História Enygma. (Imagine Kai) - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Kai, Personagens Originais
Tags Exo, Jongin, Kai
Visualizações 219
Palavras 1.171
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - Pistas em Dongdaemun.


Jongin e Sooan estavam à frente da mesa de Oh Sehun, esperando por resultados.

Byun Baekhyun se dispôs a dar o telefone celular para a investigação, apesar de toda a confusão em que foi envolvido.

- Tudo bem, eu te entendo e te perdoo, Sooan. E acredite, eu quero pegá-lo tanto quanto vocês. - disse ele.

Com o celular de Baekhyun em mãos, só restava eles rastrearem a ligação do suposto aluno Eun YangMa. Sehun era o que chamavam de “rato de computador”. Era só dar um número de telefone ou nome à ele, que ele fazia mágica.

- Hum… - disse Sehun com os olhos estreitos por trás das lentes, formando uma ruguinha na testa. - Eu acho que Eun YangMa é um nome falso mesmo… apenas 3 pessoas atualmente possuem esse nome. 2 senhores com 75 e 89 anos, respectivamente e um bebê de 2 anos e meio. Já o telefone… é um chip pré-pago que atualmente já se encontra inativo… sinto muito.

- Deixe-me ver. - disse Jongin, como se estivesse duvidando da palavra de Sehun. O estagiário subiu uma das sobrancelhas e virou o monitor em direção ao Sargento. Realmente o rapaz estava certo. O assassino só tinha comprado o chip com aquele número para fazer a ligação para Baekhyun.

- Isso quer dizer que estamos na estaca zero, de novo?

Jongin ficou pensando por longos segundos.

- Não. Sehun, consegue rastrear onde esse chip foi encontrado?

- É claro.

Os dedos hábeis de Sehun trilhavam o teclado do computador. Como ele conseguia fazer tantas coisas naquela máquina pré histórica? Enfim, quando conseguiu achar o endereço da compra do chip, com um sorrisinho, ele mostrou aos dois.

- Está aqui. Foi comprado numa lojinha de celulares no centro de Dongdaemun.

- Ah Sehun… eu estou te devendo tantas… continue contando! - disse Sooan dando uma piscadela ao estagiário e saindo com Jongin a caminho da lojjinha que os deixaria no encalço do Enygma.

Dongdaemun é o centro comercial de Seoul. Atacado, varejo, roupas, eletrônicos, cosméticos… é o paraíso dos turistas. Milhares de lojas se empilham umas sobre as outras vendendo a melhor variedade pelos melhores preços. Achar a lojinha em que Enygma havia comprado o celular e o chip pré pago seria como procurar uma agulha no palheiro.

- Ok, qual foi o endereço que Sehun passou? - disse Jongin à Sooan, que abria no celular o endereço.

- Espere, já estou colocando no GPS…

E assim que o GPS mostrou onde ficava a lojinha, eles se depararam com um edifício comercial gigante. A loja ficava no 7º andar. Eles entraram no local, desviando das pessoas que se aglomeravam em frente às lojas e standes cheios de neon. Pegar um elevador seria impraticável, o lugar estava cheio. Os dois respiraram fundo, antes de encarar os sete andares de escada. No sétimo, os dois já tinham as mãos nos joelhos por conta do cansaço e a cabeça girando.

- Só preciso de um minuto… - disse Sooan tentando recobrar o fôlego.

A loja era minúscula e o dono dela era um senhor de mais de 60 anos. Ele estava sentado numa cadeira, com os olhos fechados, dormindo.

- Senhor…? - chamou Jongin, à frente do balcão. O senhorzinho acordou do sono leve, num susto.

- Desculpe ter te acordado! Eu sou o Sargento Kim Jongin da 1ª Delegacia de Investigação de Crimes Especiais de Seoul e precisamos identificar uma compra feita na sua loja.

O senhorzinho ajeitou-se, ficando de pé, assim que Jongin se identificou.

- Um sargento assim, tão novo? - disse o homem, ajeitando os óculos no rosto.

Jongin riu.

- Sim senhor.

- E esta é quem? Sua esposa? - disse, apontando o queixo para Sooan, que ficou vermelha quase que imediatamente.

- N...não. Essa é a minha parceira, a detetive Lee Sooan.

- Está perdendo seu tempo em não ser casado com ela hein!

Jongin riu de novo.

- Bem, senhor…

- Choi HyunSeung.

- Senhor Choi, estamos procurando por alguém que comprou um chip aqui na sua loja há uma semana atrás. Ele comprou um celular com um chip pré-pago.

O homem coçou a cabeça, tentando se lembrar.

- Ah! Eu me lembro! Veio um rapaz aqui, desses modernos sabe? Que usam boné, máscara no rosto e roupas largadas… no meu tempo… Ah, esquece. Ele veio logo depois do almoço, nem pude tirar uma soneca.

- E o senhor se lembra se ele comprou com dinheiro ou cartão?

- Ahn deixe-me pensar… acho que ele pagou no dinheiro.

Jongin suspirou.

- Se me permitem perguntar… quem vocês estão procurando?

- Esse homem que procuramos é o responsável pelas 4 mortes de garotas universitárias nos últimos dois meses.

- Santo Deus… vocês precisam pegá-lo logo… se ao menos eu lembrasse de alguma coisa…

- Qualquer coisa, senhor Choi. Às vezes um mínimo detalhe…

- Os olhos dele. Eram olhos… felinos sabe? Não havia bondade neles. E ele usava luvas mesmo num calor como esse que está fazendo nesse verão. Me lembro de ter pensado: esses jovens estão indo longe demais… pra quê andar todo coberto desse jeito?

- O desgraçado sabe como não deixar rastros… o senhor tem alguma câmera aqui na loja?

- Sinto muito, querido. Eu não tenho. Porém, esse edifício tem, em todos os andares, no elevador e no estacionamento. Se falarem com algum dos seguranças…

- Obrigado senhor Choi. - disse Jongin, se despedindo do homem.

- Vocês fariam um bonito casal, não se esqueçam. - disse o senhor com um sorriso bondoso. Jongin e Sooan sorriram para ele e depois um para o outro, antes de descerem as escadas atrás das câmeras de segurança.

Assim que chegaram à portaria, os dois pediram uma ajuda ao porteiro responsável pelas câmeras.

- Precisamos das filmagens de uma semana atrás, entre as 11h e 14h.

As filmagens eram armazenadas em pendrives, por dia e mês. Ao achar a filmagem correspondente, o segurança colocou imediatamente no computador. Entre as 11 e as 14hs era o momento em que o shopping ficava mais cheio. Pelo volume de pessoas que entravam e saíam, não era possível encontrar ninguém que se destacasse demais. Eles tinham esperança nas filmagens do sétimo andar, do elevador e estacionamento. No elevador, nada.

- O maldito deve ter ido de escada para fugir da câmera. - disse Jongin.

As filmagens do sétimo andar, ao contrário, estavam muito calmas. Poucas pessoas acessam os últimos andares por conta dos elevadores muito cheios e o trabalho de ter que subir tantos andares de escadas. É por isso que o senhor Choi passava tanto tempo tirando “sonecas”.

- Ali! Ali! Boné e roupas pretas. - disse Sooan, apontando para a tela do computador onde o Enygma andava rapidamente até a loja do senhor Choi. Na imagem congelada, o rapaz de costas se movimentava como um felino, pronto para apanhar a presa. Sooan não entendia como uma simples imagem no computador podia lhe provocar tanto arrepio. Será que ela teria forças para enfrentá-lo frente a frente? 


Notas Finais


Será que vai demorar muito para os dois se encontrarem?

Estão gostando? O que acham que vai rolar nos próximos capítulos? Comentem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...