1. Spirit Fanfics >
  2. Escape (Jikook, ABO) >
  3. Dois presentes e uma dor

História Escape (Jikook, ABO) - Capítulo 46


Escrita por:


Notas do Autor


Gente, se passou muito tempo desde que vim por aqui. Esse é o penúltimo capítulo de Escape. Quero falar mais com vocês no fim, mas já estou nostálgica.

Capítulo 46 - Dois presentes e uma dor


Fanfic / Fanfiction Escape (Jikook, ABO) - Capítulo 46 - Dois presentes e uma dor

Park Jimin

Olhando as nuvens da janela do avião, me sinto inseguro, não com a altura, mas sim com a vida. Hoje, estamos voltando para Seul. Nunca foi tão estranho pensar em voltar para casa. Minha mente, aproveitou as horas de voo, para recapitular todos os percalços que já passei, desde que conheci Jeon. Foi bom, ruim, estranho, novo, velho, confortador e revoltante. Nesse quase um ano, eu respirei com dificuldade por tantas vezes, que agora me sinto nostálgico. 

Mesmo que meu coração saiba que está tudo bem, ele não se aquieta. Talvez seja por estar em um  avião ー Nunca fui do tipo aventureiro ー mas quem sabe, seja a intuição. Dizem que a intuição de um omega, nunca falha. De toda forma, melhor não alimentar minha mente com essas paranoias, com esse sentimento. Já lidei com tanto, que aprendi a saber até onde posso suportar, e acreditem, é uma quantidade imensurável. 

Jungkook, colocou a mão na minha, segurando com força. Ainda estava enjoado desde que pus meus pés no avião. Ninguém merece! Quero um banho quente, uma massagem nos pés e ser mimado até dormir. Sinto falta de Nero e de Taehyung. Quero abraçar Jin hyung, beijar sua barriga, desejar que meu afilhado chegue bem, pedir um autógrafo a Yoongi, só para fazê-lo rir e principalmente, dormir de conchinha com o meu alfa, depois de brigar meia hora por quem vai assistir o que, e no fim, acabar se pegando no sofá. 

De repente, sinto saudade das coisas simples. 

 ーPorque está chorando?  ー Jungkook me pergunta. Passei a mão no rosto, estava tão sensível assim? Nem ao menos percebi que chorava. 

 ー Cara… eu sou ridículo. Nem percebi que estava chorando  ー Tentei sorrir para acalmar aquele olhar de preocupação que ele tinha estampado no rosto  ー Eu estou bem, só sinto falta de casa. 

 ー Eu também… mas não quero te ver assim  ー Ele desatou o meu cinto e abriu os braços  ー Vem, eu te dou colo até a gente chegar. 

 ー Você é o melhor alfa de todos  ー Sorri, agora de verdade, limpando o resto das lágrimas e me levantando, até sentar em suas penas, me aninhando em seu corpo, e pousando minha cabeça em seu ombro, sentindo seus lábios beijarem o topo da minha cabeça. 

 ー Mudou de perfume?  ー Jungkook perguntou. Eu já estava quase pegando no sono, então apenas neguei  ー Estranho, seu cheiro mudou. 

 ーShiii… o bebê está dormindo  ー Fiz um biquinho. 

 ー Que bebê?  ー Ele sabia, mas amava me ouvir dizer. 

 ー Eu. Agora cala a boca  ー Jeon riu baixo e me puxou para ele, pousando as mãos na minha cintura. 

 ー Que bebê bravo  ー Ouvi ele dizer, antes de fechar os olhos  ー Dorme, eu te acordo bem antes de pousarem. 

E assim eu fiz, me entregando a um sono gostoso, aquecido pelos braços do alfa. 

Mas, assim que a inconsciência tomou minha mente, um sonho estranho se seguiu. Primeiro, eu estava correndo enquanto subia as escadas de uma alta torre. Minha respiração estava cansada, mas eu não podia parar. Olhei para trás e lá estava, era o Changwook, ele sorria, como se não quisesse me matar, mas sim me abraçar. Corri ainda mais, completamente acabado quando cheguei ao topo. Lá, uma mulher, metade lobo, me observava com muita seriedade. Meus joelhos cederam e eu me ajoelhei, sem medo. Ela então se aproximou e pousou a mão na minha cabeça. Eu ainda estava tentando respirar melhor, mas assim que ela me tocou, todo o cansaço e medo se foram. Me levantei e me virei, encarando os olhos vermelhos da mulher-lobo. Ela então, se aproximou, ficando bem perto do meu ouvido, depois colocou as mãos na minha barriga, alisando com carinho. Ouvi então ela sussurrar: “Uma escolha de dor, irá ser feita. Dois presentes, vão ser concedidos. Os proteja.” 

Não demorou muito depois disso, minha mente foi ficando turva, senti como se estivesse caindo metros até o chão. Não existia mulher-lobo nem torre, apenas minha mente e as palavras dela, ecoando sem parar. Despertei, completamente confuso. Jungkook dormia também, suas mãos, estavam encostadas na minha barriga. 

Bocejei alto e afastei a mão dele, fazendo-o acordar. 

 ー Acho que dormir também… desculpa amor  ー Ele também bocejou e eu coloquei meu dedo dentro da sua boca, o que fez ele segurar minha mão  ー Acho que já estamos chegando. 

 Olhei no relógio em meu pulso. Faltam só 10 min. Não deu tempo nem de avisar, a comissária nos pediu para apertar os cintos, já iríamos aterrissar.

 ー Finalmente. Quando chegar, quero bolo de brigadeiro  ー Lambi os lábios, estava com muita fome depois de horas dentro dessa caixa de ferro voadora. 

 ー Vou pedir o jantar daquele restaurante da esquina. O filé de lá é ótimo  ー Ri da forma como ele falou, como se fosse só um restaurante qualquer, sendo que o dito cujo, era um dos mais caros da cidade  ー Que foi?

 ーNada. Bife de um milhão de wons, está ótimo para mim  ー Óbvio que eu exagerei no preço, mas não deixava de ser caro. 

Jungkook revirou os olhos e me fez sentar no meu lugar, apertando meu sinto muito bem, antes de fazer o mesmo com o dele e esticar a mão entre as poltronas. Entendi o sinal na hora, entrelaçando meus dedos aos seus, sorrindo ladino. 

Fechei os olhos, quando percebi que o avião estava pousando e apertei ainda mais a mão de Jeon. Odeio essa parte. ODEIO.

Quando finalmente conseguimos descer do avião em segurança, eu respirei fundo. Jungkook carregava nossas malas, as empurrando pelo aeroporto, enquanto eu ia caminhando um pouco mais a frente. Assim que chegamos ao terminal, vimos dois seguranças esperando por nós, mas não só eles. O lugar, estava lotado de pessoas, reporters, fãs, estava uma calamidade. Tomei um susto com os flashes e fui para trás de Jungkook, segurando na sua manga da camisa. Ele deu as malas ao segurança e eu logo pude ver mais quatro deles nos rodeando. 

Era uma loucura. Gente pedindo fotos, autógrafos, perguntando se eu estava bem, perguntando quando íamos casar. Passei tanto tempo na ilha, que esqueci que era famoso. Esqueci que havia fugido exatamente desse tipo de situação. 

O segurança, nos avisou que deveríamos ir andando rápido, para evitar quebrar a barreira. Assim foi feito, eu tentava acompanhar os passos de Jungkook, mas minha cabeça girava com tanta informação, então, eu só tentava pisar onde ele pisava. 

Tudo estava indo bem, na medida do possível, porém, como um prelúdio  do que estava por vir, alguém gritou. Era uma mulher, estava ensanguentada, bem na nossa frente. A marcha parou. Os seguranças olhavam para Jungkook, procurando uma ordem. Ficar, ir, ajudar ou não? 

Mas, não tivemos tempo de pensar sobre isso. Um tiro ali perto foi ouvido, as pessoas entraram em pânico, começaram a correr por todos os lados. Ergui meu olhar, os seguranças furaram a barreira, dois deles estavam no chão. Jungkook arregalou os olhos, mirei para onde seu olhar encarava, e tive a pior surpresa de todas: ChangWook, nos olhava nos olhos. Ele queria sangue, qualquer um conseguiria ver que tudo ali, tinha sido na verdade, armação dele. 

Meu coração gelou

Jungkook olhou para mim, como se para confirmar que eu estava ali. Peguei na sua mão. Em segundos, Changwook correu em minha direção, não podia fugir, não tinha para onde, as pessoas em pânico nos empurravam. Lembrei da frase em meu sonho: “Uma escolha de dor, irá ser feita.” Engoli a seco, eu não deixaria ele machucar Jungkook. 

Dei um passo a frente, empurrando o alfa para trás com força, fazendo-o cair no chão. Olhei nos seus olhos, ele estava desesperado, pedi desculpas em minha mente, eu não podia perdê-lo. 

Voltei minha atenção a frente e lá vinha o diabo, correndo o mais rápido que podia. Ele estava feliz, finalmente iria conseguir o que tanto queria. A faca em sua mão brilhou, fechei meus olhos, me preparando para o golpe.  

Porém... em segundos, tudo pode acontecer. 

Senti meu corpo ser abraçado e o cheiro de Jeon ficar tão forte, que mais parecia um verdadeiro lobo. Ele rugiu alto, fazendo as pessoas pararem, senti um solavanco e o sangue sair de sua boca, jorrando por seu corpo. 

 ー V-você está bem?  ー Ele perguntou. Derramei a primeira lágrima e assenti. Jungkook sorriu  ー Ainda bem ー Disse por fim, desmaiando nos meus braços.  

ー Jungkook! Acorda! JEON JUNGKOOK!  ー Gritei alto em meio ao choro. Sentir aquilo, doía mais do que qualquer coisa no mundo. No fim, o sacrifício foi dele. 

Changwook, olhava surpreso a cena. Seu alvo sempre foi eu. E como se não bastasse, ferir meu alfa, foi rápido em se recuperar, me olhando com a mesma raiva de sempre. Meu corpo tremia. Eu não conseguia olhar mais nada além de Jungkook inconsciente, sangrando cada vez mais. Arranquei minha camisa branca às pressas, pressionando na sua ferida aberta, tentando estancar o sangue. 

 ー Parece que eu ganhei dois prêmios hoje… Jimin-ah  ー Senti vontade de vomitar ao ouvir meu nome sair daquela boca nojenta. Os seguranças não estavam mais lá, as pessoas estavam tensas. Eu ainda me via a mercê do diabo. 

 ー Seu louco! Você acha que não vai pagar? Eu vou te pisar por isso  ー tentei intimida-lo com as palavras, pressionando a ferida de Jungkook com as mãos.

 ー Você? Você não é nada. Só mais um omega que achou que podia ser livre. Sinto muito, mas eu estou te salvando. Daqui a 5 anos, quando seu alfa se tornar tão repugnante quanto eu, aposto que iria ter rezado para morrer nas minhas mãos  ー Ele sorriu, era sinistro. Senti seus passos ficarem mais perto até sua  mão esquerda, pousar no meu cabelo, puxando-o com força, me fazendo ficar de pé. Olhei relutante para Jungkook, seu corpo inconsciente, continuava ali, sangrando ー Você é meu, Omega. 

 ー NUNCA  ー Cuspi na sua cara, olhando-o de forma desafiadora  ー Morro, mas não me rendo a um verme como você. 

Ele limpou o rosto, muito lentamente, deixando um rastro de sangue. Sangue de Jungkook. Trinquei o maxilar, vendo-o sorrir.

  ー Seu desejo é uma ordem  ー Changwook, levantou a faca em suas mãos, manchada ainda pelo sangue do meu alfa. Seria uma boa forma de morrer? Não sei, mas vamos juntos, Jungkook-ah — MORRA!

Fechei os olhos, esperando o golpe. Mas então, o som de um tiro, apenas de um, foi ouvido. Abri o olhos, nervoso. A faca, caiu das mãos de Changwook, assim como seus olhos de diabo se arregalaram. Suas mãos afrouxaram o aperto em meus cabelos. Respirei fundo vendo-o cair no chão, morto. Assim como Jungkook, foi atingido pelas costas. Procurei de onde veio o tiro e mais adiante, estava ela: Abby. Ela simplesmente se ajoelhou e colocou as mãos na cabeça, esperando ser pega. O som de ambulâncias e carros de polícia foram ouvidos. 

Ajoelhei no chão, alisando o rosto de Jungkook, molhando-o com minhas lágrimas. 

 ー Você não pode morrer, eu te proíbo de morrer... Jeon Jungkook  ー Até o dia de hoje, nunca chorei com tanta dor. Nunca rezei com tanta fé. Minha vida inteira, cabia em poucos minutos. 


*****


As 4 da tarde, Jungkook entrou na sala de cirurgia. Não comemos bife, nem fomos dormir abraçados. Depois de hoje, pode ser que nunca mais possamos fazer isso. Sentado na sala de espera, conto as voltas dos segundos que o relógio, posto na parede da frente, dá. Já faz exatos 40 minutos de cirurgia. Meu peito dói, minha cabeça também, mas nada, absolutamente nada, me deixa mais louco que a ansiedade. Ela é o meu verdadeiro inimigo, porque me lembra do tempo. Do tempo até a cirurgia acabar, do tempo até Jungkook acordar, do tempo que podemos ter perdido, do tempo que aproveitamos. Nem um relógio, é capaz de me contabilizar o tempo da minha angústia em segundos. 

Doi. E a dor, te transforma em alguém distante e frágil. 

Lembro de ter visto Namjoon chegar, chorado depois de ouvir a história que eu mal consegui contar. Depois Yoongi, que me abraçou e disse que tudo ia ficar bem. Seokjin, que mesmo com uma barriga enorme, me abraçou apertado e disse que estava comigo. E por fim, ver taehyung e hoseok, correndo até mim, ambos me abraçando, como se eu fosse um bebê de colo, precisando de abrigo. Me deram uma camisa limpa para vestir, já que a minha estava ensopada de sangue e um café quente. Percebi que quando a dor, se une a ansiedade, nem mesmo o acalanto da família, é capaz de lhe fazer reviver. 

O anjinho, alisou minhas costas, me fez beber água e chorar em seu ombro. Não vi quando os pais de Jungkook chegaram, mas ouvi os grunhidos frustrados do seu pai, provavelmente sentindo a mesma dor que eu. 

E de novo, o tempo se arrastava. Até as portas se abrirem, saindo de lá um médico. Me levantei correndo, ficando de frente para ele, tentando me preparar para toda e qualquer hipótese. 

 ー Você é da família?  ー Ele perguntou, tentando parecer calmo. 

 ー Nós somos os pais dele  ー Falou o senhor Jeon, com toda a fúria de antes, escondida pelo medo. 

 ー S-sou o omega dele  ー Respondi, minha voz estava embargada pelo choro. 

 ー Você deve ser Jimin… ー Assenti, confuso  ー Apesar de anestesiado, ele chorou por toda a cirurgia, chamou seu nome algumas vezes. Geralmente acontece com lupinos ligados. 

 ー Como ele está?  ー Perguntou a Senhora Jeon, se aproximando de mim e passando as mãos nos meus ombros. 

 ー Tudo ocorreu como o planejado na cirurgia. Porém…  ー Eu estava quase desmaiando de tanta tensão, me segurei nos braços da minha sogra e tentei ser forte  ー Ele perdeu muito sangue, vai demorar a acordar. E em alguns casos… isso pode não acontecer. 

 ー Você está dizendo que ele… pode morrer?  ー O médico assentiu, um pouco cabisbaixo. 

 ー Mas, não é o procedimento padrão. Só ficaremos em alerta, se ele não acordar em um prazo de 26 horas  ー Respirei mais aliviado. Ele vai acordar sim. Ele é obrigado a acordar ー Só fiquem atentos. Ele já foi encaminhado ao quarto. 

Assenti, fechando os olhos um minuto. Sim, exatos um minuto. Vamos aos fatos: Jungkook está bem, ele pode não acordar, ou melhor… ele pode acordar. Tudo.vai.ficar.bem. 

 ー Quero vê-lo  ー Falei, antes de abrir os olhos. 

 ー Vou pedir a enfermeira para lhe levar ao quarto vip  ー O médico fez uma reverência e saiu. 

Um silêncio ensurdecedor tomou conta do corredor. Estava fazendo muito frio, então me soltei da minha sogra e corri para os braços do Anjinho. Ele me abraçou com força, alisando meus cabelos. Ter Taehyung, era parte essencial da vida, mas nada se comparava ao abraço quentinho do meu alfa. 

De repente, sinto tanta falta. Tanta, que meu peito doeu até arder. Minhas lágrimas voltaram, com força. Molhei toda a camisa do Anjinho e pior, algo me dizia, que só pararia, quando eu visse os olhos de Jungkook abertos. 


*****


Depois de 20hrs, assistindo Jungkook dormir, eu já tentei de tudo. Conversei com ele, prometi que deixaria ele jogar a noite toda, que daria para ele todo dia, que faria comida uma vez por semana (se ele fosse bonzinho), mas ele nem se mexia, só chorava, e as vezes, sorria. 

E pior, pela noite inteira, meu enjoo não passou. Eu estava tão cansado, mas me recusava a dormir. Já era dia mais uma vez, mas eu nem me mexi, continuei sentado naquela cadeira desconfortável. 

Os pais de Jungkook vieram duas vezes, estavam tão nervosos quanto eu. A verdade, é que o amavam e depois de perder o filho mais velho, eles ficaram completamente traumatizados. Me sinto mal por não poder fazer mais por eles. Eu agora, só posso ficar falando sozinho, esperando que Jungkook me ouça. 

 ー Sabe… Jeon… você bem que podia acordar agora… eu preciso de você  ー Falei, sentindo a tristeza vir. A maldita não me deixou pelo dia inteiro. 

Senti saudades dos nossos dias leves em Nosy be. Tudo foi tão doce, depois que o amargo passou. Cada dia do meu cio, foi mais gostoso do que doloroso e depois, eu senti como se Jungkook finalmente fosse meu. Sem erros. Apenas o destino. 

 ー Você me deixa esperando e depois acha que não é para eu ficar com raiva  ー Fiz biquinho e tudo, mas esse alfa teimoso nem mexeu um mísero músculo ー Como pode, eu agora, perceber que mesmo que a ligação não me mate, eu morro por você, sem ao menos hesitar? E não… não estou falando do tipo de romance que alguém tem que morrer pelo outro, estou falando de amor. Eu provavelmente, viveria sem você, mas não quero. Não gosto. Não sei como. Jungkookie… eu estou com saudades. Nos vimos a poucas horas, mas eu já estou louco de saudade. Então… só porque você está inconsciente, só porque eu senti vontade e porque eu quero saber como esse anel lindo fica no meu dedo…  ー Olhei para a pequena caixinha, trazida por Taehyung com algumas coisas minhas, ainda ontem, e a tomei nas mãos, abrindo e colocando o anel no dedo, observando como ele realmente era belíssimo ー Pronto, Jeon Jungkook… aceito ser Jeon Jimin.  

Ergui minha mão, mostrando o anel para ele. Não esperava encontrar uma jóia ainda mais brilhante do que a do anel. Seus olhos, me miravam com doçura. Sorri largo. 

 ー Não pode mais voltar atrás…omega  ー Não me importei com a sua voz falha, me joguei em volta do seu pescoço, beijando seu rosto, sua boca, seus olhos, seu nariz. Tudo, tudo que eu achei que não ia mais poder tocar  ー Calma, amor! Você está bem? ー Perguntou ele, tentando me afastar e me ver melhor. 

 ー E-estou ótimo… nunca estive melhor  ー Respondi, abrindo meu melhor sorriso. 

 ー Porque está chorando, então?  ー E novamente eu chorava sem nem perceber, só que dessa vez, era de pura euphoria  ー Vem aqui. 

Assim que ele me chamou, subi na cama, me grudando nele e abraçando seu corpo com toda a força, sentindo aquele calor e cheiro tomarem meu corpo. Eu o amo. Amo esse segundo em especial. Esse mínimo segundo, onde nada existe,  nada além do meu amor.

 ー Você está certo  ー falei, depois do que pareceram minutos. 

 ー Sobre o que? Eu sempre estou certo, baby  ー Ele piscou e eu estava tão bobo que nem me importei. 

 ー Todos os nossos momentos mais importantes… são dentro desse hospital  ー Afastei para ver seu sorriso. Ele está especialmente lindo agora. 

 ー A gente não é muito normal mesmo  ー Ele respondeu, beijando o topo da minha cabeça  ー Eu te amo, Jimin-ah. 

 ー Eu não. Você é um idiota que se jogou de frente a um louco com uma faca  ー Fiz meu biquinho do drama e ele puxou meu rosto, selando meus lábios. 

 ー Não tive escolha, não podia deixar nada acontecer com você  ー Jungkook respirou fundo e depois deu mais beijos na minha boca, apenas selinhos fofos, me fazendo sorrir. 

  ー Finalmente acordou, Senhor Jeon  ー A enfermeira chefe, entrou pela porta, sorrindo largo, sendo seguida por outras enfermeiras  ー Preciso apenas chegar seus sinais vitais e temperatura. Pode me dar licença, Senhor Park?

Óbvio que ela já sabia meu nome. Era um pouco petulante, mas tinha um sorriso bonito. Acho que quando se lida com a morte todos os dias, se torna mais forte, principalmente em se comunicar com acompanhantes teimosos que deitam na cama dos pacientes. No caso eu. Ela me olhou um longo tempo e eu suspirei, desistindo de ficar ali. Sai rapidinho, sem querer briga com ninguém hoje. 

Assim que ergui o corpo, minha visão ficou turva. Tentei respirar mais devagar. Talvez fosse a emoção de ver Jungkook bem. Sorri e peguei meu celular, com a intenção que avisar para os outros que Jeon acordou. Porém, assim que olhei a tela iluminada, já de pé, não conseguia ver direito, a tontura me tomou e eu me apoiei na cama. Jungkook pegou minha mão e a apertei com força, tentando me segurar. 

 ー Jimin-ah! Você está bem?  ー Não consegui responder ー Jiminie, está me ouvindo?

Respirei todo o ar em meus pulmões bem devagar, tentando me acalmar. Foquei no rosto de Jungkook. Eu ainda estava tonto, na verdade, acho que cairia a qualquer momento, mas não podia deixar ele agitado, então me concentrei em não desmaiar ali.

  ー E-eu estou.. não é nad..  

A frase, mal foi dita, mesmo usando toda a força que eu tinha. Tonto, tentei me segurar em algo, mas assim que minha visão ficou escura, meus joelhos cederam. 


******


 ー ...Park Jimin… Senhor Park Jimin  ー Ouvi meu nome ser chamado, bem distante, como se fosse o nome de outra pessoa. Aos poucos, fui abrindo os olhos. Um médico e uma enfermeira me olhavam com curiosidade. 

 ー  E-eu desmaiei?  ー O médico assentiu, me ajudando a sentar na maca do que parecia ser seu consultório  ー O que aconteceu?

 ー Não pareceu ser nada demais, só emoção e fraqueza. Acho que enquanto cuidava do Senhor Jeon, esqueceu de se cuidar  ー O homem sorriu e me entregou uma folhinha azul ー Por via das dúvida, colhemos um pouco de sangue, um exame básico pode nos mostrar muita coisa. 

 ー Ah! Acho que sim  ー Passei as mãos no meu cabelo  ー Quando fica pronto… digo, o resultado?

 ー Infelizmente, o hospital ainda está lotado com muitos dos ômegas que foram raptados, nosso centro de exames está cheio. Talvez em dois dias? Ou até mesmo amanhã  ー Então os omegas ainda estavam aqui? Eu senti na pele apenas por dois dias, o que alguns aguentaram por anos. 

 ー Como eles estão, doutor?  ー Perguntei, verdadeiramente preocupado.

 ー Bem. Quero dizer… tem traumas, que não podem ser vistos, nem muito menos tratados e esquecidos. Mas a maioria, está se esforçando para ficar bem  ー Aquilo era tão triste. O que Yang Zi e Jung Sook fizeram, não tem perdão. 

 ー Espero que o senhor possa os ajudar, estou pensando em fazer algo a respeito também ー  Ele suspirou, como se não soubesse mais o que fazer. Era um beta, então por mais que tentasse, podia ser meio difícil entender como a dominação alfa nos afeta  ー Jungkook ficou bem, no quarto?

 ーQuase não conseguimos fazê-lo ficar na cama  ー O médico riu, parecendo aliviado pela mudança de assunto. 

 ー  Eu aposto que sim  ー Me levantei, sabendo que veria Jungkook acordado quando chegasse  ー Obrigada doutor, acho melhor eu ir. 

 ー Lembre de se alimentar  ー Assenti sem jeito e sai da sala dele. 

Já perceberam que levar bronca de médico, te faz se sentir uma pessoa ruim? É como se seu corpo dissesse: “Eu avisei que você não estava cuidando de mim direito.” 

Meu celular tocou. Era o Anjinho. Lembrei que ainda não tinha avisado para ninguém. Continuei andando, o quarto não era tão longe. 

 ーOi amorzinho  ー Falei, já mais animado. 

 ー  Ainda bem, Jeon me ligou apavorado, você está bem?  ー Ele perguntou, todo nervoso. 

 ー  Foi só um desmaio  ー Me expliquei, revirando os olhos  ー Onde você está?

 ー  No quarto dele  ー Sorri, eu ia ver meu amigo. Melhor, ia poder matar a saudade de verdade dessa vez. 

 ー  Já estou chegando, fica ai  ー Desliguei o celular e sai correndo pelo corredor, recebendo broncas das enfermeiras. Eu não estava nem aí. As duas pessoas que eu mais amo na vida, estão a poucos metros de mim. 

Abri a porta do quarto e lá estava. Jungkook e Taehyung, brigando pelo controle remoto. O quarto era enorme. Tinha um sofá confortável, uma tv enorme, um banheiro chique e até um frigobar. Gente rica, né. 

 ー  Solta. Não é porque você quase morreu, que pode interromper o novo episodio da serie que a visita quer ver  ー Disse o Anjinho, puxando o controle para o lado dele. 

 ー Eu não só quase morri, como também sou o paciente do quarto. Tenho que ver as notícias  ー Jungkook rebateu e eu gargalhei, chamando a atenção dos dois ー Amor!

 ー Chimchim!  ー Taehyung correu até mim, jogando os braços em volta da minha cintura e me erguendo do chão  ー Você está bem?

 ー Estou sim, o médico fez um exame de sangue, mas acha que está tudo bem  ー Falei, alisando os cabelos dele ー E você? Ontem eu nem pude falar direito. Estava com tanta saudade. 

 ー  Eu também  ー Ele fez um biquinho  ー Hoseok chorou a noite toda, dizendo que não ia deixar a Elysium se o Jungkook-ssi acordasse. 

 ー Ei, eu não quase morri para ver meu omega de papinho com outro não  ー lancei meu olhar de: “Quieto!” para o alfa e ele revirou os olhos. 

 ー Nós ainda temos que conversar tanto sobre a Elysium, sobre a Apple Tree, mas estou tendo outras ideias. Não sei muito… mas algo me diz que meu caminho não é sendo um Idol. Eu decidi que amo escrever músicas e cantá-las, mas esse não é meu verdadeiro sonho  ー Taehyung, pareceu confuso em ouvir aquilo ー Sinto muito, Anjinho, sei que esse sempre foi seu sonho. 

 ー Jiminie…  ー Ele pareceu hesitar, mas no fim sorriu  ー Nem eu sei qual é meu sonho. Quer dizer, meus pais sempre quiseram que eu fizesse o que queria, até me colocaram na escola preparatória de Idols quando eu era adolescente, só porque eu disse que seria legal ser um. Eu achei ótimo quando consegui. Eu ainda tenho ótimos fãs, mas… não sei mais. 

 ー Então acho que você já sabe o que tem que fazer…  ー O anjinho me olhou curioso ー Teste tudo que sente vontade de fazer. Não precisa ter um sonho, só precisa viver, fazendo e dando o seu melhor para aquilo que gosta. 

 ー Ai, eu te amo tanto  ー Senti ele me abraçar mais uma vez. 

 ー Como assim a Abby atirou no Changwook? Ele morreu? Eles não eram parceiros?  ー Jeon falou tudo de uma vez, já que tinha aproveitado da nossa conversa, para ficar assistindo ao noticiário. 

Suspirei todo o ar e fui até ele, sentando na ponta da cama. 

 ー  Acho melhor eu ir buscar um café, daqui a pouco todo mundo vem te ver. Já avisei a geral  ー O anjinho, é sempre perfeito, entendeu tudo rapidamente e sorriu para mim, saindo logo depois. 

 ー Então…  ー O alfa, tinha a expressão mais confusa do mundo. 

 ー  Quando você foi esfaqueado… o Changwook tentou me matar  ー Jungkook pareceu nervoso, olhando meu corpo de cima a baixo  ー Eu estou bem… mas não estaria se não fosse pela Abby. Quando eu a olhei, ela já tinha atirado. O mais estranho é que… ela não tentou fugir, não hesitou. Apenas se ajoelhou no chão e ergueu as mãos para cima. A abby se entregou. 

 ー  Isso não faz sentido nenhum  ー Assenti, ele me olhou mais uma vez e abriu os braços. Fui até ele, deitando na cama, sendo abraçado com força assim que deitei minha cabeça em seu peito  ー Você está bem mesmo… não é?

 ー Estou sim. Tudo está bem  ー Disse, me chegando ainda mais, como se só por estar perto dele, tudo realmente estivesse bem. 

 ー Qual é o seu sonho agora?  ー Jungkook perguntou ー Se casar comigo?

 ー  Não seja convencido, eu não sou tão fácil  ー Dei um tapinha no seu peito, fazendo-o sorrir  ー Quero ajudar os omegas. Acho que esse sempre foi meu verdadeiro sonho, eu só achava que tinha que ser muito famoso para fazer isso. Quero falar com o Linus. Vou entrar e apoiar a On. 

 ー  Tem certeza? Não que eu não me orgulhe da sua decisão, longe disso. Só que… você passou por tanta coisa, vai ter que lidar com seus traumas todas as vezes que olhar para eles  ー Olhei nos seus olhos, ele estava mesmo preocupado. Sorri largo. 

 ー Exatamente. Eu percebi, que só quem já passou por esse tipo de situação, pode entender como é se sentir tão frágil, machucado e mesmo assim, tentar superar. Eu ainda tenho tantas feridas, mas só de acreditar que posso ser feliz, já é um grande começo, um começo que muitos não acreditam que podem ter. Eu quero ser a prova disso, eu quero trabalhar para que ômegas em situação de risco, acreditem neles mesmos e no mundo. Quero fazer a diferença, mesmo que seja para apenas um omega, já vai ser o suficiente. — Ele assentiu e eu continuei, dando sentido as minhas palavras enquanto falava — Sabe… quando eu te perdoei, eu percebi que eu passei tempo demais odiando os alfas. E sim, a maior parte deles, são ridículos, mas… eu percebi que isso não muda nada. Omegas continuam sendo feridos, continuam se odiando pela competitividade, continuam se sentindo sozinhos em um mundo cruel. Percebi que, se eu quero que tudo mude, tenho agir contra o ódio. Tenho que marcar o mundo de forma positiva. Tenho que dar amor. Amor aqueles que sofrem. 

Jungkook, limpou as lágrimas que desciam do meu rosto, eu mais uma vez, não percebi que desciam, mas dessa vez, eu me orgulhava delas. No começo, eu parecia uma criança, correndo para seu parquinho que era o mundo. Hoje, depois de sofrer muito, amar muito, viver de formas loucas, calmas e intensas, eu percebi que crescer e mudar, são a verdadeira forma de se perceber no mundo. Observar a si próprio e mesmo assim, com todos os seus defeitos e qualidades expostos, querer mudar a você mesmo e ao mundo, é a verdadeira forma de ser forte. E finalmente, posso dizer que: Park Jimin, é um omega forte. Forte o suficiente para amar um alfa. Forte o bastante para se amar. 

 ー  Eu tenho orgulho de você… Jimin-ah  ー Sorri, ainda chorando, Jungkook me puxou ainda mais para os seus braços. Esse é o verdadeiro eu. 



******


 ー  Para! Jungkook… temos que ir  ー Pedi, tentando fazer Jungkook parar de me abraçar, já que ele tocava da minha bunda a minha nuca, beijando meu pescoço, impedindo que eu vestisse minha camisa  ー JEON! 

  ー Amor… não foi suficiente… você gozou tão rápido… eu quero mais  ー Virei, ficando a centímetros da sua boca. Ele sorriu, mas consegui ir dando passos devagar até chegar perto da porta. Selei seus lábios e abri a porta, ainda com minha blusa nas mãos, fechando-a atrás de mim  ー Porra! Jimin!

 ー  Se vista logo, você recebeu alta, quero ir para casa  ー Jungkook gargalhou e eu consegui vestir minha camisa preta de gola alta. Só faziam dois dias desde que ele estava internado. Agradeci por lupinos se curarem tão rápido. Ele ainda vai ter que ficar de repouso, mas já conseguimos fazer mais do que suficiente, marcando as paredes do banheiro pequeno e chique do quarto. 

Alguém bateu na porta  ー Entre ー Pedi, sorrindo para Karen, uma das enfermeiras mais novas do hospital, uma amiga linda que sempre me ajudava. 

 ー Senhor Park, está lindo  ー Era uma fofa. Sorri ainda mais. 

 ー Obrigada querida! Você que está sempre maravilhosa  ー Ela ficou vermelha, tão bebê ainda. Amo omegasー O que deseja?

 ー  O dr.Lee, pediu para chamar você e senhor Jeon. Disse que tem o resultado do seu exame  ー Fiquei um pouco tenso. Quer dizer, se não fosse nada sério, ele não teria nos chamado. 

 ー  Obrigada linda, nós já vamos  ー Ela sorriu e fez uma reverência antes de sair. Passei a mão nos meus cabelos, um pouco preocupado. 

 ー  O que foi? Quem era?  ー Jungkook saiu do banheiro, lindo como sempre, todo de preto, com um sobretudo comprido beje, destacando. 

 ー  Hmm… está lindo… Senhor Jeon  ー Sorri, chegando perto dele e selando seus lábios antes de ir até a poltrona pegar meu casaco  ー Era Karen, ela veio avisar que o Dr.lee quer nos ver por causa do meu exame de sangue. 

 ー  Alguma coisa seria?  ー Neguei ー Então vamos antes que o motorista chegue. 

  ー  Hunrum  ー Olhei para o espelho perto da porta e colocando a mão dentro dos bolsos do casaco, peguei um liptint, passando nos meus lábios. 

 ー  Vamos logo, você já é o omega mais lindo do mundo  ー Ele acha que eu não sei que ele falou isso só para me apressar.

Peguei na sua mão e saímos pelo corredor, balançando os braços. Eu não queria pensar que poderia ser nada de ruim, então deixei meus pensamentos leves, estava decidido a atrair boas energias. 

Batemos na porta e entramos. O Dr.Lee, abriu um sorriso enorme quando nos viu. Então não é nada grave, se não ele não estaria assim. Jungkook não largou minha mão em nenhum momento. Sentamos nas poltronas pretas e o médico sentou à nossa frente. 

 ー  Então… Senhor Park  ー Nossa, o dr.lee sempre enrola, impressionante, eu já estava ficando doido  ー Eu não quero enrolar… é só que…

 ー Diz logo doutor, pelo amor de mim ー Jungkook gargalhou, ele parecia saber o que era  ー Você sabe?

 ー Desconfio  ー Jeon olhou para o médico e os dois olharam para mim. 

 ー  Senhor Park… o senhor está… grávido  ー Depois da palavra “Grávido” eu só ouvi um piiiiii infernal nos meus ouvidos  ー Meus parabéns! 

  ー  Mas que porra, Jungkook!  ー Levantei da cadeira, batendo nas suas costas, mas de levinho, que ele ainda estava se recuperando  ー Não acredito que você me engravidou. 

 ー  Nem vem, eu não fiz sozinho não, você queria o que? Sabe quantas vezes a gente transou no seu cio? E depois disso?  ー Mas que droga! EU ESTOU GRÁVIDO DE UM BEBÊ HUMANO. 

 ー Aposto que foi tudo um plano seu  ー Cruzei os braços. 

 ー  Acho melhor se acalmarem e conversarem depois, eu tenho que…  ー Revirei os olhos. Quem aquele médico pensa que é? Eu estava tão calmo esses dias, tão zen. 

 ーEu confesso que sabia que isso podia acontecer. Confesso que queria que acontecesse, mas não foi planejado  ー Jungkook se defendeu de mas um tapa, ainda rindo. O ridículo desse alfa, está rindo de mim. 

Respirei fundo e voltei a sentar. Mas que… eu estou grávido. Ta, uma hora eu vou ter que aceitar. Mas… e se eu não for um bom pai? Se eu simplesmente for que nem a minha mãe? Ela não queria ter filhos também. E o meu pai? Nossa, não quero nem imaginar. A sala está girando? 

 ー Amor… você está bem?  ー Perguntou Jungkook preocupado. 

 ー  Quero água  ー Pedi, fechando os olhos, ouvindo ele levantar e depois me dar um copinho, me fazendo beber tudo  ー Obrigado! ー Abri os olhos, eu ainda estava fraco, mas me sentia melhor ー Podemos ir para casa?

 ー Sim, podemos  ー O alfa olhou para o médico  ー Sinto muito doutor, voltamos aqui depois, acho que precisamos de casa agora. 

 ー  Claro, mas não deixem de vir  ー Assenti sem jeito, ainda em choque. Jungkook apoiou meus ombros e saiu comigo de lá. Parecia que a pessoa que tinha recebido alta, era eu. 

Entramos no carro. Não sei muito bem, mas acho que o motorista já estava nos esperando. Jungkook, ainda apertava meus dedos, rindo que nem um idiota, enquanto olhava para a paisagem lá fora. Aposto que está pensando até em que cor o quarto do bebê vai ser. Meu Deus, um bebê! Comecei a faltar ar de novo, enquanto minha cabeça dava voltas na palavra “bebê”. Eu estava em pânico. 

 ー Ryan-ssi, pode parar naquela praça?  ー Jungkook pediu para o motorista, que foi parando até encostar no meio fio. 

Jeon, saiu do carro, passou para o meu lado e abriu a porta, pegando minha mão e me guiando para a calçada, me fazendo andar alguns metros, até ficarmos debaixo de uma árvore enorme. Tentei respirar melhor, mas não conseguia. E pior, agora, olhando aqueles olhinhos brilhantes de Jungkook, me sentia culpado. Ele deve ter recebido a melhor notícia da sua vida, mas eu não podia compartilhar dela. Meu noivo, acho que agora posso chamá-lo assim, pegou meu rosto com as duas mãos e sorriu. 

 ー  Lembra desse lugar?  ー Olhei ao redor, um tanto confuso e neguei  ー A um tempo atrás, estivemos aqui. Foi um dia de neve, então pode estar um pouco diferente. Deitamos na neve e ouvimos a música que você ouvia com o seu avô.  

 ー Agora eu lembro. Fica um pouco diferente sem a neve as luzes de natal  ー Lembrei também que no dia, não consegui admitir que sentia falta do meu avô. A culpa era gritante dentro de mim, como se a cada passo da minha vida, eu me sentisse em corda bamba. 

 ー Aquele dia… foi especialmente marcante para mim  ー Jungkook começou dizendo, me fazendo não desviar do seu olhar  ー Percebi que você tinha uma amor gigante pela sua família e também se sentia mal em falar sobre isso. Passei a entender a partir dali, que você não estava sempre bem como dizia. Sabe, você é um omega único, tem essa vontade de ver as coisas em seus devidos lugares e carrega o mundo nas costas por isso. Nesse dia, eu também percebi como eu queria poder te fazer soltar esse peso, nem que fosse por um segundo. Queria ser o tipo de pessoa a quem você confia tanto, que não hesitaria  em me dar um pouco desse peso, apenas por saber que eu posso fazer isso por você. Porque eu posso, posso te dizer que nada foi sua culpa, que você  fez o melhor que podia. Sei que você não vai acreditar. De toda forma, agora tenho que insistir, porque sinto que o fato de não querer filhos, vai muito além do que apenas uma vontade. Então, quero que me diga, Jimin-ssi… lembrando de quão doce e amargo foi aquele dia… porque você não quer aceitar, que vai ser o melhor pai do mundo?

Não aguentei, chorei. Sim, eu ando me segurando, mesmo que chore muito, eu queria pensar o melhor desse dia. Mas eu estava assustado. Eu sabia que esse dia chegaria, mas eu me enganava, mentia para mim mesmo, dizendo que assim como a primeira vez,o universo não queria que eu fosse pai, que ele tinha uma razão maior que a minha. 

 ー Eu só… não quero ser como os meus pais. Não quero que uma criança, que eu vou criar e amar, passe por tanta coisa que eu passei. E se eu falhar e isso o afetar diretamente? E se ele sofrer, mais do que eu sofri? Não sei se aguentaria assistir tudo isso e não poder deter o mundo de quebrá-lo em pedacinhos. Sei que vai me dizer algo como:”Mas não podemos prever” Eu sei. Eu sei de tudo isso, mas ainda me assusta, porque o mundo é um lugar cruel e pior… sei que alguma parte de mim, também pode ser  ー Minhas lágrimas agora, viraram soluços. Jungkook, me abraçou docemente, alisando minha cabeça e me deixando chorar em seu ombro ー Desculpa, Jungkook-ah, desculpa por não estar feliz como você merece. 

Ele então, se afastou minimamente, deixando suas mãos cruzadas nas minhas costas e sorriu triste. 

 ー  Eu tenho os mesmo medos. Exatamente os mesmos. Somos humanos, todos nós. Mas, bebês, não vão parar de existir porque vamos ter o nosso. E sinceramente, já enfrentamos a vida tantas vezes, que se ela for nosso inimigo, então que venha mais 10. Se for do seu lado, eu quero poder experimentar tudo de novo, inclusive ter um filho com você. Vamos fazer o nosso melhor. Um dia de cada vez, lembra? Sem medo, somos um time  ー Assenti, ainda chocado e ele beijou minha testa ー Eu te amo, Park Jimin, não precisa esconder o que sente, vamos construir nossa própria história. Vamos derrotar a vida e sermos felizes. 

 ー Porque a gente merece?  ー Perguntei, sorrindo bem de leve, com os olhos ainda brilhando de lágrimas. 

 ー Porque a gente merece  ー Ele passou as mãos pelo meu rosto, depois as desceu para a minha cintura, se inclinando devagar, até meus lábios serem beijados pelos seus. 


Sim, nós merecemos. Todos merecem viver a vida que desejam. E não importa como, não posso me trair, vou ser feliz, mesmo que o mundo não queria, mesmo que lute até sangrar, ainda assim, no fim, vou sorrir, grato por ter me permitir tentar. 











 





Notas Finais


Meia noite e eu aqui, enrolando para postar esse capítulo, com o coração na mão por ser quase o final, e pensando no coronga(lavem as mãos)

Eu sofri com essa fic, sinceramente, tem muitos momentos que eu queria ter feito melhor, outros eu queria nem ter escrito, mas agora, vendo tudo da perspetiva do fim, eu a amei com tudo que tinha. Sei que parece discurso final, mas tenham certeza que o último, vai ser bem mais amorzinho.

Amo vcs, se cuidem, jikook me abraça 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...