1. Spirit Fanfics >
  2. Escândalos adolescentes, drogas e sexo >
  3. "Não sabe o que eu sou capaz"

História Escândalos adolescentes, drogas e sexo - Capítulo 52


Escrita por:


Capítulo 52 - "Não sabe o que eu sou capaz"


Fanfic / Fanfiction Escândalos adolescentes, drogas e sexo - Capítulo 52 - "Não sabe o que eu sou capaz"

É, tudo foi do cinza para o vermelho muito rápido, é aquele ditado, uma vida por outra, Zachary Brandon sempre foi do tipo de cara que colocava a mão no fogo por quem acredita, e como aconteceu, ele também entrava na frente dos tiros, Zack fez o que era preciso, ele salvou Dylan, mas quem salvaria ele? Bom, naquela noite, tudo foi como um flash, passou tão rápido que ninguém conseguiu entender direito, todos só lembravam de Dylan carregando o garoto até o carro, e levando ele até o hospital, ele derrubou algumas latas de lixo, e ultrapassou alguns sinais, mas ele conseguiu levar Zack até o hospital, que foi levado às pressas para a sala de cirurgia, e demorou tanto, mas ninguém saiu de lá, já era 03:27 da manhã, e todos estavam lá, Storme estava conversando com sua mãe, tentando acalmá-la, Rebekah estava sentada no meio de Ray e Ruby, Justin estava apenas quieto, encostado na parede, enquanto Dylan estava enlouquecendo, ele andava de um lado para o outro, ainda sem camisa, e todo ensanguentado, Dylan não conseguia ficar quieto, se Zack morresse, seria sua culpa, e ele entendia isso.

— Dylan, não quer voltar pra casa? Tomar um banho? — Justin perguntou, vendo Dylan estressado, e ele ainda parecia cansado, Dylan claramente precisava de uma boa noite de sono.

— eu não posso voltar pra casa, eu nem tenho mais casa, esqueceu? — Dylan disse coçando os olhos.

— deixa de frescura, eu falei com o Michael, ele não te expulsou, você foi embora.

— mas ameaçou me expulsar, e Dylan Queen não é ameaçado.

— deixa de ser ridículo, graças ao seu orgulho imbecil, o Zack foi baleado, então deixa de ser mulherzinha e seja homem para pedir desculpas — Justin disse olhando nos olhos de Dylan, que gritavam "Não!"

— olha, eu...— Dylan estava falando quando seu pai apareceu atrás dele, e logo Storme e Phoebe vieram correndo.

— e aí, doutor? Ele está bem? — Phoebe perguntou segurando as lágrimas.

— foi muito feio? Ele morreu? Precisa de um novo rim? Isso é cheiro de pipoca? — perguntou Storme, mas seu estômago estava gritando por comida.

— ele está bem, quer dizer, ele ficará bem, a bala não foi tão fundo, e felizmente não atingiu nenhum órgão, ele é um menino sortudo — Michael disse aquilo e todos ficaram aliviados — Dylan, posso falar com você? — Michael disse puxando o filho para o canto — o que vocês estavam fazendo no terraço da escola?

— nós... Nós estávamos...

— olhando as estrelas — Storme disse chegando perto deles, vendo Dylan gaguejar.

— e por que não fizeram isso de outro lugar?

— nós queríamos ver o cometa.

— cometa?

— sim, o cometa... Wars star.

— Wars star? 

— é, você não conhece?

— é... É claro que eu conheço, bom, Dylan, aqui está a chave da minha sala, lá tem um banheiro, e vê se acha uma camisa — Michael disse e logo depois saiu.

— por que fez isso? — Dylan perguntou para Storme.

— fiz o quê?

— me ajudou.

— porque você salvou meu irmão.

— não, seu irmão me salvou, eu fiz ele levar um tiro.

— Dylan, você trouxe ele pra cá, você estancou o sangue, ele podia ter morrido lá mesmo.

— eu deveria me sentir como um herói?

— herói é uma palavra forte — Storme deu uma risadinha — nossa, como eu odeio hospital, mas eu nem posso ir embora, minha mãe tá resolvendo um lance com os médicos.

— você quer ficar na sala do meu pai? Lá não tem gente enchendo o saco, só eu.

— posso trancar a porta?

— por mim tá ok — Dylan disse, e eles foram até lá, Storme trancou a porta e começou a jogar uns jogos no computador de Michael, e Dylan estava no chuveiro, e ele não sabia porque, mas cada gota de água que encostava em sua pele, era como ser queimado por milhares de águas vivas, e Dylan queria simplesmente gritar, ele não sabia se era a temperatura da água que estava muito quente, ou se era outra coisa, então ele saiu, deixando o chuveiro ainda ligado, e começou a olhar no espelho.

— o que está acontecendo comigo? — Dylan disse olhando para o espelho, mas ele não aguentou, ele não queria olhar pra si mesmo, então Dylan começou a gritar, e dar vários socos do espelho, e sua mão começou a sangrar, mas ele não parava de bater.

— Dylan? Dylan para com isso! — Storme disse entrando no banheiro ao ouvir o barulho de vidro quebrando, então ela puxou Dylan para o canto, se encostando na parede, então ela ficou sentada no chão, segurando ele com os braços.

— foi culpa minha, Storme, foi minha culpa.

— Dylan, para com isso, o Zack vai ficar bem.

— e se não ficasse? E se ele tivesse morrido?

— mas não morreu, você tem que parar de ver tudo pelo lado negativo, o Zack te salvou, e levou um tiro por isso, como acha que ele se sentiria ao ver você assim? Ele fez isso porque se importa com você, porque quer você vivo, você não disse que faz terapia? Converse sobre isso, você nunca vai se curar de uma dor se não admitir que está doendo — Storme disse aquilo, e Dylan balançou a cabeça concordando.

— você deve ter razão, mas por que está sendo legal comigo agora?

— porque eu ouvi vocês no terraço, e se o Zack confia em você, eu também confio, chega de segredos?

— chega de segredos.

— que bom, o que me faz lembrar, você tá pelado — Storme disse rindo, e Dylan também.

— agora é oficial, quase todo mundo já viu o outro pelado — Dylan disse e eles dois começaram a rir bem alto.

— eu vi sua bunda quando estava entrando.

— cala a boca — Dylan disse sorrindo.

— é tão linda, é bem redondinha

— cala a boca.

— vamos, acho que já podemos ir pra casa — Storme disse se levantando, e se virando enquanto Dylan vestia sua calça.

— você pode ir, eu dou um jeito.

— como assim dá um jeito?

— tenho que arranjar um lugar para dormir.

— por que não fala com seu pai? Ele vai entender.

— não posso.

— tá, então dorme lá em casa.

— sério?

— sério.

— mas e a Phoebe? Ela deve estar furiosa comigo.

— você não fez nada, não foi você quem atirou nele, o que a propósito, eu queria muito saber — Storme disse, e eles foram embora, Dylan foi com uma blusa social branca de seu pai, estava muito grande, mas foi a que ele achou, e um outro dia chegou, e todos foram para a escola, e o clima sem o Zack ficou tão calmo, sem nenhum agito, ou risadas, e Rebekah estava andando pelo jardim no intervalo, até que esbarra em um homem.

— desculpa moço... Tripp? — Rebekah disse se assustando ao ver o homem.

— diretor Tripp — ele disse corrigindo ela.

— não mais.

— own, seu papai é só temporário, querida.

— tem razão, mas "temporário" não quer dizer que com o tempo vão colocar você de volta no cargo, quer dizer que com o tempo vão achar alguém melhor pra assumir esse posto.

— cuidado com o jeito que fala, bonitinha.

— não, você deveria tomar cuidado, não acha que vão querer saber o que um homem, cujo os filhos não estudam aqui, está fazendo em uma escola que não é dele? — Rebekah disse aquilo, e Tripp ficou extremamente irritado.

— escuta aqui, sua vadiazinha — ele disse se aproximando dela — quando eu voltar para essa escola, e eu vou voltar, eu vou fazer questão de acabar com sua vida e a de todos os seus amiguinhos, mas pelo que eu fiquei sabendo, não vai ser tão difícil, ouvi dizer que um deles já está a beira da morte, e o outro está indo para o xilindró.

— e você? Está indo pra onde? — disse Dylan chegando por trás dele, e indo até o lado de Rebekah — eu sou uma pessoa muito gentil, então posso deixar você escolher, você quer ir pro inferno? Ou pra puta que pariu? — Dylan disse sorrindo.

— olha só quem chegou, o garotinho suicida — Tripp disse sorrindo de volta, e Dylan partiu pra cima dele, mas Rebekah o segurou — ficou bravo? Eu manteria a calma, não quero que a coisa fique feia.

— a coisa ficou feia quando o médico teve o desprazer de abrir o útero da tua mãe e tirar tu de lá de dentro, seu aborto incompleto! — Dylan estava querendo quebrar a cara de Tripp mas Rebekah continuava segurando ele, e cara, ele não entendia a força daquela garota.

— se acalme Dylan, não quero fazer mal a você, mas se não sair do meu caminho, você vai acabar se queimando junto.

— está nos ameaçando? E o que quer dizer com "junto"? Quem você está tentando fazer mal? — Rebekah perguntou soltando Dylan que já estava mais calmo.

— ninguém, eu só quero justiça, eu perdi o meu cargo por sua causa Dylan, seu pai comprou o meu silêncio, e eu disse isso, mas só eu sofri as consequências, seu pai continua intacto.

— meu pai salva vidas, o que você faz? Não passa de um inútil, sem vida, e agora sem emprego, você se acha o fodão vindo até aqui dizer essas merdas pra gente, mas eu sei que quer alguma coisa, eu te conheço Tripp, conheço seu tipo, e no final, você não passa de uma garotinha assustada — Dylan disse sorrindo para Tripp que na mesma hora apertou o pescoço dele com sua mão direita.

— não me surpreende você ter toda essa coragem de falar isso pra mim, você sempre foi assim, um menininho atrevido que só faz tudo pra chamar atenção, mas adivinha só? Você também não passa disso, uma garotinha assustada louca pra sair do armário, acha que ainda teria essa pose de macho se eu quebrasse o seu pescoço? — Tripp foi apertando o pescoço de Dylan mais e mais.

— se te excita — Dylan disse rindo e Tripp soltou ele.

— sai daqui, ou eu vou falar para o meu pai sobre essa sua ceninha, e ele pode ser um diretor temporário, mas ele é muito mais do que você um dia já foi, deixe de nos ameaçar, Tripp, você não nos conhece, acredite, se você encostar um dedo nele, ou em mim, ou em qualquer um dos meus amigos, sou eu quem serei acusada de assassinato, e com prazer, você não me conhece, não sabe o que eu sou capaz de fazer pelas pessoas que eu amo, então cai fora desse campo, ou eu vou fazer você sair — Rebekah disse olhando ele nos olhos.

— não deviam ter me ameaçado, pisaram na minha ferida, queridinhos, e eu vou fazer de tudo para que seu amiguinho seja preso, não só por ganância, não só por raiva, mas por justiça, justiça ao meu velho amigo Jack, vou provar que Justin matou ele, e vou fazer vocês serem levados juntos com ele, se preparem meus queridos, eu estou chegando, e sem aviso, mas podem ter certeza, vocês vão me ouvir chegar, e vão lamentar, vão lamentar muito... Bom dia — Tripp deu um enorme sorriso, e depois saiu andando como se nada tivesse acontecido, bem calmo, e uma coisa é certa, quando se junta poder e ódio, só pode dar uma coisa. Guerra!




Continua......



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...