1. Spirit Fanfics >
  2. Entre Gelo e Fogo >
  3. Indícios

História Entre Gelo e Fogo - Capítulo 5


Escrita por: e Roarkatycat


Notas do Autor


NO CAPÍTULO ANTERIOR:

- Obrigada pela carona. E obrigada por ter ido me procurar.

Dei de ombros. - Eu só fui para você não dizer que fechou o contrato sozinha. - brinquei.

Ela sorriu. - Pois isso é exatamente o que vou dizer.

Ela abriu a porta do carro e quando estava prestes a sair eu a segurei pelo braço.

- Você vai ficar bem? - perguntei.

Ela assentiu e sorriu suavemente para mim. - Não se preocupe. Boa noite, Jon Stark.

§§§§

Mais tarde, naquele mesmo dia, fui chamado para a sala do conselho onde Tyrion e Davos não se cansaram de falar em como Daenerys havia dito que, apesar de todos os esforços dela, eu havia sido a peça fundamental para a conclusão dos negócios com Bronn.

No fim percebi que as coisas haviam mudado. Eu sabia que não éramos amigos, provavelmente nunca seríamos, mas agora parecia que toda aquela competição poderia ser um pouco mais suportável.

Capítulo 5 - Indícios


Fanfic / Fanfiction Entre Gelo e Fogo - Capítulo 5 - Indícios

Uma chuva persistia em cair do lado de fora, para o desgosto de Daenerys. Em dias como aquele, quando não era possível ver o Sol entre as nuvens e tudo parecia cinza, ela sentia ainda mais falta de Essos. Havia deixado o continente esperando voltar para seu verdadeiro lar, mas agora que estava em Westeros se sentia ainda mais longe de casa.

- Talvez possamos visitar Dorne, lá não deve chover com tanta frequência quanto aqui. Poderia ser acolhedor. - lhe disse Missandei. Estavam no quarto de Daenerys e a morena penteada os cumpridos cabelos platinados da melhor amiga.

Dany puxou a coberta da cama para cobrir as pernas, pensando que talvez fosse uma boa ideia comprar um pijama de inverno. - Talvez... Eu sinto falta do calor. Jon disse que não chove assim o ano todo.

- Jon? - Missandei parou de escovar seus cabelos e sentou ao seu lado, de modo que pudesse olhar o rosto da amiga. - O que realmente aconteceu no fim de semana em que estive fora? Vocês estão agindo estranho.

Dany deu de ombros. - Estranho como?

- Você sabe como! Quando eu sai estavam a ponto de esfaquear um ao outro, mas quando eu retornei tudo havia mudado.

Daenerys suspirou. Não tinha como negar que ela e Jon haviam mudado a forma de agir um com o outro. Ela se via conversando com frequência com o nortenho, fosse sobre assuntos relacionados à empresa ou simples conversas casuais. Se tratavam com respeito, não existia mais o clima doentio de competição de antes e o trabalho fluía muito bem.

- Estamos nos entendendo. - Daenerys falou por fim. - Ele me ajudou com algo que aconteceu no dia do leilão. Além disso, ele é muito gentil.

- Gentil? - Missandei levantou uma sobrancelha, analisou bem o rosto da amiga. - Você está gostando dele. - afirmou.

- Não! É claro que não. - Dany prontamente negou, parecendo até mesmo ofendida. - Você sabe que estou aqui por um objetivo, eu jamais deixaria algo assim entrar no meu caminho.

- Ter algo com Jon não significa deixar o que você quer de lado.

- Eu não quero ter nada com Jon. - suspirou. - Esqueça esse assunto.

Missandei sorriu com a expressão irritada da amiga. Conhecia Daenerys muito bem, talvez mais do que a platinada conhecesse a si mesma. O que significava que Dany podia negar o quanto quisesse, Missandei sabia que no fundo havia algo diferente brotando na melhor amiga. Só esperava que aquilo não a machucasse.

Passaram o resto da noite conversando. Os dias no trabalho estavam puxados e Dany as vezes se sentia afundando em meio a tantas coisas que tinha para fazer. Por isso era tão bom ter momentos como aquele, quando podia estar com a amiga e relaxar.

Quando Missandei foi para o próprio quarto e Daenerys se viu deitada sozinha, parou para refletir sobre as insinuações da amiga.

Não é possível que eu sinta algo por ele, dizia a si mesma, ele é a única coisa no meu caminho para conquistar o que sempre quis.

Naquela noite, não deixou mais que seus pensamentos fossem até Jon Stark. Em vez disso, se forçou a imaginar a praia de areia escura e pedregosa que cercava a casa de sua família em Pedra do Dragão. Imaginava as portas da mansão e a expressão de satisfação que seu pai teria quando finalmente a recebesse de volta. Imaginava qual seria a sensação de ter um lar.

§§§§


Passava um pouco das dez da manhã quando Jon chegou à sede da Throne. Não gostava de chegar tão tarde, mas achou que merecia um pouco mais de descanso naquela manhã chuvosa.

Era verdade que o clima na empresa havia mudado muito, de forma positiva, mas isso não significava que ele vinha trabalhando menos.

Depois do que houve no leilão, Jon soube que Daenerys não era o tipo de pessoa que ele pensava. Ele ainda acreditava que ela estava ali por puro privilégio de pertencer à família Targaryen, mas agora ele podia confiar que ela não iria jogar aquele jogo de maneira suja. Ele a via mais claramente e, mesmo que internamente se recriminasse, encontrava coisas nela que era capaz de admirar. Ela era gentil, mas também era firme quando necessário. Era justa, mas conhecia o peso da justiça.

Daenerys era, em vários sentidos, admirável. Era justamente por isso que ele se empenhava ainda mais em seu trabalho. Ela era uma adversária à sua altura e ele não tinha planos de perder aquilo pelo qual batalhou a vida toda.

- Bom dia, Sr. Stark. - Podrick se levantou de sua mesa assim que viu o chefe se aproximar. - O Sr. Tarly o aguarda em sua sala.

- Sam? - Jon, que ia passando de direto pela mesa do assistente, parou de andar. Fazia muito tempo que não recebia uma visita do melhor amigo.

- Sim, senhor. - confirmou Podrick. - E tem mais uma coisa.

- O que?

- Percebi uma movimentação estranha na sala da senhorita Targaryen. - disse ele, as bochechas corando, como sempre acontecia quando falava, ou estava perto, de Daenerys. - Ela chegou bem cedo e os estrangeiros que trabalham com ela já saíram e voltaram várias vezes.

Jon lançou um olhar para a sala do outro lado do corredor, a assistente de Daenerys não estava em sua mesa e a porta estava fechada.

- Obrigado por me contar. - falou. Tinha pedido a Podrick para ficar de olho em Daenerys quando achava que ela poderia fazer algo pernicioso. Agora, mesmo que a conhecesse melhor, lhe pareceu uma boa ideia estratégica observar sua adversária. - Me avise se perceber mais alguma coisa. - instruiu.

Entrou em sua sala no exato segundo em que Sam derrubava uma pasta de sua mesa. Apreciou a imagem do amigo desajeitado tentando recolher do chão os papéis que se espalharam.

Sam era um médico renomado, mesmo sendo tão jovem quanto Jon já havia recebido um Nobel por descobrir a cura para escamagris. Jon tinha muito orgulho do melhor amigo, mas as vezes se perguntava como alguém tão desastrado como Sam era capaz de executar cirurgias tão complexas.

- Pode deixar, eu pego depois. - disse ele, quando Sam estava quase se ajoelhando para pegar uma das folhas que escorregara para de baixo da mesa.

- Jon! - ele se sobressaltou. - Que surpresa... Quer dizer, é sua sala então não é tão surpresa assim e eu vim para te ver. - Sam sorriu.

Jon se aproximou do amigo e o abraçou.

- O que te traz ao Sul? - perguntou, pegando do chão a última folha que Sam derrubara e indicando para que o amigo se sentasse.

- Vim a um congresso sobre genética. - Sam se sentou na cadeira que se fosse um pouco mais estreita não suportaria seu corpo. - Tive um tempo livre e resolvi passar aqui.

- E como vai Gilly e o pequeno Sam?

- Ótimos! - os olhos do médico brilharam ao pensar na família. - Você acredita que o Sam levou para a escola aquela espada de brinquedo que você deu para ele durante todo o mês?

- Imaginei que ele fosse gostar. Ele é destemido.

Sam suspirou. - Sim, ele é. E isso me deixa em pânico!

Jon riu. Sam não era uma das pessoas mais corajosas que ele conhecia, passava bem longe disso.

- Não quero atrapalhar seu trabalho, eu vim mesmo para... - dizia Sam, quando o telefone de Jon tocou.

- Desculpe. Só um minuto. - se desculpou antes de atender.

- Jon... Quer dizer... Sr. Stark... A senhorita Targaryen está aqui para vê-lo. - seu assistente soou todo atrapalhado do outro lado da linha. Jon era capaz de imaginar como o rapaz devia estar como um pimentão na frente de Daenerys.

- Eu estou ocupado. Diga a Daenerys que falo com ela daqui uns minutos.

- Senhor, ela disse que era urgente... Ela... SENHORITA. - ouviu o assistente gritar.

Antes que pudesse entender o que acontecia, Daenerys abriu a porta de sua sala sem cerimônia alguma. Usava um terninho escuro e os cabelos formavam uma cumprida e intrincada trança. Os braços carregavam uma pasta de capa preta.

- Me desculpe, eu não sabia que estava com alguém. - disse ela. Ele já a conhecia bem o suficiente para saber que ela pouco ligava se ele estava com alguém ou não. - Precisamos conversar um assunto importante.

Jon olhou para ela e para Podrick que, ao contrário do que ele havia imaginado anteriormente, estava branco como uma folha de papel.

- Eu tentei impedir, senhor. - se desculpou o rapaz.

- Daenerys Targaryen? - perguntou Sam, olhava a mulher como quem olha a um espécime raro.

Jon suspirou, era hora de tomar o controle da situação.

- Deixe-nos, Podrick. - pediu e o assistente mais do que depressa fugiu da sala.

- Daenerys, esse é meu amigo Samwell Tarly. E Sam, essa é Daenerys Targaryen.

Daenerys se a aproximou do médico que se levantou para apertar sua mão.

- É um prazer. - disse a Targaryen.

- O prazer realmente é todo meu. - respondeu Sam. - Uma valirina de verdade. Já li muitos estudos sobre as mutações genéticas que os valirianos sofreram. A questão da cor dos olhos  e dos cabelos... É fascinante. E é realmente uma pena que sua família seja a última. Queria ter testado a interação de escamagris com os genes valirianos. Talvez nós possamos...

- Sam. - Jon havia se levantado e agora tocava o ombro do amigo, um sinal para que ele parasse de falar tanto.

- Desculpe. - suas bochechas ganharam alguma cor. - Me empolguei um pouco.

- Tudo bem. - Daenerys sorriu. - Você é médico, imagino. Já vi reações parecidas.

Sam se aprumou, adotando uma postura mais séria. - Sim. Sou especialista em infectologia, mas comecei a me interessar muito por genética.

- Acredito que você tenha invadido minha sala por uma boa razão. - Jon já estava impaciente com a conversa. E, além disso, curioso por saber o que fez Daenerys entrar como um furacão em sua sala.

- Precisamos conversar. - ela lançou um olhar para Sam. - Sozinhos.

- Bom, eu passei apenas para te chamar para jantar mesmo. - disse Sam, entendo que sua presença estava atrapalhando. - Que tal às sete? Naquele pub que costumávamos ir?

- Claro. Eu te encontro lá.

Jon acompanhou Sam até a porta e quando se voltou para o interior da sala Daenerys já ocupava uma cadeira diante de sua mesa.

- Me desculpe por interromper sua conversa com seu amigo. - disse ela. Dessa vez ele podia sentir a sinceridade em suas palavras. - Mas esse é um assunto que não pode esperar.

- Sem problemas. - ele tomou seu lugar, sentando-se diante dela na mesa. - O que houve?

- Senhor Jorah, um membro da minha equipe, vem trabalhando na contabilidade desde que chegamos. - ela colocou sobre a mesa a pasta que trazia consigo, começando a tirar de dentro dela alguns papéis. - Tem alguns dias que ele vem me trazendo alguns relatórios sobre uma reforma em um dos hotéis da Throne. Ele notou algo de estranho e depois de analisar eu também percebi.

Jon pegou uma das folhas que estavam sobre a mesa. - Essa reforma é no hotel de Dreadfort, no Norte? - perguntou, vendo os dados na folha que parecia ser a cópia de algum documento.

- Sim. Bem, supostamente é.

- Como assim supostamente? - Jon levantou uma sobrancelha para ela.

- O hotel da Throne em Dreadfort não vem apontando lucro a algum tempo, de forma que todo o dinheiro para investimento na reforma vem da sede. - ela tirou da pasta mais algumas folhas. - O administrador vem apresentando notas super faturadas. Pelas minhas análises, estamos mandando para lá muito mais dinheiro do que é realmente necessário.

- Eu conheço Ramsay, o administrador de Dreadfort. Ele não é uma das melhores pessoas, mas não acredito que seja capaz de algo assim. Pelo que conheço dele, se esforçou muito para conquistar o cargo que tem lá, não é algo fácil quando ele também é...

- Um bastardo? - ela completou, quando ele não conseguiu terminar de falar. Jon desviou seu olhar quando ela o fitou. Daenerys sabia que aquilo o atingiria de maneira pessoal em algum nível.

- Dreadfort e Ramsay estão sob o controle da filial do Norte, a filial que meu irmão é diretor. Não sei o que você acha que encontrou aí, mas duvido que alguém do Norte seja capaz disso.

- Tem certeza? Eu poderia ter procurado Tyrion ou Davos com essas informações, mas eu vim procurar você. Sei que você conhece o povo do Norte, assim como sei que esses dados passaram pelas mãos de muitas pessoas. Como ninguém percebeu isso antes?

Jon franziu as sobrancelhas, seus olhos se tornaram mais frios. - O que você quer insinuar com isso? Que eu posso ser corrupto? Ou talvez meu irmão? Que podemos ter acobertado um desvio de dinheiro?

- Não. Porque, mesmo que não faça tanto tempo que nos conhecemos, eu sei que você não seria capaz disso. Mas eu não conheço Ramsay, não conheço seu irmão, não conheço os funcionários do Norte.

Jon afastou as folhas que estavam próximas à ele. - E então o que pretende fazer? Denunciar Ramsay e Robb? Me denunciar? Aposto que vai ser fácil ganhar essa competição quando eu estiver fora daqui.

Os olhos dela adquiriram um tom mais escuro enquanto o olhava. - Você tem algo a ver com isso? 

- É claro que não! - se irritou ainda mais com a pergunta direta. Ele era o que sua honra fazia dele, não era fácil a ter sendo questionada.

- E seu irmão? Acha que ele possa ter, mesmo que minimamente, algo a ver com isso?

- Robb jamais participaria de algo assim.

- Então me prove! Vamos ao Norte, vamos investigar o que realmente está acontecendo! - ela propôs.

Jon a olhou como se subitamente tivesse nascido um terceiro olho em seu rosto. - Você perdeu a cabeça? O que nós faremos no Norte?

- Não sei ainda, mas daremos um jeito de descobrir o que realmente está acontecendo. - Jon ainda a olhava como se ela estivesse propondo uma loucura. Ela suspirou. - A outra opção é entregar tudo isso nas mãos do conselho assim do jeito que está. Você sabe o que isso significa. Mesmo que Robb for inocente, isso vai ser o suficiente para sujar seu nome e o dele.

- Então você quer me fazer um favor? Quer ir ao Norte investigar um desvio de dinheiro só para provar que eu e meu irmão não temos nada a ver com isso? - Jon pareceu enojado. - Eu não preciso da sua misericórdia.

- Não precisa bancar o orgulhoso comigo porque eu não estou fazendo isso por você. Estou fazendo por mim, porque quero vencer essa disputa de maneira justa. - ela se levantou, deixando na mesa os papéis que havia espalhado. - Quando eu vencer essa competição, será porque realmente sou a melhor e não porque seu nome está envolvido em algum escândalo de corrupção. Mas a escolha ainda é sua. Ou nós tentamos investigar e resolver isso, ou terei de entregar tudo aos cuidados do conselho.

§§§§


Mesmo depois de certo tempo que Daenerys havia saído, Jon ainda não tinha conseguido assimilar tudo o que ela lhe disse.

Como um nortenho, ele conhecia seu povo. Era um povo duro, resiliente e honrado. Era difícil aceitar que um deles pudesse estar envolvido com algo tão sujo como desvio de dinheiro.

Conhecia Ramsay, não de maneira pessoal, mas ele era uma figura conhecida no Norte e apesar dos comentários sobre ele não serem muito positivos, nunca soube de seu envolvimento com nada criminoso. E  quanto a Robb, Jon apostaria a própria vida na inocência do irmão.

Mas Daenerys havia deixado sobre sua mesa os muitos documentos que apontavam os desvios, não havia formas de contestar que no mínimo Ramsay estava envolvido com aquilo e Robb poderia ser um possível cúmplice.

 Ele não tinha nada mais a fazer além de tentar tirar o nome Stark do meio daquela bagunça.


Notas Finais


Olá 🙆🏽🙆🏽

Esse capítulo é mais uma ponte para os próximo (pelos quais estou bem ansiosa 👀)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...