1. Spirit Fanfics >
  2. Entre Skates, Tatuagens e Detenção >
  3. O que acontece na detenção, fica na detenção

História Entre Skates, Tatuagens e Detenção - Capítulo 1


Escrita por: e softbichen


Notas do Autor


deveria postar a one no dia do aniversário da geibi, mas ela sabe que eu não aguento segurar fanfic por muito tempo a
capítulo betado por Muzzx (designs anyway)

Capítulo 1 - O que acontece na detenção, fica na detenção


Uma manobra: ollie.

Algumas pessoas se afastaram dando espaço para o skatista passar e outras reclamavam sobre evitar acidentes, mas não que isso importasse para ele. Nem de longe.

Dentre todos aqueles alunos, alguém resmungou um “exibido”. E talvez ele realmente fosse. 

Os lábios se curvaram em um sorriso ladino e travesso. Reconheceria aquela voz em qualquer lugar, mesmo que não fosse a sua intenção, porque o som irritante dos xingamentos direcionados a si haviam se tornado constantes. Não só por ele, mas também pelo clube que o mesmo liderava.

Sorriu mais largo, mostrando os dentes esbranquiçados, pois sabia que era um dos que mais irritava o Sr. Certinho. Era o rei quando se tratava de deixar Xiao Zhan furioso, coisa que nem os alunos rockeiros que adoravam pichar os muros da escola conseguiam. O Yibo era o “king” em fazê-lo

Zhan era o presidente do conselho e consequentemente o líder do clube de matemática. O verdadeiro prodígio da escola e arrancador de sorrisos maravilhados dos professores. Elogios dos educadores eram distribuídos facilmente quando dirigidos à ele. O representante era respeitado pela grande maioria dos alunos e seu esforço para ser notado e ser o melhor irritava alguns estudantes. Dentre eles, Wang Yibo.

Yibo não era líder do time de basquete, não era o presidente da turma ou o garoto mais certinho da escola. Seus braços carregavam leves artes, as tatuagens que nem sempre ficavam visíveis pelas roupas largas que usava. O garoto problema apelido dado por Zhan e demais alunos vivia causando encrencas e não se esforçava nem um pouco para ser o melhor nas matérias ou atrair atenção como o "perfeito estudante". 

Suas traquinagens e quebra de regras incomodavam o prodígio da escola. Irritava a ponto dele ficar vermelho e resmungar todos palavrões possíveis, mas ao fazer isso, sua voz soava baixa e delicada.

Em outras palavras: eram rivais.

Mais uma manobra: 5-0.

Acabou parando bem na frente dos alunos do clube de matemática e os olhares não foram receptivos pela sua chegada inusitada. Zhan olhou furiosamente e quase o chutou para longe. Ah, mas quando ele percebeu o sorriso debochado parecia que ele iria estrangular o tatuado.

— O que foi? Perdeu alguma coisa aqui? — Xiao parecia delicado e impossível de ser ignorante com alguém, mas ele estava ali, chicoteando o outro sem pensar duas vezes.

Os curiosos sabiam como as coisas terminavam e não eram em brigas. 

Xiao levava a sério o cargo de presidente e gostava de manter tudo correto, na linha. No entanto, Yibo sempre estava ali para quebrar todas as regras e derrubar todas as estruturas do prodígio. Fora que o Zhan não gostava nem um pouco de como seu coração batia rápido quando o insolente se aproximava ou quando sorria daquela forma tão… boba

— Por que eu perderia alguma coisa em você? — devolveu, soando ignorante no mesmo nível que o outro. 

Então, ele empurrou o skate no chão e partiu para a sala com Hao em seu encalço, gravando toda a cena.

Yibo não sabia como reagir perto do rival. Não, ele realmente não sabia como controlar a vontade de se aproximar dele. Zhan era perfeito, era mais do que bom em tudo que fazia e isso chegava a deixar o skatista chateado. E era por isso que ele se tornou seu rival… Embora ainda quisesse beijá-lo a boca.


(...)


Dentro da sala do conselho estudantil, as vozes um pouco alteradas e bravas fizeram Xiao franzir o cenho. O assunto era o mesmo de sempre porque todos acreditavam que Zhan não dava conta do trabalho naquele quesito, só que, poxa, não era tão fácil quanto parecia. 

— Você não acha que ele está passando dos limites? Aquele garoto chegou atrasado quase quinze minutos na aula e se recusou a apresentar o trabalho! — Um dos alunos que fazia parte do conselho reclamou.

— Verdade! Ele e aquele Hao jogaram bolinhas de papel durante a aula e atrapalharam o Sr. YiChen — A garota de óculos resmungou enquanto juntava os papéis na mesa.

Xiao coçou a bochecha pelo cansaço e pela reclamação sobre o aluno Wang Yibo. Não era a primeira vez e nem a última que faziam sua caveira, pois o garoto problema fazia questão de importunar os alunos do conselho e do clube de matemática. 

A verdade é que os alunos do clube tinham medo daquela aparência rebelde dele, de como o Wang era rude e na maioria das vezes espalhava o terror com seu skate pelos corredores. Após uma aposta dos skatistas com o vencedor sendo ele, o King Wang Yibo , o rapaz fez questão de tirar a camisa e bem, as tatuagens não foram toleradas pelo conselho estudantil, que insistia que o rebelde mancharia a imagem perfeita da escola.

Naquele dia, recorreram à Xiao, mas ele estava ocupado demais divagando nas tatuagens do outro.

Na competição, que aconteceu na frente da escola, nem todos notaram que os olhos do Wang eram quase sempre dirigidos à Zhan, como se estivesse se expondo devidamente para o presidente. O sorriso sem-vergonha fazia todos encararem de relance o prodígio. Zhan sentia o rosto esquentar pela forma que o vencedor o olhava. Talvez até quisesse se aproximar, ir até ele e lhe dar os parabéns pela vitória. Porém, conhecendo a peça nada valiosa que o Yibo era, que com certeza o trataria com a voz embargada de deboche, preferiu fingir que nada daquilo era importante.

Mas antes que pudesse sair de lá, o skatista o alcançou. 

Tocando o ombro do mais velho para ganhar a atenção dele, Yibo o assistiu se virar e encará-lo com o cenho franzido pela dúvida do que estava fazendo ali. 

— Gostou do que viu? — Seu peito estufou quando Zhan suspirou derrotado e, em seguida, mordeu o lábio, desviando os mirantes do olhar intenso que o tatuado lhe dava. — Se eu soubesse que o presidente viria, teria feito um espetáculo.

O grupinho que frequentemente acompanhava Wang em todos os lugares olhava para os dois chocados demais. No entanto, ficou para trás quando o clube de matemática percebeu a interação, observando a cena absurda.

— Você é um exibido. O que eu iria gostar em um muro pichado? — Xiao empinou o nariz, afastando-se logo após notar o quão perto estavam. A proximidade com o garoto problema era capaz de deixá-lo pensando muitas besteiras, tais como tocar naquelas tatuagens e senti-lo o cheiro de hortelã. 

— Muro pichado? — Yibo seguiu o mais velho, levemente bravo. Fazia muito tempo que ele não ficava realmente furioso com os apelidos ou xingamentos de Zhan. Chegava a ser irracional a maneira como não queria deixá-lo ir porque só assim podia ouvir a voz do rapaz de perto. — Você é um… 

De repente, Xiao parou e o encarou. 

Estavam muito mais perto do que pretendiam, pois ao presidente do conselho parar prontamente e virar o rosto, Yibo não teve tempo o suficiente para parar a uma certa distância. Zhan engoliu em seco quando até a respiração do outro podia sentir pincelar seu rosto. 

— O q-quê eu sou, hm? — Sua voz não soou tão confiante quanto queria, saiu fraca e entre gaguejos. Xiao se amaldiçoou por isso. 

A mão de Yibo coçou para puxá-lo para si e beijá-lo a boca suja de insultos, mas ele não o fez. Só a apertou em um punho forte e saiu tão rápido quanto havia chegado pelo meio dos alunos clube. 

— Porra — resmungou. 

Xiao ficou confuso. Era difícil o tatuado se dar por vencido, mas ultimamente ele sempre ficava estranho e fugia enfurecido com algo. Contudo, Zhan não tinha muito tempo para pensar nisso, pois logo em seguida, os alunos arrastaram-no para a sala do conselho para discutir o quão imprudente era o skatista.

E agora, o assunto vinha à tona novamente.

— Eu vou resolver isso, tá bem? — O presidente do conselho chamou a atenção de todos, esses que ficaram calados rapidamente.

— Song ji deveria ter dedurado Xuan sobre ele ter usado caneta permanente na mesa do clube de inglês.

Song Ji Yang ficou vermelho. Apesar da vergonha esquentar suas bochechas, ele apenas deu de ombros.

— Não sei do que está falando — Ji Yang fingiu não saber sobre o que a garota dizia. No entanto, era mais do que óbvio que ele não iria dedurar o namorado… Mas ninguém precisava saber disso. 

Ora, seu 

Antes que a briga iniciasse, Zhan se intrometeu. 

— Tudo bem. Tudo bem. Vou falar com eles e… 

BUM! 

O barulho estrondoso assustou a todos, principalmente os gritos nos corredores. Todos do conselho correram para fora da sala temendo o pior. E bom, foi o que aconteceu. 

Após Xiao Zhan sair da sala, tendo sido seguido pelos colegas, o pobre rapaz não teve tempo de dizer uma única palavra ou desviar da desgraça vindo em sua direção. Foi certeira e quase bruta a forma que foi jogado no chão. Mas o que podia fazer? Ele não esperava ser atacado enquanto saia da sala, não mesmo.

Suas costas bateram com força contra o chão e um gemido de dor escapou dos seus lábios. Ainda atordoado pela queda repentina, Zhan tocou a cabeça, sentindo uma dor horrenda, e para piorar, tinha um peso sobre sua barriga que tirava o fôlego, incomodando sua respiração com fervor.

Não demorou muito para perceber que tinha alguém sobre si, pois essa pessoa se mexeu e resmungou dolorido. Ao ouvir a voz, o desastre de poucos segundos se tornou um mero nada, Xiao estava furioso. Percebeu que tinha sido derrubado por Wang Yibo, o garoto problema/muro pichado. 

E em momento algum ele lhe pediu desculpas. Na verdade, o causador do desastre sorriu, levantando a mão em um punho fechado como se dissesse: ainda estou vivo. 

Por um momento, achou que Yibo não sabia quem tinha atingido, mas essa possibilidade foi por água abaixo quando Yibo que ainda estava sobre seu corpo sussurrou: — Olha por onde anda.

Por Deus.  

Xiao Zhan não pôde mais aguentar as provocações. Por isso, ele empurrou o tatuado no chão enquanto tentava atacá-lo e, obviamente, Yibo se esforçava para segurar as mãos malvadas.

— Você não acha melhor separar eles? — Son Ji perguntou com a voz aflita.

— Nah, deixa eles — Hao Xuan parecia estar se divertindo.

Ninguém se atreveu a separar aquela briga. Talvez por estarem chocados demais e outros por se divertirem, como no caso de Hao Xuan. Ouvindo passos rigorosos, toda a gritaria parou de repente e embora o silêncio repentino tenha sido estranho, Zhan não soltou o garoto que debochava sobre a queda. A imagem de Haikuan fez com que Xiao Zhan largasse Yibo e se colocasse de pé tão rápido, que ficou tonto por alguns segundos.

— Minha sala! Agora! — disse, autoritário. 

O representante do clube de matemática foi o primeiro a seguir o diretor sem pensar duas vezes. Yibo, por outro lado, fez algumas piadas sobre o que aconteceu e ainda brincou com Hao, fazendo um toque com as mãos.

Dentro da diretoria, os dois alunos ficaram de pé e pela feição desagradável do Liu, ambos viram que estavam encrencados. Era a primeira vez que o moreno se via naquele tipo de situação, em brigas e preste a receber uma bronca, e isso sem comentar no olhar aborrecido do diretor. Portanto, o seu nervosismo só aumentou.

— Minha escola não é lugar para briga, sabem disso. As regras estão por todos os murais, você — apontou para Yibo — já era de se esperar que arrumasse mais confusão. Mas você, Xiao Zhan? Não esperava isso do presidente do conselho — Ele suspirou. 

— Diretor Liu, veja, esse garoto estava brincando de skatista no corredor enquanto eu e o conselhos estávamos decidindo algumas coisas. Quando sai para ver o baralho no corredor, fui atropelado por esse muro pichado ambulante — Xiao tentou explicar, o rosto ainda vermelho pela briga. — Ele sequer pediu desculpas pelo que fez.

Wang riu.

— O que eu poderia fazer? Você apareceu na frente da manobra, era o meu momento batendo o recorde do Hao Xuan — Yibo apertou o skate. — Você atrapalhou tudo!

— Eu atrapalhei? — questionou, incrédulo. 

— Claro que atrapalhou. É o que você sempre faz, seu…

— Já chega! Detenção, os dois! — Toda a paciência de Liu já tinha esvaziado, além de está farto de sempre colocar o Wang em detenção pelas traquinagens que fazia. Talvez com Zhan junto ele poderia aprender alguma coisa. — Não quero ouvir mais nenhum barulho e principalmente sua voz — A última frase soou ameaçadora enquanto olhava para o tatuado, que pela primeira vez estava sério.

— Mas senhor…

— Uma semana na detenção. Querem mais?

— Não — Ambos responderam. 


Primeiro dia da detenção.


Xiao não podia acreditar, não só ele como os alunos do clube também. Todos estavam pasmos pela sentença que o pobre representante levara e para piorar, com nada menos que o garoto problema. Song ji Yang foi o primeiro a dizer que aquilo era um absurdo, que a culpa era apenas do skatista. Ao lado dele, Hao Xuan ria descontrolado pela situação que o amigo se envolveu.

O representante foi para a biblioteca em silêncio enquanto muitos olhares de pena eram direcionados à ele. Estava se sentindo culpado por ter batido em outro aluno, mas sempre que lembrava quem era de fato a pessoa, o arrependimento corria do seu corpo como criança com medo do bicho-papão.

E lá estava o skatista, sentado de forma desleixada na cadeira, recebendo olhares rigorosos da bibliotecária. A senhora insistia em olhar feio para ele, não só por ele estar com os pés sobre a mesa, mas pelo barulho que fazia com o chiclete. Zhan passou direto por ele, assinando no papel a sua presença na detenção.

Queria ficar longe daquele rapaz, não só por ele não ser flor que se cheire. Yibo atraía problema e era desse problema que Xiao fugia.

Pegando um livro na prateleira, se assustou quando um corpo se colocou atrás do seu. Perto demais. Podia sentir a respiração contra sua nuca, mas o embaraço aconteceu quando a voz sussurrada no ouvido fez com que o corpo do moreno se arrepiasse.

— Você não me cumprimentou — disse ele, com a voz divertida. 

— Você também não o fez.

Yibo coçou a garganta, fazendo um barulho após receber uma resposta rápida e dura.

— Certo, estamos quites então — Por fim, se afastou.

Xiao não entendeu o que tinha acontecido ali, mas a sua mão apertava miseravelmente o livro.

Terei que aguentar isso por uma semana? Foi a única coisa que conseguiu pensar.


Segundo dia da detenção.


O segundo dia da detenção estava calmo. Calmo até demais. Yibo não tinha chegado e isso fez com que o prodígio tivesse alguns minutos de paz. No entanto, não demorou muito para que o tatuado aparecesse. Ele arrumava o cabelo, a calça rasgada deixava visível o rastro de sangue no joelho e a camisa, bem, estava um pouco suja de poeira, enquanto as tatuagens estavam a mostra. Ou boa parte delas.

— Está atrasado. Mais um dia de detenção para você — A bibliotecária era mais rígida do que parecia. Portanto, Yibo resmungou contrariado e assinou a presença. — Vê se toma jeito, moleque.

Até Xiao arregalou os olhos pela forma que a senhora cerrou os seus.

— Ouviu o que ela disse? — Yibo perguntou e o presidente demorou um pouco para perceber que era consigo que ele falava. 

— Uhum. Mas ela está certa — Zhan riu baixinho para que não fosse o próximo a receber uma bronca. Enquanto ria, sequer percebeu que Wang o olhava abobalhado e quase sorrindo junto. — O que foi? 

Como se tivesse saído do transe, Yibo deixou o skate de lado.

— Você sabe — respondeu, o encarando firme e Xiao parecia querer fugir da mira dos seus olhos.

O skatista gostou disso.

— O que eu sei? 

— Você é bonito. 

O representante ficou sem reação. O coração parou por um segundo e arregalou mais o olhos fazendo o outro rapaz rir da sua atitude.

— M-Me acha… bonito? — Zhan sentiu a boca secar, os dedos pálidos por apertar a caneta, descontando toda sua ansiedade ali.

— Você sabe que sim. 

Certo. Wang Yibo o achava bonito, tudo bem. Mas por que tinha que ficar tão nervoso? 

Jamais imaginaria que seu rival teria coragem de dizer que o achava bonito, mas Yibo estava ali, o derrubando todas as estruturas. Embora aquele fosse um momento de revelação, Xiao preferiu guardar a informação de querer beijar a boca do skatista só para si.

— Oh, tudo bem. — resmungou. — V-você também é bonito. 

O tatuado pareceu ficar muito satisfeito com o informe.


Terceiro dia da detenção.


Após a conversa sem sentido do dia anterior, Zhan ficou estupefato por saber que Wang adorava a sua aparência. Não que o representante não sentisse o mesmo pelo outro rapaz. Afinal de contas, Yibo era muito bonito e charmoso.

Era o terceiro dia da detenção e o moreno estava quase desmaiando de nervoso por ter ficar sozinho com o rival. Tudo bem que nas aulas o olhar de Yibo para ele chegou a assustá-lo, pois sempre que o encarava, ele já o fazia, e ainda tinha um sorriso dançando dos lábios. Quando estava a caminho da sala do conselho estudantil, acabou esbarrando com ele. O estrondo dos corpos fez alguns alunos olharem para eles esperando por uma briga. Hao já tinha sacado o celular para gravar a cena icônica, mas diferente do que todos achavam, Xiao pediu desculpas e Yibo pegou os materiais do aluno prodígio.

O skatista até fez um carinho no cotovelo alheio, perguntando se ele estava bem. Hao não gostou muito daquilo e os outros ficaram mais do que pasmos. 

— Oi — cumprimentou após se sentar na frente do muro pichado. Yibo murmurou alguma coisa enquanto estava concentrado em escrever algo. Então, Zhan tentou chegar mais perto, ver o que o rapaz fazia e mais uma vez estava abismado.

Yibo estava fazendo a tarefa do professor Yuchen.

— Acho que você errou um número depois de três — comentou, atraindo a atenção dele. 

— Ah, é? — Checou o caderno com mais precisão. — Acho que errei mesmo. Não sou muito bom em matemática. Pode me ajudar com essa questão? — Wang Yibo havia sido possuído e Zhan não estava sabendo? 

Cerrou os olhos antes de se dar por vencido e ir sentar ao lado do rival. 

O representante passou a ajudá-lo com as questões, não só de matemática, como também de inglês e filosofia. Em um momento, Yibo havia errado novamente a questão, fazendo o outro soltar uma risada. Entusiasmado pelo riso alheio, Yibo virou o rosto encarando os lábios convidativos.

Foi como se o tempo tivesse parado. Os lábios quase se roçaram um no outro. Desejavam firme e queriam o contato. Mas ao ouvir a voz da bibliotecária e de outro aluno, ambos se afastaram rapidamente. Os corações disparados, tentando a todo custo entenderem o porquê de quererem tanto o outro

Estudaram por mais alguns minutos antes de finalmente serem liberados. Então, na hora da saída, diferente das outras vezes, Yibo acompanhou Xiao Zhan. Até que ambos capturaram a figura de Song ji Yang e Hao Xuan se beijando em um dos bancos da escola praticamente vazia. Os dois saíram de fininho, as bochechas coradas.

— Até amanhã, representante

— Até, skatista


Quarto dia da detenção.


Os risos eram quase impossíveis de se ouvir. A biblioteca tinha apenas quatro pessoas naquela tarde: o representante, o skatista e mais dois alunos, fora a bibliotecária.

Ambos rivais tentavam conter o riso para evitar mais problemas para eles, mas Yibo ainda comentava sobre a bronca que Hao levara da senhora.

Xiao estava encostado em uma das prateleiras, nenhum livro em mãos. Em sua frente, Yibo estava perigosamente perto e tinha uma das mãos tatuadas apoiada um pouco acima do ombro do mais velho, se segurando na prateleira. O skatista olhava para os lábios encantadores e isso deixava o outro levemente quente e louco para puxá-lo para si.

— Você sabia que Song Ji namorava o Xuan? — Uma das mãos do presidente apoiou no peito alheio, a deixandosem motivo. 

— Sim, eles são previsíveis — Riu um pouco. Zhan mordeu o lábio, abaixando os olhos para as tatuagens na mão que repentinamente segurou sua cintura. 

— Eu suspeitava. Hao não tirava os olhos de Song um longo tempo, estava na cara que ele o queria. 

Yibo deu um passo à frente, o encurralando entre seu corpo e a prateleira.

— Assim como eu faço com você durante a aula? — Xiao quis chamá-lo de descarado, mas sim, era do mesmo modo que Wang o encarava.

— Sim. Por que? — Tinha tantos motivos para citar que Yibo preferiu ir direto ao ponto. 

— Porque eu quero você — disse, resvelando os lábios. Xiao soltou um muxoxo quando o tatuado se afastou. — Eu quero beijar você.

— E por que não o faz? — Próximo o suficiente, Zhan passou os braços sobre os ombros do rapaz.

— Você quer mesmo beijar o muro pichado? Seus amigos do clube e do conselho não vão gostar muito — Sem provocação, não era Wang Yibo.

— Eles nem vão saber. O que acontece na detenção, fica na detenção.

O skatista riu antes de beijá-lo. Céus, o beijou com vigor, mordendo a boca semelhante. Xiao o trouxe para perto, fazendo o beijo se tornar afoito enquanto sua cintura era apertada pelo rival. 

Chegava a ser embaraçoso a situação que estavam. Se julgavam inimigos, mas ao estar na detenção, se jogavam nos braços um do outro.


Quinto dia da detenção.


Tinha saído mais cedo da detenção. Os lábios de Xiao estavam vermelhos. Song Ji o olhava desconfiado. Os dois estavam entre os alunos ansiosos pela competição de skate e claro, Hao já tinha sumido entre as pessoas.

— Você gosta dele — Ji Yang disse de repente e Zhan sabia do que se tratava. Afinal, seus olhos brilharam quando Yibo apareceu ao lado de Xuan e mais dois garotos.

— Não é como se todos precisassem saber disso — resmungou. — Ele sabe, então  

— O presidente e o muro pichado? Essa é uma coisa que todos já sabiam que iria acontecer uma hora ou outra. 

— Cala a boca, já vai começar — A verdade é que Xiao queria fugir do assunto porque nem ele sabia como a relação deles tinha começado.

Yibo desceu na rampa. A manobra? Bowl.

E diferente de todas as vezes que as competições entre alunos acontecia, Xiao Zhan estava lá para vê-lo se exibir. O sorriso ladino do skatista nunca foi tão verdadeiro, porque seu público era apenas Xiao.

Era apenas o seu rival, representante do conselho estudantil e agora, seu namorado.



Notas Finais


acho que tô viciada em yizhan, é isso ;/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...