1. Spirit Fanfics >
  2. Era apenas amizade >
  3. Eu nunca esqueci quem eu sou

História Era apenas amizade - Capítulo 15


Escrita por: amamalulou e jalapa_pop

Notas do Autor


MEEEEEEUUUUUU DEEEEEEUUUUUSSSSS já é o nosso penúltimo capítulo! Mano, isso voou pra caralho..

Espero que gostem do capítulo de hoje, aproveitem bastante pq o próximo eu vou demorar no mínimo 2 semanas pra trazer o nosso último capítulo, já que ele vai ficar inteiramente por minha conta (quero q ele chegue a no mínimo 3K, mas se bater 2.4K já vai ficar ótimo)

Qualquer errinho, pfv apontem pra tia aqui tá? Amo vcs e agora vão ler vão

Capítulo 15 - Eu nunca esqueci quem eu sou


Fanfic / Fanfiction Era apenas amizade - Capítulo 15 - Eu nunca esqueci quem eu sou

Mais um dia se pôs, e agora já era noite, foi um longo dia trabalhando, além de terem muitas coisas para embalarem, tiveram alguns imprevistos bobos atrasando ajudando o entardecer a tomar sua posse. Todos estavam jogados na sala, limpos e bem humorados, bom, alguns tinham leves dores musculares, mas nada demais. Arthur se levantou e caminhou até a cozinha com passos entediados, contudo seu tédio se esvaiu assim que viu duas garrafas de whisky guardadas.

- Ei Pessoal! - gritou - Olha o que eu encontrei aqui - segurou uma das garrafas, balançou sobre o ar com um sorriso sacana no rosto.

- Opa eu quero essa! - a mulher disse animada se levantando e caminhando até o gaúcho.

- Calma lá! - o jornalista segurou a cientista pelo braço - tava pensando aqui, que tal jogarmos um eu nunca? - sugeriu.

- Family friendly como das outra vezes?

- Sempre! Agora passa aqui pra mãe - puxou a garrafa das mãos do guitarrista.

Se organizaram, discutiram sobre quem e em que ordem deveria seguir, mas em pouco tempo se decidiram, seguindo em ordem alfabética.

- Eu nunca beijei alguém dessa rodinha! - falou confiante e logo bebendo - Rá! Eu já passei o rodo praticamente.

- Credo Arthur, você só tem cara - Elizabeth também tomou um gole de forma cautelosa.

- Eu nunca.. perdi a memória! - criticou a própria situação, deixando o clima ainda mais estranho e desconfortável.

- Essa foi de foder - Thiago encarou o cabeludo - continua vai.

- Eu nunca sonhei que matei meus amigos! - a mulher disse virando o copo acidentalmente derrubando metade do líquido em sua roupa.

- Olha lá, derramou a metade - Arthur comentou de forma desconexa soltando uma risada contagiante.

- Ok! Ok! Minha vez.. Eu nunca fumei! 

- Maldade isso aí! - o jornalista argumentou contudo logo bebeu, sendo acompanhado do gaúcho - Minha vez? Certo.. Eu nunca usei uma katana! - sorriu no primeiro instante que viu a feição do japonês mudar.

- Você também bebe Thiagão! Tu já usou, lembra? - a mulher disse com um sorriso ladino.

- Puta que pariu - virou sem mais nem menos.

- Não me ferrei sozinho - o asiático comemorou.

- Já é minha vez? - questionou o guitarrista - Eu nunca discuti com o senhor Veríssimo! - bebeu mesmo não se recordando de algum dia ter levantado a voz para o homem.

- Você já brigou com o senhor Veríssimo Arthur? - foi questionado.

- Sinceramente.. Não sei - sorriu travesso.

- Ah mas assim não vale, você quer perder ué!?

- Mas tem como ganhar?

- Não sei?

- Então continua! Pode ir bebendo.

- Pera, a Liz já tretou com o senhor Veríssimo?

- Sim! Você não lembra? Ah você tava no hospital naquele dia.. Mas sim, ela quase voou pra cima dele.

- Isso é a mais pura mentira! - Elizabeth cruzou os braços de forma infantil.

- A pura mentira mais verdadeira que existe! - desta vez Joui se intrometeu.

- Oloco, cruel.. tá mas agora continua aí!

- Eu nunca perdi alguém que eu amo! - César disse deixando o clima levemente desconfortável, algo não estava bem.

A brincadeira prosseguiu, César continuava falando coisas auto-depreciativas, ora ou outra desfavorecendo o clima, bom, talvez a culpa fosse da bebida certo? Não teria como saber ao certo.. Enfim, a diversão do grupo havia acabado no momento em que Joui e Elizabeth desmaiaram, pouco depois Arthur, Thiago e César acompanharam a dupla.

⏱ 01:27 AM

◍Cohen e Jouki eram os únicos acordados em tal horário, ambos desnorteados por conta da bebida, se encararam por longos segundos, até o mais novo se levantar e caminhar de forma desajeitada até o mais velho, lhe oferecendo ajuda para levantar e saírem dali.

- César.. - murmurou.

- Sim?

- Aconteceu algo? - perguntou fixando sua visão sobre o rosto do moreno, na tentativa de captar suas emoções - Você parecia.. mal, não parava de dizer coisas, tristes.

- Eu? Ah.. me desculpa - baixou sua cabeça - Acho que tudo o que tá acontecendo, as memórias voltando.. me deixaram meio pra baixo.

- Ei.. - tentou fazer com que o mais velho olhasse para si - Vamos dar uma caminhada - segurou sua mão e a puxou levemente até a porta principal, abrindo a mesma de forma silenciosa para não acordar ninguém.

- Vamos caminhar.. agora? - recebeu como resposta um aceno positivo do asiático - Mas não está tarde demais?

- Confie em mim, vai ser relaxante sair agora - do lado de fora, esperou o rapaz sair de dentro da residência para assim fechar a porta.

- Você tem algum lugar em mente? 

- Não, mas vou pensar em algum - começou a perambular pela calçada fria - Você vem?

- Acho que sim - seguiu o ginasta - Se eu estiver ao seu lado, não haverá problemas - sussurrou tão baixo que nem o vento poderia carregar suas palavras pois mal tinham som.

- César, você por um acaso se lembra do amigo secreto que fizemos? Lembra de como foi engraçado? E a reação de todo mundo quando você me deu aquela katana?

- Eu.. me lembro de pouca coisa.

- E o que você se lembra?

- De você me dando uma câmera e.. aquele moletom, também me lembro do Arthur entregando alguns livros pra Liz, da katana.. e tudo é apenas um borrão.. Desculpa - ficou cabisbaixo novamente.

- Não precisa se desculpar, está tudo bem, eu posso te lembrar de como foi engraçado aquela manhã - abriu um sorriso radiante.

Enquanto caminham, Jouki contou detalhadamente sobre o que ocorreu durante o amigo secreto que haviam feito entre si, assim arrancando boas gargalhadas do Cohen.

- É sério que o Thiago realmente deu várias paletas pro' Arthur? - questionou indignado todavia com um sorriso no rosto - Coitado!

- Sim! O Arthur foi tão fofinho de ter dado um esqueiro dos gaudérios e uma calça - disse não podendo deixar de rir ao se lembrar da situação.

- Você.. ainda tem a katana?

- É claro! Sempre que vou para uma nova missão eu leva ela comigo - disse.

- Missão.. Você se machuca muito nessas missões? O que você faz?

- Na maioria das vezes eu fico bem mal - coçou a nuca envergonhado - mas nada que vai me prejudicar no futuro - tentou tranquilizar o cabeludo - Eu luto contra o paranormal, e você também!

- Eu? Mas como? Olhe para mim! Eu sou um palmito!

- Não é só por que você é pequeno que não seja forte, e aliás, nem sempre usamos a força física - pós sua mão sobre o ombro do hacker - Você é inacreditável usando armas de fogo.

- Não sei não.. 

- Vamos esquecer sobre isso pouquinho - voltou seu olhar para frente - Vamos parar um pouco, que tal ali? - apontou para um pequeno lago no meio de um amontoado de árvores.

Adentrando mais no local, César pode deslumbrar um dos melhores cenários da natureza.

- Joui.. Eu me lembro de quando eu te encontrei meio cabisbaixo de baixo de uma árvore.. foi aqui? - perguntou curioso sem notar a expressão assustado.

- B-Bem eu.. Ei olha! Tem algo ali - apontou para trás de uma árvore.

- O que? Onde - caminhou um pouco para mais perto do local indicado - Não tem nada aqui - se virou para trás, não encontrando o asiático - Joui? - procurou pelos arredores, sentindo um arrepio lhe consumir, caminhou até o lago - JOUI?! - gritou.

- Boo! - apareceu atrás do moreno o assustando, que por impulso se jogou para trás, caindo na água fria daquele lago - Meu Deus, César você tá bem? - tentou ajudar o moreno.

- TÁ FRIO CARALHO! - berrou, se arrastando para sair dali.

- Me desculpa! É sério, eu não queria que você caísse aí - retirou o moletom que usava e entregou para o mais velho.

- T-Tudo bem - tremeu tentando se secar e se aquecer.

- Deixa eu te ajudar..

- Não precisa! V-Você já me ajudou muito - disse tenso, terminando de se secar de forma desajeitada e se encostando sobre uma árvore.

- Por favor me desculpa - implorou.

- Tá perdoado - não parou de tremer em nenhum momento sequer.


Se sentindo culpado, tentou ao máximo aquecer os mais velho, que se rendeu a um abraço, muito confortável.. e quente. Um silêncio se instalou sobre a dupla, sendo possível apenas se escutar as respirações de ambos, aos poucos, o sono se fez presente e antes que pudessem raciocinar sobre o local que estavam, acabaram por adormecer ali mesmo.

⏱ 07:18 AM

Após uma não tão maravilhada noite de sono, já que dormiram na grama desconfortável, César foi o primeiro a acordar, tendo a visão do peito do asiático, sentiu os braços do mesmo apertando em um abraço, deixando o cabeludo ruborizado. Ficou paralisado por alguns segundos, até levantar o rosto para encarar o japonês, que tinha uma feição serena, aparentemente, seu sonho estava bom, César teve dó de acorda-lo, que apenas esperou por um tempo, aproveitando o calor que o corpo do mais novo lhe fornecia. Um curto período depois, o ginasta acorda, soltando o hacker de seu aperto.

- Bom dia - desejou se sentando.

- Bom Dia César - desejou se espreguiçando.

- Você não acha que seria melhor voltarmos? - perguntou se apoiando no tronco da árvore para se levantar.

- Sim, é provável que a senhorita Liz brigue conosco - se levantou ajudando o Cohen.

- Então vamos - sorriu.

Seguiram o rumo de volta para a casa de Arthur, encontrando o resto da equipe dormindo, caminharam de forma silenciosa pela casa, César tomou um banho rápido e procurou por algum remédio, para se previnir de ficar resfriado. Enquanto isso, Joui preparava um café da manhã para todos.

◌Assim que saiu do banho, pouco após procurar por algum remédio em suas coisas, acabou encontrando um papel sobre a cama que Joui dormia, o papel tinha um aspecto de velho, provavelmente teria mais de 6 meses que estava ali, por um momento achou correto e coerente perguntar sobre, mas sua curiosidade era maior, que ignorou tal pensamento e pegou o papel. Era uma carta, escrita por Joui, ou pelo menos dava a entender que era.

César

Como diria Rodolfo, estou ficando tolo pelo amor. Quem diria que um homem da coluna torta e cabelos desengrenhados havia me conquistando com apenas palavras idiotas e seu sotaque. O pior de tudo não é estar apaixonado, e sim saber que nunca serei correspondido pelo tal. Perdi as contas de quantas vezes cheguei a derramar lágrimas com tais pensamentos me consumindo. Thiago disse que me ajudaria, seja conquistando o coração de César ou esquecendo sua existência, já que toquei no assunto de esquecer alguém, me lembro da vez em que estávamos bêbedos (pura insistência da Liz-Senpai) e ele havia dito "Eu nunca esqueci quem eu sou", nunca entendi corretamente o que ele quis dizer, contudo foi deveras engraçado.. Ele sempre foi, mas acho que depois de nossa missão, ele não seja tão amigável quanto antes. Já falei sobre seus cabelos? Se eu pudesse, ficaria boa parta de minha vida penteando e absorvendo seu perfume, tudo naquele homem me encanta, até mesmo o fato de ser bem mais velho que eu, mas isso ignoramos, certo? Enfim, caro eu do futuro que provavelmente queimará está carta, por favor, faça com que essa dor de amar alguém que não lhe corresponde, pare.

Sua mente tentava processar o que acabará de ler, procurou por mais para ler, todavia quando virou o verso em busca de mais algum texto, encontrou um símbolo tintado de roxo, um símbolo até então desconhecido, mas assim que sei foco foi tomado por tal, a carta começou a brilhar, e de pouco a pouco uma memória aparecia e ao mesmo tempo, a carta se desfazia. Assim que tudo o que acabará de ver se tornou apenas um momento bizarro do paranormal, saiu do cômodo compartilhado e foi de encontro ao asiático, que organizava a mesa para todos terem um ótimo café da manhã.




Notas Finais


Quem será que escreveu essa carta? Num sei não

Momento sério agora!
@jalapa_pop muito,mas tipo,muito obrigada mesmo! Sério eu não tenho palavras pra descrever o quão grata eu sou por você ter me autorizado a escrever sua obra,eu realmente adorei reescrever,e espero não ter lhe decepcionado com as minhas mudanças <3
Se por acaso vc nunca leu a obra Original, que tal dar uma passadinha lá?https://www.spiritfanfiction.com/historia/era-apenas-amizade--joesar-20815058

Eu amo vcs que me apoiaram até aqui e espero que continuem me apoiando com o meu novo projetinho de Danthur,se em algum momento em decepcionei vcs,espero que possam me perdoar :)

Muito obrigada por tudo e até o último capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...