem que vou acrescentar para causar tretas kkkk. Me ajudem please.
O que acharam? Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...