História Entre Vigas e Psiques - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens David Nolan (Príncipe Encantado), Lacey (Belle), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Lana Parrilla, Outlaw Queen, Regina Mills, Robin Hood, Robin Of Locksley, Sean Maguire
Visualizações 216
Palavras 2.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Quero agradecer imensamente a Juliana, Jéssica e Naluzinea por me aturarem com a insegurança desse capítulo!

Capítulo 14 - Manon Montier


Fanfic / Fanfiction Entre Vigas e Psiques - Capítulo 14 - Manon Montier

A manhã em Nova Iorque estava fria. O orvalho seco juntamente com as folhas amareladas espalhadas pelo chão denunciavam que o outono estava prestes a chegar. Os raios de sol, que escapavam por entre as nuvens cinzentas, emolduravam o caminho enquanto Regina dirigia ao encontro de Manon Montier, ex funcionária da Forest. Sua cabeça rodava com pensamentos contraditórios. Um bolo se formou em seu estômago desde o momento em que saíra de casa. Estava se sentindo péssima por ter que fazer aquilo. Ela poderia simplesmente conversar com Manon, legalmente ela tinha esse direito, mas Regina estava longe de se importar com a lei. O que interessava para ela, era toda sua conduta e seu profissionalismo que naquele momento estavam em xeque diante de seus valores. Estava quebrando uma regra profissional que jamais imaginou que faria. Mas as coisas simplesmente fugiram de seu controle, sem tempo para conversar com Victoria para expor toda sua situação com Robin, o que lhe restou foi enfrentar essa conversa.

A cada esquina que ela dobrava, a cada quilometro que ela rodava, uma lembrança de algum momento importante de sua profissão vinha em seu pensamento. Lembrou-se de quando pegou seu diploma, as mãos trêmulas o seguravam e um sorriso no rosto lhe fazia ter certeza de que escolhera a profissão certa. Lembrou-se da primeira alta que deu a um paciente quando ele por fim conseguiu relatar o problema completamente liberto daquilo. Lembrou-se da primeira paciente que teve, de seu sorriso de agradecimento a cada sessão em que ela terminava. As lembranças pareciam passar rapidamente, algumas coloridas, algumas em preto e branco, alguma nítidas outras um pouco desfocadas. Mas todas, sem exceção, de suma importância para ela.
Regina se sentia completamente desmerecedora de tudo que conquistara até aquele momento. Por tudo que passou com Sebastian, jurou nunca mais se deixar envolver por algo pessoal de um paciente e agora...

Frustrada era a palavra que lhe regia naquele momento.

Estacionou em frente do prédio e logo avistou Graham a sua espera.

"Está tudo bem?" Graham perguntou assim que ela se aproximou. Os dois haviam passado praticamente a noite em claro, juntamente com Robin e Victoria, em uma reunião para Regina colher fatos sobre a permanência de Manon na Forest, e assim poder montar um esboço de sua conversa com ela. Durante a reunião ela mal conseguiu olhar para a presidente, evitou o quanto pode trocar qualquer palavra e olhar com ela, falando somente o necessário. Se sentia péssima demais para poder encará-la. "Regina, você está se cobrando demais diante de tudo isso." Ele disse ao perceber que sua pergunta não seria respondida positivamente.

"Eu gostaria de saber lidar um pouco melhor com isso. Mas não sei. Foge completamente dos meus valores, e o que mais me deixa com raiva, é que eu mesma me coloquei nisso tudo."

"A sua intenção era fazer diferente, a justiça decidiu ser rápida, fugiu do seu controle. Isso não te faz menos honesta. Você está dentro da lei Regina."

"Graham, eu estou mentindo para Victoria, isso definitivamente não é algo que eu queira me orgulhar."

"Você mentiu em que momento? Até onde eu sei ela não lhe perguntou nada sobre você e Robin." Graham buscou seu olhar e Regina soltou um riso sincero, apesar de fraco.

"Ok, a psicóloga aqui sou eu." Ela sorriu abertamente dessa vez. "Você está sendo maravilhoso e eu estou parecendo aquelas pessoas que buscam ajuda mas não querem ser ajudadas." Parou de falar ao sentir seu celular vibrar com uma mensagem.

"As vezes a luta em me tornar uma pessoa melhor, é bem difícil. Não é nem um pouco fácil fazer com que meus dragões saiam do esconderijo em que eu os coloquei, para que eu os vença. Mas aí eu me lembro do quanto eu progredi, do quanto minha família progrediu e, principalmente, eu me lembro do seu sorriso ao ver tudo isso. E aí tudo vale a pena. Eu sei que isso não é fácil para você e, acredite, é muito difícil te ver sofrendo assim ao derrubar sua escala de valores. Talvez eu não seja nem um pouco digno de ter uma mulher tão honesta como você. Mas, eu aprendi a deixar meu coração ser puro e enxergá-lo dessa forma. E isso sim eu posso te dar certeza que é digno de você. Porque foi você que o fez voltar a ser assim.

Obrigado por você estar aí, por mim!

Do seu engenheiro (vidente), pedreiro, construtor, aspirante a psicólogo ou como você quiser chamar."

Regina sorriu.

Sorriu tão genuinamente que ela sentiu seus olhos espremerem de tão apertados.

"É disso que eu estou falando." Graham se pronunciou obtendo toda atenção dela para si. "Faz muito tempo que eu não te vejo sorrir dessa maneira. Para ser sincero, dessa maneira mesmo eu nunca vi. Você já passou por tantas coisas Regina. Talvez seja hora de colocar seu lado racional um pouquinho só de lado e deixar que o seu emocional te conduza. Você, mais do que ninguém, sabe que tudo na vida tem uma consequência, e se o que estamos fazendo não prejudica a ninguém, no final é esse sorriso que importa."

"Por que mesmo que não nos casamos?" Regina perguntou sorrindo agradecida.

"Porque você não quis." Graham deu de ombros. "Você merece ser feliz!"

"É um tanto quanto difícil acreditar nisso depois de tudo que aconteceu na minha vida. Mas eu vou tentar." Regina respirou fundo. "Vamos entrar de uma vez." Saiu na frente assim que Graham lhe deu passagem e seguiram para dentro do prédio para que ela pudesse por fim conversar com Manon Montier.

Uma sala no décimo quinto andar de um dos prédios comerciais do centro de Manhattan abrigava o escritório onde a justiça designara para que ela pudesse conversar com Manon. Aguardou pouco mais de dez minutos e logo um conciliador os chamou para dentro da sala.
Manon, seu advogado e uma psicóloga também designada pela justiça estavam lá. Regina passou os olhos por ela e não conseguiu enxergar nada mais que uma mulher nova, praticamente uma menina. Muito simpática, sorriu cordialmente para Regina assim que o conciliador fez as devidas apresentações.

"Como é de direito da Forest, a Dra. Regina Mills poderá conversar com a senhorita Montier. Peço aos advogados que me acompanhem para que possamos deixa-las a sós. Quero só ressaltar que a psicóloga do governo e que irá dar seu parecer diante do caso, ficará acompanhando a conversa ao fundo da sala. Com licença." O conciliador saiu acompanhado de Graham e o advogado de Manon. Regina sorriu fraco e se sentou a frente da mulher loira de olhos claros.

"Muito bem Manon, eu sou a Regina e quero conversar um pouquinho com você, tudo bem?"

"Sim!" Manon respondeu cordial se ajeitando na cadeira. "Eu não me lembro de você na Forest."

"Eu entrei há pouco mais de três meses." Manon meneou com a cabeça e sorriu. "Eu morava em Boston, um pouquinho mais frio que aqui."

"Eu amo Boston!" Manon usou um tom um pouco mais alegre.

"Jura? Eu também. Apesar de ser bem mais frio que aqui, eu gosto muito." Regina sorriu, embora estivesse muito apreensiva com aquela conversa. "Você já foi muitas vezes para lá?" Ainda insegura sobre por onde começar, decidiu tentar estabelecer uma sintonia com ela.

"Não quantas como eu gostaria. Mas, e você, ta gostando daqui?"

"Sim eu amo a cidade. Cada dia descubro algo novo aqui em Nova Iorque."

"E da Forest, você gosta?" Manon perguntou e uma luz de alerta acendeu em Regina.

"Sim, estou gostando bastante. Mas ainda estou conhecendo a equipe toda. Por isso vou precisar muito da sua ajuda para entender o que realmente o que aconteceu. Você consegue me explicar com detalhes?" Regina tentou manter a conversa num tom calmo.

"Sim, posso tentar." Manon agora tinha uma expressão indecifrável para Regina.

"Ok, te farei algumas perguntas e você pode se sentir a vontade para respondê-las ou não, certo?" Regina usou o tom mais manso que pode. Recebeu um aceno positivo vindo de Manon e sorriu para ela. "Certo, então você pode me contar como conheceu a Forest e como foi começar a trabalhar lá?"

"Sim! Eu sempre quis trabalhar lá. O clima parecia agradável demais."

"Você soube que o clima era agradável como?" Regina tinha em mãos um caderno de anotações.

"Pelas pesquisas que eu fiz." Manon deu de ombros.

"Pesquisas?"

"Sim. Eu pesquisei bastante sobre a Forest e sobre os funcionários." Manon mantinha seu tom empolgado.

"Certo, e nessas pesquisas você chegou a achar algo sobre Robin Locksley?" Regina resolveu entrar em terreno perigoso.

"Sim. Comecei por ele na verdade."

"Ah, é mesmo? E começou por ele por que?"

"Uma amiga minha saiu com ele uma vez e eu o achei interessante. Conversando com ela consegui descobrir o nome e onde ele trabalhava, ai ficou fácil."

"Então, na verdade você quis trabalhar na Forest para ficar perto do senhor Locksley?"

"Não...quer dizer sim, mas..." Manon pareceu incerta de tudo que estava falando. Coçou a cabeça nervosa antes de mudar seu olhar para Regina novamente. "Podemos não falar dessa parte?"

"Claro, como preferir. Foi você mesma que entrou nesse mérito." Regina sorriu fraco e pode perceber que a psicóloga que acompanhava a conversa observava atenta tudo aquilo. "Então vamos direto ao ponto, me diga sobre a acusação de assédio que você está fazendo."

"Ele me assediou oras, o que exatamente você quer saber?"

"Quero saber como se deu esse assédio. Qual a frequência em que ele acontecia e o que exatamente o senhor Locksley fazia." Regina foi direta, queria acabar de vez com aquilo.

"Bem, ele me olhava."

"Certo, mas olhava somente? Com que frequência?"

"O tempo todo durante o nosso horário de trabalho. Lançava muitos olhares."

"Entendi. Alguma vez ele chegou a tocar em você?" Regina perguntou algo que ela mesmo estava com medo de ouvir a resposta.

"Não!" Manon respondeu rápido, assustada com aquela pergunta.

"Então os assédios se davam por olhares insistentes?"

"Sim! Eu não conseguia trabalhar em paz, ele estava sempre me olhando. Eu ficava até com vergonha. Isso foi durante meses."

"Alguma vez ele chegou a verbalizar alguma coisa?"

"Não, foram só os olhares invasivos."

"Entendi. Quanto tempo você trabalhou na Forest, Manon?"

"Só um mês." Respondeu se contradizendo o que fez com que a psicóloga que acompanhava a conversa trocasse um olhar com Regina.

"Então quando você diz que ele te assediou durante meses, na verdade quer dizer um mês?" Regina a olhou por cima dos óculos.

"É porque foi tão difícil esse tempo para mim, que eu me confundo."

"Certo. Acontece." Regina sorriu sem mostrar os dentes. "Quanto tempo faz que você saiu da Forest?"

"Quase três anos."

"Você trabalhava na diretoria de..."

"Geotecnia." Manon respondeu prontamente.

"Mas essa é a diretoria do senhor Jones." Regina disse antes de trocar um olhar novamente com a psicóloga que em seguida balançou a cabeça.

"Sim!" A mulher concordou sorrindo sem se dar conta da contradição.

"Então, como é que o senhor Locksley lhe olhava o tempo todo durante o trabalho se a diretoria dele é outra além de ficar fisicamente bem longe da diretoria de Geotecnia?" Regina tentou manter o tom manso e calmo.

"Acredito que podemos encerrar por aqui." A psicóloga que acompanhava a conversa disse se levantando. "Tudo bem para a Dra.?" Ela perguntou se dirigindo a Regina.

"Por mim está ótimo." Regina respondeu se levantando. Voltou seu olhar para Manon que por incrível que pudesse parecer lhe olhava com ingenuidade. "Muito obrigada por responder as minhas perguntas, Manon." Regina recebeu um sorriso vindo da loira. "Você é uma menina nova, bonita, cheia de vida pela frente. As vezes a gente quer muito alguma coisa, e acabamos fazendo algo que nos arrependemos depois. Cuidado para não se distanciar da sua essência." Saiu levando consigo um olhar confuso vindo de Manon.

Regina sentia seu coração bater descompassado e o ar ficando cada vez mais escasso enquanto caminhava em direção a Graham.

"Como foi?" Ele perguntou tentando analisar suas feições.

"Não vi um segundo de verdade no que ela disse em relação ao abuso."

"Tá brincando?" Graham realmente estava surpreso com aquilo. Por mais que ele acreditasse que Robin fosse inocente, imaginou que algum comportamento do engenheiro tivesse sido base para aquela acusação.

"Ela caiu em contradição algumas vezes. E se eu estiver errada você pode rasgar o meu diploma!"

"Não acredito que a Regina Mills que eu conheço está de volta!" Ele disse sorrindo dando passagem para que Regina e ele pudessem por fim sair da sala. "E você acha que a psicóloga que acompanhou vocês também teve essa percepção?"

"Eu acredito que sim. Ficou bem claro que Manon estava confusa com algumas informações."

"E você está se sentindo bem?" Graham perguntou preocupado. Sabia o quanto tudo aquilo estava sendo difícil para ela.

"Sim. Definitivamente agora sim!" E ela realmente estava. Por fim podia respirar aliviada.


~~X~~


Regina foi para a Forest logo depois de sua conversa com Manon. Se dirigiu direto para a sala de Victoria, que ansiosa para saber sobre a conversa convocou uma reunião com ela e Robin.
Entrou na sala e lançou um rápido olhar para Robin percebendo o quão tenso ele estava aguardando uma resposta. Sorriu para Killian que estava tão nervoso quanto o outro engenheiro, andando de um lado para o outro.

"E então?" Victoria estava uma pilha de nervos.

"Bom, foi meu primeiro contato com ela, mas pelo que pude perceber, ela caiu algumas vezes em contradição. Não consegui enxergar verdade alguma em tudo que ela disse." Regina repetiu o que dissera para Graham. Sentou-se ao lado de Robin, procurando estar numa distância segura.

"Onde está Graham?" Victoria batia nervosamente os finos saltos de seu scarpin.

"Ficou por lá, sairiam algumas orientações do caso, e se dermos sorte, a psicóloga dará seu parecer ainda hoje, o que já adianta bastante a audiência final."

"Olha Hood, só não mato essa piranha, porque eu estaria prejudicando minha própria empresa, porque vontade não me falta. Por mim e por você!" Levantou de sua mesa e se aproximou dos dois, sentando-se na poltrona de frente para eles. "Como estão os trabalhos de Regina na sua diretoria?" Victoria perguntou e se Regina pudesse se enfiar num buraco, ela o faria. Killian, que estava em pé atrás de Victoria, sinalizava para que ambos acabassem de vez com isso e falassem logo para ela sobre o relacionamento. "Algum problema?" Ela perguntou ao receber o silêncio como resposta, alternando o olhar entre Regina e Robin.

"Se tirarmos base pela Liz, podemos considerar que Regina Mills faz milagres." Killian soltou percebendo que o silêncio se estendera demais. Victoria gargalhou com aquilo o que fez com que Regina respirasse aliviada.

"Eu gosto da senhorita Uchoa, ela é realmente uma profissional excelente e tem me ajudado bastante." Robin disse enquanto retirava os óculos afim de apertar a ponte dos olhos.

"Você ouviu isso Victoria?" Killian disse dando a volta ficando de frente para a presidente. "Robin Locksley elogiou uma funcionária e ainda por cima disse que gosta dela." Sarcástico como sempre, tentava de tudo para fazer com que Victoria mudasse o foco. Regina soltou um riso baixo e para a surpresa de todos foi acompanhada por Robin que balançava a cabeça enquanto ria conformado.

"Regina será patrimônio tombado da Forest, se depender de mim." Victoria disse sarcástica, embora estivesse sendo completamente sincera.

"Eu não sou nem louco de discordar." Killian levantou as mãos em defesa, enquanto Robin apenas observava a interação. Uma batida na porta e a revelação da figura de Graham fez com que o clima tenso se instalasse novamente naquela sala.

"Vocês parecem assustados." Graham brincou colocando sua pasta na poltrona ao lado de Regina.

"Graham pelo amor de Deus, me diga que você traz boas noticias." Victoria se pôs de pé de frente para ele, denunciando completamente seu nervosismo. "A Psicóloga já deu o parecer?"

"Não será preciso." Ele respondeu fazendo com que Regina franzisse imediatamente o cenho.

"O que houve?" Ela perguntou se colocando ao lado de Victoria.

"O advogado de Manon Montier me chamou logo depois que você foi embora e me disse que ela irá retirar o caso da justiça."

"Essa garota só pode estar de brincadeira." Robin se pronunciou pela primeira vez indignado com tudo aquilo.

"Como é?" Regina perguntou num misto de alivio e confusão.

"A psicóloga já havia me dado o laudo." Entregou o papel para que Regina pudesse conferir. "Ele foi bem favorável a Forest, até porque ela caiu em várias contradições. Mas, a garota quis retirar o caso, e pelo que pude perceber não foi sugestão do advogado dela, porque ele não estava nem um pouco feliz ao me passar a informação."

"O laudo diz basicamente o que eu imaginei." Regina entregou o papel para que a presidente pudesse conferir. "Ela me pareceu ser só uma menina, com o ego um pouco ferido por seu sentimento não ser correspondido."

"Sentimento?" Victoria perguntou confusa. Regina apenas acenou com a cabeça em direção a Robin que logo levantou os braços em defesa.

"Eu não sei nem quem é ela, pelo amor de Deus!"

"Será que agora podemos te castrar para não corrermos mais esse risco?" Victoria fingiu estar brava e arrancou uma sonora gargalhada de Regina. "Agora sério, podemos sair para comemorar?"

"Estou voltando para Boston agora, amanhã cedo tenho uma audiência. Mas comemorem sim, porque vocês escaparam de uma merda das grandes." Graham disse ao pegar novamente sua pasta para sair da sala.

"É só me dizer onde." Killian respondeu imediatamente, embora ainda estivesse confuso com tudo que havia acontecido. Victoria voltou seu olhar para Robin esperando uma resposta e ele apenas acenou positivamente.

"Por mim tudo bem." Regina respondeu ao ver Victoria esperando uma resposta vinda dela. "Mas será que antes podemos ter uma conversa?" Regina pediu fazendo com que Killian e Robin lhe encarassem assustados. Ela precisava acabar de vez com aquilo.

"Está tudo bem?" Victoria perguntou preocupada com o tom que ela usara.

"Enquanto isso vamos escolhendo o local e avisamos por mensagem." Killian disse passando pelas duas. "Hood?" Chamou por Robin que ainda estava atônito com a súbita coragem de Regina. Ela discretamente lhe lançou um olhar tranquilizador, sabia que aquele era um dos momentos em que ele estava tentando derrotar seus próprios dragões. Ele por fim saiu da sala ao sentir a mão de Killian lhe confortando.

Victoria acompanhou tudo atenta a cada detalhe que acabara de acontecer e teve a certeza de que algo estava sendo escondido.


Notas Finais


Acho que chegou a hora da verdade!
Me deixem, por favor, saber o que estão achando. É muito importante para essa autora insegura que vos fala.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...