1. Spirit Fanfics >
  2. "Entre primos " >
  3. Capítulo 11

História "Entre primos " - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - Capítulo 11


Ana : e ainda quero, eu imagino o rostinho sabe será que ela vai ser pretinha como eu , ou branquinha como você?.

Eduardo : não sei, mas sei que ela vai ser nossa .

Ele beijou ela.

Ela passou a mão por debaixo , da blusa dele.

Ana : Eduardo.

Ela o olhou com carinha de tesão.

Eduardo : não quero machucar o nosso bebê.

Fez carrinhos.

Ana : o médico disse que não tem problema nenhum.

Eduardo : sério?.

Ana : sério amor.

Ele soltou o cabelo dela e riu.

Ana : quando eu ficar gorda e com barriga de melancia você não vai querer mas eu.

Eduardo : vou te querer muito mas.

Ana sorriu.

Ela o olhou , e o beijou.

Ficaram se beijando e ela abriu o feche clap calsa dele.

Durante os beijos.

Ele foi deitando ela durante os beijos.

Ficaram se beijando e se olhando trocando carinhos.

Eles levaram um susto com batidas na porta.

Começou a ter gritos e logo ele soube que era Ryan.

Ana : é o meu pai.

Eduardo : fica aqui não vai para fora.

Ana : amor por favor não vai.

Eduardo : só vou ver oque ele quer.

Ana : não amor.

Eduardo : calma , é rapidinho.

Ele ageitou a calsa e a blusa.

Ela pos um vestido por cima da roupa e ficou vendo pela janela.

Eduardo : oque você quer?.

Ryan : eu só vim dizer a vocês que não vai ficar assim, vocês vão me pagar por ter me feito de trouxa.

Eduardo : nada disso seria preciso se você aceitace nosso namoro.

Ryan : eu vou acabar com você.

Ele pegou uma arma e tentou disparar, o tiro não saiu da arma.

Ana foi para fora.

Ryan mirou para ela.

E Eduardo aproveitando a distração dele pegou a arma dele.

Ana : vai embora pai, eu chamei a polícia.

Ryan foi embora.

Eduardo , pegou a arma e levou para dentro de casa.

Ana entrou e trancou a porta.

Ela ficou em estado de shok.

Eduardo : amor, olha para mim, já tá tudo bem.

Ele a beijou.

Ana : ele ia matar você, eu não posso permitir isso.

Eduardo : você não está pensando em voltar né.

Ana : eu não posso perder você.

Eduardo : se você for vai tar me matando.

Ana : tô com medo.

Ele a beijou.

Eduardo : vou te dar um pouco de paz .

Eles se beijaram.

Ele a pegou no colo e levou ela para cama.

Pos devagar.

E tirou a blusa dele.

Tirou a calsa e a cueca, tirou .

Ana tirou o vestido.

Ele abriu o sutiã na frente.

Apertou os peitos dela e os mamo-us .

Ana : aí amor.

Ele sorriu.

Ela deitou.

Ele tirou a calsinha.

E a mamou de todos os jeitos.

Ana : vem amor.

Ele subiu.

A penetrou.

Ela já virava o olhinho .

Ele ficou a beijando e se tocando, e tacando.

Eles passaram a noite toda assim.

De manhãzinha , ele saiu para comprar Couve , beterraba , fígado , coisas para anemia dela.

Ele tinha deixado a casa trancada.

Ele chegou a mãe dele estava chamando por Ana.

Ele abriu a porta.

Eduardo : ela tá dormindo, e pela hora que foi dormir não vai acorda tão cedo.

Eles entraram.

Amália : por que você está assim?.

Eduardo : nada, só não gosto que falem merda pra minha mulher , você mãe tem que ter noção das coisas que você fala , ela tá muito sensível, já pensou você fala umas merdas daqui você falou e ela perde o meu filho.

Amália : só quis falar oque os outros vão falar.

Eduardo : para julgar e destruir nossa felicidade já temos muitos.

Amália : me desculpa , filho.

Eduardo : tabom , só cuidado com oque você vai falar com ela.

Amália : você sabe como eu sou nunca iria querer o mal dela, só falei sem pensar.

Eduardo : não pensa, por que já temos problemas demais para arrumarem mas problemas para gente.

Amália : do que você está falando?.

Eduardo : o pai dela veio aqui ontem e queria matar agente, e isso por que ele nem pensa que agente engravidou.

Amália : nossa, vocês têm que tomar cuidado.

Eduardo : tô com medo de deixar ela sozinha, ela não pode ficar se estressando e não sei oque fazer.

Amália : eu posso morar aqui , até o bebê nascer, seu pai só vai voltar mesmo daqui a 8 meses, quando o bebê nascer, se acontecer de ele vir aqui eu te ligo e tento mante-la calma.

Eduardo : não temos lugar .

Amália : posso ficar no quarto do bebê.

Eduardo : vou me sentir muito mas tranquilo assim.

Amália : então eu vou lá pegar umas coisas.

Eduardo : temos colchão aqui.

Amália : ata, mas tenho que arrumar minhas coisas lá,mas tarde eu venho.

Eduardo : brigado mãe.

Amália : não se preocupa que nosso bebê vai nascer bem.

Eduardo : brigada.

Ela foi embora.

Eduardo fez um suco verde e levou para ela biscoito de água e sal.

Ele acordou ela com um beijo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...