História Entre metal e fogo- a história de uma dragoa e uma garota - Capítulo 8


Escrita por: e Mecha-gigan

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bruxas, Dragões, Guerra, Magia, Mitologias Misturadas, Ogros
Visualizações 14
Palavras 4.485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Sci-Fi, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - Inicio da jogada (parte 3)


Elise P.V.O

Fiquei quase a noite inteira acordada, ainda podia ouvir tudo melhor do que qualquer um naquela cela, ambos os gritos da platéia e os lutadores eram irritantes e extremamente desnecessários.

-Lysandra: Da pra você dormir logo?

-Elise: É fácil falar, você não é a que ta ouvindo tudo auto e claro; e por que demônios você ja não dormiu.

-Lysandra: Nada demais...

Desviando um pouco da atenção do barulho, acabei sentindo um pouco de frio repentino, frio esse que logo foi isolado pelo calor natural do meu corpo mesmo o frio ter sido repentino ainda era muito forte e se meu calor não tivesse o isolado esse com certeza seria um dos problemas para eu dormir...

Eu sinto que não deveria, mesmo com essa aliança ela ainda era a inimiga, bem ninguém do meu lado vai saber; levantei a asa e cobri ela, ela me olhou surpresa.

-Elise: Isso é so pra você dormir logo e parar de me irritar

Ela apoiou as costas em mim e fechou os olhos caindo no sono profundo; pra minha sorte o barulho finalmente cessou e eu finalmente podia dormir.

-Sophie: É Elise, posso eer... Dormir perto de você?

-Elise: Ok se aconchega ai.

Logo a garota cheia de cicatrizes, se deitou encostada no meu pescoço; não demorou muito pra notar o resto me olhando com um sorriso nervoso. Dei um pequeno suspiro e acenei pra eles com a cabeça.

Isso com certeza não estava no planejamento, mas não posso dizer que por essa eu nem esperava...

bem pelo menos vou ter uma boa noite...

Tana P.V.O

Levei 1 hora até chegar em frente a frente de uma caverna, desci das costas do Fenris e entrei na caverna, tinha mais do que um único ser la, passaram varias pessoas.

Concentrei me no cheiro que já estava seguindo, dentro daquela caverna havia uma arena gigante.

chegando perto do portão da arena percebi que ela estava trancada; nada que uma velha adaga envenenada não resolva.

-????: Desculpe-me mas se quiser ver o show você vai ter que vir amanhã.

Me virei bruscamente com a adaga pronta pra apunhalar quaisquer seja a pessoa atrás de mim, e la estava uma garota com capa vermelha e cabelos ruivos que mesmo com a minha reação estava calma e sem traços de agressividade.

-Satã: Quem é você?!

-????: Ah desculpe pela falta de modos; Rose Escarlatina, uma das melhores no ramo de caçador.

-Satã: Eu não vim ver show nenhum eu vim aqui para resgatar um ser.

-Rose: Vai por mim garota você devia sair daqui antes que um certo ser irritante tente te sequestrar.

-Satã: Eu não vou sair daqui sem esse ser!!!

-Rose: Hm que pena, eu realmente espero que quem quer que seja o ser que esta procurando, sobreviva essa arena.

Ela simplesmente passou por mim indo pro outro lado da arena.

-Rose: Ah e você tem um belo wargh.

-Satã: Pera ae como-

Ela simplesmente deu um sorriso de canto de boca e se foi.

-????: Olha olha se não é um aperitivo novo, que pena que você quase não tem nada de réptil.

Da doma da arena, uma doninha gigante se revelou das trevas, doninha essa que tinha uma orelha com cicatriz de mordida profunda, pelo marrom com partes grisalhas e varias cicatrizes mas uma em destaque era a de um arranhão grande que parece ter sido a causa do olho cego dele.

-????: Eu não vejo uma quimera que nem você desde 1001 bem antes daquela maldita batalha!!!

-Satã: Se você ta afim de perder a vida pra uma adaga venenosa então hoje é seu dia de sorte!!!

Logo da parte profunda da caverna saíram mais doninhas gigantes, no máximo umas 19.

Mesmo que eu pudesse matar algumas a minha morte lutando com ela era uma certeza absoluta; corri o mais rápido possível para que esses seres hediondos não me matassem, acabou que pra ter que despista-los tive que passar por um lugar coberto por névoa e cheio de ossos de dragões, la parecia ter de todos as raças; com eles despistados retornei pro vale com calma e decepcionada comigo mesma, eu não desejaria que a fada senti-se o mesmo que eu senti quando aqueles filhos da puta mataram o Mike.

Mas a vida gosta de ter partes muito baixas....

---------------Na manhã seguinte----------------------

Elise P.V.O

Lentamente abri os meus olhos, o resto ainda não havia acordado, nem sequer os seres que estavam nas celas perto haviam acordado; mas claro esse silencio não durou muito ja que o babaca azul veio batendo em cada grade com a lança de gelo, sacudi levemente o meu corpo acordando todos.

-Jeubl: Se não é meu réptil preferido, pronta para quase morrer na arena de novo?

Minha única resposta pra ele foi um simples sibilo agressivo, sem cerimônias ele abriu a cela e so seguimos o caminho usual até o portão para nossa surpresa a arena não estava tão cheia quanto esperava e nem sequer os inimigos estavam lá, não sei se deveria ficar aliviada ou se deveria ficar preocupada...

De qualquer modo estávamos todos prontos; todos encarando, até finalmente a porta se abrir revelando um ser grande com forma de doninha e logo atrás dele veio um elefante mas diferente dos elefantes comuns esse era muito mais alto e tinha os marfins muito grandes e com um corpo cheio de cicatrizes no corpo e logo o terceiro veio a tona; este era basicamente uma centopeia gigantesca.

Os acompanhantes de menor tamanho deles eram: Alguns dos ratos do tamanho de cavalos, zumbis em estado de decomposição avançado, uma quimera quadrúpede e com cascos, cauda longa com um ferrão, cabeça igual a de uma cobra peçonhenta e asas de inseto.

A doninha e a centopeia começaram a me rodear enquanto o elefante nem sequer se mexia do lugar; por um momento breve a centopeia quase me ataca, mas eu acabo agarrando ela pela cabeça e a jogo na doninha justo quando ele estava prestes a me atacar.

Ja o elefante quando eu menos esperava correu contra mim, peguei bem na hora os marfins do gigante o impedindo de me empalar viva, com a força que ele tinha acabei indo pra trás bruscamente, e por acidente quase esmagando Maitê e Maya.

Cravo as garras das minhas patas no chão desacelerando o grande animal, e acabo derrubando ele ao virar as presas de marfim dele e no processo esmagando alguns dos ratos.

minha paz não durou tanto o doninha pulou em mim e começou a morder meu pescoço, comecei a o arranhar profundamente isso até o papel se inverter quando eu o mordi na orelha assim arrancando metade dela e o distraindo com a dor.

E com essa distração minha mandíbula se fechou envolta de seu pescoço, e ainda com a mandíbula pressionando fortemente e assim arrancando boa parte de sangue; so não o matei pela interferência de ambos centopeia e elefante.

O inseto tentou injetar o veneno mas as pinças não conseguiam furar as escamas; redirecionei o elefante fazendo ele bater bruscamente contra a a parede enquanto lanço a centopeia contra as grades, logo o doninha escalou minhas costas começou a me arranhar rasgando cada vez mais e me fazendo perder algumas gotas de sangue.

Lysandra P.V.O

Enquanto a batalha dos pesos pesados acontecia logo atrás de nós, eu e o resto focamos nos menores; com uma mistura de machado com martelo em mãos, arranquei com facilidade a cabeça dos zumbis isso até um dos ratos avançar contra mim me derrubando mas logo sendo morto pelo choque entre a parte de martelo da minha arma e o frágil crânio do animal que caiu sem vida sobre mim e deixando um pouco de sangue sair da boca dele, logo que eu o empurrei pro lado mais dois vieram, um deles pegou minha perna na boca e começou a me jogar pros lados como se fosse uma boneca de pano, enquanto o segundo começou a tentar perfurar minha armadura ou tentar arranca-la, ele me mordeu bem no ombro e acabou quebrando parte da minha ombreira.

Como acabei largando sem querer minha arma enquanto ele me jogava, peguei um pouca de areia e joguei no olho dele assim dando tempo pra eu me recuperar; e então me levantei correndo para pegar minha arma mas fui impedida quando o primeiro pegou meu pé e me puxou brutalmente até um canto e logo tentou me morder mas o impedi usando a minha pulseira, e logo dei um chute no peito dele o nocauteando no chão e fazendo ele se retorcer por alguns minutos no chão.

-Leopoldo: Vamos Lysandra não deixe que esses seres nojentos te matem, guarde energia para o chefão -- Disse ele me levantando e me dando a minha arma.--

-Lysandra: É bem difícil quando você esta lutando com ratos gigantes!!!

-Leopoldo: Eu sei, eu sei so tenta ao máximo não ser mordida, você pode acabar tendo um membro arrancado.

Logo eu ouço algo vindo em minha direção, era a cauda da Elise felizmente eu e Leopoldo conseguimos nos desviar da cauda dela, ja alguns dos zumbis não tiveram tanta sorte.

Elise estava segurando ambos os oponentes; o doninha estava sendo segurado pela garganta, com a boca Elise continha a centopeia e com a pata ela segurava o grande elefante; ela então cospe a centopeia, e começa a tentar mata la com o fogo, mas a única coisa que ela conseguiu matar foi alguns ratos e zumbis.

-Lysandra: Ah qual é Elise!!! É a porra de uma centopeia gigantesca como você erra ela?!

Ao me ouvir ela sessou fogo e olhou em minha direção.

-Elise: É meio difícil pensar ou fazer decisões quando a fome ta tomando conta da minha mente!!!

Então ela saiu do caminho do elefante o fazendo parar bruscamente quando viu o fogo, enquanto ao doninha em suas mãos ela começou a bater a cabeça dele na parede e nas grades até o corpo perder por completo a vida e com isso feito ela jogou ele no chão e começou a focar nos ratos.

Ela casualmente pegou um e o mordeu assim o partindo ao meio e começando a engolir a parte arrancada; vendo isso todos os ratos começaram a focar nela, em poucos minutos eles subiam nas costas e começavam a morder la e ela simplesmente os agarrava e repetia o que tinha feito com o primeiro, eu poderia jurar que havia até ouvido os ossos se quebrando.

Bem maior parte das ameaças ja foram agora, so falta a quimera, mesma quimera que agora estava frente a frente conosco; todos nos colocamos em posição defensiva enquanto a quimera nada fazia alem de nos rodear e rosnar, ato que logo foi substituído por um rugido e o som das asas de inseto batendo enquanto aquela coisa voava contra nós, com um reflexo incrivelmente rápido Neera e Leera cravam dois sabres em ambos lados do pescoço da besta, infelizmente não foi profundo o suficiente para o matar mais com certeza ainda era doloroso, com um golpe do ferrão ele quebra as lâminas como se fosse vidro.

E logo a criatura diabólica corre em nossa direção e antes de sequer conseguimos reagir a centopeia do nada é jogada contra ele, centopeia essa que estava com um buraco no peito, metade do corpo e pegando fogo.

todos olhamos e la estava Elise tentando derrubar o elefante e nas presas do grande animal tinha manchas de sangue recentes.

Mas claro vaso ruim nunca quebra, a maldita coisa ainda estava viva e ainda mais brava do que antes, ao invés de voar ele pulou com a boca aberta pronta para fechar em qualquer ser que o mesmo encontrasse no caminho, e por questão de minutos a infeliz que quase teve esse destino foi justamente eu!!!

Com ele de costas pra mim dei uma machadada w cortei a cauda dele; menos uma parte, agora so falta mais uma a cabeça.

Antes disso eu levei uma coice e acabei sento lançada pra perto da parede, fiquei tonta por alguns minutos antes de voltar a realidade, ele era mais desafiador do que eu esperava e não era o único, ja que assim como eu Elise tinha acabado de ser lançada contra a parede relativamente perto de mime com ela logo veio a dor dividida.

-Lysandra: Problemas com o inimigo?

-Elise: Com certeza, não foi fácil que nem os primeiros minutos da batalha.

-Lysandra: Espera, Elise já sei!! Ataque as pernas e em especial os calcanhares!!!

-Elise: Er okay, não morra lutando com a aberração, Lysandra!

-Lysandra: É.. Valeu eu acho.

Me levanto com um pouco de dificuldade e agarro a minha arma e vou correndo até a quimera, e o corto profundamente nas pernas e dirigi a atenção daquela coisa até mim, e assim ele tentou me morder mais eu usei o cabo da minha arma e dirigi minha mão até o pescoço dele pegando uma ponta do sabre consideravelmente grande e aprofundei cada vez mais no pescoço da fera, até ele morrer completamente.

Cansada sentei no chão e observei a luta entre Elise e o elefante; em um momento de distração Elise cravou as garras e arranhou uma perna dele, enquanto a outra era mordida e sacudida ferozmente.

foi ai que o elefante cansou e acabou desmaiando; assim como eu ela se sentou no chão.

Logo a mesma voz de antes veio.

-????: WOW, ISSO FOI BRUTAL NÃO ACHAM, MAS UMA COISA QUE ESTA ME INCOMODANDO AGORA É O FATO DE NOSSA GLADIADORA DE CABELOS NEGROS ESTA DEPENDENDO MUITO DA DRAGOA NÃO ACHAM?

Logo varias vozes começaram a falar ao mesmo tempo enquanto Jeubl e os outros gigantes vieram para nos colocar de novo nas nossas celas.

Sem resistência procedemos, eu realmente não esperava viver o resto da minha vida lutando e tentando ao máximo não morrer o dia todo...

Chegando na cela sentei encostada na fria parede daquele lugar e tirei minha ombreira quebrada e a manopla cheia de sangue ainda quente, a minha armadura a cada dia estava se desgastando mais não sei quanto tempo ela pode durar...

-Elise: Ja chega.. Temos que fugir daqui.

-Sophie: O que?

-Leopoldo: Elise, ninguém nunca escapou, não tem como escapar é impossível...

-Elise: Nada é impossível; e ah sempre uma primeira vez pra tudo e pra esse buraco do inferno não vai ser diferente.

-Maya: Como você sequer planeja sair daqui sem todos nós morrermos?

-Elise: Durante a luta eu pude sentir cheiro em uma rachadura, ela estava expelindo gás, se conseguirmos acender isso pode criar uma distração!!

-Lysandra: Vamos fazer com que isso funcione so precisamos de uma faísca e teremos um jeito de ver o sol nascer e se por novamente, não acham?

Todos pareciam estar muito confusos com minhas ultimas palavras, não pode ser verdade que eles nunca saíram dessa arena.

-Sophie: Lys... Nós nunca saímos daqui, nem sequer vemos a luz do dia nem uma vez na vida...

-????: Por essas e outras que o trabalho não vale a pena

Como se tivesse simplesmente se tele transportado uma garota de capa vermelha apareceu.

-????: Ah não se preocupem não vou dedurar seus planos para o cara que me contratou; eu não deixaria uma beleza natural e rara como você morrer nesse buraco do inferno.

-Elise: Er você ta falando de mim?

-????: Sim, você com certeza não deveria sofrer nas mãos de um idiota so pra fazer dinheiro, ah e uma dica faça o que for preciso mas fiquem longe do local nebuloso.

-Lysandra: Er valeu...

-????: Rose.

Dito o nome ela foi embora.

Narrador P.V.O

Enquanto isso no escritório do Sr.Maghara, ele tinha problemas com uma succubus enviada para dar uma mensagem para o dono do local.

-Lith: Então você vai simplesmente, dizer não pro ser mais perigoso de todo esse reino so por que essa dragoa esta fazendo você mais rico?!

-Sr.Magarha: Ela não é o ser mais temível se ela quer que ela venha minha milícia vai acabar com ela facilmente.

-Lith: Não diga que eu não avisei...

E com um gesto um portal se abriu envolta dela e fechou-se; a confiança do dono daquela arena com certeza era confiante, afinal por que ele não seria?

Ele estava no local mais seguro e impenetrável de todo o continente, nem sequer o próprio exército do rei conseguiria vencer as forças de todas as criaturas que essa arena guardava.

E o que uma bruxinha faria de mal contra isso tudo?!

Ou era o que ele esperava...

Lysandra P.V.O

Ja estávamos com todo o plano armado agora so precisávamos por ele em prática; nunca pensei que ia ficar feliz vendo o Jeubl, como antes ele abriu a cela mas tinha um problema, Elise não iria participar dessa batalha dessa vez.

E la se foi a nossa incendiária... Vamos ter que dar uma bela de uma improvisada para conseguir a faísca.

Algo estava errado na arena, nas portas que os inimigos geralmente saem estava com guardas com lanças exageradamente compridas, como usual pegamos as armas.

Peguei uma espada curto e um escudo de madeira com um espinho metálico no meio, Sophie optou por uma estrela-do-amanhã, Maitê e Maya usavam machados, Leopoldo estava com 2 escudos e cimitarras, Neera e Leera estavam com um machado e uma clava em mãos.

Logo os portões começaram a se levantar; revelando primeiramente um grande rinoceronte ele tinha no máximo uns 4 metros de altura a pele dele parecia uma armadura de couro e ele tinha 3 chifres e incrivelmente ele não parecia que queria lutar até ele começar a ser cutucado com as lanças dos guardas e começar a ter uma postura mais agressiva chegando a ameaçar correr contra um dos guardas.

O segundo a sair foi um grande tigre branco, ele tinha os caninos muito grandes, e uns pequenos chifres avermelhados e era tão grande quanto um cavalo de tração, quando foi cutucado ele não ameaçou so o atacar ele pulou no guarda e o mordeu na jugular enquanto o sacudia, mas logo foi interrompido pelo resto dos guardas.

O terceiro a sair, uma mistura, ele tinha a cabeça de uma coruja e um corpo de urso muito grande e musculoso, não foi preciso o guiar ja que ele simplesmente começou a nos rodear so de bater os olhos em nós.

Por ultimo mas não menos importante, um lobo gigantesco com alguns espinhos nas costas e esse parecia muito irritado, tanto que até os guardas não queriam estar perto dele; felizmente para nós ele preferiu correr atrás deles ao invés de nos.

Não podia dizer o mesmo do resto, primeiro foi o rinoceronte correndo contra Neera/Leera e Leopoldo que por um instante quase foram atingidos, enquanto ao corujurso quase me acerta mas eu me abaixei e o dei um golpe com o escudo enquanto faço um corte no peito dele. Mais uma vez me abaixo a tempo de um dos golpes, logo ele logo deu um golpe que acabou jogando meu escudo pra longe, seguindo do primeiro golpe este desta vez foi dirigido em mim, e esse golpe acabou fazendo eu cair bruscamente no chão, a armadura estava começando a se desprender com cada golpe que eu estava recebendo.

E claro logo veio a dor do impacto, mas nem a dor e nem o golpe era o suficiente para me parar, quando ele se aproximou mais eu dei o golpe fazendo um corte profundo que deixou uma bela de uma marca no bico dele, e com ele distraído me levantei para o finalizar e justo quando eu ia cravar a lamina entre a cabeça dele, o desgraçado novamente me golpeou no braço e tirando uma parte da minha armadura e deixando eu cada vez mais exposta.

Ele se recuperou e logo me prendeu contra a parede e prestes a dar o golpe final; se não fosse pelo fato de eu enfiar a lamina curta no pulso dele liberando mais sangue sobre minha mão, e dando tempo de eu o golpear mais uma vez e dessa vez o perfurei bem na perna abaixando até o joelho dele, e mais uma vez o cortando so que dessa vez bem nas costas.

Parando pode ver que a parede que o elefante havia se chocado estava com uma rachadura grande e provavelmente la era onde o gás estava saindo, agora as mas noticias eram que o lobo gigante estava muito perto de la e não iria se mover tão facilmente assim...

Um rugido me traz de volta a realidade, e bem a tempo se não a minha cabeça ia sair voando, o ser novamente tentou me arranhar mais logo teve um dos dedos cortados como forma de resposta; quando eu menos esperava Sophie veio me dar ajuda, a primeira coisa que consegui ver foi o golpe da estrela-do-amanhã sendo desferido no ombro dele, que logo ficou preso e o corujurso pegou a corrente e a quebrou apenas com o bico deixando apenas o cabo e a lâmina no seu fim.

Não demorou muito pro tigre que anteriormente estava batalhando com sophie a seguisse mas ao invés de atacar ela, o mesmo começou a batalhar com o corujurso; começou a arranhar o topo da cabeça do corujurso e tentou morder o pescoço dele, o corujurso o impediu dando uma bicada no braço dele. E assim a luta deles continuo; com essa distração corremos até a rachadura, bem até percebemos que o lobo parecia meio inquieto, olhando para o portão e ele rapidamente se levantou e foi para um canto isolado na arena e observou.

Logo o portão de onde saímos foi arrebentado e dele saiu um dos gigantes mais especificamente o de duas cabeças, ele estava com marcas de mordida e uma grande queimadura no peito e das sombras saiu a responsável, Elise não parecia nada contente...

---------Enquanto isso com a Elise--------------

Elise P.V.O

Eles precisam de mim...

Eu tenho que sair dessa de algum jeito; bem agora o Jeubl e os amiguinhos dele vão finalmente servir pra alguma coisa na vida deles, se bem que eu duvido muito que eles sequer vivam depois do plano...

Enfim, hora do show porra!!

-Elise: Hey, o azulado como é servir de capacho pra um idiota total?

-Jeubl: Ei gente acho que já é hora de ensinar a essa bastarda uma lição de uma vez por todas

Logo o idiota materializou sua lança e abriu a sela e entrou pronto pra furar minha asa, o peguei pela cara e com toda a força o possível comecei a bater contra as grades sem parar, até o ponto em que uma das barras quebrou; logo levantei Jeubl sobre minha cabeça e o joguei contra as barras desprendendo elas e me dando paço livre, com ele desacordado no chão pisei no peito dele e deixei um profundo sibilo escapar da garganta; não pude deixar o momento durar por muito tempo infelizmente devido ao jotunn e o ettin; o jotunn correu em minha direção e me deu um soco em minha cara e me deu uma ombrada me fazendo bater bruscamente contra a parede, logo ele agarrou o meu pescoço e tentou me sufocar, mas em uma reação rápida eu pego o chifre dele e o jogo nas celas, quebrando ela e arrancando a ponta do chifre dele, com ele desabilitado por alguns minutos Jeubl se levantou e com o braço dele transformado em uma arma ele tentou me perfurar.

Com um golpe da minha cauda eu arranco o braço dele, e imediatamente o braço dele se regenera e novamente ele tenta me matar, o afasto dando uma cabeçada no peito dele o fazendo cair próximo de onde o ettin estava; e logo foi minha vez, o jotunn me deu uma cabeçada na costela e começou a desferir varios golpes na minha face até eu me desviar de um deles e agarrar o braço dele em minha boca, o mesmo deu um grito de dor e começou a me golpear na cabeça tentando me distrair do braço.

Logo os outros dois vieram correndo em minha direção; Jeubl novamente quis me acertar com o machado, mas eu agarrei a arma com a mão e o parti e em seguida o chuto Ja o ettin foi nocauteado com minha cauda

E parecia que a cada minuto o jotunn me golpeava cada vez mais forte, e então eu decidi que já era hora de acabar com aquela palhaçada e mordi mais forte e desconectei o braço do resto do corpo, e com o braço pela metade o mesmo começou a gritar de dor enquanto o sangue vazava litros de sangue.

dois ja foram agora so falta um... E pelo visto não ia demorar muito para minha vingança acontecer, o idiota azulado veio correndo em minha direção pronto para me socar com o punho cheio de cristais de gelo afiados, mas quando ele estava prestes a fazer isso eu cuspo o fogo contra ele e ele tenta se proteger com o braço e então ele começa a liberar muito vapor até o braço dele derreter por completo e eu acertar uma boa parte da face dele o deixando completamente desfigurado, e justo quando ele estava prestes a se regenerar eu disparo uma bola de fogo na cabeça dele e ele finalmente morre.

Logo ouço o Ettin dando um grito de guerra enquanto corria até mim, eu o pego pelo pescoço da cabeça direita, eu ia o matar mas resolvi deixar pelo menos um vivo...

Eu o jogo no portão mas não é o suficiente para quebrá-lo, então eu dou um tiro no peito dele e ao mesmo tempo quebro o portão, o grupo parecia estar indo em direção a rachadura como eles esperavam sequer fazer uma faísca? Ah deixa pra lá.

-Elise: É melhor vocês se afastarem!

Assim que eu liberei o fogo, uma grande explosão ocorreu e toda a arena começou a tremer varias explosões podiam ser ouvidas e com uma parede derrubada o local da platéia estava acessível e nós corremos como se não houvesse amanhã, não estávamos sozinhos nessa todos os seres na arena começaram a escapar ou atacar os guardas.

Saímos da caverna e corrermos para leste acabando encontrando um local com névoa, eu sei que não devíamos mas que escolha temos? Vamos ter que entrar...

Aprofundado naquele local eu podia sentir uma presença, não so uma mas varias, so que elas estavam bem fracas...

Não podia acreditar no que meus olhos estavam vendo aquele local estava com diversos ossos de dragões esse local era um cemitério, não pode ser...

De repente começo a sentir cheiro de alguma coisa, era muito familiar...

De repente da névoa surgiu muitas das doninhas gigantes, eles eram bem maiores do que o que eu enfrentei na arena e logo comecei a perceber -- eles eram um dos motivos da extinção da minha espécie... Meus pais ja me contaram eles caçavam em grupo e atacavam repetidamente qualquer raça de dragão -- e pelo visto eu era o próximo alvo....



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...