1. Spirit Fanfics >
  2. Escola da Realeza - Interativa >
  3. Núcleo loiro

História Escola da Realeza - Interativa - Capítulo 7



Notas do Autor


Capítulo de @LovelyGica

Capítulo 7 - Núcleo loiro


Fanfic / Fanfiction Escola da Realeza - Interativa - Capítulo 7 - Núcleo loiro

Melanie continuou ali, estática, como se raízes prendessem seus pés ao chão. O olhar cortante de Elice arrepiava sua espinha e, de princípio, veio logo a memória de seu primeiro encontro com aquela menina; naquele mesmo dia, só que mais cedo, era ela quem havia pedido — não, exigido que um príncipe a conduzisse sozinha pela escola. Inclusive, bem mais marcante do que a situação em si, apesar desta ser bastante memorável, dado o preceito de que todos deveriam se comportar de forma exemplar em seu primeiro dia na escola nova, lembrou-se também de ser alvejada por aquele mesmo olhar frio que recebia agora, só que um pouco antes de vê-la partir com Dimitri. “Por que será?”, perguntou a si mesma. Não pôde evitar de sentir seu coração apertar, afinal, era uma garota sensível sobretudo, e estava bastante ansiosa para a chegada de sua colega de quarto. A expectativa de uma amizade a empurrou do topo da torre até o chão. 

— Droga — resmungou Melanie, de rosto contorcido em uma careta de descontentamento, não estava com paciência para aquela discussão que estava por vir.

— Isso é um ultraje! — ralhou Elice, dando um pequeno coice no chão e soltando uma lufada de ar em seguida. 

— Querida — a novata iniciou, contendo-se para não falar mais do que deveria e tirando os resquícios de sua paciência. Era uma garota pacífica? Com toda certeza, mas não naquele momento — Não faço as regras, logo, teria de aguentá-la ali gostando ou não. 

A loira de maria-chiquinhas pisou duro e bufou, não acreditando no tom que aquela garota passou a usar consigo, era uma tremenda falta de educação, “as princesas não deveriam se comportar com mais requinte?”, pensou consigo mesma, antes de levantar a sobrancelha e sorrir sínica em direção a menina, não aceitaria ficar por baixo. 

— Ora, se desejava tanto ficar, fique! Espero que aproveite as instalações, darling, e que seja muito apreciada por todos! — terminou sua fala e precisou morder a parte interior das bochechas para não dar um novo chilique. Era cedo demais para isso e, se quisesse realmente obter sucesso, precisaria se acostumar com as pedras em seus sapatos.   

— Irei dar uma nova volta pelas instalações, lhe vejo após o jantar.  

E caminhou para fora do quarto, fechando graciosamente a porta atrás de si, sem esperar qualquer reação de Melanie e cerrando seus punhos, infelizmente os dias de tranquilidade da loira haviam acabado e se realmente desejava conquistar a vida com que sonhara, era necessário engolir os sapos (e as demais rãs) que invadissem o seu caminho. 

Por sua vez, a loira que ficou no quarto não conseguiu fazer outra coisa senão sentar-se na cama, estupefata. Não era exatamente fácil se impor diante de pessoas como aquela, ainda por cima quando se está de coração aberto para iniciar uma nova amizade, mas ainda assim achou que conseguiu se dar muito bem diante da situação e a colocou direto em seu lugar. Deu um suspiro, aliviada: talvez Elice fosse a coordenação da escola, pedindo para ser reposicionada de quarto e então, de duas, uma: ou iriam mudá-la de quarto, o que seria uma vitória para ambas, já Melanie poderia ter uma boa colega de quarto dessa vez; ou então ela aprenderia que o mundo não gira ao seu redor, e talvez, quando ela soubesse disso, poderia tentar outra vez construir uma amizade — nada estava perdido ainda, precisava ser otimista.  

Estava cansada e sentia seus músculos pedindo alguma folga, afinal, quem gostava de dobrar roupas? Lançou-se sob a cama e pegou o livro — que já havia depositado em sua cabeceira, para folhear algumas páginas, porém não teve tempo para apreciar a leitura, já que algumas batidas na porta a tiraram de seu sossego.

— Entre — avisou, já que sentia-se preguiçosa demais para levantar e atender da maneira correta. 

— Com sua licença — uma voz masculina invadiu o quarto, um tom agradável, mas um pouco tímido. Logo em seguida, Edward entrou no local e a garota precisou segurar uma risadinha, as bochechas do loiro estavam levemente rubras e ele encarava o chão. Completamente fofo — Eu não consegui esperar para marcar nosso chá. Poderíamos ir hoje a tarde? 

— Claro! — respondeu a garota prontamente se levantando da cama e ajeitando a roupa que vestia. Estava realmente empolgada, após todo o sufoco que Elice a fez passar, poderia aproveitar um tempo agradável e talvez fazer algumas amizades, era o plano perfeito para aquela tarde. Pegou sua bolsa e a vestiu, calçou as sandálias que estavam próximas a porta e ajeitou os cabelos no espelho. — Podemos ir?

 

Ao sair do corredor uma pequena luz pareceu surgir na cabeça da garota, havia acabado de entrar e graças a isso ainda tinha as regras bem claras em sua mente, era algo arcaico, mas a entrada de garotos nos dormitórios femininos era algo proibido com raríssimas exceções, sendo assim, poderia jurar que um café não era uma dessas. 

— Tem certeza que você pode estar aqui? — perguntou soltando uma risadinha, não estava muito cedo para quebrar as regras? 

— Não se preocupe, pedi para que ficassem de guarda no corredor! — rindo ladino, colocando ambas as mãos na nuca e olhando em direção a garota, falando um pouco mais baixo e em um tom divertido — Qualquer coisa nós corremos daqui. 

— Bom… — Melanie mordeu os lábios, um pouco receosa com a ideia de ser rebelde logo agora, mas, enfim, acabou cedendo. — Tudo bem — disse em um riso doce. — Mas você que deve se esconder, eu não tenho problemas em estar aqui.

— Ah, você vai me abandonar assim? — Edward forçou irritação — Que grande amiga, você!

— Pode apostar que vou! — mostrou a língua.

A partir dali, fizeram o caminho descontraídos, rindo frouxo com piadinhas bobas e comentando sobre as aulas que estariam por vir, além das pessoas que Melanie poderia conhecer, Edward, como um bom veterano, lhe contava as histórias engraçadas do ano em que ingressou, ao mesmo tempo que a instruiu sobre que professores deveria temer, bem como onde poderia se esconder de suas aulas. Filho do diretor atual, ele havia passado boa parte de sua vida naquela escola, e portanto conhecia cada cantinho escuso, onde poderiam matar aula para conversar, ou apenas para passar a vida, fingindo que não existiam responsabilidades de reino. Serem normais, por ora ao menos. 

A cafeteria estava dentro das dependências do colégio e era ali onde a maior parte dos estudantes passavam o tempo, elegante na medida certa e confortável o bastante para agradar jovens que queriam fugir dos frufrus da realeza. Bebidas deliciosas e simples, assim como comidas comuns e petiscos simples. Os empregados, uniformizados com as roupas da corte, serviam com a pompa requisitada, mas também eram muito gentis, sempre dispostos a resolver problemas de alunos e também guardar segredos, quando fosse necessário. 

— Aqui é tão bonito! — a garota afirmou, observando a arquitetura moderna e tirando seu celular do bolso para tirar algumas fotos das pinturas que enfeitavam as paredes. — Eu imaginei que tudo aqui seria de marfim e adornados com arabescos, mas vejo que felizmente estava errada.

— Aqui é um pouco mais despojado, agradeça a mim por convencer o diretor que precisávamos de um lugar assim — respondeu, em um tom brincalhão. 

Tomando a frente, buscou uma mesa confortável e puxou a cadeira para que a garota se sentasse e posteriormente tomou seu lugar, fazendo um pequeno sinal com a mão para que um garçom fosse atendê-los. Alguns minutos depois já haviam feito os pedidos, café gelado com caramelo e chocolate para a moça e um earl grey com leite e canela, o clássico inglês, para o rapaz. Para beliscar, alguns doces coloridos, que encheram os olhos de Melanie. 

— Como funcionam os pagamentos aqui? — perguntou a garota, lembrando-se que não havia apanhado a carteira na pressa que veio, pois estava de cabeça cheia com a história de sua colega de quarto e só queria espairecer. 

— Antes das aulas e durante os intervalos, tudo é incluso na mensalidade — explicou Edward — Mas, nos finais de semana, é por nossa conta e risco. Hoje, em especial, é por minha conta — ele piscou gentil. 

Porém, o olhar do loiro se perdeu e alguns segundos depois sua sobrancelha franziu em uma pequena carreta, a uma mesas de distância estavam seus tão aclamados vigias conversando euforicamente sobre algo e comendo alguma bobagem — de alguma forma, não havia percebido que os garotos já estavam lá antes mesmo que chegassem. 

Levantou-se da mesa em um pulo, de forma que Melanie até se assustou com seu gesto abrupto. 

— Dimitri! Como vocês chegaram aqui antes de nós?  — ele perguntou. 

— Ué, nós avisamos que não ficaríamos lá, você escolheu nos ignorar, caro Eddie — respondeu o outro, levando um macaron em direção a boca, dando de ombros — Kiran nunca me perdoaria se tivéssemos pego uma advertência, ainda mais porque sairíamos como seus corruptores. 

— Mas… — tentou argumentar inutilmente Edward. 

— Dá próxima vez, não fuja antes de finalizar a negociação, não é uma atitude muito inteligente — disparou Kiran sério, porém logo soltou uma risadinha para o loiro mais alto, o que estava em sua frente. 

— Além de não ser nada educado — intrometeu-se Melanie, dando uma risada com a boca tampada, super educada. — Eu sou Melanie, prazer. — fez uma reverência com a saia para os dois rapazes sentados, que igualmente abaixaram a cabeça.  

— hunf — resmungou, retornando a atenção para Melanie com o humor um pouco abalado e considerando trancar os amigos em um porão — Belos amigos vocês. 

— Sempre à disposição, Eddie! Ou será que não — debochou Dimitri, lançando uma piscadela — Sou Dimitri. Acho que nos vimos no salão, mas eu não havia me apresentado. Esse ao meu lado é Kiran — disse, bagunçando os cabelos do menor, o deixando um pouco envergonhado por ser tratado como uma criança.  

— Prazer em conhecê-los, meninos. Espero que sejamos bons amigos!

— Pode deixar, lady. Kiran é meio antissocial, mas você se acostuma — respondeu divertido, mas logo foi interrompido por um bolinho jogado em sua face.

— Seja bem-vinda. 

— Caramba, nossos pedidos já chegaram! — a menina afirmou, após notar a presença do garçom servindo o que fora requisitado. Sorrindo animada se despediu. — Espero encontrá-los pelo campus outro dia. Foi bom conhecer vocês!  

— Traidores — sussurrou Edward antes de seguir a garota. 

— Tenha um bom encontro, Edinho! — afirmou o amigo, recebendo um olhar atravessado do príncipe, que apenas agradeceu aos céus pela garota estar completamente distraída com as guloseimas na mesa. 

 

...

 

Horas correram como minutos para os dois enquanto conversavam. Logo os lanches haviam acabado, mas continuavam trocando ideias, como se fossem conhecidos de anos. Era inegável a química que tinham um com o outro: os assuntos fluíam de um para o outro, e mal perceberam que o dia começava a escurecer e era quase hora de seguirem para a sala de jantar. Foi só quando o relógio principal da escola demarcou às seis e meia da tarde que tiveram noção do tempo que passaram ali, apenas conversando e, nesse instante, não puderam deixar de se constranger. 

— Eu não vi que era não tarde! Céus! — exclamou Melanie. — Eu preciso ir. Quero tomar um banho antes do jantar, ouvi dizer que haveria um pronunciamento do diretor para os alunos novos, e não quero correr o risco de ser chamada para me apresentar e estar sem o uniforme.

— Pode ir, não se prenda a mim — respondeu sorrindo.

— Muito obrigada pela tarde maravilhosa, nos vemos mais tarde! 

 

E saiu correndo em direção aos dormitórios, agradecendo por suas sandálias não serem muito altas e pelos corredores estarem vazios o suficiente para que não sentisse vergonha de passar em disparada por eles. 

Contudo, não existia felicidade no mundo que pudesse blindá-la do que estava por vir. Logo que pisou no corredor de seu quarto, sentiu uma atmosfera ruim; um mau agouro em seu peito. Não havia ninguém por perto e a iluminação estava baixa, portanto foi andando mais devagar e mais devagar, até que, antes de virar a chave na maçaneta, não conseguiu de primeira por conta da ansiedade. Respirou fundo. 

— Vamos, Mel, você já é bem grandinha para isso. — sussurrou a si mesma. 

 

Abriu a porta de uma única vez, adentrando ao espaço e abrindo o armário sem pensar duas vezes e encontrando ali pendurado seu uniforme, perfeitamente alinhado da maneira como deixara quando saiu. Colocou-o na cama, com delicadeza e foi em busca dos demais acessórios, seus sapatos e o colete que compunha a roupa, contudo não pode ficar mais surpresa ao abrir as gavetas não encontrou seus sapatos, nenhum deles. Revirou todos os locais, inclusive alguns que não lhe pertenciam e por fim, quando sentia os olhos arderem e algumas lágrimas ameaçarem cair, notou um post-it rosa colocado na cabeceira da cama e apenas uma frase escrita nele. 

 

"Procurando algo, eguinha?"

 

Sentiu um aperto na garganta e uma fúria tomar seu corpo, aquela garota não seria cruel o bastante para jogar suas coisas nos estábulos, seria?

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...