1. Spirit Fanfics >
  2. Entre nessa onda. - Imagine Minatozaki Sana >
  3. Oi, você vende bolo?

História Entre nessa onda. - Imagine Minatozaki Sana - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


oi, vamos salvar uma adolescente hoje????????????????????

Que tenhas uma leitura brilhante, semelhante a ti!

Capítulo 4 - Oi, você vende bolo?


Fanfic / Fanfiction Entre nessa onda. - Imagine Minatozaki Sana - Capítulo 4 - Oi, você vende bolo?

S/n Simmons

-- Vocês definitivamente não tem casa própria!

Um costume de sextas-feiras era dar de cara com Nayeon e Namjoon em minha residência, ambos nem faziam mais questão de disfarçar a vontade de almoçar ou jantar em minha casa como nas primeiras vezes. Meus pais e eu não nos incomodávamos, bem, vez ou outra meu pai discutia com o Kim afim de decidirem quem ficaria com o último pedaço de carne ou com o restante da sobremesa, porém gostávamos de ter a companhia dos dois por perto.

-- Bela forma camuflada de nos mandar embora, achei até educada comparado com as últimas vezes. - se pronunciou o mais velho tirando o foco de seu celular e o colocando em mim.

-- Eu iria se a comida da sua mãe não fosse tão gostosa! - disse a Nayeon, tendo a ousadia de deixar os pés jogados na mesinha de centro.

Concertei as alças de minha blusa antes de ficar largada em cima da Im e por as pernas nas coxas de Namjoon. Achava incrível como eles conseguiam ser taxados como frios por terem uma postura firme com desconhecidos, quando que com nossos amigos íntimas eram super carinhosos e muitas das vezes melosos. 

-- Snakes_Club acabou de postar que semana quer ter uma reunião com todos os funcionários na próxima semana e pediram para que eu te avisasse, já que seu celular vive no silencioso. 

-- Reunião? - forcei um pouco a cabeça para olhá-lo. - Para que?

-- Deve ser para a organização do aniversário de lá, todo ano fazem algum evento para comemorar. Dessa vez acho que o patrão resolveu inovar! - estendeu o celular para que eu visse imagens de estilos para festas, mandadas diretamente pelo chefe do bar.

-- Mas eu não vou perder esse evento mesmo! - se manifestou Nayeon, adentrando os fios de meus cabelos e iniciando um cafuné na região. - Open bar liberado, só volto 'pra casa na manhã do dia seguinte.

-- Se seu celular estar longe de você, te deixo beber até gasolina. - tirei sarro de sua fala voltando a deitar em seu colo. - Você é fraca com bebidas, cada copo que beber vai ligar para um ex diferente, igual na última vez em que saímos para a festa de aniversário da Chaeyoung!

-- Eu lembro desse dia... - recordou-se soltando risadas nasais. - Sorte a dela que a levei para casa e como se não bastasse meus tênis ficaram sujos de vômito, esse rolê foi louco!

-- Vocês dois que não sabem curtir uma festa, se não for para beber e comer até as artérias se entupirem por qual motivo vocês vão então?! - movimentou-se velozmente atacando-nos com uma almofada, não segurando seu riso e soltando-o lembrando-se do tempo citado.

-- S/n! - a voz soou em alto e bom som direto da cozinha, a dona desta saiu do cômodo e deu de cara com nos três esparramados pelo sofá, limpava suas mãos no pano de prato e seguidamente jogou-o sobre o ombro. - O almoço está pronto, mas estamos sem suco e nem refrigerante. Pode ir comprar enquanto a mãe se arruma para ir fazer a unha?

-- Posso sim. - me levantei de cima dos dois e calcei minhas sandálias, ajustei os cabelos e gesticulei para que os outros se reerguessem. - Vamos, sem bebida sem almoço!

-- Não estou gostando desse seu tom autoritário, muito abusada 'pro meu gosto! - reclamou Nayeon esticando seus braços para que eu a ajudasse se levantar, assim fiz. 

-- Vai comer na minha casa e ainda fica de folga, se orienta. - depositei um peteleco em sua testa antes de sairmos para fora da casa.

Como o supermercado ficava à um quarteirão de distância, optamos por ir a pé e jogar conversa fora durante o caminho. Curtia estar na presença de meus amigos, contudo necessitaria de inventar desculpas para mandá-los embora após o almoço devido ao meu compromisso com Sana. Nosso encontro seria no dia seguinte, portanto queria comprar roupas novas para a ocasião e sabia exatamente onde ir, porém tentaria driblar Namjoon e Nayeon para não correr o risco de ser descoberta.

Entre nosso grupo de amigos, os dois eram os mais imprevisíveis tratando-se de novidades, dificilmente conseguiam ingerir coisas novas que não se enquadravam com o cotidiano. Caso contasse à eles sobre sair com uma das surfistas, de certo mostrariam-me várias razões para que eu cancelasse o passeio ou deixasse Sana plantada no local marcado. A adrenalina de estar burlando todos os hábitos de meu meio social para poder dar uns beijos em uma rival com certeza me excitava, vivenciar um clichê que possivelmente poderia gerar uma briga feia entre os dois grupos e gargalhar da cara do perigo me deixava propensa a realizar meus desejos que incluíam a japonesa de madeixas loiras.

-- Uva, limão ou laranja? - questionou segurando as duas garrafas com os sabores estampados na embalagem.

-- Limão. - respondi-o buscando por pacotes de biscoitos na fileira ao lado da de refrigerantes. - Será que o estoque de Explosive Cookies? Iria dar para comprar três pacotes certinhos com o troco!

-- Deve ter por aqui, vamos ver... - Nayeon começou analisar a prateleira ajudando a procurar os biscoitos, quando que despropositadamente esbarrou em um corpo maior ao virar-se sem prestar atenção.

-- Ops, desculpe moç-...

Poderia ter dado continuidade em sua frase de desculpas, todavia parou no momento em que visou Nayeon em sua frente, substituindo seu semblante simpático por um repleto de arrogância. Atrás do rapaz, outras três pessoas tomavam proximidade ao notar o que estava prestes a acontecer naquele setor.

-- Sua visão é tão péssima assim para não olhar por onde anda?! - a encarou dos pés a cabeça com a sobrancelha arqueada.

-- Suas ofensas servem para você também, Wang! - teve a mesma reação raivosa. - Pedir desculpas não vai fazer você sangrar, vai?!

Vai começar... - Pensei.

Quando os cito como os mais complicados do grupo, digo em todos os sentidos dessa palavra. Sempre eram os primeiros a darem início às brigas entre os dois grupos, poucas foram as vezes que realmente saíram no braço pois ninguém realmente tinha coragem para partir 'pra cima. Da última vez em que ocorreu-se confusões físicas, os protagonistas foram Sehun e Heechul que desceram o soco um no outro por conta de pneus estourados de nossas motos no estacionamento da praia, bastante desnecessário pois no final de tudo descobrimos que crianças traquinas foram as responsáveis por isso.

-- Você quem esbarrou nele, você que peça desculpas! - exigiu Hoseok metendo-se no início de uma discussão duradoura, pondo firmeza em sua voz e sustentando a mão no ombro de seu amigo. 

-- Que eu saiba, precisa-se de duas pessoas para causar um esbarramento, senhor puxa-saco! - pronunciou Namjoon colocando-se à frente de Im, como se estivesse preparando-se para partir para cima dos dois. - Ela não foi a única culpada por ter trombado nele!

-- Abaixa sua bolinha aí colega, não estamos falando com você! - falou Heechul tomando á frente também, agora estando cara a cara com o loiro e tentando manter a postura dura. - E mede suas palavras 'pra falar com ele, morô?!

-- Gente-...

-- Eu abaixo minha bola quando eu quiser, diferente de você que é controlado vinte e quatro horas pela namorada. - disse e em seguida trincou o maxilar fechando a cara.

-- O veneno chega a escorrer no canto de sua boca, não consegue segurar a inveja né meu filho? - se manifestou Tzuyu levando os óculos escuros para cima da cabeça.

-- Galera-...

-- Inveja dele? Nem emprego esse garoto tem, para que o Namjoon teria inveja de um sem futuro como o Heechul?! - falava entre gargalhadas sarcásticas altas. - Fecha a boquinha, o fedor de sardinha estragada machuca meu nariz!

-- Deve ser porque não anda tomando banho, Im! - Jackson falou depois de um tempo calado, defendendo a Chou e seus amigos.

Pois é, lá se iniciou uma confusão descontrolada e complicada de dar fim. Felizmente, ou não, dois dos funcionários dali chegou a tempo de evitar uma porradaria e expulsou todos nós do supermercado. Sinceramente, era praticamente impossível interromper um alvoroço com ambos os bandos participando. Eu, Namjoon e Nayeon terminamos comprando o refrigerante em uma venda do bairro, precisei suportar os xingamentos dos dois direcionados à Jackson e Heechul no caminho para casa, vez ou outra citavam os outros integrantes do bonde rival, mas o que de fato predominava eram os dois nomes citados.

Fala sério, o almoço esfriou de tanto perdermos tempo.

 

[...]

Após comermos a deliciosa macarronada com almondegas de minha mãe e assistirmos um filme juntos, encontrava-me na porta de casa acenando para meus amigos que aos poucos se distanciavam com destino à suas respectivas residências. Estiquei um pouco meu pescoço para checar se haviam virado a esquina e posteriormente peguei meu capacete no suporte ao lado da entrada.

-- Pai, estou saindo, quando a mãe chegar fala 'pra ela que volto à tempo do jantar! - alertei trincando a fechadura do capacete.

-- Espera! - me interrompeu antes que saísse, o mirei ainda parada ao lado da porta. - Pegue suas chaves, mais tarde vou sair com sua mãe para a casa de um amigo. Esquente a comida da geladeira se sentir fome.

-- Sim senhor, obrigada! - o agradeci e por fim fui para a garagem de casa.

Entrei para o cômodo e rapidamente retirei o lençol velho que cobria meu tão amado veículo, haviam muitas coisas e pessoas em minha vida que eram merecedoras de um enorme espaço em meu coração, mas minha moto sem sombra de dúvidas ocupava uma boa extensão. Raramente me apegava a bens materiais, contudo a Guzzi Califórnia 1400 tinha um significado à mais que uma simples moto. A ganhei de meu pai quando completei dezoito anos em uma festa do Snakes Club em comemoração ao meu aniversário.

Na época me mostrei uma filha totalmente rebelde e desobediente, chegava tarde da noite em casa e nem me achava na obrigação de dar satisfações aos meus responsáveis e as notas só iam de mal a pior no colégio, era uma adolescente de dezessete anos que pensava estar abalando no meio dos amigos sendo que agia de modo inaceitável e insuportável. Mas ao passar do tempo fui notando que precisaria amadurecer e criar vergonha na cara, notei isto devido ao afastamento de alguns colegas e amigos próximos à mim.

Ter uma moto era um de meus objetivos, por isso comecei a trabalhar duro no bar e trailer, na intenção de ajudar meus pais dentro de casa e arrecadar dinheiro para realizar a meta. Meu pai viu o quão próximos ficamos ao decorrer das semanas, ficara impressionado quando percebeu que estava ralando em meus dois empregos, daí veio sua ideia de dar-me minha tão sonhada moto na noite de meu aniversário como um laço de confiança que havia se estabelecido entre nós dois.

" Esse presente é só um sinal que estou orgulhoso da pessoa que está se tornando, papai te ama e fica feliz em te ver crescendo! "

Chorei feito uma criancinha nesse dia, meu pai expunha seus sentimentos formalmente, sem muita melosidade. Mas nesse dia ele se superou cem por cento.

Estacionei meu veículo em frente a pequena loja de roupas e acessórios, podendo ter a visão de uma atendente lixando suas unhas no balcão e com o telefone sendo sustentado por seu ombro, conversava com alguém enquanto brincava na cadeira giratória e sustentava os pés em cima do balcão.

-- Não amor, a promoção acabou desde semana passada! - informava sem ainda perceber minha presença por ali. - É, a próxima acontecerá só daqui um mês, aviso sim pode deixar beijão!

Ao por o telefone fixo de volta no lugar, visou que me situava a observando com um sorriso labial no rosto. Imediatamente deu um pulo de sua cadeira e me pegou de jeito em um abraço apertado de tirar o fôlego. Fazia certo tempo que eu e Mina não nos víamos, por morarmos uma distante da outra nossos momentos juntas eram difíceis de acontecer, até porque vivia fora de sua casa rondando meio mundo. 

-- Em que buraco você esteve, garota?! 

-- Estive resolvendo assuntos de trabalho, sabe como é, dois empregos e tal! - deixei o capacete sobre o imóvel e rolei meus olhos pelo lugar, notando novas peças de vestimentas em alguns cabides. 

-- Na verdade não, tenho só um então vivo relaxada! - ri nasalado ouvindo o tom divertido da menina. - E então, o que te trás aqui desta vez? A coleção de bandanas acabou a dois dias atrás se é isto que procura.

-- Bem, quero comprar novas peças de roupa para uma ocasião especial e porque eu realmente estou precisando de inovar meu guarda-roupa sabe? - posicionei a mão na nuca, seria praticamente impossível guardar o segredo de Mina, pois ela era minha caixinha de segredos além de Jihyo em alguns momentos. 

-- Ocasião especial é? - arqueou a sobrancelha sorrindo maliciosamente para mim, já sacando o que quis dizer. - Tudo bem, vem comigo. Chegaram algumas peças ontem, acho que vai gostar.

O estabelecimento não era tão grande e nem tão pequeno, tinha espaço o suficiente para ser aconchegante para os clientes da região. Mina tinha cinco anos a mais do que eu, veio de Osaka a procura de emprego e para sua felicidade conseguiu trabalhar em um hotel como recepcionista, juntava suas economias para dar início ao sonho de ser uma empreendedora e abrir a loja Myoui Pop Shop, para sua alegria e orgulho pôde realizar seu sonho com bastante serviço árduo. 

Nos conhecemos por acaso em uma tarde no meu trailer, ela pediu para que eu a desse um dos bolos de pote feitos por minha mãe, daí disse curtir a forma que eu atendia as pessoas e começamos a conversar. Desde aquele dia em diante a japonesa comprava os bolos e fazia-me companhia. A Myoui era tranquila e vivia buscando por experiências novas, prezava pela paz e tentava aliviar seus problemas com uma boa garrafa de Soju nas noites de terça ao som de Reflection, adorava músicas Indie. 

-- Diz aí, quem é a abençoada que teve a honra de ser chamada para sair contigo? - perguntou do lado de fora da cabine, segurava as outras peças de roupa enquanto eu experimentava uma por uma.

-- Você conhece todo mundo, deve conhecer... - visei o short jeans em mim através do espelho, seguidamente o retirei por não achar ser do meu estilo. - Sabe quem é Hirai Momo?

-- A namoradinha do Heechul? Ah sim, aquela garota é uma brasa, uma pena que é compromissada. - disse antes de estender uma saia rodada curta de cor pastel. - Por que? Não me diga que vocês fizeram as pazes e agora está saindo com ela, traição é um vacilo ridículo S/n!

-- Fica fria, não é com ela que vou sair... - escutei um " ata, menos mal " do lado de fora. - É com a irmã dela.

Nada disse, estranhei o silêncio repentino da parte de Mina e fui conferir se havia saído, quando de uma vez ela pôs a cabeça para dentro do provador causando um espanto em mim.

-- 'Tá de brincadeira?! 

-- Quer me matar? - respirei fundo tomando o ar que escapou de meus pulmões por conta do susto. - E não, eu a convidei para sair hoje!

-- Isso é bem mais clichê do que eu pensei. - adentrou o vestuário, ajustando a saia rodada em mim. - Acho que já vi este filme antes!

-- Do que está falando? - dei uma rodadinha, curtindo o resultado da roupa em meu corpo, a compraria mas não para este encontro. 

-- Dois grupos que não se dão bem, duas pessoas acabam por se apaixonar e vivem esse romance perigosamente por medo da briga entre as duas famílias... - dramatizava com a mão em sua testa, logo depois olhou-me. - Nunca assistiu Romeu e Julieta?

-- Se chegar ao ponto de morrermos no final, daí eu posso concordar com você. - brinquei trocando de trajes, desta vez achando o ideal para esta saída. - Amei, vou levar as três! - me aludi às roupas. - Nos conhecemos ontem, achei ela uma gracinha sabe? Um pouco mal agradecida, mas continua sendo um poço de beleza. Quase me derreti quando segurei ela nos braços e olhei aqueles olhos redondinhos, a família de Momo tem uma genética incrível!

-- Como assim segurou ela nos braços? - esbugalhou os lumes, ressaltando o fato contado. - Olha, você é bem aceleradinha, e nem estou falando de quando pilota!

-- Não é nada do que está achando. - neguei seus pensamentos. - Ela estava concentrada nos treinamentos em cima da prancha e acabou se assustando quando eu cheguei de repente, daí escorregou e eu segurei ela. Apenas isto e nada mais!

-- Minha nossa, Shakspear deve estar se revirando de inveja no túmulo por conta desse clichê. Será que tem câmeras filmando agora? - fingiu procurar pelos aparelhos ao seu redor, tirando risadas de mim.

-- Você é hilária, Myoui! - baguncei seus fios de cabelo, para depois vestir minhas roupas de antes e pegar as que compraria.

-- Certo, mas vocês nem mesmo travaram no soco antes dela aceitar? - franzi o cenho mirando-a. - O que foi? Até dias atrás você nem se atrevia a chegar perto de uma surfista 'pra evitar briga. Além de que se conheceram ontem e vão sair amanhã, me preocupo com as brigas que você e Momo podem arranjar caso ela descubra!

-- Ela é diferente da irmã, pelo pouco que conheci dela pude ver que tem outros conceitos em relação aos motoqueiros. Além de ter um jeito solto e aberto de ser, não sei, me interessei por ela. 

-- Hum, só toma cuidado para Jihyo não ficar sabendo tão cedo e por terceiros, sabe que ela falta espumar de tanta raiva que sente de Momo! - alertou-me, agora fora do vestuário.

-- Pode deixar, sei guardar segredos muito bem! - deixei as compras em cima do balcão. - Vou pagar a vista.

 

[...]

O anoitecer chegara e estava sozinha em casa, deitada em minha cama comendo salgadinhos como janta por preguiça de esquentar a comida da geladeira. Mexia em minhas redes sociais, vendo as novidades pelo mundo e não me chocando com muito, passava a maior parte do tempo vendo memes e postagens expondo os outros para aliviar o tédio. 

Foi inesperado quando uma de minhas notificações fora de uma mensagem com número desconhecido, cliquei nesta e fui direto no perfil para checar quem seria. Visando o rostinho de características fofas na foto, soltei um mini gritinho de alegria e rapidamente voltei para o chat.

Loirinha da praia: oi, vc vende bolo?

oi, p vc eu dou a confeitaria toda de graça : You

Loirinha da praia: sua cantada foi ruim, volte duas casas

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKpoxa gata :You

e aí, como vc tá? : You

Loirinha da praia: KKKKKKKKKKKKKKKK ai mds

Loirinha da praia: muito que bem, e vc anjo?

Loirinha da praia: Momo elogiou seu trabalho e nem sabe q foi vc q concertou a kombi kfndjfsknfjkl

tô derrotada aq, nem nas férias eu tenho sossego inferno :You

mas tô bem, comendo feito uma porca :You

cvbnndsjkalmk falei q ela é minha fã e se reprime :You

se ela saber q foi eu vai de quebrar a kombi :You

Loirinha da praia: kdsmakdflsfkmlsffk mds sim

Loirinha da praia: ela reprime a admiração delah

Loirinha da praia: entt, vai dar certo amanhã mesmo?

vai sim, vc vai adorar o lugar, é bem sua cara :You

Loirinha da praia: falando assim até parece q a gente se conhece a anosKKKKKKKK

Loirinha da praia: não vou mentir, qro sair cntg logo

nossakkkk pensei q era a única a ficar ansiosa p encontro :You

Loirinha da praia: sei lá, vc me pareceu ser direta

Loirinha da praia: gente q enrola me irrita

compreensível, então se eu te beijar invés de dar oi amanhã vou ganhar pontos cntg? :You

Loirinha da praia: astuta vc simmons, muito astuta

Loirinha da praia: quem sabe eu não te beije primeirokkkkkkkk

descomplicada vc, vamo se beija :You

Loirinha da praia: mkdsfmdsflsfk aiai

Loirinha da praia: fazendo oq de legal aí?

tava vagando na inernet sem rumo, e vc? :You

Loirinha da praia: to jantando 

[foto da comida]

gosta de comida apimentada tbm? :You

 

Loirinha da praia: adoro

Loirinha da praia: ainda mais se for molho

Loirinha da praia: aí q eu encho o prato msm

gosto de comer kimchi as vezes, mas não sou tão chegada assim em comida apimentada :You

eu ia levar uma rosa p vc amanhã :You

mudei de ideia e vou levar um pote de pimenta fds :You

[foto do recipiente de pimentas]

Loirinha da praia: casa cmg?

Loirinha da praia: ei

Loirinha da praia: vc assiste alguma série?

Loirinha da praia: to na quinta temporada de gray's anatomy, é muito boa

 

to assistindo anne with e, amo demais mds :You

sou formada em dez temporada de gray's anatomy filha, respeita :You

Ficamos até a madrugada trocando mensagens, só por Sana me responder na hora eu já sentia mini explosões no estômago. Ela sabia desenrolar conversas de onde nem tinham, seguíamos o embalo uma da outra nos assuntos e descobrimos ter bastante em comum em relação à uma diversidade de coisas.

É, passei a noite inteira ansiosa pelo dia seguinte.


Notas Finais


s/n e sana virando a noite no bate-papo, quem amou?????

Fico agradecido por ter lido até aqui, se gostou da história favorite, deixe sua opinião nos comentários e compartilhe para os outros!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...