História Era Uma Vez A Morte - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Personagens Originais, Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Visualizações 14
Palavras 950
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Harem, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oer, olha quem está de volta? Rápido né? Eu disse que tava/tô empolgado hshshhs enfim, espero que gostem!

Boa Leitura!¡ sorry os erros;

(Capítulo editado/reescrito)

Capítulo 2 - Capítulo I


Como contar a todos que partiria dessa pra melhor de repente? Como aceitar que logo perderia tudo aquilo que amava tanto? Como lidar com toda aquela situação dolorosa?

Já fazia uma semana desde que soube de sua atual condição, mas aquilo não fazia real diferença na vida do Kim, o tempo havia parado quando soube que logo mais sua vida perfeita se tornaria um verdadeiro caos.

Ele não fizera questão de contar o que sentia interiormente, apenas disse a seus amigos mais próximos o que se passava fisicamente consigo.

Era terça-feira e novamente o garoto faltara na escola e no trabalho.

O tumor não era uma desculpa para suas faltas tanto na escola quanto no trabalho, Mingyu apenas se sentia incapaz emocionalmente.

Não conseguia sair do quarto escuro para o mundo claro onde tudo e todos que mais amava estavam a sua espera, sem pensar que perderia tudo em breve.

Ouviu uma batida na porta, logo seguida das vozes melodiosas e preocupadas de JeongHan e Jisoo.

Ele sabia que viriam, cedo ou tarde, seus amigos iriam até ele, não era como se pudesse escolher, pelo menos aquilo provava que acima de tudo ele não estava sozinho nessa.

Murmurou um "pode entrar" e logo uma fresta de luz adentrou o quarto. Mingyu se encontrava sentado na beira da cama de solteiro de costas para a porta, fitando a janela fechada.

- Gyu? - o de cabelos compridos e castanhos o chamou indo em sua direção enquanto Jisoo fechava novamente a porta.

- Oi. - disse baixo levantando um pouco seu rosto sem encarar o amigo que agora se encontrava sentado à sua frente.

- Céus, você tá' péssimo! - o garoto não se conteve pegando o rosto do Kim com ambas as mãos acariciando o mesmo com os polegares.

- Hannie, preste atenção no que fala! - repreendeu o Hong com falsa raiva se sentando ao lado de Mingyu.

- Aish, desculpa Gyu... Não foi minha intenção, eu apenas disse a verdade.

- Tudo bem... Você tem razão mesmo... - falou mantendo o tom baixo da voz que se fazia rouca provavelmente por ter passado boas horas chorando.

- Como você está se sentindo? - Jisoo perguntou meio receoso, era óbvio que o amigo não estava bem.

- Horrível. - falou se jogando na cama seguido dos outros dois garotos que fizeram o mesmo deitando um de cada lado do moreno.

- Isso é óbvio, mas por que está faltando às aulas? - JeongHan perguntou o fitando enquanto Mingyu olhava para o teto branco do quarto. - os outros estão preocupados com você.

- Não sei se estou pronto para encarar o mundo de novo. - suspirou.

- Pode parecer insensível, mas continuar preso aqui não vai melhorar nada. Está perdendo o tempo que... - a voz do Hong sumiu quando sentiu suas lágrimas escaparem de seus olhos.

- Que me resta? - perguntou Mingyu se virando para Jisoo vendo-o confirmar. Limpou algumas das lágrimas do outro e pensou um pouco antes de responder. - É eu sei... Mas não sei como fazer esse tempo valer a pena também, sem pensar que... Eu vou morrer logo.

- Acho que não devia ser tão negativo. - Yoon se pronunciou abraçando o amigo por trás. - a gente sabe o que vai acontecer, mas não sabe quando vai acontecer, então acho que, sei lá, você pode tentar sair um pouco, aproveitar o tempo com coisas boas e não apenas pensar no fim...

- Vou pensar no caso...

- Okay... Pense então.

- Mas e vocês? Alguma novidade?

-Talvez, que tipo de novidade exatamente você quer saber?

- Desde que não envolva um tumor no cérebro alheio que vá matar alguém em um tempo indeterminado, já é um bom começo. - falou e os três riram, Mingyu sempre tentava ser engraçado em situações difíceis e na maioria das vezes conseguia.

- Tudo bem, eu tenho. SeungCheol me chamou pra sair. - falou Yoon feliz suspirando logo em seguida sendo seguido por Jisoo, esse que não sorria, não mais. Por sorte, apenas Mingyu percebera o clima já que JeongHan estava ocupado sorrindo como uma criança para o nada.

- Ele te chamou pra sair? - perguntou Kim.

- Tá... Eu joguei umas' indiretas pra ele... - falou rindo.

- "Umas" né? - riu acompanhando o outro enquanto Jisoo fingia não prestar atenção na conversa.

- Foram só... 3. - mentiu descaradamente.

- Três mais vinte mil, certeza'.

- Aish! Eu não seria tão óbvio - falou dando um tapa de leve no ombro de Mingyu.

---

Passaram o resto da tarde assistindo filmes e conversando. Ambos os amigos foram embora à noite, apenas depois de Min prometer pensar na hipótese de ir para escola no dia seguinte.

Mingyu se sentia culpado e mal por ter mentido, odiava mentir para seus amigos, mas ele não iria no dia seguinte para a aula, ao menos era isso que pensava desde que fechara a porta até subir as escadas e entrar em seu quarto.

Sua mãe havia deixado uma bandeja com um lanche vegetariano preparado para si com um bilhete, sorriu fraco por não sentir fome apesar do carinho e esforço da mãe para que comesse alguma coisa.

Apenas deixou a comida de lado e foi até o guarda roupas procurar algo confortável para tomar um banho e ir dormir de novo.

- Se não vai comer, avise sua mãe, ela gastou demasiado tempo fazendo isso para que você deixe aí a esmo. - a voz grossa, porém tranquila preencheu o quarto antes silencioso.

- Quem está aí?! - Mingyu perguntou se virando para o cômodo escuro. Ele podia ver uma silhueta magra e alta - não mais alta que si próprio - encostada parede ao lado da janela. - Q-quem é você?! O que está fazendo aqui?!

- Olá, Ming-ah. - falou com a mesma voz grossa - É uma honra, enfim, conhecê-lo, eu sou A Morte.

Continua...


Notas Finais


Foi isso, continua no próximo capítulo.
Como vocês acham que o Ming vai lidar com A Morte? Hshsh

Até o próximo capitulo, Bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...