1. Spirit Fanfics >
  2. Entre Seus Lençóis (Jeon Jungkook - BTS) >
  3. Despedida.

História Entre Seus Lençóis (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 22


Escrita por: e AudreyElks


Notas do Autor


Helloooooo

GENTE, mil perdões pela demora. Aconteceu tanta coisa que eu acabei me perdendo e atrasando. Também fiquei com medo de soltar esse capítulo, pois como sabe vai ter hot e tive medo de assim que soltasse a história fosse excluída ou eu fosse banida. Tô arriscando aqui. Espero que nada aconteça.

Enfim, vou tentar trazer o próximo capítulo o mais rápido possível.

BOA LEITURA;

Capítulo 22 - Despedida.


Fanfic / Fanfiction Entre Seus Lençóis (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 22 - Despedida.

Jeon Jungkook P.O.V


Isabella é a minha perdição.

Agora, mais do que nunca, não tenho a sombra de dúvidas disso. Ela é a minha perdição e que me levará a ruínas.

As curvas do seu corpo são como labirintos, cada vez que adentro me perco nas armadilhas e logo sou expulso pelo mesmo, deixando a porta de entrada invisível e fora de alcance e seus lábios são como uma mistura de morango com chocolate, deliciosos e doces. Temo em tornar-me dependente de tudo que seu copo me oferece, mas não posso.

Deixei de olhar seus olhos desejosos e seu corpo deitado sobre cama, aparentemente cansado, que imploravam por um toque meu, e olhei para o armário em minha frente iluminado por uma fraca luz vermelha, onde inúmeros objetos sexuais o preenchiam.

Eram tantos que de início fiquei surpreso, apesar de já tê-los vistos mais cedo e ter ficado da mesma forma como me encontro agora: excitado.

Quais tipos de fetiches Isabella tem?

Serei capaz de realizá-los?

A olhei de soslaio e a vi se ajeitar na cama, descansando as costas na cabeceira da cama, e logo me veio à cabeça quais objetos usaria nela esta noite.

Rapidamente peguei uma venda, algemas, o separador de pernas, o chicote e a bolinha de pompoar e em seguida os destribuí na beira da cama.

Olhei para Isabella e vi seus olhos se arregalarem, deixando nítido o quão nervosa e surpresa estava. Ela engatinhou até mim e sentou-se sobre as pernas, parando em frente aos objetos escolhidos o satisfazê-la naquela noite.

— Para... Para quê tudo isso, Jungkook? — Deixou de olhar os objetos e me encarou. Por um instante a vi querer recuar e sua voz tremer. Sorri ladino e dei a volta na cama. Isabella me olhou a todo instante e quando parei ela virou-se para mim. Subi na cama e segurei sua cintura, grudando seu corpo ao meu.

Beijei seu ombro, pescoço, bochecha, orelha e seus lábios. Ela retribuiu de imediato, como se já esperasse por isso. A afastei e a encarei, esperando que ela abrisse os olhos e me olhasse de volta e, assim que fez, eu sorri.

— Você sabe para que serve cada um desses brinquedos, Isa, não precisa que eu diga o que irei fazer com eles em você. — Sussurrei e ela esboçou um sorriso, selei seus lábios mais uma vez, antes de me afastar novamente. — Agora, fique de costas para mim. — A vi arquear a sobrancelha e lançar um olhar que não iria me obedecer. Sorri novamente e cocei a nuca, já perdendo a paciência com a sua rebeldia. — Faça o que peço, não deixe que eu a dome por mal. — Isabella sorriu em afronta e isso foi o suficiente para me irritar, de um jeito bom. O suficiente para soltar meu outro lado, o qual ela não conhecia até então: o dominador, o que sempre consegue o que quer.

— Eu não vou te obedecer Jungkook, eu quem domino aqui. Os brinquedos são meus, para eu brincar. — Sorri com o canto dos lábios e assenti, porém também não iria ceder tão fácil.

— Tudo bem. — Disse baixo e a olhei, vendo-a arquear a sobrancelha e logo sorrir.

— Venha. — Ela disse em um tom sensual e arrastado, fazendo-me senti uma fisgada lá embaixo. Sorri e me aproximei. Ela segurou minhas mãos e as fez envolver sua cintura e logo em seguida, com as suas, envolveu meu pescoço e me beijou, um beijo lento e torturante. Apertei sua cintura e a puxei ainda mais para mim, sentindo-a sorrir entre o beijo. Desci minhas mãos para suas coxas e as as apertei, logo puxando-as e envolvendo-as em meu quadril. Subi na cama e a deitei sobre um travesseiro. Isabella moveu-se tentando mais contando com meu íntimo e tremi ao ela conseguir, sentindo-o tão duro que pulsava e doía.

— Me fode de uma vez Jungkook, não vamos enrolar com jogos. — Assenti e me encaixei em suas pernas. Segurei meu pau na base e passei a cabeça em seu clitóris, sentido sua intimidade já bastante úmida. Isa gemeu em puro deleite com o contato e porra, como eu quero fodê-la de uma vez.

Comecei a dar investidas, mas nada muito profundo, apenas a cabeça que entrava e saía tão lentamente que parecia ser tão torturante para mim como estava sendo para ela.

Saí de uma vez de dentro dela e peguei a algema atrás de mim. Vi os olhos de Isabella sobre mim e sorri. Prendi seu corpo ao meu, imobilizado-a com minhas pernas, que não permitia que as mesmas fechassem ou ela de mexesse e segurei suas duas mãos e a movi para cima da cabeça, prendendo-a na cabeceira.

— Jungkook! — Ela gritou e gargalhei divertido ao mesmo instante em que saí de cima dela.

— Deveria ter me ouvido Isa, agora que os jogos comecem.

***


Isabella Mattos P.O.V


Sujo, é isso que Jungkook é. Mas ao mesmo tempo é minha passagem grátis, e somente de ida, para um mundo repleto de prazer e luxúria, as únicas coisas que suplico desde a nossa última transa.

— Isso não vale, Jungkook, isso é jogo sujo. — Berrei, ao mesmo tempo que me remexia na cama e tentava inutilmente me soltar.

— Não se mexa tanto, Isa, não quero que se machuque. Não quero vê-la machucada, quero dar-lhe prazer. — Ele sorriu como um cafajeste e estraga folgas que é e saiu da cama, parando em frente a mesma só que encarando os objetos em sua frente, mas não pude deixar de sorri com o canto dos lábios com suas últimas palavras.

O vi pegar o separador de pernas e senti embaixo da minha barriga tremer, como se mil borboletas sobrevoassem sem piedade.

Jungkook se aproximou e o amarrou em meu tornozelo, logo abrindo-o, deixando minha intimidade completamente exposta para ele e sem chances de fechá-la um centímetro que fosse. Logo retornou para frente da cama e sorriu satisfeito. Senti meu corpo esquentar mais do que já estava e minhas bochechas corarem violentamente. Ele pegou a venda e se aproximou novamente, deixando-me impossibilitada de ver seus próximos movimentos.

— Sentirá tudo em dobro, os outros sentidos apuram e o prazer é maior. — Foi a última coisa que ele disse antes do silêncio pairar por todo o quarto.

Eu sentia todo o meu corpo, mesmo que eu não o estivesse tocando. Sentia o pulsar da minha intimidade e a mesma molhar ainda mais. Sentia o bico dos meus seios duros e o palpitar do meu coração. Ouvia a minha respiração ofegante e a de Jungkook calma.

O que ele estaria fazendo?

De repente, o vi gemer e quis acreditar que ele não estaria fazendo o que minha cabeça projetava. Ele não poderia está se masturbando e nos torturando dessa forma.

— Jungkook? — O chamei e não obtive resposta, logo senti seu peso sobre a cama e tremi. O que ele iria fazer?

— Fique quieta. — Ele sussurou, com aquele tom sensual que somente ele é capaz de fazer e me fazer gozar só de ouvi-la. E, como um gatilho, gemi em puro deleite ao sentir seus lábios, novamente, em minha intimidade.

A sensação é indescritível. Eu sentia exatamente a língua de Jungkook como um todo, eu sentia cada parte que ela tocava e me estimulava, dando-me o prazer que eu tanto queria, que despertou-me da sonolência que eu sentia a poucos minutos atrás. Mas eu queria mais, precisava de mais, meu corpo implorava por mais toques rápidos e vindos de Jungkook. 

— Mais... — Suspirei. — Mais rápido, Jungkook. — Implorei, deixando um gemido alto escapar dos meus lábios. Mas ele foi maldoso, afastou-se sem terminar o trabalho e esfregou a cabeça do seu membro em minha entrada, fazendo-me gemer alto e desejá-lo ainda mais.

— Eu não... Eu não consigo — ouvi o baque de muitas coisas caindo no chão e logo a venda ser arrancada de mim junto ao separador com ferocidade. Olhei assustada para Jungkook e o vi mais suado que o normal.

Ele retirou a algema e me beijou sem pudor, colocando-me por cima dele. Eu sentia seu membro me estimular, sem entrar realmente. Ele segurou na base e o introduziu em mim lentamente. De inicio de forma lenta, colocando somente a cabeça, mas que ainda sim conseguia me arrancar gemidos intensos.

Logo ele segurou minha cintura, mantendo-me firme, em seguida penetrando-me sem piedade. O gemido saiu alto, rasgando minha garganta, pegando até a mim de surpresa. Ele me ajudou a cavalgar em si, também entorpecido por desejo. Seus olhos estavam fixos em mim e eu não podia encará-lo, não conseguia.

O suor em seu rosto e corpo foi triplicando, deixando-o pecaminoso. Ele me colocou deitada e ficou por cima, colocou minhas pernas sobre seus ombros e voltou a me estocar, deixando que gemidos que mais pareciam música escaparam livremente.

Depois de muito tempo, do meu corpo está terrivelmente cansado, me rendi a outro orgasmo, com Jungkook me acompanhando dessa vez. Me joguei ao seu lado na cama e respirei fundo, ofegante e cansada.

Me virei para Jungkook e ele já me olhava. Seu rosto havia gotículas de suor, mantendo os fios escuros presos na testa. Sorri e deixei de olhá-lo, mirando o teto.

— O quê foi? — ele questionou, puxando-me para mais próximo dele. Neguei lentamente e me acomodei em seus braços, mesmo que estivesse quente pegando fogo, fazendo calor, eu não queria sair dos seus braços.

Por algum motivo e de alguma forma, Jungkook desperta em mim um lado brega e pessoalmente isso é ridículo, pois nunca foi de falar essas baboseiras.

— Jungkook?

— Hum?

— Sobre as coisas que disse na última noite, esqueça, aquela não era eu. — Ele se afastou e ficou por cima de mim, sua testa franzida demonstrava que queria questionar. — Eu só estava emotiva, esqueça aquelas no bobagens. — Ele estalou os lábios e balançou a cabeça lentamente em um sim.

— Eu vou preparar a banheira para tomarmos um banho — assenti e ele foi.

Repassei a noite mentalmente e foi boa. Jungkook é viril e isso me atrai, mesmo que de início ele só tenha me feito passar raiva. Bocejei em meio aos pensamentos e meus olhos pesaram. Tentei lutar contra o sono, mas foi inútil, me rendi a ele em poucos minutos.

──┈⊰᯽⊱┈──

No dia seguinte, quando acordei, novamente Jungkook não estava ao meu lado na cama, na verdade nem sabia se ele tinha dormido ali.

Bocejei e me sentei, minha vista protestando o clarão que toma o quarto. Cocei os olhos e me levantei, indo diretamente para o banheiro tomar um bom banho, cambaleando durante o percurso.

Meu corpo doía em tantas partes que era quase impossível mexer-se abruptamente. Sentei-me na banheira após estar cheia e deixei meus músculos relaxarem depois de uma noite repleta de luxúria. Pensando bem, se Jungkook tivesse usado cada objeto que tinha posto na cama, certamente eu não iria ter forças para me levantar.

Ao finalizar o banho vesti uma camisola leve, afinal, ainda estava desempregada, e fui para a sala, onde fui surpreendida por Jungkook. Ele estava sentado no balcão da cozinha, bebendo algo numa xícara enquanto lê um jornal atenciosamente. Seu corpo desnudo visível.

Quem lê jornal hoje em dia?

— O quê foi? — sua voz ressoou e eu voltei a olhá-lo, assustada.

— Nada, só estranhei você ainda está aqui — caminhei na direção da geladeira, peguei uma garrafa de água e fui atrás de um copo. Ele fechou o jornal e me encarou.

— Por quê eu iria embora? Não tenho mais nada para fazer no Brasil — ele se levantou e deu a volta no balcão. Em seguida me abraçou por trás, com força. — Quero passar o resto desse dia com você.

— Oh, verdade, você vai hoje — coloquei o copo sobre o balcão e me virei para ele, rodeando meus braços por seu pescoço.

— E tá tudo bem p'ra você? — ele franziu a testa e enterrou o resto em meu pescoço, logo começando a dar selinhos lentos e provocantes.

— Claro, desde o início eu soube que... hum... não deveria por tanta esperança? — Ele riu baixinho e me beijou, colocando-me sentada no balcão logo depois.

Ele apertou minha cintura, pressionando meu corpo contra o seu e então senti seu membro rijo novamente. Não consegui conter o gemido e então ele pressionou novamente, dessa vez de forma lenta para que eu o sentisse e o desejasse.

— É tentador — disse sofrega, afastando-me dele. — Você sabe como provocar uma pessoa, mas eu não tenho pernas depois dessa noite — sai da cozinha e fui para a sala, joguei-me no sofá e liguei a tv.

— Não tivemos a chance de usar seus brinquedos ontem, então pensei que agora podia ser a oportunidade perfeita — ele veio atrás de mim e ficou entre as minhas pernas. Olhei para ele e arqueei a sobrancelha.

Jungkook sorriu com o canto dos lábios, segurou minha cintura e puxou para mais perto da beira do sofá. Imediatamente ele se desfez da cueca e sorriu ao perceber que eu não vestia peça alguma por baixo. Ele ficou em pé e segurou seu membro, o bateu de forma prazerosa em minha intimidade, logo colocando somente o início de forma lenta e torturosa.

Ele estocou a primeira vez, tão forte e profundo que me fez gemer alto e arquear as costas. Saiu lentamente e voltou a me penetrar na mesma intensidade. O empurrei com o pé e logo o puxei, colocando-o sentado no sofá. Sentei nele e rebolei lentamente, sentindo-me ainda mais torturada por querer foder de maneira selvagem.

Jungkook arrancou a camisola de mim, abocanhou um dos meus seios e apalpou o outro enquanto eu subia e descia. Novamente ele apertou minha cintura forte, mantendo-me firme enquanto me estocava com fúria.

— Não vamos usar os brinquedos? — perguntei em meio aos gemidos. Ele negou no mesmo instante.

— Não tenho tempo para joguinhos — ele pendeu a cabeça para trás e fechou os olhos, os lábios entreabertos e ele gemendo era o que eu precisava para acelerar o processo e me desfazer.

Mas Jungkook veio primeiro e logo depois de mais algumas estocadas eu o acompanhei. Sentei ao seu lado, ambos ofegantes. Jungkook levantou-se e me levou junto, tomamos um banho rápido e voltamos para a sala.

Fiz pipoca e colocamos algo para assistir, ele praticamente me obrigou a ver algo do seu país, disse que era um dos seus seriados favoritos e queria vê-lo dessa vez comigo. The K2.

Passamos o dia jogados no sofá, como um casal largado. O centro de mesa ficou cheio, com caixas de pizzas, embalagens de sushi, salgadinho e refrigerante.

As 17:30 p.m. o celular dele tocou e logo soube que ele já estava perto de partir. Ele saiu do meu apartamento e foi até o seu, fez suas malas, fechou a conta e voltou para o meu. As 19:00, tomamos outro banho, dessa vez tão demorado como se não quisessemos nos despedir.

20:00 estávamos no aeroporto particular onde fui buscá-lo e imediatamente me lembrei do quão irritada eu estava naquele dia por ter vindo buscá-lo quando estava de folga e deveria está me divertido.

Saímos do carro e um homem se aproximou, pegou as malas de Jungkook e voltou para o avião, em seguida dizendo algo a qual não pude entender. Ele se virou para mim e eu me encostei no carro cruzando os braços, com frio. Ele se aproximou e segurou minha mão, me fez rodear sua cintura e voluntariamente eu o puxei, abraçando-o forte. Ele encostou sua testa na minha e por longos minutos ficamos em completo silêncio, apenas ouvindo a respiração um do outro.

— Assim que chegar eu mando mensagem — ele sussurrou — e assim que puder, eu venho vê-la de novo e até acontecer, manteremos contato. — Assenti lentamente, sentindo uma sensação estranha no peito.

Um homem se aproximou de nós e falou algo, Jungkook apenas assentiu e se afastou. O homem foi embora e ele me olhou, me puxou e deu um beijo demorado. Logo que se afastou, pareceu cena de filme, ele não queria soltar minha mão.

— Nós veremos logo — e ele se foi.


Notas Finais


Hey GENTE, eu não aprofundei muito pq não tava no pique e tive medo de que se fizesse tudo em detalhes eu fosse punida.

Espero que tenham gostado e me perdoado. Vou tentar trazer o próximo capítulo o mais rápido possível.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...