1. Spirit Fanfics >
  2. Entre o céu e o inferno >
  3. Gostosuras e travessuras

História Entre o céu e o inferno - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Gostosuras e travessuras


 Quando a época das eleições para prefeito chegaram, o pai de May fez campanha para um dos candidatos. Sua motivação: A promessa de um trabalho assalariado, com pagamento de um salário mínimo. 

 Em todas as eleições, as promessas eram sempre as mesmas: A construção de uma fábrica na cidade, que geraria emprego para os ciddadões, cargos na prefeitura ou , em alguns casos, ajuda em dinheiro para reformas das casas e etc. O povo, que sempre dizia que odiava ladrões e corruptos, eram os primeiros a ir em comícios  e a vender os votos mesmo sabendo que não passavam de promessas furadas.

 No ano de 2011, a situação ainda era mesma. Compras de votos, candidatos a prefeito que indicavam vereadores que tinham "o rabo preso com eles", e o resultado era sempre definido por popularidade; Não importa se a pessoa era competente ou não, importava se ela era popular e o quanto ela desembolsava.

 Passadas as eleições, e um ano após o início do mandato, Eduardo foi contratado para ser um dos vigias noturnos das praças recém-reformadas pelo atual prefeito. A equipe formada era de 3 homens, um para cada praça. O pai de May, ficou responsável pela praça em frente a uns dos colegios, recebendo uma cópia da chave do mesmo,para o caso de alguma emergencia. 

 Todos os dias, May e seu irmão levavam o jantar de seu pai e , aproveitando que ele jantava dentro do colégio, iam até as salas onde haviam livros de todos os generos. Depois que Eduardo saía, os dois irmãos ficavam até altas horas da noite mergulhados nas várias estórias. 

 O irmão de May, mais velho e malicioso teve então uma ideia genial:

- Quando pai sair, vamos pedir para que ele deixe as chaves, para que a gente possa ficar aqui dentro lendo. Depois, vamos testar para ver quais portas essas chaves abrem!

 E assim fizeram. Com as chaves nas mãos, os dois irmãos foram primeiro a sala da diretoria.

-Deve ter algo de legal aqui. Um computador, revistas adultas ou coisas do tipo-  Disse o irmão da garota. Entretanto, não acharam nada além de canetas, lápis, giz e o cheiro de mofo da saleta sem janelas. 

 Foram então testando as portas das salas trancadas. Ali encontraram folhas de sufite, hidrocores,apontadores e giz de cera, e começaram a desenhar todos os dias com aquele material. May, depois de desparafusar uma gilete de um apontador, usava a mesma para dissipar a raiva dos moradores daquele lugar. A praça, infestada de grilos, era para a garota um campo de guerra. Com a gilete, ela capturava os grilos e depois os decaptava, sempre dando o nome de alguém que ela odiava. Os pobres insetos, sem poder revidar, apenas tentavam escapar pulando, mas eram pegos e pagavam por um crime que não tinham cometido. Os dois irmãos também começaram a levar alguns livros para ler em casa, com a permissão do pai, até que Marcela colocou fim a prática:

-Os livros não são seus. Deixem lá onde voces acharam, antes que eu faça voces comerem página por página!!!

 Mas a porta mais importante foi testada por útimo: A porta da cozinha!

 A cozinha nada mais era que um local gradeado, com um pequeno portão trancado a cadeado, um fogão, uma geladeira e um armario de prateleiras de metal. ficava exatamente de frente ao portão de entrada do colégio, o que forçava os irmãos a dividirem as tarefas: Um ficava de vigia enquanto o outro tentava abrir o cadeado. Missão realizada com sucesso. Aberto o portão, os dois irmãos gatunos invadiram a cozinha procurando qualquer coisa gostosa para comer. 

 Estavam cansados de comer todo dia arroz, feijão e carne frita, de ter que juntar durante duas semanas o dinheiro que ganhavam com o trabalho na roça para dividir um pacote de biscoito recheado, já que seu pai não cumpriu a promessa da divisão de lucros e todo o dinheiro que ganhava, sendo no trabalho na roça com ajuda dos filhos ou com o trabalho pela prefeitura, era investido em peças e manutenção do carro, sobrando apenas o básico para alimentação.

 Encontraram na cozinha: leite condesado em caixa, que eles furavam e tomavam em 5 minutos , pacote de pirulito, que eles roubavam fazendo um pequeno furo no pacote e puxando o pirulito com todo o cuidado para que o pacote não se abrisse por inteiro, ficando assim difícil que percebessem o furto. O carro-chefe foi encontrado na geladeira. Alguma das funcionárias do colégio talvez os fizesse para vender ou simplesmente enfrentar o calor infernal do nordeste, mas com certeza não contava que dois gatunos encontrariam seu gelinhos. Não eram desses industrializados encontrados em uma padaria, mas sim gelinhos feitos com suco natural de frutas com água ou lleite e açucar. 

 Os dois irmão, achando esse "tesouro", repetiam o ritual todo os dias. Entregavam a janta do pai, esperavam ele comer enquanto fingiam ler livros, e quando o Eduardo saía para continuar seu trabalho, os dois irmãos atacavam o pacote de pirulitos e os gelinhos. Nesses últimos, era sempre escolhido os sabores que fossem mais numerosos na geladeira. Esse ritual errado durou alguns meses, até seu pai ser trocado para uma função de gari! May nunca soube ao certo se essa mudança se deu por conta do verão que secou a grama das praças ou por conta de seus pequenos delitos!!!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...