História Eros Complex - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoas! Voltei, um pouco atrasada, mas ainda tá valendo kk

Esse capítulo se tornou um dos meus favoritos, e vcs logo entenderão o pq...

Boa leitura/.

Capítulo 21 - O cupido corrompido


Me beije, Jeongin.

Seungmin resmungou, caminhando a passos duros até que estivesse na frente do sofá em que os garotos se encontravam. 

— Ficou maluco, Hyunjin? Nós nem sabemos se ele quer mesmo fazer isso! 

Hyunjin apenas deu de ombros, despreocupado. Algo lhe dizia que Jeongin claramente aceitaria, afinal, o próprio havia afirmado querer os dois e nada mais. Por que o Yang recusaria mesmo? Por conta disso, o Hwang nem se surpreendeu quando o cupido afirmou de modo baixo, quase sussurrado: 

— Tudo bem. Eu aceito. 

Os lábios de Hyunjin se repuxaram em um sorriso quase involuntário. Algum tipo de ansiedade revirou o seu corpo demoníaco, mas a sensação era boa. Queria fazer aquilo, queria saborear os lábios do mais novo, afinal, a desvantagem estava consigo.

 Se Seungmin também podia, por que ele não? 

— O que disse? — O Kim pareceu chocado pela resposta de Yang, e cruzando os braços, o encarou de modo questionador. Jeongin, porém, evitou ao máximo o olhar ansioso do mais velho sobre si. 

— Tudo bem, Seungmin. — O cupido resmungou, olhando fixamente para as próprias mãos ansiosas. — Eu posso fazer isso, nós temos que me controlar, não é? 

— Jeongin, pense bem.— O Kim retrucou, tentando clarear os pensamentos do jovem cupido. — Nós não queremos forçá-lo. Se não quiser, encontraremos outro jeito...

— Mas eu quero.— Afirmou o garoto, tentando convencer a si mesmo que o motivo não era nenhum tipo de desejo egoísta, e sim, unicamente, o medo de machucar aqueles de que gostava.

Entretanto, no fundo, o pequeno ser do amor sabia que a voz que teimava em sua cabeça não era a que tanto conhecia. Talvez fosse a sua outra parte, mais ansiosa e fervorosa. Precisava domá-la, de um jeito ou de outro. 

— Se ele disse, então está falado.— Hyunjin sorriu, esfregando as próprias mãos em uma ansiedade teatral. — Quando começamos? 

Seungmin apenas suspirou derrotado, sentando-se no braço do sofá da sala. O Kim olhou para Jeongin em expectativa, como que curioso para saber se Yang teria ou não algum tipo de atitude.

 O demônio lembrava-se muito bem da cena do banheiro em que protagonizaram, e sabia o quanto a outra parte do jovem era improvável. Havia sentido em sua própria pele, em seus próprios lábios. 

— Acho que agora. — Surpreendendo os demônios, Jeongin afirmou, tomando coragem para erguer a cabeça e encarar Hyunjin em expectativa. 

Nem o próprio Hwang entendeu, mas fora como se a sua típica atitude convencida tivesse sido sugada pelas orbes negras do Yang assim que os olhares se encontraram. Engoliu em seco, tentando ignorar a leve palpitação de dominou o seu coração demoníaco. 

Como podia estar nervoso? Isso não era natural, não para alguém como Hyunjin. 

Ignorando as sensações estranhas, o Hwang foi se aproximando do corpo de Jeongin, apoiando suas mãos em ambas as coxas do garoto. Por mais que a pele estivesse escondida entre o tecido da calça, o Hwang podia jurar sentir o calor corporal do garoto queimando contra seus dedos. 

Pela visão periférica, Hyunjin podia ver os olhos de Seungmin sobre os dois, logo atrás das costas de Jeongin. O Kim, por outro lado, não aparentava nenhum tipo de raiva. Sua expressão era quase decifrável: algo que mesclava ansiedade e nervosismo, quase como se o Kim pudesse sentir as mesmas sensações de Hwang. 

Hyunjin se inclinou mais, roçando os narizes levemente. 

Jeongin fechou os olhos com força, tentando controlar os pensamentos confusos de sua cabeça. Não queria surtar, não podia. Incentivado pelo mais novo, Hyunjin fez o mesmo. Fechou os olhos delicadamente antes de colar seu lábios sobre os lábios macios de Yang. 

Hyunjin não esperou muito para abrir seus lábios, invadindo a boca do pequeno cupido com a sua língua atrevida. Mesmo ainda tímido, Jeongin envolveu sua língua com a do outro, tentando se acostumar com o ritmo rápido e firme que Hyunjin seguia. Era completamente diferente de beijar Seungmin, o cupido tinha certeza. 

Algum tipo de necessidade invadiu o corpo de Hwang, que de imediato levou suas mãos firmes para a cintura de Jeongin, o puxando até que os corpos estivessem ainda mais conectados. O Yang arfou entre o movimento repentino, surpreso pela urgência do outro demônio. As mãos do cupido foram instintivamente entre as mechas negras do outro. 

Jeongin puxou os fios entre seus dedos, mas o toque era delicado e calmo. 

Jeongin não havia surtado. 

Muito pelo contrário, estava consciente de cada um de seus atos, aproveitando a sensação prazerosa que era saborear os lábios carnudosdo Hwang. 

E Seungmin? Bem, ainda sentado sobre o braço do sofá, o Kim observava a cena atentamente. Não, não estava irritado, ou com ciúmes. 

Na verdade, a maneira como Jeongin e Hyunjin se agarravam sobre o sofá, quase como um beijo urgente de despedida, fez o seu coração demoníaco bater forte contra a caixa torácica, e pensamentos não tão inocentes passearem dentro de sua cabeça. 

Seungmin fechou os olhos com força assim que se deu conta das cenas atrevidas que sua mente começava a transmitir. Tinha que manter o foco. 

Deveria ajudar Jeongin, e não poderia fazer isso com uma ereção. O som das bocas de separando atraiu a atenção do Kim, que abriu os olhos hesitantemente. Hyunjin e Jeongin estavam ofegantes, os lábios vermelhos pelo ósculo não tão cauteloso. 

O Hwang tinha as mechas bagunçadas, quase como se tivesse acabado de acordar. Jeongin, por outro lado, estava pleno. Sua expressão, embora envergonhada, era a mesma de sempre. 

Não era o cupido corrompido. 

— Não deu certo?! — Hyunjin resmungou, ajeitando as mechas confusas de seu cabelo. Com uma expressão indignada, o Hwang tentou inclinar-se para roubar os lábios de Jeongin novamente para si, mas fora muito devagar.

Seungmin já havia segurado os ombros de Yang e o puxado para trás, forçando o cupido a apoiar as costas sobre o seu peito. Jeongin sentiu as mãos quentes do demônio Kim apoiadas sobre o seu abdômen, o que o fez tremer levemente pelo contato. Estavam muito perto, abraçados. 

— É claro que não deu, você não sabe beijar. — Seungmin provocou, tentando manter uma expressão indiferente, sem sucesso. Seus olhos expressavam desejo, e Hyunjin sabia lê-los como ninguém. 

— Se eu não sei, por que você não tenta? — Incentivou o Hwang, agarrando uma das almofadas do sofá e abraçando contra o seu corpo em uma animação teatral. 

Seungmin não deveria ter ouvido. Deveria só ter ignorado os olhos insistentes de Hwang sobre si, mas queria, e muito, quebrar a expressão convencida do maldito demônio, e talvez, seus lábios estivessem quase formigando por algum contato mais íntimo. 

— Vamos ver quem é melhor. — As palavras praticamente saíram da boca de Seungmin antes que o demônio se desse conta. As mãos apoiadas sobre o abdômen de Jeongin subiram subitamente.

 A mão esquerda segurou o queixo do Yang, erguendo a cabeça do rapaz até que os lábios do cupido estivessem na altura dos de Seungmin. Yang arfou, surpreso pela  repentina mudança de planos. 

Estava preparado para beijar apenas e unicamente o Hwang. Mas, agora, estaria sobre os comandos de Seungmin também. 

Jeongin sentiu o coração sobrenatural acelerar e seus olhos se fecharam fortemente antes que Seungmin os roubasse para si. 

Com a mão esquerda ainda segurando o queixo de Yang, Seungmin levou a destra até o pescoço do rapaz, o envolvendo entre seus dedos em um toque mais atrevido, ainda que sem toda a força. 

Seungmin apertou o pescoço de Jeongin, o que o fez arfar audivelmente entre o ósculo. As línguas se acariciavam em um ritmo bem mais lento, ainda que tão intenso quanto o que Yang e Hwang dividiram. 

Foi a vez de Hyunjin se hipnotizar pela cena. Mordendo seus próprios lábios, Hwang abraçou mais a almofada para si, como que tentando descontar o desejo que crescia em seu corpo em algum outro objeto. Ter os dois rapazes se beijando com tanta vontade foi o necessário para que o Hwang sentisse o corpo começar a esquentar e um leve repuxar prazeroso surgir em seu baixo frente. 

Eu não posso fazer isso. Hyunjin debatia consigo mesmo, mas a ansiedade presente em seu corpo pareceu falar mais alto, tomando conta de seus atos. 

Quando deu por si, já havia se inclinado na direção dos dois rapazes, e a pequena almofada caiu graciosamente pelo chão da sala. Ao mesmo tempo, Seungmin deixou os lábios de Jeongin, mas o aperto sobre o pescoço do cupido continuava o mesmo. 

Ainda ofegante e ludibriado pelo desejo, o Kim observou a aproximação do Hwang, que segurou as coxas de Yang e as abriu para que se colocasse entre elas.

 Jeongin gemeu alto pela primeira vez, e o som de sua voz tímida fez os membros dos demônios latejarem dentro de suas calças. Jeongin, mesmos afetado pelos estímulos prazerosos e desconhecidos, ainda possuía o mesmo olhar singelo. Novamente...

Ainda não estava corrompido.

— O que está fazendo? — O Kim indagou ao outro demônio, mas a resposta estava mais do que óbvia. 

Hyunjin riu provocativo, segurando as coxas firmes de Jeongin e acariciando a região em um movimento perigoso, quase próximo da virilha do cupido. Jeongin arfou outra vez, devolvendo ao Hwang um olhar envergonhado, mas ainda sim desejoso. 

— Ele disse queria os dois. — Hyunjin provocou, e então conectou seus olhos com os de Seungmin, fixamente e intensamente. 

E então, o mesmo arrepio familiar passou entre os dois corpos. O mesmo arrepio que sentiram todas as vezes que os olhares se encontravam no passado, quando beijos românticos eram trocados, e quando faziam promessas eternas de amor. O

O mesmo sentimento, anteriormente adormecido. 

Estavam separados, então como podiam sentir a mesma coisa, na mesma intensidade, como se ainda estivessem juntos desde sempre? 

Talvez Jeongin fosse a resposta, já que era como uma fagulha, forte o suficiente para reacender a chama intensa entre Hyunjin e Seungmin.

— Se ele quer os dois, temos que agradá-lo, não é? — Seungmin sugeriu em voz alta, já deixando o tesão dominar seus próprios pensamentos. Hyunjin lambeu os próprios lábios, ansioso. 

— Ah, Kim, você sempre tira as palavras da minha boca! 

Jeongin arregalou os olhos, mas não estava assustado, muito pelo contrário. Estava ansioso, sedento por mais e mais do que poderia ter. Hyunjin e Seungmin trocaram um último olhar intenso antes de começarem a agir. Seungmin retirou as mãos do pescoço de Yang devagar, certificando-se de arranhar a região com suas unhas curtas. Puxou o queixo do cupido outra vez, conectando as bocas outra vez. 

Hyunjin aproveitou a deixa para levar suas mãos ao corpo de Yang, apertando a cintura fina contra seu dedos. Jeongin apareceu gostar, pois arfou audivelmente, ainda explorando a língua de Seungmin com a sua. 

Apoiando-se nos próprios joelhos e ainda segurando o corpo de Yang, Hyunjin trilhou seus lábios rosados até a pele do pescoço do rapaz, capturando a região entre os seus lábios. Jeongin tremeu pelo contato. 

A língua do Hwang parecia passear pela região sensível com habilidade, mesclada com as mordidas nada fracas que o Hwang lhe distribuia, mas Jeongin não podia ligar menos. A dor era boa, quase familiar, por mais que nunca tivesse experimentado nada parecido. 

E então fora como se algo tomasse conta de seu corpo, e quando percebeu, já enlaçava suas pernas ao redor da cintura de Hyunjin, o obrigando a conectar mais os corpos. Quando os membros se encontraram, ainda com a barreira das roupas, o Yang não hesitou em ondular o corpo, esfregando-se necessitado no corpo de Hyunjin. 

O cupido passou a gemer baixo pela sensação prazerosa, mas os gemidos eram abafados pela língua atrevida de Seungmin, que ainda explorava sua boca com maestria. 

Mas ter Jeongin ali, necessitado e tão próximo de Seungmin, estava levando-o a loucura. Não queria mais apenas beijá-lo, queria tocá-lo e sentí-lo como Hyunjin o sentia. 

E foi pensando nisso que Seungmin enfim descolou os lábios, já vermelhos e inchados, dos do Yang. Suas mãos desceram até  a barra da camiseta do cupido, e logo a roupa foi puxada para fora do corpo de Yang, pela boa vontade do próprio, que auxiliou Seungmin na tarefa, nunca deixando de rebolar contra o corpo de Hyunjin.

Os dois demônios pararam de imediato para que pudessem avaliar o corpo bonito do mais novo. A pele alva e bem desenhada era um deleite para os olhos. O corpo, embora esguio, era definido nas proporções certas. 

Perfeito. Seungmin pensou, correndo ambas as mãos pela região agora desnuda. Seus dedos desenharam o abdômen pré definido do rapaz com cautela, e depois subiram até os mamilos, prendendo-os entre seus dedos. Jeongin gemeu audivelmente, surpreso pela sensação súbita de prazer que atingiu seu corpo. 

Ter Seungmin estimulando a região sensível entre seus dedos e distribuindo selares demorados por seu maxilar, ao mesmo tempo em que tinha um Hyunjin investindo falsamente contra o seu corpo, foi o suficiente para ludibriar a mente de Jeongin por completo. 

Fora como se não soubesse mais o próprio nome e nem onde estava. Tudo o que importava era o prazer entre suas entranhas. 

Entretanto, os pensamentos difusos se tornaram concretos quando Jeongin presenciou a seguinte cena: 

Sem deixar de estimular seu corpo, Hyunjin e Seungmin conectaram seus olhares de maneira tão intensa que Jeongin podia jurar ter sentido o arrepio da intensidade em sua própria pele. E então, hesitantemente, inclinaram-se na direção um do outro, enfim colocando os lábios mais uma vez depois de quase duas décadas separados. 

Foi nesse momento que Jeongin sentiu a tontura. Sua visão ficou turva, e se não estivesse preso entre os corpos dos dois demônios, teria caído do móvel da sala...

Havia se corrompido por completo. 

Quando sua visão voltou ao normal, não era mais o mesmo. E por isso, com uma força mais ampliada que o comum, agarrou as mechas de ambos os demônios, separando os lábios que se exploravam indecentemente em total nostalgia. 

Tanto Hyunjin quanto Seungmin encararam Jeongin de imediato, surpresos pela intervenção não tão delicada. Ainda com mechas presas em ambas as mãos, Jeongin repuxou seus lábios em um sorriso malicioso. 

— Me perdoem a interrupção, mas não estão esquecendo de nada? Se estão aqui para me agradar, façam isso corretamente. Seus lábios deveriam estar em mim, e não um no outro.

Os demônios identificaram de imediato a súbita mudança de voz. Era o outro Jeongin. Ou, na melhor das hipóteses, o mesmo, apenas uma fera selvagem esperando para ser domada. 

— Jeongin…— Hyunjin chamou, a voz mais cautelosa que o comum. — Olhe para mim e mantenha o foco. 

— Foco? — O cupido corrompido riu debochado, puxando Hyunjin  pelos cabelos em um movimento severo. O Hwang gemeu pela dor em seu corpo cabeludo. — Por que eu precisaria disso?!

— Porque esse não é você. — Seungmin retrucou, recebendo o olhar severo de Jeongin em sua direção. O Kim engoliu em seco. — Na verdade, é uma parte sua, mas não a única. Se você focar, pode unir as duas...

Seungmin fora interrompido ao sentir o corpo tombar para trás do sofá em um movimento brusco. Jeongin havia o empurrado para longe de si, assim como o corpo de Hyunjin, que tombou sobre o sofá antes de desabar carpete. 

Jeongin levantou-se irritadiço como nunca antes esteve. E o clima, anteriormente desejoso, havia mudado. O Yang corrompido era forte do suficiente para causar medo em ambos os demônios, que se encolheram quando o cupido berrou: 

— Mas esse sou eu, porra! — Jeongin prendeu os próprios cabelos entre seus dedos. Havia uma raiva fervorosa em suas palavras, mas também havia certa hesitação, e Hyunjin percebeu, aproveitou-se da deixa:  

— Ninguém disse que você não era. — Arriscou o Hwang, a voz calma, embora temerosa. — Mas a outra parte existe. A parte gentil, delicada e inocente…

— A parte estúpida de mim, você quer dizer?! — Jeongin resmungou as palavras em total desprezo, o que fez o demônio Kim arregalar os olhos, sentando-se corretamente sobre o carpete em que estava jogado. 

— Não é a parte estúpida.— Rebateu Seungmin, tentando sorrir reconfortante. — É a parte me fez te encontrar. É a parte que me deixa feliz, que me conforta e me apoia. É a parte que eu mais quero ver em você. 

— Mas eu me sinto bem assim!— Jeongin protestou, raivoso. — Por que não me querem assim?! 

— E quem disse que não queremos? — Simplicou o Hwang, apoiando-se de joelhos no carpete. Hyunjin sorriu mínimo. — Você é especial em qualquer forma, mas queremos as duas partes. Junte-as! Por Seungmin. Por mim.

Jeongin piscou confuso, sentindo as sensações diversas embaralharem sua mente. O cupido levou as mãos a própria cabeça, sentindo a dor que era organizar as ideias difusas de modo coerente. 

Podia ter duas partes diferentes? 

Como? E por quê? 

Se sentia muito bem assim, o desejo malicioso era praticamente combustível para suas entranhas. Estava mais vivo do que nunca, dessa maneira, completamente corrompido. 

Entretanto, não podia negar que possuía a outra parte, a mais tímida e sensível. A parte bondosa que o tornara em um cupido. A parte que o levara aos braços de seu hyung mais querido, Woojin. 

A parte que havia encontrado Seungmin e se apaixonado bobamente.

 A parte que sentia o coração acelerar ao encarar as feições bonitas do atrevido Hyunjin. 

Talvez, só talvez, estivesse errado…

Mas, se realmente possuía duas partes, como juntá-las?! Como uni-las?! E então, uma pequeno memória vívida ressurgiu em sua mente, clareando os pensamentos e vozes confusas que o confundiam. 


— Você gosta de mim? — Sussurrou baixo. Após alguns segundos se silêncio, a resposta que recebeu foi uma risada baixa do Kim.

— Para ser sincero, eu não havia pensado nessa possibilidade antes. Todo esse lance de cupido ocupou demais a minha sanidade mental. — Riu. — Mas…

— Mas…? 

— Quando eu te beijei, eu senti algo… diferente. 

— Diferente bom ou diferente ruim? 

— Como eu disse, você se preocupa demais. — Rindo, Seungmin abraçou o corpo de Jeongin para mais próximo do seu. — Durma. 

O cupido queria protestar e obter uma resposta digna de sua curiosidade, mas estar nos braços do Kim era confortável demais, e antes que pudesse perceber, sua mente rendeu-se ao vazio.


 Como em sua pequena memória reconfortante, Jeongin deixou sua mente ser preenchida pelo completo vazio. Sem mais preocupações ou questionamentos incessantes, sem mais cartas confusas e embaralhadas. 

Foi como se um peso deixasse o seu corpo. Se sentiu leve, praticamente livre. 

Quando abriu os olhos calmamente, enfim descobrira o que era. Era Yang Jeongin, um cupido corrompido. Porém, por mais que os defeitos corrompessem sua mente, boas intenções preeenchiam o seu coração. 

— O que foi? — Jeongin disparou, rindo da expressão espantada no rosto dos demônios da sala, ainda jogados sobre o carpete. 

— Suas asas, elas...— Seungmin não completou, mas sequer fora necessário. 

Quando Jeongin as avaliou, um arfada surpresa deixou os seus lábios. Tudo porque  as asas, anteriormente prateadas, agora eram mescladas por um puro preto, queimado como carvão. Entretanto, a tonalidade de uma de suas asas estava mudando aos poucos, de forma perceptível.

 Jeongin avaliou sua asa esquerda retornar ao prata, ainda mais brilhante do que antes, em um total contraste com a direita. 

Duas asas, duas cores. Dois lados. 

— Finalmente compreendi. — O garoto pensou consigo mesmo, rindo baixo. — Era por isso que as minhas asas começaram a doer no banheiro do senhor Lee. Elas estavam queimando, se corrompendo por completo. Entretanto…

— Você finalmente encontrou o equilíbrio. — Seungmin declarou, abismado. 

Jeongin sentiu os lábios se repuxarem em um sorriso maldoso, e encarou o Kim com as sobrancelhas arqueadas. 

Uau, essa frase foi criação sua ou você roubou de algum filme do Star Wars? — Jeongin debochou, rindo baixo e provocativo. 

Entretanto, ao receber olhares surpresos dos demônios, levou as mãos aos próprios lábios, como uma censura a si mesmo. 

Espera aí…

— Acho que você possui um lado sarcástico agora. — Hyunjin constatou, e depois sorriu animado. Algo lhe dizia que as coisas ficariam muito interessantes. — Esse é o meu garoto! 


Notas Finais


Seungmin, além de lidar com as provocações de Hyunjin, agr vai ter que aguentar um Jeongin mais atrevido tbm, ele que lute…

No próximo capítulo saberemos oq diabos changlix e minsung + Jackson estão aprontando no apartamento do Chan sksk

ps: aproveitando a deixa, finalmente tomei vergonha na cara e decidi que vou usar um FC EXCLUSIVO PARA AS FICS! Caso queiram me seguir lá no twitter, agora é @jmaseulz

Podem me mandar dm caso queiram algum pequeno spoiler ou só conversar msm rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...