1. Spirit Fanfics >
  2. Entre reinos, lobos e cobras >
  3. Ressaca

História Entre reinos, lobos e cobras - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Nesse capítulo contém relatos de abuso sexual. Recomendo que pessoas frágeis não leiam, por isso é um capítulo curto.

Capítulo 3 - Ressaca


-Como foi? -Eloise perguntou a Jane sobre a sua conversa com o príncipe.

-Acho que foi tudo bem. - a princesa suspirou enquanto vestia um vestido florido na frente do espelho- Aonde está Judith enquanto precisamos dela?

-Ela não saiu do seu quarto. - Eloise fala enquanto amarrava o corpete na princesa - Depois que você saiu ontem a noite, o príncipe foi direto para o quarto dele e se trancou sozinho e Judith se viu cercada por duques e marqueses.

-Estranho... Irei ao quarto dela quando acabarmos.

Após ambas se vestirem a estarem completamente apresentáveis para o passeio a tarde no jardim com a família real, elas seguiram para o quarto de Judith mas a porta estava trancada.

-Judith, abra a porta, por favor. -Jane pediu algumas vezes até que começou a se preocupar por não obter respostas. - Eu sou sua princesa, futura rainha e prima mais velha, eu ordeno que abra a porta ou irei chamar um guarda para arrombá-la. 

Judith destrancou a porta e a visão que Eloise e Jane tiveram foi traumatizante: Judith estava pálida, vestia uma camisola branca ensopada de sangue na altura da região da virilha. Eloise e Jane entraram o mais rápido que puderam e fecharam a porta.

-Prima, o que houve? -Judith abraçou Jane pela primeira vez em anos e começou a chorar. - Quem fez isso com você?

Judith se afastou deixando os hematomas de seus braços a vista.

-Isso é imperdoável. -Eloise sussurrou mais pra si mesma do que para alguém no quarto.

-Eloise me contou que, após a minha saída, o príncipe também subiu. Deduzo que foi algum homem, duque ou marquês. Bom, mesmo esse ser tendo nome, não pode ser considerado humano. Quer desabafar? - as três sentaram na cama.

-A maioria dos senhores apenas me cortejou, eu fiquei até tudo acabar então quase ninguém o viu me seguindo até aqui. Nem eu mesma vi. - Judith começou a chorar.

-Ei, não é sua culpa. - Jane pega na mão de sua prima - Pode me contar quem foi, se você não quiser tudo bem. Mas se me permitir, eu irei fazer esse monstro sofrer.

-Jane, não existe punição para esses homens. Ele não me matou, ele apenas tirou a minha virgindade, o máximo que farão será nos casarmos e eu não quero isso.

Jane assentiu e começou a andar pelo quarto.

-Conde de Dumbarton. Nem sei o nome dele. - Judith soluçou pela última vez para que os olhos de vingança aparecessem - Ele será Duque em breve, se você puder puni-lo ou fazer qualquer coisa. Juro, nunca mais iria te perturbar.

-Você não precisa prometer nada. Eu faria com qualquer mulher, porque sou uma também. Eloise, cuide dela pelo resto do dia enquanto irei resolver algumas coisas. - Jane saiu do quarto enquanto Judith deitava na cama com sua cabeça no colo de Eloise que a tranquilava.

"Ninguém faz isso com uma mulher, com uma pessoa e muito menos com uma minha" - pensou Jane que seguiu para o térreo, aonde encontrou vários nobres na sala de jogos, incluindo seu noivo e futuro cunhado.

-Já está com saudades? - Eliote parou a sua partida de xadrez para sorrir para a dama, mas reparou em sua feição. - O que houve? - Ele levantou e perguntou em seu ouvido.

-Quem é o Conde de Dumbarton? - Jane perguntou impaciente, fez até que August se aproximasse para escutá-la.

-Vamos conversar a sós - falou Eliot e os três foram para uma sala ao lado.

-O que houve? - August perguntou assim que fechou completamente a porta.

-Judith foi estuprada e agredida por esse conde. - Jane sentou numa poltrona no canto da sala escura.

-Mas como sabe que ela foi estuprada? -Perguntou seu noivo.

-Porque ela era virgem! - a princesa deixou a sua voz subir o bastante para a levarem a sério. - Ela não me contou detalhadamente, mas só vendo pra saber a gravidade.

-Então vamos vê-la - sugeriu o príncipe. Jane ficou furiosa, se levantou e foi rapidamente até o seu noivo:

-Nunca duvide de uma coisa dessas, você não sabe o quanto deve ter sido difícil para ela se abrir para mim? 

-Minha querida, - o príncipe pegou em sua mão-  eu sou amigo dela e, para ser imparcial, eu preciso ver as provas. - Dito isso, os três foram até o quarto de Judith.

- Não ouse duvidar na frente dela. - avisou Jane, antes de abrir a porta. Por sorte, Judith ainda estava do mesmo jeito o que fez com que os príncipes tivessem um pequeno estado de choque. - Que bom que está se distraindo. - disse Jane ao ver a prima lendo um livro, mas assim que Judith viu os homens, ela quis se esconder.

- Judith, nós precisamos ouvir de você tudo. - disse August carinhosamente.

Judith suspirou e começou o seu relato:

-Ontem, após Eliot sair do jardim, eu fui cortejada por vários homens e um deles foi esse conde, mas eu não dei muita importância porque é normal pra mim. Mas, após eu me despedir, eu vim para o meu quarto, mas na porta ele me abordou. Ele me obrigou a entrar, tampou a minha boca  com um pano, enquanto ele fazia e me batia.

Eloise colocou as mãos na boca para abafar o seu horror.

-Judith, eu sei que é uma dama de respeito, mas poderia mostrar aonde ele te bateu?- perguntou Eliot.

Ela mostrou os braços e as pernas, ambos roxos. 

-Também tem em minhas costas e nádegas. - a voz dela tremeu.

-Não precisa, minha querida. - disse firmemente Jane. - O que vimos foi o bastante.

-Tomaremos as devidas providências. Nos acompanhe, querida noiva. - os três voltaram para a sala escura. - Nós não podemos fazer nada. - disse Eliot se jogando na cadeira central.

-Como? - Jane o olhou intrigada.

-O pai dele é dono da metade das terras do reino. - ele colocou as mãos no rosto.

-Ainda bem que o pai dele é dono da metade das terras do seu reino. O casamento ainda não ocorreu, ainda sou a representante legal pelo meu reino. - Jane foi em direção a sala de jogos e August a seguia calado. - Quem é o Conde de Dumbarton? - ela perguntou em voz audível por todos da sala e um homem se levantou.

-Majestade,- ele fez uma pequena reverência- o que posso fazer por você?

Jane abriu a sua boca para responder, mas uma voz mais grave saiu:

-Conde de Dumbarton, o senhor foi convocado para uma reunião extraordinária com o príncipe regente, a princesa regente, a rainha, o rei, a princesa prima da rainha e o príncipe caçula. - comunicou Eliot, por trás dele August estava com um sorriso largo no rosto, sentia-se orgulhoso de seu irmão. 

-Qual o motivo, Majestade? - balbuciou o conde.

-Esteja em meia hora no salão central.

Meia hora depois, todos estavam no salão, Judith tinha se arrumado, mas levara uma caixa aonde trazia a sua camisola ensanguentada.

-Eu os chamei aqui para esclarecermos um assunto - disse Eliot sentado no trono e, de pé, a sua noiva. Ele estendeu a mão para Judith entregar-lhe a caixa. -Nós sabemos como a primeira vez de uma dama deve ser guardada e respeitada, mas não foi isso que aconteceu - ele tirou a camisola para todos verem e o rei e a rainha ficaram chocados.

-Queira-me desculpar, mas ainda não sei o motivo para eu estar aqui. - o conde falou petulantemente.

-Princesa. - disse Eliot olhando para sua noiva.

-Ontem o senhor violou uma dama que, por sua infelicidade, tem o meu sangue. Mesmo se não tivesse alguma ligação com ela, é a minha obrigação como mulher e como futura rainha exigir justiça.

-Eu não falo sem a presença do meu pai - retrucou o conde.

-Você precisou da presença do seu pai para fazer o que fez? - indagou Jane e todos ficaram quietos.

-Eu sugiro - o rei começou calmamente - que o senhor se retire da corte por um tempo para que não afete os negócios de seu pai e acalme os nervos aqui. - o rei pousou a sua mão no ombro do Conde e todos se entreolharam. - Agora, saia. - e assim o fez, deixando apenas a família real no salão.

-Rei? - perguntou Jane - O senhor não tinha o direito de intervir, a vítima foi alguém do meu reino, então as nossas regras devem ser seguidas.

-Não, - retrucou o rei- o acontecido foi no meu reino, portanto eu decido o que acontece.

Jane engoliu em seco:

-O senhor prometeu que estaríamos seguras aqui.

-Vocês estão, eu não posso controlar o que acontece debaixo das calças de um homem.

-Basta! - August se manifestou pela primeira vez- Esse homem já tinha feito isso e nada foi feito por ninguém.

-Esse homem será dono da metade do reino em breve, seu pai está moribundo. - o rei elevou a voz.

Jane desceu donde estava para ficar no mesmo piso que o rei e olhá-lo nos olhos.

-Fique sabendo que isso acabará em breve, durante o meu reinado nenhum homem assim irá sair impune.

- Mulheres não comandam esse reino - o rei debochou.

-O senhor verá, Majestade. - ela fez uma reverência e saiu com Judith e Eloise.

-Princesa, aqui os negócios são diferentes. -disse Eloise.

-Então, eles que se arrependam da união porque eu continuo a mesma.

Na hora de dormir, alguém bateu na porta de Jane que já vestia a sua camisola. 

-Majestade. - Eloise fez uma reverência e saiu pela porta e a fechou.

Jane olhou para Eliot que estava com a mesma roupa ainda.

- O que queres? - disse Jane escovando o cabelo na frente do espelho dando as costas para o noivo.

-Quero me desculpar pelo o ocorrido e lhe fazer uma promessa. - ele se aproximou para ajudá-la a tirar o colar que emperrou, foi quando ela se virou e percebeu o quanto ele era alto: a cabeça dela bata no peito dele.

-Não acredito em promessas feitas por homens. Pode parecer ignorância, mas eu aprendi com o meu pai e os negócios dele.

Eliot riu e tampou a boca com as costas da mão.

-Eu percebo que, como princesa, o seu pai sempre te deixou atualizada dos negócios do reino

-Certamente, porque sabia que eu teria que saber algum dia. - ela o olhou diretamente em seus olhos gélidos,mas parecia aconchegantes.

-Então, comigo no poder eu prefiro que a minha esposa me ajude; porque creio que o casamento abrange isso também.

-Concordo. - ela assentiu. - Era só isso?

- Também queria lhe parabenizar pela sua atitude hoje durante o dia inteiro, desde me acordar até enfrentar o meu pai. Fico feliz em saber que a minha união será com alguém assim. - ele sorriu e ela contribuiu também.

-Eu também lhe subestimei, convocar aquela reunião foi um ato de coragem.

-Bom, acho que é isso. - disse ele andando até a porta.

-Boa noite, Eliot. 

-Boa noite, Jane. - ele saiu do quarto e a princesa foi dormir pensando que daqui menos de um mês eles não iriam para quartos separados.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...