História Entre idas e vindas - Capítulo 3


Escrita por: ~, ~rakwtt e ~LittleG__

Postado
Categorias Colin O'Donoghue, Jennifer Morrison, Once Upon a Time
Personagens Colin O'Donoghue, Jennifer Morrison
Tags Captainswan, Colifer, Colin, Colino'donoghue, Emmaswan, Jennifer, Jennifermorrison, Killianjones, Onceuponatime
Visualizações 82
Palavras 2.604
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Garota do spirit na área, sua primeira e única fonte por dentro da vida escandalosa da elite de Vancouver. Babado fortíssimo: Não esquecemos a fic!
Quem me acompanha sabe que tenho outras fics, quem não me acompanha: Eae, vamos fechar? Rsrs
Bom, eu estava (continuo) mega ocupada com escola e fics, já Raquel estuda integral e o grupo está meio bolado com colifer (eu mesma nem sei o que estou fazendo ainda escrevendo fic colifer ajhxsjkakaka), mas vida que segue...
Sim, vou terminar a fic já que são apenas 10 caps (talvez até menos).
Metade da parte do Colin foi escrito pela little R. O resto pela minha pessoa, espero que gostem e perdoem qualquer erro já que a little G. vagabunda não corrigiu e ficou por minha conta...
Amamos vocês, beijinhos!

Capítulo 3 - Ponto de decisão


Fanfic / Fanfiction Entre idas e vindas - Capítulo 3 - Ponto de decisão

Narradora:

Depois de gravar o dia todo, a mulher arrumou suas coisas, organizou a bolsa, vestiu a blusa de Colin por cima da camiseta e já estava pronta pra sair... Se não fosse a "surpresa" da amiga a deixou curiosa desde cedo. Mesmo sabendo que não viria boa coisa. Não queria sair e deixar algo naquela gaveta, pessoas entravam em seu trailer toda hora. E se tivesse algo demais? O que pensariam dela?

Resolveu acabar logo com aquilo, puxou a gaveta e bateu na própria testa em seguida. Como era ingênua... Rose deixou, "simplesmente", uma cartela de preservativos. Como se ela e Colin fossem ficar 48 horas no quarto para usar aquilo tudo.

Jennifer mandou uma mensagem para Rose perguntando o motivo dela ter levado aquilo para o trabalho e deixado na gaveta dela, como resposta a amiga a lembrou que ela havia contado que estava saindo com o vizinho gentil e que no final de semana teriam o primeiro encontro oficial em um restaurante, porém que poderia usar com Colin. Jen já ia colocando na lixeira, contudo depois alguém veria e não tinha motivos para ter aquilo no ambiente de trabalho, na verdade nem Rose. A americana refletiu muito sobre o que fazer e a única escolha era sua bolsa. Estava pronta para esconder quando Colin entrou no trailer, olhou de forma enigmática e pôde sentir seu fim, não conseguiu mais ficar o encarando, então escondeu seu rosto. Ok, realmente não era seu dia.

— Você tem uma vida feliz pelo jeito, não?— Colin tentou colocar humor na voz quebrar a tensão, todavia logo se arrependeu do que disse— Por favor não me entenda errado, estava tentando fazer graça da situação.— Por mais que ele tivesse levado tudo no humor, estava se questionando se ela realmente usaria tudo no trabalho e com quem usaria.

— Quem me dera...— sussurrou se arrependendo logo em sequência— Quer dizer, não é nada do que você está pensando.— suspirou massageando a testa enrugada de confusão— Rose passou aqui e aquela mente doente pelo visto deve me achar uma prostituta para usar isso tudo.— fez careta olhando os pacotes e finalmente colocando na bolsa— só não queria jogar no lixo ou deixar na gaveta porque alguém poderia entrar e entender algo errado.— explicou sentindo cada vez mais vergonha da situação que a amiga a colocou— Hoje é sem duvidas o dia mais humilhante da minha vida! Você se importa de marcarmos na minha casa outro dia? Preciso dormir.— choramingou antes de pegar a bolsa e Ava, que dormia no cantinho do trailer. Agarou-se na bolsa e saiu, alguém trancaria tudo depois.

— Realmente, o dia tem sido constrangedor para todos, finalmente estamos saindo daqui. Não me importo, não. Helen me ligou e acho que hoje vai ser o dia da grande conversa— disse rindo, de nervoso, enquanto saía do trailer.— Não tem problema, babe.— beijou sua testa a abraçando logo depois, estava ficando frio.— Porém, sabe que me deve uma, certo?— estendeu seu braço para ela que o agarrou como se fosse um urso de pelúcia.

 No caminho para o seu carro, encontraram Karen, que ao vê-los não parecia tão feliz.

Quando saíram a primeira coisa que Jennifer notou foi sua presença, mas agora ao todo ela tinha: momento botando a blusa dele, saindo do seu trailer, com seu cheiro e naquele momento agarrada a ele. A loira a olhou sorrindo, o apertou mais para perto do seu corpo e deitou em seu ombro enquanto caminhavam. Karen os cumprimentou com educação, Colin retribuiu e Jennifer virou a falsidade em pessoa.

— Boa noite, querida.— Jennifer sorriu hipócrita. Pensou que provavelmente não iria mais os perturbar.

Colin, lerdo como sempre, ainda tinha a leve impressão de que a Jennifer estava tentando deixar Karen com ciúmes, não sabia o motivo, apenas se fez bem claro.

Continuaram andando até o carro da americana e entraram. Colin ligou o rádio a pedido dela e foram conversando descontraídos, o que arrancou gargalhadas adoráveis da mulher. E naquele momento, para ele, ficou mais que claro que poderia passar o dia todo a fazendo rir, não havia coisa melhor.

O tempo passou e pela primeira vez amaram o trânsito, entretanto infelizmente uma hora ele chegou em casa e precisaram se despedir.

— minha doce loira bonita, vou precisar ir para casar me resolver com a Helen. Desculpa, marcamos nosso jantar outro dia.— Pegou em suas mãos acariciando uma com o polegar, sem perceber o ato. Ela percebeu— vai ficar chateada?— receou que ela ficasse entristecida com ele no dia seguinte, Jennifer era bipolar certas vezes e ele a conhecia perfeitamente.

A dona do cabelo mais claro percebeu que ele estava preocupado e achou fofo da sua parte, ele sempre era assim. Se importava demais com os amigos.

— Claro que não.— sorriu para que ele fosse em paz e sem mais um transtorno desnecessário em mente— marcamos para depois então.— soltou sua mão para acariciar seu braço com certa firmeza, como se aquele ato desse mais força ao que havia dito.— Vai com cuidado. Nos vemos amanhã, Mr.Hook.— a loira, se esticando no banco, deu-lhe um beijo estalado na bochecha. O homem beijou sua testa antes de dar uma pescadinha e se virar em direção a porta. Ele saiu e ela voltou para sua solidão em casa, pela primeira vez feliz em chegar ali, o dia havia sido cansativo.

Morrison finalizou seu período desde a manhã até o pôr do sol lendo na banheira com um som prazeroso clássico, vindo de seu aparelho de vinil no quarto. Já o irlandês não teve muita paz, afinal, seria a conversa que definiria todo seu futuro. Ele enrolou bastante no jardim até tomar coragem de entrar em casa, onde viu Helen deitada no sofá, enrolada por uma grossa manta, serena como um anjo. Seu suspiro demonstrava sua relutância em acordá-la, mas sabia que era necessário, então fez com um beijo na testa antes de tirar os fios embaraçados da frente de seu rosto.

— Colin?— Helen coçou a vista tentando se acostumar com a claridade e vista embaçada.— são que horas?— sua pergunta nunca obteve resposta, apenas um olhar repleto de mistério.— Desculpa, queria te esperar acordada para me desculpar e explicar, todavia acabei jantando e dormindo. Sua janta está no fogão, se quiser.

— Precisamos conversar. Esquece a janta, ok?— sua voz era suave, estava com paciência e tentando ao máximo ser delicado em consideração aos anos que passaram juntos.

— Certo. Vamos conversar.— a mulher se ajeitou no sofá, ainda enrolada na manta, mas agora cobrindo o colo do moreno para que não ficasse com frio.

— Por que você fez aquilo? Jennifer é sua amiga e estávamos trabalhando. Eu já gravei cenas piores, você sabe disso, então por que daquela crise?— Helen se encolheu contra o apoio do braço do sofá, ambos estavam cara a cara, nas duas pontas, o clima era sério e ao mesmo tempo não era grosseiro, ele estava sendo amoroso.

— Eu sei que foi patético da minha parte, afinal estamos há muito tempo juntos e sempre temos confiança no nosso relacionamento, mas fala sério, Colin! Ela é uma mulher conhecida e amada internacionalmente, tem todos os homens que quer babando aos seus pés, é independente e ainda é sua melhor amiga. Eu devia ser sua melhor amiga! Você acha que não fico magoada? Vocês fazem tudo juntos, tem piadas internas e às vezes parece que ela te conhece mais do que eu. Eu sou sua mulher, não ela. Ela é sexy, eu admito e também não posso negar que vocês tem muita tensão, porém você não a olha apenas como uma de suas amigas, a olha realmente como uma mulher e eu sei que ela tem o corpo perfeito, cabelo perfeito, vida perfeita, mas eu faço o meu máximo para te agradar e você nem se importa. Eu cortei o cabelo hoje e duvido que percebeu porque você só a nota.— no momento Colin engoliu o seco se sentindo totalmente culpado, realmente não havia notado. Sua mulher estava triste e nem isso era capaz de perceber.— Você não me olha como olha para ela e quando vi aquele beijo eu percebi o que estava acontecendo, mesmo você achando que não. Pode não ter sido vontade de vocês, contudo não foi um beijo técnico, você sabe que não foi.— mesmo sem intenção as lágrimas que estavam se acumulando em sua vista desceram por seu rosto ruborizado, Helen limpou com o antebraço o nariz que fungava a cada dez segundos. Ainda que doesse admitir, aquele casamento estava a machucando de uma forma intensa.

O pesar pode ser uma coisa comum a todos nós, mas age diferente em cada um. Não é só a morte que traz o pesar, é a vida! São as perdas, as mudanças e quando a gente pensa "por que tudo tem que ser tão sofrido?", "Por que machuca tanto?" o que não podemos esquecer é que tudo vira de uma hora para outra. É assim que se sobrevive, quando machuca tanto a ponto de você não conseguir respirar é quando você sobrevive. Quando você se recorda de um determinado dia, de alguma forma, é impressionante. Você não se sente do mesmo jeito, não dói tanto assim. O pesar vem para cada um no seu tempo, do seu jeito. Então o melhor que se tem a fazer, o melhor que qualquer um tem a fazer é tentar ser honesto. O pior disso tudo, a pior parte do pesar é que a gente não controla. Mas o pior mesmo é quando você acha que passou e começa tudo de novo. E sempre, toda vez, você se surpreende.

Colin sentia o pesar, o pesar da culpa. Percebeu no momento, que enquanto julgava Helen culpada, na realidade era tudo culpa dele. Ela não estava mudando, ele estava.

— Desculpa por te fazer sentir assim, eu não fazia a mínima ideia. Eu sei que sou ausente, que sente minha falta, porém eu também sinto a sua. Eu chego em casa e você nunca quer fazer nada comigo, só fica presa naquele quarto. Eu saio com a Jen porque minha própria mulher nunca quer sair comigo. Sinto falta de como éramos, das nossas programações e até de coisas bobas como quando assistiamos filmes. Você mudou e nosso casamento também, se tornou tão sem sal que enrolo no trabalho para não precisar vir para cara e lidar com a situação. O que quero dizer é que está difícil para mim e não sei se temos mais salvação.— confessou com um suspiro, era uma situação muito complicada e delicada, anos de união estavam em jogo. Colin não queria magoar Helen ou deixá-la pensar que estava sendo trocada. Claro que ele vivia pensando em Jennifer e muitas vezes se torturava pensando em quando se veriam novamente, mas não queria aquilo, queria ser um homem que pensasse apenas em sua mulher, chegou a culpar aquele afastamento.

— Você... Você quer o divórcio?— um soluço escapou da boca da mulher.— Depois de tudo que me fez passar quer o divórcio só porque você não está feliz? Isso é tão egoísta! Você me fez sofrer e agora acha que só porque está insatisfeito pode fazer isso? Então é assim? Não me ama?— sua indignação era clara e obviamente Colin não queria aquilo, queria apenas uma vida normal ao lado de alguém que o fizesse feliz, esse alguém não estava sendo Helen.

— Claro que eu te amo, eu não posso ignorar tudo que já fez por mim, você basicamente me deu uma chance na vida, me deu meus amigos e sou eternamente grato, mas para que nos prender a algo que só está fazendo mal? Por te amar, quero seu bem. Isso não está fazendo bem a você e nem a mim, eu quero alguém que possa confiar, que converse comigo sobre coisas bobas, que ri das minhas piadas e que posso fazer sorrir. Quero alguém para sair, ir nos eventos de casais com meus amigos, que gosta de passar um tempo comigo e que posso fazer bem. Você está sempre distante, agora até do Sean e da Tanya, que é sua amiga, se afastou. Não temos mais diversão, criamos uma rotina e não sei como prosseguir dessa forma.

— Eu me afastei? Sério? Colin, você sai todo final de semana com a Jennifer, sempre chega atrasado em casa e não aguento mais ver foto de vocês juntos, rindo, de mãos dadas... Você deve achar que eu adoro ver mais fotos de vocês que nossa, devo amar todos meus amigos vendo na internet diversos boatos de que acontece algo entre vocês. Com certeza devo adorar, não é mesmo?— disse com ironia, a essa altura além de magoada se sentia traída. Colin a escutava e sabia que boa parte da culpa era dele, seu coração apertado revelava isso.

O homem sem palavras a abraçou, como se de alguma forma pudesse tirar a dor do corpo dela, nunca fora sua intenção a fazer sentir-se daquela forma, muito pelo contrário. Helen, dentro de seus firmes braços, com as mãos encolhidas na frente do peito dele enquanto era pressionada, permitiu-se o choro. Ali deixou tudo sair, cada dor era refletida em suas lágrimas, por dias vinha guardando aquilo para não o magoar, todavia tudo na vida tem limites e aquele dia difícil foi o dela.

— E o que propõe? Porque eu não consigo mais achar saídas, eu juro que tentei de tudo para fazer dar certo, tentei mesmo. Você me culpa, sei que sou culpado também, entretanto eu sempre tento te incluir em tudo, sempre te convido e você sempre me recusa. Me diz qual a última vez que saímos como casal? Sem o Evan e sem ser visita de família, hm?— em seu tom tranquilo questionou ainda se acertando no sofá, não queria irritá-la, não queria acabar aquilo com inimizade.

— E você? Me diz quantos desses convites não eram de lugares que apenas a Jennifer ia e que se eu fosse iria sobrar?— rebateu enfurecida por ele ter jogado a culpa para ela, já se afastando do abraço

— Então esse é o problema? A Jen? Pensei que eram amigas, não achava que estava magoada com isso.

— Colin, parece que você é marido dela, não meu. É simples: não quero que pare de falar com ela, não quero que a tire da sua vida porque sei o quanto ela é importante e eu realmente não vou me rebaixar a isso, entretanto se realmente quer que isso— apontou para os dois— dê certo, comece a tratando como você trata a Lana ou a Emilie. Porque não vejo você agindo com elas como age com a Jennifer. Pense antes "será que eu faria isso se fosse a Bex?" E vai ver como você muda quando a questão é ela.— enxugou os olhos com a manga do casaco e em seguida o nariz escorrendo.

— Se eu fizer isso você promete voltar a a agir como antes? Podemos voltar ao normal? Jura que não vai ficar afastada e agindo estranho? Porque posso fazer isso pela gente, todavia não posso salvar nosso casamento sozinho.— colin recolheu a mão dela e ela o olhou deixando seu coração cheio de esperanças. Ele sentiu as mãos na bochecha dele e seguidamente um beijo brando como brisa, ela aos poucos sentou no seu colo e o ator sorriu contente por um novo recomeço.— Vamos dormir? Amanhã trabalho cedo.— beijou o nariz da companheira a deixando vermelha em segundos. Ambos subiram para o quarto e dormiram próximos, como há muito tempo não faziam.

Pobre Colin, devia saber que agir diferente com a melhor amiga não seria nada fácil, ainda mais quando Jennifer era sua melhor amiga, a pessoa mais determinada do mundo e ao mesmo tempo mais sensível.


Notas Finais


E agora, J? Como será essa mudança do Colin? Acho que nossa queridinha não vai gostar muito disso. Colin, o garoto solitário, não é muito bom em disfarçar e eu adoro um conflito! Lembre-se, little H: As estrelas que brilham mais fortes, são as que queimam mais rápido.
E quem sou eu? Esse segredo eu não conto para ninguém! Vocês sabem que me adoram! Xoxo, garota do spirit.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...