1. Spirit Fanfics >
  2. Errôneo >
  3. Peek a Boo

História Errôneo - Capítulo 3


Escrita por: hoseokey

Notas do Autor


olá voltei!!! obrigada por betar mais um capítulo gabi, boa leitura!!

Capítulo 3 - Peek a Boo


Fanfic / Fanfiction Errôneo - Capítulo 3 - Peek a Boo

A sexta-feira tinha chegado. Jungkook estaria mentindo se dissesse que aquela semana não foi difícil. Teve que lidar com um monte de livros e arquivos que Taehyung lhe passava, dizendo que ele precisava entender a teoria primeiro antes de começar a mexer no trabalho, e o pior de tudo era que ele pedia fichamentos ao fim do dia, fazendo com que Jungkook ficasse enfurnado nisso o dia inteiro. O pior de tudo foi o mau humor de Taehyung, completamente diferente daquele cara descontraído que conheceu no aniversário do pai. Ele não dava brecha para nada, falava só o básico sobre o trabalho e pronto.

Logo no primeiro dia, Taehyung solicitou uma nova mesa em sua sala para Jungkook trabalhar nela, alegando que sua própria mesa não tinha espaço suficiente para os dois. Jungkook sabia que aquilo era mentira, tinha espaço suficiente sim, ele só não queria ficar perto para não cair na tentação, tinha certeza disso.

Jungkook até tentou fazer algumas investidas, mas Taehyung o cortava a todo momento, sem contar as vezes em que ele sequer o respondia, às vezes só bufava sem paciência. Estava sendo difícil, mas Jungkook não iria desistir, sabia que aquele comportamento era temporário, porque Taehyung criara uma barreira por saber que ele era filho de Doyun. Apesar disso, tinha plena certeza de que aquela postura não duraria por muito tempo, sabia que ele o desejava, principalmente por perceber os olhares discretos de Taehyung em seu corpo sempre que Jungkook passava perto. Outro dia, viu pelo reflexo da janela de vidro ele olhando para sua bunda, aproveitou para dar uma empinadinha, não perderia a chance de provocá-lo, Taehyung rapidamente desviou o olhar.

Em um desses dias ele teve um mini surto ao pegar a ficha de registro de Jungkook e ver que ele só tinha 22 anos, questionou porque não disse a idade no dia da festa e Jungkook se defendeu respondendo que em nenhum momento Taehyung perguntou. Ele revirou os olhos com a resposta e chamou Jungkook de pirralho, deixando seu novo estagiário emburrado o restante do dia. Qual é? A diferença nem era tão grande assim. Faria 23 anos em algumas semanas e não se importava de saber que Taehyung tinha 30 anos. Para ele, aquela diferença não afetava em nada.

Por falar em seu aniversário, será que Taehyung daria um beijo de presente se ele pedisse? Começou a rir com o pensamento, imaginando a cara assustada que ele faria com um pedido desses. Mas se lembraria disso quando seu aniversário chegasse, planejava fazer uma festa grande e esperava que Taehyung não faltasse, nem que precisasse usar a moral do seu pai para fazê-lo ir.

Voltou sua atenção para o livro a sua frente, suspirando alto por ter que ler o começo da página outra vez. Já era a terceira vez que Jungkook viajava nos próprios pensamentos e parava de prestar atenção no que estava lendo, tendo que recomeçar tudo de novo.

― Alô? ― Observou Taehyung atender o celular, então parou novamente a leitura e ficou espiando a conversa. Não era do tipo fuxiqueiro, mas qualquer coisa parecia mais interessante do que aquele livro.

A quem queria enganar? Amava uma fofoca sim, por isso manteve sua atenção em Taehyung.

― Ok, eu estou indo agora, chego daqui a pouco ― ouviu Taehyung finalizar a ligação e olhá-lo, rapidamente Jungkook voltou para o livro, tentando disfarçar. ― Jungkook, eu vou precisar sair, não irei demorar muito, mas é bom você terminar esse fichamento hoje, viu?! Pelo o que vi não está nem na metade ainda.

― Eu vou terminar sim ― resmungou, a vontade de jogar aquele livro pela janela era grande.

― E não mexa em nada! Estou indo ― disse antes de pegar a chave do carro na gaveta e deixar a sala. Jungkook suspirou, não imaginava que trabalhar com Taehyung seria tão chato assim, precisava quebrar aquela barreira o mais rápido possível.

Jungkook fechou o livro, já estava cansado de ficar relendo o mesmo parágrafo e não entender nada. Resolveu se distrair um pouco, quem sabe sua atenção voltasse depois, e, como um bom curioso que era, deixou sua mesa e foi até a de Taehyung, iria apenas espiar algumas coisinhas, nada demais.

Infelizmente, o notebook pedia senha, e Jungkook não se atreveu a tentar adivinhar, abriu as gavetas na procura de algo interessante. Na primeira gaveta encontrou canetas, calculadora, régua, muitos papéis e algumas fotos dentro de uma pastinha azul. Olhou atentamente cada foto, tendo certeza de que foram tiradas por Taehyung, eram muito bem feitas, fotos dos modelos e de roupas.

Resolveu explorar as outras gavetas, mas tudo parecia muito chato, só tinha papel e mais papel. Até encontrou um chocolate kitkat, pensou seriamente em comer, mas seria muito folgado em fazer algo assim, então deixou lá mesmo. Encontrou uma foto de Taehyung com uma mulher de cabelos pretos, estava vestida de noiva e ele de terno, Jungkook deduziu que era foto do casamento. Olhou com atenção para os sorrisos e a juventude que a foto exalava, eles pareciam muito felizes, ela era bem bonita. Guardou a foto que estava na última gaveta e mexeu um pouco mais, estava quase desistindo de fuçar ali quando encontrou uma pasta com um papel escrito “confidencial”.

Jungkook não pensou duas vezes antes de abrir a pasta, encontrou vários produtos de Taehyung, alguns rabiscos que não conseguia entender, observou cada folha atentamente, imaginando o quanto Taehyung era criativo para ter tantas ideias legais.

Encontrou algo que chamou sua atenção, o título era “moda e comida combinam?”, Jungkook começou a ler o papel; comida era com ele mesmo, afinal ainda guardava sua paixão pela gastronomia dentro de si. Gostou da ideia de Taehyung, ele queria misturar algumas tendências de moda com alimentos e fazer algumas associações, achou aquela ideia genial, Jungkook conseguia até idealizar as fotos, ficariam incríveis. Precisava incentivá-lo a dar vida para aquele projeto, amaria trabalhar junto com ele naquilo.

[...]

Uma semana tinha se passado desde que a vida de Taehyung virou do avesso, não imaginava que seu casamento acabaria assim, de uma hora para a outra. Durante a semana, quando ia dormir, pensava na possibilidade de dar uma segunda chance ao casamento, de perdoar Nabi e seguir em frente, mas ainda não conseguia esquecer o trauma que passara. Taehyung não era do tipo que desistia fácil das coisas, ele era bom em perdoar as pessoas que o machucavam, mas daquela vez estava sendo diferente, suspeitava que tivesse até outro motivo para isso.

Jungkook.

Desde que beijara o bendito filho do chefe, Taehyung não conseguia parar de pensar nele. No início, ficou extremamente arrependido, mas depois que alguns dias se passaram, Taehyung só conseguia pensar no beijo e nas provocações do garoto. Todo dia era uma luta diária para colocar sua expressão mais séria e tentar lidar com Jungkook. Taehyung era introvertido e mais reservado, porém nunca foi grosso e fechado com ninguém como estava sendo agora, mas era necessário, ele não poderia dar abertura para as brincadeiras de Jungkook, não queria colocar seu emprego em risco.

Taehyung o culpava, era como se Jungkook o fizesse querer desistir de continuar no casamento, e se não tivesse o beijado talvez as coisas pudessem estar sendo diferentes naquele momento, mas o maldito beijo não saía de sua cabeça nunca.

Taehyung ainda não tinha conversado com Nabi, apesar de saber que ela havia deixado um recado para Jimin avisando que queria conversar sério com ele. Taehyung sabia que não poderia fugir daquela responsabilidade, mas poxa, fazia pouco mais de uma semana que descobriu ser corno, a raiva e mágoa ainda dominavam seu peito.

Taehyung entrou em contato com um advogado, tio de um amigo do Jimin, e marcou uma reunião com ele para dar entrada no processo de divórcio, por isso saiu às pressas da Domínio para encontrá-lo.

Uns dias depois que Jungkook virou seu estagiário, Doyun o chamou para conversar e entender o que estava acontecendo. Infelizmente, nos primeiros dias Taehyung não estava sabendo lidar com a presença de Jungkook, e isso estava afetando-o demais, acabando por deixar Jungkook sem resposta nenhuma. Obviamente Doyun percebeu, já que ele estava sempre de olho no filho e avaliando seu desempenho, chamou Taehyung para uma reunião, não tinha como dizer a verdade completa, então resolveu esconder a parte do beijo e desabafou sobre o fim do seu casamento. Doyun ficou bem sentido por Taehyung, já que tinha um afeto gigantesco por ele, até lhe deu folga naquele dia.

A reunião com o advogado foi rápida, a princípio, apenas foram oferecidos alguns documentos solicitados. Taehyung daria entrada no divórcio e comunicaria Nabi, então precisava conversar com ela para que ficasse ciente em relação ao que estava acontecendo, mas resolveu deixar aquilo para outra hora. Voltou para a empresa, nem entrou no elevador direito e já sentia suas mãos geladas, ter que lidar com Jungkook era assim, um turbilhão de sentimentos misturados.

Assim que entrou na sala, encontrou o estagiário sentado em sua mesa, mexendo em suas coisas. Taehyung arregalou os olhos e andou em passos largos até ele. Jungkook arregalou os olhos e fechou rapidamente a pasta que segurava.

― Você já chegou ― riu nervoso e se levantou rapidamente.

― O que você estava fazendo? Jungkook, eu disse para não mexer em nada! ― Taehyung rapidamente tomou a pasta de suas mãos.

― Taehyung hyung, eu amei seus projetos, principalmente aquele sobre comida, eu posso te ajudar nele, a matéria vai ficar incrível! ― Jungkook disse animado, ainda meio nervoso.

Taehyung fechou os olhos e respirou profundo. Não porque estava irritado, mas sim pelo “hyung” que vez ou outra Jungkook soltava, não sabia porque, mas aquilo lhe dava um tesão danado, então precisava ignorar.

― Jungkook, eu já disse para não mexer nas minhas coisas, não vamos fazer projeto nenhum, você nem ao menos terminou o fichamento que pedi, quer continuar sendo meu estagiário? Então volte ao trabalho agora! ― falou sério, guardando a pasta enquanto observava Jungkook bufar e voltar para sua mesa com uma cara emburrada, por mais que Taehyung não quisesse admitir, achava aquela carinha fofa.

― Desculpe ― murmurou, abrindo o livro e voltando a leitura para aquela chatice.

O restante do dia passou em silêncio. Jungkook estava concentrado, precisava terminar logo o fichamento então não parava de digitar. Assim que terminou o bendito trabalho, olhou para o relógio do seu notebook e se assustou pelas horas, já eram mais de 18:30 e o expediente acabava às 18 horas. Observou quando Taehyung voltou com alguns papéis na mão que tinha saído para imprimir.

― Já terminou? ― Perguntou, olhando rapidamente para Jungkook. ― Se sim, mande para meu e-mail.

― Já terminei sim, estou enviando agora ― disse, buscando o endereço de e-mail já salvo. Deu uma olhadinha no celular e viu a mensagem que o pai mandara uma hora atrás, avisando que precisava sair mais cedo e que não poderia esperar Jungkook. Murmurou: ― Droga.

 ― O que houve? ― Taehyung perguntou enquanto guardava suas coisas, já tinha desligado o notebook e colocado os papéis numa gaveta.

―  Meu pai já foi, ainda estou indo e vindo de carona com ele ― respondeu, olhando para Taehyung e então sorriu. ― Hyung, será que você não poderia me dar uma carona hoje?

― Carona? Ah, não vai dar, você não pode pegar um uber? ― Taehyung logo sugeriu. Nem ferrando que entraria no mesmo carro com Jungkook.

― Eu não tenho dinheiro aqui ― mentiu.

― Eu pago ― respondeu rapidamente.

― Tudo bem, vou ligar para meu pai avisando que vou de uber já que você não pode me dar uma carona ― disse, com um biquinho chateado nos lábios.

Maldito, Jungkook era um grande canalha. Ele jogava baixo, sabia como mexer nos pontos fracos de Taehyung.

― Não ligue, eu te dou uma carona ― disse rapidamente, respirando fundo em derrota por ter perdido aquela batalha.

O caminho até o estacionamento foi silencioso. Para a infelicidade de Jungkook, outra pessoa tinha entrado junto com eles no elevador, infelizmente não poderia fazer nenhuma investida, já tinha perdido a conta de quantas vezes imaginou sendo prensado por Taehyung naquele espelho, mas esse desejo teria que ficar para outro momento.

Entraram no carro, o estacionamento estava quase vazio naquele horário, com certeza daria para tirar uma casquinha se Taehyung não fosse tão difícil. Ele ligou o rádio e aumentou o som, para evitar qualquer tipo de conversa, mas Jungkook não era do tipo que desistia fácil, Taehyung deveria saber.

― Eu vou para a casa de uma amiga, vou te enviar a localização em seu celular ― Jungkook disse enquanto ele apenas assentiu. Tirou o celular do bolso e enviou o endereço de Jennie por mensagem, finalmente iria encontrar sua melhor amiga, estava morrendo de saudades.

Taehyung abriu a localização e seguiu o rumo daquele endereço. Estava calado, torcendo para que as coisas continuassem assim.

― Sabe, Taehyung, qualquer dia desses a gente poderia sair sem compromisso, como colegas de trabalho para beber uma ― Jungkook sugeriu, dando um sorrisinho.

― Uma pena que estou bem ocupado ultimamente ― respondeu, sem desviar sua atenção do trânsito.

― Ah, não se preocupe, eu tenho bastante tempo, posso esperar ― rebateu, fazendo Taehyung suspirar.

― Você não desiste fácil das coisas, né?

― Não tenho culpa, só estou com saudades do seu beijo e quero repetir ― não tirava os olhos de Taehyung.

― Sinto muito em informar, mas isso não vai acontecer ― estava a um ponto de perder a cabeça com aquele assunto.

― Por quê não? Nada te impediu naquele dia, a gente beijou bem gostoso.

― Naquele dia eu não sabia que você era filho de Doyun, se eu soubesse não teria te beijado ― tentava cortar aquele assunto, mas estava difícil.

― Então está afirmando que não gostou? ― Perguntou, queria ver se ele teria coragem de dizer na sua cara.

Taehyung ficou um tempo em silêncio, ponderando se deveria ou não responder.

― Eu não disse isso ― falou baixinho, ainda de olho no trânsito, já estava chegando na casa da amiga de Jungkook.

― Então o hyung gostou ― Jungkook abriu um sorriso largo, sabia que não estava errado. Tirou o cinto de segurança assim que Taehyung estacionou o carro.

― Escute, Jungkook, eu já disse uma vez e vou repetir, isso não vai mais acontecer ― afirmou, finalmente olhando para ele.

― Sabe, hyung, eu não consigo entender porque você continua se negando tanto mesmo querendo ― falou, olhando intensamente para a boca de Taehyung, iria desestabilizá-lo assim.

― Como você pode ter tanta certeza que eu quero assim? ― Perguntou, tentou soar o mais confiante possível, mas não teve jeito, se deixou levar pelo sorrisinho sapeca estampado no rosto de Jungkook.

Ele não respondeu de imediato, levou a mão até o bolso da calça tirando seu protetor labial de cereja, passou nos lábios devagar, aproveitando para conferir a expressão de Taehyung, se surpreendeu ao vê-lo encarando atentamente. Seus lábios estavam entreabertos.

― Me responde você, hyung, como tem tanta certeza que não quer? ― perguntou, apoiando as duas mãos juntas no banco e se inclinando para a frente, ficando um pouco mais próximo de Taehyung.

― Ordinário ― falou baixo, se aproximava involuntariamente. ― Não me provoca.

― Por quê? Vai fazer o quê? ― Jungkook perguntou baixinho, mantendo um sorriso de canto enquanto encarava os olhos dele.

Taehyung seguiu completamente seu impulso, agarrou o cabelo de Jungkook por trás e puxou com firmeza, Jungkook soltou um resmungo surpreso, gostou daquilo, sentiu vontade de subir no colo de Taehyung. Se encararam intensamente, estavam cada vez mais perto. Jungkook ansiava para beijar aquela boca até não aguentar mais, mas, para seu desespero, o celular começou a vibrar no bolso, fazendo Taehyung despertar daquele transe que se encontrava. Rapidamente soltou Jungkook e se encostou no banco, encarando o volante.

― Maldição ― Jungkook não conseguia acreditar naquela onda de azar, já era a segunda vez que o celular lhe atrapalhava, na próxima vez iria deixar o bendito em casa. Tirou o celular do bolso e viu o nome “Jennie Best”, aceitou a ligação. ― EU VOU TE MATAR.

― O que eu fiz? Você já está chegando? ― Estava perdida.

― Cheguei, já estou descendo, abre logo a porta aí ― falou e desligou o celular, enfiou no bolso outra vez e fitou Taehyung. ― Alguma chance de a gente continuar de onde paramos?

― Nenhuma chance, pode descer do carro você já está entregue ― Taehyung preferiu não olhá-lo, tinha medo de não resistir.

― Tudo bem, sendo assim então obrigado pela carona ― Jungkook se inclinou e deixou um beijinho rápido na bochecha de Taehyung.

Taehyung deu partida assim que ele desceu do carro, literalmente fugindo o mais rápido possível de Jungkook. Deu uma risada e caminhou em direção a porta de Jennie, nem precisou apertar a campainha, ela já estava lhe esperando do lado de fora.

Não conseguiu ficar com raiva dela nem por dois minutos, assim que viu Jennie, correu até ela e a abraçou com força, erguendo seu corpo do chão. Ela apertou Jungkook com força, estavam morrendo de saudades e depois de tanto tempo puderem se encontrar, não aguentavam mais manter aquela amizade somente por vídeo chamada e mensagem.

― Finalmente você conseguiu um tempinho para mim ― Jungkook disse assim que se afastaram. Um sorriso enorme no rosto. ― Como está indo a faculdade?

― Horrível, todo dia tenho vontade de desistir daquela tortura ― respondeu e revirou os olhos. Segurou a mão de Jungkook e o puxou para dentro de casa, ela morava com os pais e eles tinham um carinho muito grande por Jungkook. Eles ainda estavam no trabalho, por isso, a casa se encontrava num profundo silêncio.

― Nem me fale, não é atoa que eu desisti mesmo ― deu uma risadinha e acompanhou sua melhor amiga até o quarto dela. ― Cadê sua irmã?

― Lisa está dormindo, chegou morta de cansada do vôlei, te contei, né, que ela começou as aulas faz duas semanas. ― A irmã de Jennie era uma fofa, tinha apenas 11 anos e era muito engraçadinha, Jungkook a adorava. ― Mas me conta, por que você queria me matar? O que eu fiz?

Jennie perguntou assim que entraram em seu quarto, Jungkook olhou ao redor e sorriu, estava tudo do mesmo jeitinho. O quarto de Jennie era o típico patricinha, tudo rosa e lilás, ele adorava. Se deitaram na cama de casal, como costumavam fazer antes, passavam horas do dia fofocando ou maratonando alguma série.

― Eu estava prestes a beijar Taehyung, amiga, aquele gostoso que te mandei foto ― Jungkook lamentou, nem conseguia acreditar que chegou tão perto, ainda conseguia sentir os dedos firmes puxando seu cabelo, se arrepiava todo só em lembrar.

No primeiro dia de trabalho, Jungkook fuçou as redes sociais de Taehyung e encontrou o instagram dele, tirou print de todas as fotos, afinal tinham poucas, com certeza ele tinha arquivado muita foto com a ex mulher. Jungkook curtiu uma foto sem querer, se amaldiçoou por ser tão desatento, mas não tirou o like, quem sabe Taehyung o seguisse... Pobre ilusão, no dia seguinte quando foi olhar o instagram dele novamente, a conta estava privada.

― Me perdoa, eu não fazia ideia ― fez um biquinho, tudo que menos queria era atrapalhar Jungkook com aquele boy, ele passou a semana inteirinha falando de Taehyung. ― Mas sei que ele não vai resistir por muito tempo.

― Assim espero ― sorriu sapeca, se ajeitando no travesseiro.

― E aquele seu ex namorado francês? Você nunca mais falou sobre ele ― Jennie perguntou, se sentando na cama apenas para pegar o controle remoto na mesinha ao lado, colocando num filme qualquer.

― O Lorran ― revirou os olhos, não gostava nem de lembrar da peça. ― Tá lá sendo o babaca que é, espero que esteja se ferrando muito também.

 Jungkook se envolveu com o francês alguns meses depois de ter iniciado o curso, ele era seu colega de classe. No início, se encantou pela beleza de Lorran, ele tinha os cabelos pretos e ondulados um pouco acima do ombro, seu rosto era bem marcado e os lábios carnudos. Rapidinho Jungkook caiu no charme dele, o começo do namoro foi incrível, mas não demorou muito para Lorran mostrar sua verdadeira face, ele era extremamente competitivo e tinha o ego lá em cima, adorava colocar os outros para baixo e obviamente não demorou para fazer o mesmo com Jungkook. O namoro chegou ao fim quando Lorran fez pressão em Jungkook e alegou que ele nunca encontraria ninguém que o aceitasse como ele, Jungkook o xingou de todo jeito e terminou, não deu dois dias e Lorran já apareceu namorando outro.

Dava graças a Deus que se livrou daquele folgado.

― E você, amiga? Não está pegando ninguém? ― Quis saber.

― Eu estava saindo com um carinha do curso, mas não deu em nada, meio que fomos parando de se falar ― deu de ombros, não fazia muita diferença para ela, não criou sentimentos por esse rapaz.

― Ele é quem perde, então ― Jungkook sorriu, continuaram a conversa por mais algum tempo, depois decidiram sair e aproveitar aquela noite de sexta-feira.

[...]

Taehyung estava exausto quando chegou no apartamento de Jimin, mas ele não estava lá ainda. Deixou a chave do carro e do apartamento em cima da mesa de jantar e foi para o quarto, guardou suas coisas e tirou logo aquela roupa para tomar um banho e relaxar, estava agitado, sentia a adrenalina ainda percorrer seu corpo depois do episódio que teve com Jungkook minutos atrás, quase beijou ele, se não fosse o celular, provavelmente ainda estariam dentro daquele carro fazendo sabe sei lá o que.

Taehyung se culpava por não ter resistido, sentia que agora Jungkook não acreditaria mais em suas palavras e continuaria lhe provocando de todas as formas possíveis, estava sendo insuportável de aguentar, só queria puxá-lo pelo cabelo e lascar um beijo naquela boquinha atrevida, quem sabe assim sua mente se acalmava. Taehyung começou a cogitar a possibilidade, se perguntando se aquilo poderia realmente funcionar e fazer Taehyung acalmar seus nervos, mas logo se livrou do pensamento, não trairia a confiança de Doyun novamente, acreditava que Deus o tinha dado uma chance grande de não ser descoberto, não iria jogar isso fora.

Tomou um banho rápido e gelado, conseguiu relaxar e ficar mais tranquilo, os pensamentos não estavam mais eufóricos como antes. Vestiu apenas sua cueca box preta e se deitou na cama, relaxando por completo. Abriu o aplicativo de comida no celular, procurando o que iria jantar naquela noite, Jimin o avisou que iria dormir na casa do namorado, então pediria algo simples para comer e depois iria assistir alguma série até adormecer.

O jantar não demorou para chegar, pediu um sanduíche do subway e uma coca-cola. Colocou a série Sweet Thooth, porque estava curioso para assistir depois de ver tantos comentários positivos.

A noite passou tranquilamente, estava deitado e bem confortável em sua cama quentinha, a série era realmente muito boa, estava amando, já iniciava o quinto episódio quando seu celular começou a tocar. Taehyung se assustou ao ver o nome de Doyun na tela, arregalou os olhos, se perguntando por que diabos ele estava ligando àquela hora da noite. Pausou a série e atendeu, o coração acelerado pelo nervosismo.

― Sr. Jeon? ― Perguntou inseguro, sem imaginar o que esperar daquela ligação.

― Graças a Deus você atendeu, Jungkook tinha me avisado hoje cedo que iria pegar carona com você, onde vocês estão?

― Ah sim, ele não está comigo, o deixei na casa de uma amiga ― respondeu, sem entender muito bem onde aquela conversa iria chegar.

― Jungkook não está respondendo minhas mensagens e ligações, eu ficaria preocupado, mas conhecendo bem meu filho sei que ele está me ignorando ― disse, pigarreando. ― Eu preciso de Jungkook aqui em meia hora para uma reunião de última hora que alguns sócios marcaram, quero que ele acompanhe tudo, será que você poderia me ajudar?

Taehyung queria surtar. Sentiu vontade de inventar qualquer desculpa, dizer que não tinha nada a ver com isso e desligar a ligação, mas obviamente não faria isso com seu chefe. Suspirou, e continuou aquela conversa.

― E como eu poderia ajudar? ― Não queria fazer aquela pergunta, parecia que se meteria em encrenca se resolvesse ajudar.

― Tente achá-lo, por favor, você pode ir na casa dessa amiga ou ligar para ele, quem sabe te atenda.

― Tudo bem, irei ver aqui ― disse a contragosto, odiando saber que precisaria sair de sua caminha para consertar as besteiras de Jungkook.

― Muito obrigado, Taehyung, você está me salvando. Irei te recompensar por isso ― garantiu e segundos depois a ligação foi encerrada.

Taehyung suspirou alto e resmungou, foi direto para o guarda-roupa, tirando uma calça jeans e uma camisa preta de mangas curtas. Que saco, não acreditava que precisaria olhar para Jungkook outra vez naquele dia, achava que passaria o fim de semana livre, esfriaria a cabeça e esqueceria um pouco tudo que passou, mas não, a vida gostava de lhe pregar peças. Voltou para a cama em busca do celular e ligou para o número de Jungkook, no terceiro toque ele atendeu.

― Taehyung? ― Jungkook parecia bem surpreso com a ligação.

― Onde você está? ― Perguntou direto, sem paciência para enrolação. Não contaria que seu pai estava lhe procurando, com certeza ele desligaria em sua cara.

― Estou no karaokê com Jennie ― disse alto, dava para ouvir uma voz feminina cantando uma música aleatória. ― Decidiu que quer me pegar?

Taehyung soltou uma risada, aquele garoto era mesmo inacreditável. Mas preferiu não dizer nada, assim facilitaria as coisas.

― Me passa o endereço, chego aí em poucos minutos ― falou, aproveitou para desligar a televisão e ir procurar suas chaves na mesa de jantar. Ouviu um suspiro alto pela ligação, a chamada foi finalizada e segundos depois o celular vibrou com uma mensagem nova de Jungkook, era a localização.

Taehyung pediu a Deus muita paciência e sabedoria para lidar com as tentações que provavelmente iria enfrentar daqui para frente, já estava nervoso só de pensar. 

Seguiu o endereço da localização, o caminho não foi tão longo assim, em 20 minutos chegou ao local. Olhou novamente a mensagem, Jungkook tinha colocado o número da cabine em que estava.

Taehyung pagou sua entrada na recepção e saiu em busca da cabine em que ele estava. Respirou fundo antes de abrir a porta, se perguntava o que estava fazendo da vida, teve muita vontade de desistir e voltar para casa, ligar para Doyun e avisar onde Jungkook estava, mas não tinha mais jeito, já estava ali, precisava enfrentar os desafios, conseguiria lidar com ele.

Assim que entrou, a sala ficou em silêncio, Jungkook e sua amiga o encaravam, os olhos arregalados, assim como Taehyung. Mas o silêncio não durou muito, Jungkook abriu um sorriso e puxou Taehyung para dentro.

― Você chegou ― não conseguia parar de sorrir. ― Essa é minha amiga Jennie. Jennie, esse é o Taehyung.

― Prazer ― ela sorriu e Taehyung retribuiu, olhou para Jungkook e fez um sinal positivo disfarçadamente.

― Preciso falar com você, Jungkook ― Taehyung disse e se aproximou do garoto, ele assentiu e olhou atentamente em seus olhos, por Deus, precisava se controlar. ― O seu pai está te procurando, ele precisa urgente de você lá, é para uma reunião.

Jungkook encarou ele por alguns segundos e revirou os olhos. Não acreditava naquilo, ele foi até lá só por causa do pai? Não, não podia ser.

― É sério isso? ― cruzou os braços depois que soltou o microfone em cima do sofá.

― É sério, você precisa ir logo.

― Eu não vou! Se você veio até aqui para isso então pode ir embora, só vou te aceitar aqui dentro se for para você me beijar ― disse irritado, cheio de exigências. Bebeu um pouquinho, não o suficiente para ficar bêbado, só levemente alterado.

― Garoto... ― balançou a cabeça em negação, olhou rapidamente para Jennie que ria em silêncio.

― Estou falando sério!

― Tudo bem, então vou ligar para seu pai e dizer que você está aqui aí ele mesmo vem te buscar ― Taehyung colocou a mão no bolso, mas ouvir aquilo foi o suficiente para Jungkook parar com a birra.

― Não precisa ― segurou o braço de Taehyung no impulso. ― Eu vou para casa sim, pode dizer a ele.

― Eu vou te deixar lá ― olhou para ele e em seguida para Jennie. ― Posso te deixar na sua casa também.

― Tá bom, nós iremos, mas só daqui há 10 minutos, que é o tempo que acaba aqui, você pode esperar? ― Jungkook pediu, parecia mais calmo. Claramente não queria lidar com o pai ali dentro, seria muito pior.

Taehyung suspirou e concordou. 

― Só 10 minutos! Eu vou ficar esperando aqui. ― Foi até o sofá roxo e se sentou, olhou no relógio para marcar o tempo.

 Jungkook sorriu, pegou seu microfone e foi até Jennie, a sala era pequena, mas tinha um espacinho bom para eles cantarem e dançarem como amavam fazer. Ela deu um gole no restinho do soju e passou para Jungkook que aceitou, ofereceu para Taehyung, mas ele recusou. Bebeu o resto do conteúdo da garrafa e colocou na mesinha do lado.

― Vamos cantar qual agora? ― Jennie perguntou, olhando as opções de músicas. Taehyung deu uma espiada na tela, tinha várias músicas de grupos femininos de kpop.

― Que tal Peek a boo de Red Velvet? ― Jungkook sugeriu, amava aquela música, inclusive adorava a discografia do grupo.

― Ótimo, vou colocar, você começa ― Jennie disse, selecionando a opção e se afastando de Jungkook para poderem fazer a coreografia.

Taehyung ficou observando a cena, se surpreendeu com as vozes dos dois, cantavam bem e afinadinho, deduziu que eles iam muito ao karaokê. Achou engraçado como os dois faziam a coreografia certinho e em sincronia, não sabia se estava certa, não conhecia muitos grupos de kpop, só algumas canções que Nabi gostava de escutar. Continuou observando os dois, mais especificamente Jungkook, ele conseguia movimentar o corpo com muita precisão, bem flexível, Taehyung com certeza não aguentaria fazer um minuto daquela coreografia.

― Peek-peek-a-peek-a-boo ― Jungkook cantou, deu uma olhadinha rápida para Taehyung e sorriu.

Taehyung não conseguiu evitar sorrir de volta, estava se divertindo. A música seguinte que eles colocaram foi “Like ooh ahh” de Twice, esse grupo Taehyung conhecia melhor, já foi até em um show delas por causa de Nabi.

Taehyung continuou assistindo aquele showzinho particular e para ser bem sincero estava ficando difícil se concentrar em outra coisa que não fosse aquele movimento do quadril que Jungkook fazia quase a sua frente, engoliu em seco, se arrependendo de não ter aceitado um pouquinho de soju para molhar a garganta seca. Se perguntava como eles conseguiam manter o fôlego daquele jeito cantando e dançando, Taehyung já estava suando só em observar, bom, talvez seu suor tivesse outro motivo.

Teve certeza disso quando chegou no dance break da música, Jungkook se abaixou e girou a cabeça igualzinho a coreografia, os movimentos eram rápidos e bem feitos, deixando Taehyung doidinho.

― Uau! ― soltou baixinho, eles não conseguiram ouvir. Jungkook estava tão envolvido pela música que esqueceu por um momento que Taehyung estava ali, atrás de si.

Para finalizar, Jungkook escolheu “Gee” de Girls’ Generation, pois segundo ele, não poderiam sair de lá sem cantar aquela. Taehyung também conhecia aquela, escutava muito em sua adolescência. Achou engraçado o jeito que Jungkook conseguia afinar mais a voz para cantar aquela música, ele e Jennie se empenharam em entregar um verdadeiro show. Taehyung vez ou outra dava um sorriso sem perceber enquanto assistia os dois.

Nem imaginava que sua noite terminaria assim, achava que seria apenas uma sexta-feira como as outras, em casa assistindo série, mas não, estava no karaokê vendo o filho do chefe dançando e cantando músicas de kpop. A vida era mesmo engraçada.

Para a tristeza de Jungkook e Jennie, o tempo tinha acabado, então precisaram deixar a sala a contragosto. Taehyung saiu na frente, indo até seu carro. Ainda se lembrava do caminho para a casa de Jennie, então foi deixar primeiro ela, os dois não paravam de conversar, Taehyung nem conseguia acompanhar o raciocínio da conversa, falaram várias coisas ao mesmo tempo, misturando tudo. Minutos depois, parou em frente a casa de Jennie, Jungkook acompanhou ela até a porta, deu um abraço apertado e voltou para o carro, entrando no banco de passageiro.

― Olha eu aqui de novo ― Jungkook sorriu, colocou o cinto de segurança.

― É bom não ir se acostumando ― Taehyung deu uma risadinha, estava mais leve depois daquela noite.

― Gostou de me ver dançar? Você não desviava o olho ― Jungkook perguntou, aproveitando para passar seu protetor labial nos lábios, o cheiro de cereja se espalhou pelo carro e Taehyung não conseguiu evitar seu olhar dos lábios dele. Voltou a atenção para a estrada.

― Vocês cantam bem ― elogiou.

― Gostou da minha dança? Posso dançar para você em particular também, se quiser ― Jungkook mordeu os lábios, olhava para Taehyung, adorava ver ele arregalar os olhos sutilmente enquanto demorava alguns segundos para formular uma resposta.

― Você não tem jeito mesmo, Jungkook ― balançou a cabeça e o olhou rapidamente assim que estacionou o carro em frente à casa dele. ― Está entregue.

― Você não respondeu minha pergunta ― provocou, o sorrisinho não saía dos seus lábios.

― Já pode descer Jungkook e se comporta, hein?! Não sou sua babá.

― Babá? ― Jungkook soltou uma gaitada, jogando a cabeça para trás. ― Hm, estou com fome, o bebê quer mamar.

Olhou para as calças de Taehyung e depois para seus olhos.

― Meu Deus, Jungkook, desce logo antes que eu ligue para seu pai e avise as safadezas que você está dizendo. ― Já estava ficando apavorado, aquele seu estagiário não dava um minuto de descanso.

― Até parece que você tem coragem ― Jungkook riu, abriu a porta do carro e antes de descer, olhou para Taehyung. ― Eu vou acabar com essa sua marra, você vai ver.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...