1. Spirit Fanfics >
  2. Entregue-se para mim! >
  3. 4 -Tenha bons sonhos meu amor!

História Entregue-se para mim! - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Opa, voltei com outro capítulo dessa merda para vcs!
Espero que gostem e caso aja erros ortográficos, Perdõem Okay?!
Boa leitura e xoxo!😉😙💓

Capítulo 4 - 4 -Tenha bons sonhos meu amor!


Fanfic / Fanfiction Entregue-se para mim! - Capítulo 4 - 4 -Tenha bons sonhos meu amor!

Giyuu não gostou nada da idéia de dormir no mesmo quarto que aquele indivíduo ainda mais compartilhar a mesma cama que ele, o maldito oni que não parava de lhe encarar com um sorriso divertido.

Só agora o caçador reparará que o sujeito estava apenas com uma calça de seda preta, não usava camisa deixando o torso  pálido e sarado exposto, as listras azuis que se seguiam por todo o seu corpo pareciam lhe dar algum charme. 

O moreno respirou fundo ignorando suas observações, o ponto é que não queria aquele ser no que disseram que seria seu quarto! 

—N-Não! Você disse...

—Disse que minha servas te levariam a seus aposentos?—Completou akaza interrompendo-o sorridente. 

O moreno assentiu friamente. —Você sabe, se são meus aposentos, não quero dividir com ninguém. 

O ruivo riu achando graça a expressão raivosa que o menor lhe dava. 

—Perdõe minha indelicadeza, permita-me deixar uma coisa bem clara entre nós para que não haja mas desavenças desnecessárias...— Akaza fez uma breve pausa e começou a vir lentamente em sua direção. 

Tomioka cerrou os punhos olhando nervosamente enquanto o demônio se aproximava cada vez mais de si, os últimos eventos voltando de uma só vez em sua cabeça, seu estômago embrulhou-se de desconforto.

Akaza parou apoiando a mão na parede ao lado de sua cabeça, o corpo de aura gélida praticamente colado ao seu, ele podia sentir a respiração do maior bem próxima de seu ouvido, seu olhar hostil não vacilou apesar disso, ele se acalmou um pouco mantendo alguma indiferença. 

—Veja bem meu doce giyuu, a partir de agora, o que é meu é seu, o que é seu é meu, portanto, quando digo que este será seus aposentos, naturalmente também serão meus aposentos certo?

O menor respirou fundo usando até a última gota de seu auto controle para não ceder ao nervosismo, o pilar não se reconhecia nesse momento questionando as próprias atitudes, ele deveria lutar com esse demônio até seu último suspiro e não se submeter a uma situação dessas, mas só de olhar nos olhos daquele oni lembrava especialmente do que ele lhe havia feito e de como acabou curtindo também, porque embora não quisesse admitir, ele pôde sentir mesmo que por um breve momento a paixão feroz e não tão saudável através daqueles olhos hipnóticos.

Vendo o absurdo de seu raciocínio, o moreno balançou a cabeça se repreendendo. 

Não! Pare com isso! Ele é um demônio, matou milhares de inocentes, preciso matá-lo! Preciso de uma brecha para tentar encontrar minha nichirin! 

—Eu não quero! Não quero dividir nada com você, você é um monstro!—O pilar cuspiu levantando o punho para dar um soco no peito exposto do demônio. 

Akaza foi rápido em lhe impedir agarrando seu pulso no ar. —Seja cuidadoso com suas palavras pequeno caçador, você ainda não viu o verdadeiro monstro. 

Apesar do receio, o moreno bufou irritado também. —Você está brincando? Eu estou olhando para um!

O ruivo riu sem humor algum, ele sabia que não seria fácil lhe dar com giyuu, não seria fácil reivindicá-lo, levaria tempo e ele queria ser bom para o moreno, agradá-lo e conseguir sua confiança, fazê-lo esquecer da organização de caçadores e de seus companheiros pilares também, queria que o moreno lhe amasse tanto quanto ele o amava, tomá-lo só e completamente para si de corpo e alma, isso levaria tempo, sabia disso, ele seria paciente. 

Mas também havia essa parte demoníaca e orgulhosa sua que exigia sangue em troca, seu lado sádico que era sedento e nada paciente, o lado que não gostou nada da forma que o menor lhe chamou. 

O ruivo aumentou seu sorriso, prensando o corpo do menor contra a parede enquanto colocava seu punho acima de sua cabeça, seu rosto ficando bem próximo do pescoço alheio roçando a pele de leve. 

—Você dificulta assim sabia? Eu só quero ser bom para você e fazer com que se sinta bem mas olhe só como me desafia com esse olhar. 

Tomioka franziu o cenho incrédulo, seu corpo todo tencionando de desconforto.

—Se quer ser tão bom para mim quanto diz, deveria se matar e me poupar do trabalho!

O moreno percebeu tarde demais que deveria ter permanecido quieto, o olhar afiado e a expressão de discórdia que ele recebeu do ruivo fizeram um calafrio atravessar sua espinha.

—Realmente? Você quer mesmo ir por esse lado pequeno?

O pilar teria bufado pelo apelido mas olhou desconfiado para o demônio que tinha a todo momento o olhar fixo em si, foi uma pergunta simples mas a forma ácida como foi pronunciada e o olhar intenso que recebeu fizeram giyuu se questionar se ele morreria nos próximos minutos.

—O o que...

Akaza lhe cortou com uma risada macabra. —Você ainda não percebeu sua real situação querido? 

O moreno franziu o cenho confuso,abriu a boca prestes a retrucar alguma coisa mas novamente foi interrompido.

 —Ainda não entendeu por quê está aqui? Eu mencionei antes que sabia tudo sobre você, já se perguntou o por quê disso? Por quê dentre todos os seus amigos eu escolhi você uhn?— O demônio riu. —Não importa, eu amo muito você, por isso vou ignorar seu comentário rude e lhe contar o que de fato se passará agora...—Outra pausa e o aperto em seu punho foi mais firme, Akaza tinha uma expressão séria agora. 

—Você irá dividir este quarto comigo! Esta é sua realidade agora querido, você me pertence e não há nada que possa fazer sobre isso!

O moreno escutou horrorizado aquele rosnado possessivo, ele era louco só podia ser! Falando tamanhos absurdos!!

—Não! Eu não pertenço a você! Pare de falar absurdos maldito!!O menor começou a debater-se tentando acertá-lo de alguma forma.

Inútil,  o corpo do demônio lhe contia facilmente, ele afastou-se minimamente de seu pescoço para encará-lo com uma expressão neutra. 

—Você realmente não escutou nada do que acabei de dizer agora?—O demônio se via perdendo sua paciência cada vez mais.

Tomioka rosnou. —Não pertenço a você! —repetiu com desdém. —É não me diga que nao há nada que eu possa fazer! Eu certamente irei cumprir com minha obrigação de exterminá-lo assim que tiver a chance!

Desta vez os olhos de akaza brilharam em fúria e ele rosnou tentando conter sua raiva. —Não seja teimoso! Você irá se submeter a mim a qualquer custo, não me importo de recorrer a outros métodos se precisar, se você não cooperar! 

Eu não me importo! Mate-me como já deveria ter feito!—retrucou o moreno.

Akaza bufou irritado, ele estava se contendo bastante para não cometer alguma besteira, respirou fundo e fechou os olhos brevemente, quando seu olhar recaiu novamente no menor, ele percebeu que parte do comportamento hostil de seu amado era por causa do que ele havia lhe feito mais cedo, provavelmente estava assustado e com receio de que algo assim acontecesse de novo.

Contestando isso, sorriu preguiçosamente suavisando sua expressão demoníaca. 

—Está tudo bem querido, não tentarei fazer nada com você, não precisa ficar preocupado.

Tomioka arqueou as sobrancelhas desconfiado. —O que...O quê quer dizer? 

—Sei que ainda está assustado com o que aconteceu mais cedo, não se preocupe, não farei nada com você...Se não quiser!—Sorriu presunçoso.

 O moreno sentiu seus músculos enrijecendo de desconforto e ele corou desviando o olhar.

—Não tenho medo de você!—Murmurou.

Akaza riu.—Que ótimo querido, não quero que sinta medo de mim!

Tomioka incrédulo lhe olhou de relance. —E o quê você quer comigo afinal?? 

Mais uma vez os olhos do demônio brilharam lhe encarando intensamente com um desejo profundo e ardente.

—Se você soubesse tudo que penso, o que eu realmente quero fazer com você agora...provavelmente ficaria assustado!

Um calafrio atravessou a espinha do menor, ele tentou ignorar como aquelas palavras lhe atingiram. 

De repente tomou consciência do quão perto estavam, corpos colados e rostos próximos, a pele gelada do outro lhe transmitia calor ao invés de frio, o que era bastante embaraçoso! 

Ele se remexeu tentando de alguma forma empurrar o outro ao menos um pouco para longe de si mas, falhou miseravelmente e acabou acidentalmente balançando os quadris contra a virilha do maior que grunhiu levemente com um sorriso, o sorriso típico malicioso, seus olhos faíscando de excitação com sobrancelhas arqueadas. 

—Oh? Isso foi um tanto inesperado, você realmente dificulta tudo para mim não é? 

Giyuu envergonhado corou balançando a cabeça rudemente. —N-não foi proprosital! Me s-solta! 

Akaza suspirou sorridente. —Mesmo querido? Bom...Se você diz, mas sabe, é muito difícil me conter com você tão próximo assim e ainda me faz isso? Que cruel da sua parte giyuu!

Tomioka bufou contrariado. —V-Você prometeu que não tentaria nada!!

Akaza dessa vez, realmente riu. —Eu disse? Não querido, eu não "prometi", apenas disse que não faria nada que não quisesse mas desde que você começou primeiro não há problemas em fazer certo?

Tomioka engoliu em seco vendo como o sorriso do oni se tornará maligno.

—E-Eu não comecei nada! Você só está inventando um pretexto pra me atacar!!

O maior deu de ombros. —Bom, ninguém poderá dizer que não avisei antes, certo?

—NÃO QUERO SABER DOS SEUS JOGUINHOS!!—Rosnou o menor começando a perder a compostura.

Akaza não se abalou diante de sua irá momentânea e esperou alguns segundos até que o menor se acalmasse um pouco. Tomioka aproveitou de seu silêncio continuando:

—C-Como tem coragem de dizer que me ama agindo dessa forma?? 

O ruivo respirou fundo olhando pacientemente para seu amado.

—Você também não é fácil querido, mesmo assim estou sempre tentando lhe entender,  sugiro que faça o mesmo...

Tomioka bufou. —Que piada!

Eles ficaram em silêncio por algum breve tempo.

Tomioka se sentia sufocado com o demônio tão próximo, estava imobilizado mantendo os olhos em algum ponto do quarto, totalmente incosciente dos olhos selvagens do demônio que repentinamente decidiu admirar seus lábios finos, sua pele tão clara contrastava com a cor avermelhada deles, pareciam tão macios e saborosos...tentadores!

O ruivo lembrou que nunca havia beijado aqueles lábios mesmo tendo observado-os por tanto tempo, sorriu lembrando-se especialmente de que seu caçador sequer havia beijado alguém!!

Isso não soava perfeito?!!

Tomioka sobressaltou-se de susto mentalmente ao sentir um toque gélido em seus lábios,  quando se deu conta, Akaza roçava o polegar no canto de sua boca, aquilo lhe fez estremecer suavemente por mais que odiasse admitir!

—O quê...

—Tão macios...—O ruivo interrompeu fascinado.—Você não sabe o quão excitante é saber que são somente para mim! 

Tomioka lhe encarou confuso e repentinamente tímido. —P-pare com isso!

Akaza aproximou a boca de seu ouvido roçando o nariz em sua pele espetando-o.

—Sei que nunca experimentou um beijo, sabe, agora fiquei um tanto empolgado, será que você permitirá que eu te ensine como é?

As bochechas e pontas das orelhas de giyuu esquentaram ficando vermelhas, ele respirou um pouco difícil virando um pouco o rosto para encarar o mais velho.

—Do que está falando?—Ele agradeceu mentalmente por não gaguejar mas em troca sua voz parecia sem fôlego. —Não! Eu não...

Se interrompeu ao ver o olhar divertido e levemente curioso do outro. 

—Vamos continue!

Tomioka engoliu em seco. —I-isso não te d-diz respeito!!

Droga! Essa era mesmo sua voz? Tão guaguejante e tensa assim? O que estava acontecendo com sua demasiada indiferença??

Akaza riu anasalando e sua respiração quente enviou arrepios pela nuca do menor que estava quase se fundindo a parede atrás de si, sem escapatória! 

—Eu quero tanto beijá-lo agora sabia?

Tomioka soltou um pigarreio surpreso.

—Não!...

O demônio não parava de sorrir daquela forma que parecia dizer :"Viu só? Eu realmente sei tudo sobre você!"

Tomioka não sabia como reagir quando questões assim eram levantadas, de certa forma se sentia ingênuo e vulnerável, numa situação dessas só conseguia se manter quieto enquanto ficava em conflito interno, ele de fato nunca havia beijado ninguém antes e era bastante inocente quanto a contato físico com outras pessoas, um mero abraço já era algo bastante íntimo para si, imagine todo o resto!

Ele já havia lhe dito que sabia muito sobre si, mas ouvir dizé-lo era mais pertubador, um tanto desconcertante que aquele oni soubesse coisas tão íntimas de si, lhe assustava um pouco ele admitia mas também quem não ficaria assustado certo?

Akaza aproveitou sua deixa aproximando-se daqueles lábios, o moreno arregalou os olhos mas antes que pudesse sequer pensar em reagir, sentiu os lábios do outro colidindo contra os seus começando a massageá-los com carinho e delicadeza. O moreno ofegou e tentou de imediato parar aquilo mas em troca o aperto em seu pulso foi mais forte e ele foi contido novamente. Aos poucos acabou cedendo, deixando os lábios roçarem nos seus, a mão livre do demônio deslizou apertando forte sua bunda arrancando lhe um leve gemido de surpresa, akaza aproveitou seus lábios entreabertos e invadiu com certa delicadeza aquela boca quente e saborosa, ele via que o moreno não sabia o que fazer, nunca havia beijado afinal, mas ao seu ver a inexperiência dele tornava o beijo mais molhado e gostoso, era bom a sensação de que era e seria o primeiro e único dele em tantas outras coisas! 

Sua língua sedenta explorava lentamente cada canto daquela boca, acariciando a língua quente do menor e chupando-a provocativamente, o gemido que giyuu deixou escapar foi abafado pela boca faminta do maior.

Tomioka sentia-se zonzo, como se estivesse sobre algum feitiço, ele não sabia o por que permitia aquilo e nem por quê tentava imitar o que o outro fazia, aquela sensação,  ele nunca havia sentido isso antes, apesar de tudo, akaza era gentil e paciente consigo, parecia lhe transmitir tantas emoções através daquele ósculo...Era difícil ficar indiferente agora mesmo para ele!

O ruivo parou de repente para lhe encarar, seus olhos enevoados de luxúria. 

—Está indo bem, assim que é gostoso!

O caçador corou ligeiramente respirando com dificuldade, só que akaza ainda não havia acabado e voltou a lhe beijar novamente, dessa vez com muita voracidade, lábios urgentes nos seus e boca faminta lhe devorando, lhe atacando, como se quisesse sugá-lo completamente, era difícil acompanhar mas ele correspondeu também mesmo que timidamente, no final das contas gostou mesmo que nunca fosse admitir claro.

Foi um longo momento que aquele beijo durou visto que akaza sabia que tomioka tinha alguma dominação quanto a sua respiração permitindo que aquilo se tornasse durável. Antes de quebrar o ósculo o demônio não resistiu contra o impulso de morder o lábio inferior do outro com força mais não o suficiente para fazer sangrar, ele afastou os lábios dos seus deixando uma fina linha de saliva entre eles.

Tomioka suspirou extasiado e um pouco atordoado.

O ruivo sorriu maldosamente admirando seu trabalho, giyuu tinha os lábios maltratados e entreabertos recuperando o fôlego perdido, o rosto todo corado e uma expressão tão adorável, ele podia ouvir os batimentos acelerados do outro, era bom vê-lo daquela forma...

Céus! Milhares de cena de giyuu sendo arrebatado por ele vinheram em sua cabeça, ele queria tanto ver quais seriam suas expressões...Desse jeito seria difícil manter-se quieto!!!

Seu sorriso cresceu ao sentir a ereção evidente do outro contra sua virilha.

Claro, era normal para um primeiro Beijo tão intenso!

—Bom saber que tenho uma reação positiva!Sorriu olhando nos olhos do menor.

Giyuu queria morrer agora, tamanha vergonha que sentia.

—Me d-deixe em paz!!

Akaza lhe olhou em compreensão e soltou seu pulso afastando-se vagarosamente de si.

—Tudo bem, definitivamente não vou tentar mais nada com você agora mas sugiro que dê alguma atenção a si mesmo.—Respondeu indicando com a cabeça para sua roupa.

Tomioka desviou o olhar mortificado e afastou-se daquela parede fria, percebeu que suas pernas estavam um pouco bambas mas ignorou andando e ficando em uma distância segura do indivíduo que lhe encarava sem parar. 

Akaza suspirou sorrindo.—Você precisa cuidar disso já que certamente não quer minha ajuda, por isso, deixarei que durma sozinho por hoje, não acho que conseguirei me controlar em ficar aqui esperando enquanto sei que estará se masturbando!

Tomioka não conseguia não ficar incomodado com a facilidade que o demônio citava coisas íntimas tão rudemente, suas bochechas mantinham-se ruborizadas por isso. 

Ele não disse nada e observou akaza marchar até a porta e abri-la, o oni sorriu olhando-o intensamente. 

—Tenha bons sonhos meu amor! Estarei aqui quando acordar pela manhã. 

E finalmente saiu fechando a porta atrás de si. 

Tomioka enfim se permitiu relaxar um pouco suspirando de alívio, seu coração continuava acelerado e ele ainda sentia como se os lábios do outro estivessem sobre os seus, podia sentir o sabor daquela boca e droga, ele era bom naquilo!!

O pilar não fez nem a menção de olhar o problema evidente entre suas pernas, era embaraçoso demais, não iria se tocar e ele temia que o demônio voltasse de repente. Sem cerimônias deitou-se naquela cama enorme se cobrindo com aquelas cobertas quentinhas, sua ereção diminuiria eventualmente, ele estava bastante exausto e esxaperado de qualquer forma, a cabeça cheia dos últimos eventos.

Algum tempo depois, passado com vários pensamentos pertubadores e ele acabou dormindo com aquela sensação ainda em seus lábios. 

Teria pelo visto um longo dia amanhã!






Notas Finais


Enfim, espero que tenham curtido o capítulo e claro, comentários são sempre bem vindos Okay? Beijinhos e até o próximo capítulo. 😉👏💓😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...