História Entre Mundos 3 - Mundo das Cinzas - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Mistério, Originais
Visualizações 8
Palavras 1.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiiiiiii Gente!!!
Sentiram minha falta?Demorei muito?
Me desculpem meus lindos e lindas,de verdade,eu pretendia lançar esse capítulo no dia 09/11 ( quinta ),eu escrevi tudo,bonitinho,ai PA!Meu PC de thilt e eu perdi todo o capítulo,e tive que reescrever tudo.
Sim,eu disse reescrever.
Haja paciência ( coisa que eu não tenho )

Mas cá estou eu,novamente,depois de muito tempo ksksks
Sorry.

Espero que gostem do capítulo ( ou eu provavelmente vou ficar irritada,que trabalhão que deu pra escrever esse negócio!!)

Capítulo 7 - UM SONHO MORTAL


Fanfic / Fanfiction Entre Mundos 3 - Mundo das Cinzas - Capítulo 7 - UM SONHO MORTAL

~Livvy

Acordei na manhã seguinte com seus braços fortes me envolvendo.Max dormia pacificamente a meu lado,o peito subindo e descendo.Ele era simplesmente lindo.Sua pele era bronzeada,os cachos castanhos caíam sobre os olhos,os cílios longos formavam sombras nas bochechas.E não pela primeira vez,a imagem de Sophie surgiu em minha mente,era tão parecida com ele,e isso só me causava uma pontada no peito,de culpa.Como ele conseguia olhar para mim sem lembrar que matou a própria irmã por minha culpa?

Sem conseguir ficar parada com os pensamentos me atormentando,me levantei silenciosamente colocando um moletom azul,e descendo para a sala,onde encontrei Chris jogada num sofá com um livro aberto na mão.Era estranho ver Anna,Gabriel,Marcus,e Lowen sentados naquelas cadeiras totalmente imóveis.Me dirigi a sala de Zoe,que estava com a porta aberta,e a bruxa se encontrava ali,sentada numa cadeira velha enfrente a lareira acesa,com um olhar distante,e uma xícara de café na mão.Olhou para mim,e as chamas refletidas em seus olhos os deixavam mais dourados que azul.

- Bom dia..

- Bom dia. - Coloquei as mãos no bolso da blusa - Zoe...Se importa se eu...?

- Ah claro! - se levantou,pousando a xícara na mesinha de centro,e passando por mim distraidamente .

Puxei a cadeira na qual ela estava sentada a poucos segundos,e me sentei perto de Isabelle,que estava deitada em um dos sofás marrons,no outro se encontrava Vitória.Peguei sua mão fria,com uma sensação estranha que não sabia decifrar.Isabelle estava mais magra do que normalmente o era,e mais pálida também,com manchas escuras em baixo dos olhos.

- Eu sei que você provavelmente não está me ouvindo mas... - falei baixinho - eu preciso falar com alguém sabe.Tem algo que está me perturbando a meses,e eu preciso da minha melhor amiga,preciso de você Izzy...

                                                                                                       ***

~Gabriel

Andamos pelo labirinto pelo que pareciam horas,e finalmente chegamos a um lugar mais amplo,a brisa suave jogou meu cabelo no rosto,e eu o afastei impacientemente,observando o lugar.Estávamos no...Central Park?Sim,de fato era o Central Park,e por um momento fiquei irado por voltar do ponto de partida,então percebi que não nevava,e que não havia estrelas,lua,ou sequer nuvens no céu negro.

Todos parecemos um pouco atordoados com isso,mas continuamos enfrente,sem dizer uma só palavra.O lugar era estranho demais,escuro,e silencioso,o que não era típico de Manhattan,que estava sempre com barulhos de buzinas,de pessoas gritando entre outras coisas.

- Gabriel... - falou Anna atrás de mim - não seria boa ideia descansarmos?

Eu não queria descansar.Queria continuar,e encontrar Isabelle o quanto antes.Mas ao olhar para meus companheiros mudei de ideia.Eles estavam suados e arfando,com expressões cansadas.

- Certo - concordei - mas onde?

- Esse lugar parece abandonado - observou Marcus - vamos ver se há alguém nas casas.

E assim fizemos,indo até a casa mais próxima,um sobrado azul claro,que estava abandonado.Entramos e não me surpreendi quando tentamos acender a luz e não obtivemos sucesso,o que também era ótimo por sinal,assim chamaríamos menos atenção.Marcus e Lowen subiram para checar a casa,só para ter certeza de que era realmente seguro.A geladeira estava farta de comida - o que era um tanto estranho - ,comemos,e nos deitamos todos juntos na sala - não achamos boa ideia nos separar -,Lowen num sofá,e Anna em outro,Marcus pegou uma almofada deitando no tapete vermelho,e eu me sentei no chão.Me ofereci para ficar de vigia primeiro,pois embora estivesse cansado,não conseguia pensar em dormir,não depois de tudo que aconteceu.Segurei minha pedra de luz,a qual agora estava apagada,e a encarei,deixando os pensamentos surgirem.

Eu sinceramente não sabia como tinha chegado até aqui sem desmoronar.E eu sentia que isso estava quase acontecendo.

E a voz do meu pai naquela caverna,isso acabou comigo,como pude ser tão tolo?Ele estava morto a anos,e nada poderia traze-lo de volta.Essa era a realidade,por mais dura e dolorosa que fosse.

A verdade era dolorosa,mas ainda assim,era melhor que a mentira.

Mas eu não podia perder tempo lembrando do passado,de pessoas que já se foram,mas lutar pelas que ainda estavam aqui,pelas pessoas que eu amava,desde que estivessem vivas,ainda haveria esperança.

E eu tinha esperança de que encontraria Isabelle,e eu a salvaria,sim,de fato eu a salvaria,nem que pra isso tivesse que morrer.

                                                                                                    ***

~Anna

Ela estava na água fria,afundando para sua morte iminente,seu vestido negro e seu cabelo escuro flutuando a seu redor,enquanto seus batimentos cardíacos desaceleravam.Seus olhos castanhos observavam a luz do sol que ficava cada vez mais distante,estava tão pacífica que só agora notei o sangue que fluía do ferimento no peito,nem parecia que estava morrendo,e quando a luz da pedra em seu pescoço apagou,e seus olhos se fecharam,eu sabia que ela estava morta.

E de repente estavam novamente em terra firme,a neve caia sobre os dois ao lado do lago cristalino,Gabriel nem parecia sentir frio em suas roupas ensopas,enquanto abraçava a garota morta,que parecia uma boneca de pano em seus braços,tão pálida quanto a neve abaixo.

- Não... - ele resmungava com o rosto enterrado no pescoço sem pulso da garota - não,Isabelle...por favor... - suas lágrimas manchavam seu rosto - eu preciso de você...

                                                                                           ***

~Gabriel

O lugar estava escuro e silencioso,e me assustei quando Anna começou a se debater e resmungar palavras incompreensíveis.Me aproximei dela tocando seu ombro.

- Ei... - murmurei - Anna,acorde.

Seus olhos azuis se abriram,parecendo mais escuros que normalmente,quase pretos,ela agarrou meus pulsos com mais força do que pensei que pudesse ter,e começou a falar desesperadamente.

- Ela morreu...ela...ela...ela morreu.

- Anna...quem morreu? - perguntei.

- Is...Isabelle - arfou como se tivesse corrido uma maratona.

Meu coração bateu mais forte.Engoli em seco,e falei:

- Foi só um sonho.

- Não...você não entende...

- Anna...foi só um sonho - repeti,tentando tranquilizar a garota,mas sem nem sequer acreditar no que saia da minha boca.

Respirou fundo,soltando meus pulsos,e colocando o cabelo atrás da orelha.

- Tem razão... - suspirou,mas não parecia muito convencida.

- Durma...

- Não - falou,sem olhar para mim - você também precisa descansar.Eu fico de vigia agora.

- Anna não sei...

- Vou ficar bem - ela soou decidida - se acontecer alguma coisa eu te acordo.

Engoli em seco.

- Certo...

Trocamos de lugar,eu me deitei no sofá,e Anna se sentou no chão,tamborilando os dedos no tapete inquietamente,com um olhar distraído e assustado.

Embora tivesse dito que era apenas um sonho,poderia mesmo acreditar nisso?Afinal,Anna não tinha sonhos como pessoas comuns tinham.E isso tinha me perturbado mais do que gostaria de admitir.

Mas,fechando os olhos,e tentando pensar em qualquer outra coisa,acabei adormecendo.

                                                                                             ***

Pareceu que passaram-se apenas segundos quando acordei,com Marcus me balançando.

Saímos da casa,e não consegui conter um suspiro de surpresa ao ver que estava do mesmo jeito da noite anterior - Ou dia -,escuro,sem estrelas,ou lua.Mas ignorando isso,com certa inquietação prosseguimos.A pedra no meu pescoço que até então estava apagada se acendeu,e mesmo que eu pedisse para apagar mentalmente,ela continuava brilhando.

- O que houve? - perguntou Anna.

- Acendeu sozinha - murmurei.

- Ela sempre acende sozinha - disse Lowen como se eu fosse louco.

- Sim,mas para isso eu tenho que querer,tenho que desejar que acenda. - olhei para a pedra- não desejei.

- Isso é a ligação com Isabelle - disse Marcus com olhos luminosos.

- Sim...claro - resmunguei - vamos,devemos estar perto.

Andamos mais rápido,até que Marcus parou abruptamente.

- Ouviram isso?

- O que? - Lowen perguntou parando ao lado do amigo.

- Não escuto nada.. - falei.

Pra quê?

Coisas surgiram das sombras,das casas,e dos becos,monstros de todos os tipos,uns grandes e outros pequenos,uns com escamas e outros peludos,e assim vai...e eles grunhiam e sibilavam,nos encurralando no meio da rua,e eram muitos,pelo menos 50.Mas não nos atacavam.A meu lado Anna segurou meu braço com olhos arregalados que transbordavam medo,e com atraso me lembrei que essa provavelmente era a primeira vez que ela via um demônio de fato.

- O que eles estão esperando? - rosnou Marcus segurando a lâmina com tanta força que suas juntas chegavam a ficar brancas.

- Uma ordem minha! - disse uma voz feminina que eu reconheceria em qualquer lugar.

Os demônios abriram caminho para alguém passar,uma garota de pelo menos 1,58 metros,usava roupas de couro,tinha uma espada embainhada,seus cabelos negros estavam soltos,cachos compridos caindo pelas costas,em seu rosto carregava um sorriso frio,e seus olhos vermelhos sanguinários nos investigavam.

Era ela.

Era Isabelle.

                                                                                    ***

 


Notas Finais


E então amores,o que acharam?
Eu não detalhei muito esse capítulo,pq foi cansativo escreve-lo pela segunda vez,então sorry.
Mas de verdade,o próximo capítulo provavelmente vai ser um pouco maior,e mais detalhado,eu prometo.

Obrigada por lerem o capítulo todo,me diga o que achou.

Beijinhos,e até a próxima ( ;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...