História Era só pra fazer ciúmes - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ciumes, Gay, Lemon, Logan, Lucah, Original, Rafael, Smut, Yaoi
Visualizações 307
Palavras 3.046
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Ecchi, Ficção Adolescente, Lemon, Literatura Feminina, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


volteiii! desculpa a demora, mas eu realmente não to tendo tempo de escrever :/


boa leitura e desculpa qualquer erro <3

PS: midia já dando spoiler do cap kkkkkk

Capítulo 9 - Cafeteria e banco traseiro


Fanfic / Fanfiction Era só pra fazer ciúmes - Capítulo 9 - Cafeteria e banco traseiro

Acordei mais cedo do que o normal, pois eu e Rafael tínhamos combinado de tomar café da manhã em alguma cafeteria. Me arrumei com as novas roupas que eu tinha e foi meio estranho olhar no espelho e não ver mais aquelas roupas folgadas que eu usava para não chamar a atenção. Admito que gostei da mudança.

 Coloquei umas das calças justas que tinha comprado e fiquei satisfeito ao ver como ela marcou minha bunda. Também vesti uma camiseta de manga longa preta e meus inseparáveis all-stars brancos.

Pouco tempo depois de eu terminar de me arrumar, Rafael bateu á porta. Me despedi da minha mãe e sai de casa.

-Bom dia. –ele fala assim que eu abro a porta.

-Bom dia. –tranco a porta e em seguida lhe dou um selinho.

Fomos para o carro e seguimos para a minha cafeteria preferida. Tive que ir guiando ele o caminho todo, afinal ele era novo na cidade e não sabia nem onde ficava a cafeteria nem qual o caminho menos engarrafado para tomar.

-Acho incrível que você ainda não desistiu de dirigir para todos os lugares. Eu cansei dos engarrafamentos na primeira semana que ganhei meu carro. Nova York é definitivamente uma péssima cidade para dirigir.

-Eu também desisti de dirigir, o transito aqui é caótico então eu prefiro pegar táxi.

-então porque toda vez que eu te vejo você está dirigindo? –falo à medida que ele estaciona o carro a vaga que achamos perto da cafeteria.

-Por que ai eu posso fazer isso em um lugar que ninguém vê. –ele fala antes de se inclinar até mim.

Sua boca se chocou com a minha e suas mãos foram para a minha bunda. Me inclinei para ele, levantando um pouco minha bunda para ele ter poder segurar melhor o local. O beijo começou a ficar mais intenso e eu podia sentir meu pau começar a endurecer. Tentei aprofundar o beijo, mas ele de repente se afastou.

-Temos que ir comer. A gente não quer se atrasar, não é mesmo? –ele fala com um sorriso travesso no rosto.

-Deixa de besteira, Rafa. Me beija direto. –me aproximo de novo, mas ele apenas sai do carro e vai para a cafeteria.

Bufo irritado antes de ir para dentro da cafeteria também. Entro no local e logo vejo ele sentado em uma mesa que estava mais ao fundo. Ainda emburrado caminho até a mesa. A mesa era daquelas que tinha um sofá circular como banco, mas ao invés de sentar ao lado dele como ele indicou com a mão, me sentei no sofá contrário ao dele.

Ele me olha com a sobrancelha arqueada, como se me desafiasse a continuar sentado longe dele. Eu devolvo o olhar, deixando claro que não iria sair do meu lugar. Ao invés de continuar com aquele joguinho, ele apenas ri alto e se levanta, sentado ao meu lado em seguida.

-Sai daqui! Não era você que não queria me beijar? Então vai pra longe!

-Nossa, que grosso! Eu gosto assim. –sua boca vai para meu pescoço e ele começa a distribuir beijos molhados no meu pescoço.

-Rafael, sai daq- um gemido corta minha frase quando sua mão desce e aperta meu membro.

-Você todo bravo assim me deixa com tanto tesão. Eu só consigo pensar em você todo mandão assim exigindo que eu vá mais forte. Imagina que delícia ia ser. –a voz sussurrada me arrepia por inteiro.

-Posso ajudar? –pergunta a garçonete, fazendo Rafa tirar a boca do meu pescoço.

-Claro, eu vou querer um bolo Ópera e um cappuccino. E você Lucah? –ele fala na maior tranquilidade do mundo, como se ainda não estivesse apertando meu pau.

-Ahn... Eu quero um pedaço de Tiramisù e um crème brûlée. –podia sentir minha voz falha em algumas partes da frase, ainda mais quando a mão de Rafael começou a desabotoar minha calça- Um mocha, também.

-Só um minuto que eu volto com os pedidos. –ela fala antes de sair.

-Rafael, o que está fazendo? –falo com a voz ameaçadora, mas ele parece não ligar.

-Relaxa, baby. Vou apenas te dar bem mais do que um beijo.

Sua mão entrou na minha calça e ele começou a massagear meu membro por cima da boxer. Sua boca voltou para eu pescoço, dando beijos e mordidas que pareceriam inocentes... Se ele não estivesse quase me masturbando em público!

-Pare com isso agora! –ralho pra ele.

-Não fale como se não tivesse gostando. Eu consigo sentir como você está duro.

O filho da mãe tinha razão. Por mais assustador que parecesse alguém ver o que estávamos fazendo, a idéia parecia me deixar ainda mais excitado. Eu já podia sentir meu membro ficar molhado pelo pré-gozo e tinha certeza de que se eu abrisse minha boca, soltaria um gemido alto.

-Aqui estão os pedidos. –a garçonete chega à mesa, mas o risco de ser pego por ela apenas vez um gemido reprimido sair da minha boca.

-Você pode colocar em uma embalagem para a viagem? –Rafael pergunta, sua voz saindo carregada de tesão.

A moça saiu e voltou alguns segundos mais tarde, trazendo os pedidos dentro de uma sacola de papel com a logo da loja. Apenas nesse momento Rafael tirou as mãos da minha calça, pois precisava pagar a conta. Aproveitei esse momento para fechar minha calça.

Ele a deu uma quantia que provavelmente precisaria de troco, mas ele não pareceu dar à mínima, pois pegou minha mão e a sacola com o lanche e saiu me puxando para fora do lugar. Rafael rapidamente destrancou o carro e nos puxou para o banco de trás. O loiro colocou o lanche no banco da frente e trancou o carro antes de ter colar sua boca na minha.

O beijo já começou selvagem, as línguas brigando por controle e os dentes batendo, mas não poderíamos nos importar menos com aquilo. Nossas mãos corriam firmes pelo corpo um do outro e não demorou até eu sentir sua mão desabotoar meu jeans.

-Usa verde, amarelo e vermelho, ok? Sabe o que significa, certo?

-Sei. –minha voz saiu ofegante e falha pelo tesão.

Seus beijos foram descendo pelo meu corpo e eu me sentia cada vez mais ofegante. Embora estivesse frio por ainda ser de manhã, meu corpo estava fervendo. As mãos de Rafael pareciam deixar um rastro de fogo por todo lugar que passavam e aquilo estava me deixando insano.

Suas mãos foram até a barra da minha calça e eu arquei o quadril para ajudar ele a retirá-las do meu corpo. Ele puxou a cueca junto com a calça e eu gemi em satisfação ao sentir meu membro livre. Rafa não retirou minhas calças completamente, parecia estar com pressa demais para isso, ao invés disso, ele apenas as abaixou até que focassem na altura do meu joelho.

Ele ficou entre minhas e naquele momento eu agradeci aos seus céus por o Rafael ter um SUV espaçoso e não aqueles carros pequenos que nem uma Ferrari.

Ele ficou parado por um, apenas me olhando e aquilo me deixou envergonhado. Será que eu não era bonito o bastante? Eu sempre achei meu pênis bonito, mas e se Rafael não gostasse? Eu sei que não sou hiper gordo, mas meu corpo não é perfeito. Minhas coxas são grandes e eu tenho certeza que tenho algumas estrias na lateral interna delas.

-Você é tão perfeito que nem parece de verdade. –a frase me pegou completamente de surpresa. Ele realmente pensava assim de mim?- Vai ser um prazer te engolir inteirinho.

O loiro se abaixou e começou a distribuir beijinhos pela minha pélvis e virilha. Seu hálito batia na minha ereção e aquilo me fazia ainda mais excitado.

-Rafa... Por favor... –choramingo, rebolando os quadris em busca de mais contato.

-Tão lindo e tão desesperado. Você fode com minha sanidade.

Ele não me deu tempo para pensar em mais nada, apenas abocanhou minha ereção. Naquele momento eu me senti fora de órbita. Sua boca quente me sugando com força estava me fazendo ver estrelas e eu tive que morder minha mão para não gemer alto demais e chamar a atenção de quem passava na rua.

Aquela era outra idéia que fazia meu pau pulsar na boca quente e molhada do Rafael. Um mar de pessoas caminhava a poucos metros da gente, então a possibilidade de alguém nos ouvir não era tão baixa. Por sorte os vidros do carro eram escuros o suficiente para não enxergarem o que acontecia ali.

A língua de Rafael começou a fazer uma massagem ao longo de toda a minha extensão e aquilo me fez morder a mão ainda mais forte. Sua cabeça subiu e ele se concentrou em chupar apenas a cabecinha, certificando-se de que a língua passeava na fresta da minha glande. Sua cabeça voltou a descer e subir rapidamente na minha extensão ao mesmo tempo em que ele sugava meu pau. Os dentes rasparam de leve no meu pênis, fazendo uma sensação de extremo prazer tomar conta de mim. Sua mão esquerda foi até minhas bolas, as massageando. A outra mão que estava me masturbando entrou em sua boca junto do meu pênis e depois foi em direção a minha entrada. Meu corpo se arrepiou por inteiro ao senti-lo passear com os dedos ali. Os dedos estavam molhados pela saliva e aquilo deixava o toque ainda melhor.

Senti ele forçar um pouco o indicador, mas sem realmente entrar. Um lamento escapou da minha boca.

-Cor?

Estava tão anestesiado pelo prazer que demorei um tempo até raciocinar o que ele estava falando.

-Verde! Por Deus Rafael, verde! –meu corpo começou a se impulsionar para baixo em busca de mais contato com seu dedo e logo teve o que procurava.

Rafael penetrou lentamente em mim, me levando na borda pela sensação maravilhosa. Eu era virgem, mas já tinha explorado o meu corpo algumas vezes, então aquilo não estava desconfortável. Na verdade, estava o completo oposto.

Seu dedo começou a entrar e sair de mim na mesma velocidade em que sua boca engolia minha ereção. Isso somado a massagem em minhas bolas estavam me deixando à beira do precipício.

Olhei para baixo e vi Rafael babando meu pau inteiro, suas bochechas estavam côncavas e ele me encarava fixamente. Seus olhos estavam com a heterocromia destacada já que ele estava com tesão e aquilo o deixava ainda mais bonito do que já era. Aquela visão somada aos barulhos molhados que sua boca fazia em meu pau me levou ao limite.

Gozei antes que pudesse avisá-lo, enchendo sua boca com minha porra. Ele pareceu não se importar nem um pouco já que me sugou ainda mais avidamente, engolindo todo o meu gozo de bom grado.

Meu corpo ficou mole depois disso e eu podia sentir leves espasmos no meu corpo. Eu realmente havia gozado muito forte.

-Você tem um gosto delicioso. –ele fala lambendo os lábios, retirando os últimos vestígios de goza que tinha na sua face.

-Vamos ver se você também tem. –me levanto para retribuir, mas ele me empurra de novo para o banco.

-Nana nina não. Você vai ficar deitado ai enquanto eu dirijo para a escola. Não temos mais tempo e se você fizer isso comigo a gente vai acabar perdendo o primeiro horário. E é bom você ter um momento pra se recuperar.

-Rafa, não faz assim. Eu quero te chupar. Por favorzinho? –um biquinho de manha surge no meu rosto.

-Não me pede assim que eu não vou conseguir me controlar e eu sei que agente não pode. A gente já matou aula ontem, não podemos de novo. Mas depois da aula eu vou adorar.

-Tudo bem. –falo ainda emburrado.

Ele pula para o banco da frente e começa a ir em direção ao colégio. Arrumei minhas roupas e passei para o banco do passageiro, usando o espaço entre os bancos da frente como passagem.

Ele olhou pra mim e sorriu antes de estender a mão para eu segurar. Aquilo me fez derreter por inteiro.

-Eu já falei que amo quando seus olhos mudam de cor? –falo admirando seus olhos. Eles ainda estavam de cores diferentes, mas eu podia ver que já estavam voltando ao normal.

-Eu acho uma merda. Todo mundo sabe quando eu to com alguma emoção forte quando eles ficam diferentes. Se a gente encontrasse com o Liam agora, ele saberá que a gente fez algo no mesmo instante e ficaria me zoando por uma eternidade. Não é muito legal.

-Mas não deixa de ser lindo.  –percebo um leve tom de rosa em suas bochechas após minha frase.

-É a primeira pessoa que diz isso. Geralmente as pessoas acham estranho. – ele fala meio envergonhado e era fofo ver como aquele garoto todo confiante estava corado com o elogio.

 -As pessoas são burras então.

-----------------

Estava na terceira aula do dia e essa eu tinha junto com Rafael. Ele estava sentado algumas cadeiras atrás de mim e eu podia sentir seu olhar queimando nas minhas costas. Sabia que ele estava indignado por eu estar sentado em dupla com o Logan e não com ele, mas Logan me pediu pra sentar comigo antes mesmo de Rafael chegar na sala, então a culpa não é minha.

Eu estava feliz que Logan quis sentar ao meu lado, afinal ele sempre sentava do lado de alguma peguete dele, mas ainda assim uma grande parte de mim preferia estar sentado ao lado de Rafael. Se eu soubesse que ele também tinha essa aula comigo, teria negado quando Logan falou para sentarmos junto, assim eu poderia dar o troco em Rafael pelo o que ele fez comigo na lanchonete.

Meu celular vibrou no meu bolso anunciando uma mensagem. Eu iria ignorara achando que era da operadora, mas depois de vibrar mais duas vezes seguidas resolvi ver o que era. Peguei o celular disfarçadamente para a professora não ver e o desbloqueei a tela, vendo o nome “pervertido” aparecer na tela. Na mesma hora abri a mensagem.

Pervertido :  consigo ver a barra da sua cueca daqui.

Pervertido :  só consigo pensar em como adoraria tirar ela de novo.

Pervertido :  eu ainda consigo sentir seu gosto na minha boca e eu quero mais.

-Com quem está falando? –Logan pergunta do meu lado e eu viro o celular para ele não ver as mensagens.

-Com a Letícia. –falo e suspiro aliviado quando e ele volta a olhar para o quadro, parecendo ter acreditado na mentira.

Você: Que delicia, digo q absurdo!

Você: e tu me respeita q eu sou belo, recatado e do lar

Pervertido : claro que é

Pervertido :  mas isso não te impediu de gozar na minha boca.

-Como assim você gozou na boca dele?! –a voz de Logan me faz levantar a cabeça e só ai que eu percebo que ele estava vendo as mensagens- É por isso que você está se atrasando? Ele anda te chupando todas as manhãs?!

-Quem me dera... Não! Pera! Eu quis dizer deus me livre, é claro que não.

-Eu não acredito que- ele é interrompido pelo sinal tocando.

Salvo pelo gongo!

-Nossa, que pega. O sinal tocou. Eu tenho que ir. Tchau!

Antes que ele pudesse falar mais alguma coisa eu saio correndo da sala, mas inda consegui ouvir a risada escandalosa do Rafael. Não acredito que aquele filho da mãe estava rindo de mim!

******

Vi Lucah sair correndo da sala com o rosto completamente corado e não me aguentei antes de começar a rir.

Eu tinha visto que Logan tinha visto as mensagens e admito que amei ver a cara de revoltado que ele fez. Era bom ver que depois de ele fazer tão mal ao Lucah, agora era ele quem estava sendo trocado.

Por falar em Logan, ele estava me encarando com um olhar mortal. Acho que ele tinha percebido que eu estava rindo da cara dele.

Pude ver pela sua expressão que ele queria falar comigo, e como eu também queria trocar algumas palavrinhas com ele, esperei pacientemente todo mundo sair da sala.

-Só vou te deixar um aviso, novato: fica longe do Lucah. –ele fala se aproximando de mim depois que ficamos sozinhos na sala.

-Engraçado que eu ia te dizer a mesma coisa.  

-Você não tem chance de ganhar essa luta. Lucah é apaixonado por mim desde sempre, então basta eu estalar meus dedos pra ele te largar e correr de volta pra mim.

-Você sabe que isso é mentira. Se fosse verdade não precisaria estar falando comigo agora. –me aproximo ainda mais dele, o encarando nos olhos- E aqui vai meu aviso pra você: você teve a chance com o Lucah e só fez mal pra ele, então agora pare de perturbar ele e deixe ele livre pra ser feliz com alguém que realmente goste dele. –pude ver ele ficar um pouco nervoso, sua confiança já não tão inabalável.

-Então vai mesmo disputar ele comigo? Vai perder seu tempo. Eu consigo vencer isso fácil. E quando eu tiver ele só pra mim, vou fazer questão de esfregar na sua cara. –a maneira como ele falava de Lucah como se ele fosse apenas um premio para exibir me anojava.

-Pare de falar como se ele fosse um objeto! Lucah é uma pessoa, uma incrível por acaso. Alguém tão podre como você não deveria nem mesmo ser digno da atenção dele, mas você o deixou com a autoestima tão baixa que ele acha que é um luxo as migalhas que você dá pra ele. Mas isso não vai ficar assim por muito tempo, eu vou fazer questão de mostrar pra ele o quão incrível ele é. E quando ele enxergar isso... Era uma vez você. Agora se você me dá licença, eu estou indo beijar um certo alguém que se chama Lucah. -não deixei que ele falasse mais nada e sai esbarrando em seu ombro apenas para provocar.

Fui para o refeitório tentando esfriar a cabeça ao longo do caminho e quando cheguei lá já não estava mais tão puto. Assim que entrei no local, pude ver de longe Lucah rindo com nossos amigos. Era bom vê-lo tão alegre e eu ia fazer de tudo pra que ele continuasse assim. Não ia deixar que um idiota como Logan acabasse com a sua auto-estima que nem vinha acontecendo.

Eu vou fazer ele enxergar o quão magnífico ele é.


Notas Finais


gente, desculpa a demora, mas eu comecei um cursinho, além do inglês e da escola, então não tenho tempo nem pra respirar. eu juro que to escrevendo o máximo que eu posso, mas são 3 fics pra atualizar, então fica meio difícil. Sério, eu to quase chorando por não ter tempo pra nada, alguém me ajuda por favor!
comentem pra eu ficar pelo menos um pouco feliz, pq mal começou o bimestre e eu já to em desespero.
2 beijos e amo vcs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...