1. Spirit Fanfics >
  2. Escolha apenas um! - Snames, Snack, Snupin >
  3. Capítulo 1 - Primeira noite - Black

História Escolha apenas um! - Snames, Snack, Snupin - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Hey, girls, boys e não binários. Queria avisa-los de essa Fanfic não será muito longa, por tanto terá poucos capítulos. ( 10 no máximo )
O foco principal será o relacionamento do Severus com os marotos, ( Remus, Sirius e James ) mas também terá participações de outros shippes que envolvem o Sev.

Era isso ❤️❤️❤️

Capítulo 1 - Capítulo 1 - Primeira noite - Black


Fanfic / Fanfiction Escolha apenas um! - Snames, Snack, Snupin - Capítulo 1 - Capítulo 1 - Primeira noite - Black

Severus terminou de trançar seu cabelo, pegando uma liga e prendendo a ponta. Ele ajeitou a camisola lilás de cetim transparente, dando um suspiro para então sair do banheiro. 

Saindo do banheiro, ele reparou no belo quarto a sua frente. 

O quarto era grande, com duas grandes janelas, - uma delas estava aberta, inclusive. Tornando o ambiente um pouco frio - um grande carpete de tonalidade vermelha a poucos centímetros de si, uma manta - também vermelha - cobrindo o chão, com alguns almofadas em cima. 

Mais para o canto do quarto havia uma enorme cama de casal, e sentado sobre ela, Sirius fumava um cigarro e bebia uma taça de vinho. 

Ao lado da cama havia um criado-mudo de duas gavetas, aonde a garrafa de vinho repousava. 

Os olhos azuis acizentados de Sirius que até então estavam fixos no nada, se desviaram até a figura de Severus, descendo lentamente pelo corpo esbelto exposto pela camisola. 

– Venha! – Sirius ordenou imponentemente, olhando com desejo para o menor. 

Severus abaixou a cabeça e acenou, andando a passos tímidos até o Grifinório. 

Black deu duas batidas em sua coxa direita, fazendo sinal para Severus se sentar sobre ela. E assim o Sonserino fez. 

– Você está... magnífico? – Aquilo soou como uma pergunta, fazendo Severus ergue seus olhos para encarar Sirius. 

– Ridículo, eu diria. – Sorriu timidamente. 

Sirius soltou uma risada rouca e divertida, pondo a taça de vinho que estava em sua mão esquerda sobre o criado-mudo e, com a direita entrelaçou a cintura de Severus.

Jogando o cigarro no chão e pisando sobre ele para pagá-lo, Black usou a mão que agora estava desocupada para acariciar as coxas expostas de Snape. 

– É ridículo o jeito que você me enlouquece, Severus. Isso sim é ridículo! – Mordeu o lábio inferior, roçando a ponta do nariz na bochecha macia do Sonserino. 

Severus fechou os olhos, sentindo seu corpo arrepiar quando o nariz de Sirius roçou em seu pescoço. 

– Você me excita pra caralho, Sev! – Black sussurrou contra o ouvido do outro, mordendo o lóbulo da orelha logo em seguida. 

Severus soltou um gemido baixo e manhoso, causando grande satisfação em Sirius que apertou com força sua coxa. 

Sirius beijou o pescoço alheio, chupando-o na sequência, deixando sua marca na pele alva. 

Sua mão subiu de forma descarada pelo corpo do menor, adentrando o tecido fino da camisola, percorrendo a pele quente, até alcançar um dos mamilos. 

Ele torceu o bico excitado do mesmo, enquanto sua boca se concentrava em dar mordidas, chupões e beijos no pescoço. 

– Sirius! Aww! – Snape gemeu baixo, agarrando os ombros do maior e os apertando. 

– Quero que se ajoelhe na minha frente, ok? – Afastou seu rosto do pescoço de Severus e lhe deu um rápido selinho, recebendo um aceno de cabeça. 

Severus levantou-se do colo do Black, se afastando um pouco da cama e ajoelhando-se no chão. Sirius apreciou a cena, sorrindo e se levantando da cama. 

Ele colocou a mão nos fios de cabelo macio de Severus, acariciando-os. Suas mãos desceram pela trança, chegando na liga que ele logo tratou de quebrar, desfazendo a trança. 

– Se você iria desfazê-la assim tão rápido, porque pediu que eu trançasse? – O Sonserino revirou os olhos e Black riu. 

– Gosto de ver o seu cabelo preso em uma trança! – Fez uma pausa, segurando o queixo de Severus e o ergueu para encarar os olhos negros. – Mas o prefiro soltou e espalhado pela cama enquanto te fodo. 

Severus mordeu o lábio inferior sentindo seu interior se remexer em euforia, os olhos de Sirius brilhavam em desejo, o fazendo parecer um predador olhando para sua presa. Sua presa favorita.

– Poderia fechar a janela? Estou com um pouco de frio. – Disse desviando o olhar para um quanto qualquer do quarto, sentindo-se intimidado com o olhar de Sirius. 

– Não, pode deixar que eu te esquento! 

Severus concordou com a cabeça e Sirius curvou o torso, dando-lhe um beijo na bochecha. 

O Grifinório se afastou um pouco de Severus, rodeando a cama e indo até o criado-mudo. Ele pegou a taça de vinho, bebendo o resto do líquido que tinha ali e depois a pondo de volta no lugar. 

Severus observou tudo atentamente, mordendo o lábio de forma ansiosa quando Sirius começou a abrir os botões de sua camisa social branca. 

Ele a retirou juntamente com a gravata vermelha com listras dourada, jogando ambas as peças no chão. Direcionando o olhar para si, Sirius sorriu malicioso voltando para perto. 

Severus pode olhar melhor para o abdômen sarado do mesmo, quase babando em desejo de tocá-lo. 

– Quero que essa boquinha comece a trabalhar! – Sirius passou a língua pelos lábios, sorrindo ladino logo depois. 

Severus acenou com a cabeça. Ele calmamente levou as duas mãos trémulas para a barra da calça de Sirius, abrindo o botão e a puxando para retirá-la do corpo do mesmo. 

Sobrando apenas a cueca com o volume aparente, Severus sorriu pequeno acariciando o membro de Sirius por cima do tecido. 

O Black gemeu com as carícias de Snape, entrelaçando seus dedos nos fios de cabelo do mesmo. 

Sem mais enrolação, Severus pois a mão dentro da cueca, tendo um contato direto com o membro pulsante. 

– Agh! – Sirius gemeu ao sentir a mão quente e macia envolver seu falo. 

Severus usou a outra mão para abaixar a cueca, liberando o pênis ereto. Suas bochechas coraram ao ver o tamanho e grossura do membro, as veias pulsantes e a cabeça rosada fazia sua boca salivar. 

– Chupe! – Sirius ordenou. 

Acatando imediatamente a ordem, Severus pois apenas a glande dentro da boca, passando a língua em movimento circulares ali. 

– Aww! Caralho! Porra Severus, que boca gostosa. – Black exclamou em deleite, sentindo a língua de Snape o rodear. 

Severus tirou a glande de boca, passando a língua úmida por toda a extensão até chegar na base. Ele massageou e chupou os testículos, subindo novamente com a língua o abocanhando, pondo mais da metade na boca. 

Apesar dos movimento de Severus serem rápidos, Sirius queria mais, muito mais. Apertando os fios de Snape com força, ele começou a foder a boca quente e aveludada do outro, o fazendo segurar em suas coxas para se equilibrar. 

Os olhos de Severus lacrimejaram com a brutalidade dos movimentos de Sirius, vez o outra o fazendo engasgar quando a glande batia em sua garganta. 

Não demorou muito para o corpo do Black dar espasmos, chegando ao limite do prazer, jorrando sua essência na boca de Severus. 

Afastando seu membro da boca do outro, ele o viu engolir todo o sêmen com satisfação, lambendo os lábios logo em seguida. 

– Muito bem! – Sirius disse um pouco ofegante. – Essa noite será muito divertida para nós, meu amor! – Sorriu. 

Sirius tirou a cueca por completo, a jogando em um canto qualquer do quarto. Ele se abaixou, passando os braços em volta da cintura de Severus e o ergueu para cima, o fazendo entrelaçar as pernas em sua cintura. 

O Black rapidamente capturou os lábios de Severus em um beijo necessitado, andando com o mesmo até a cama e o deitando delicadamente sob o colchão macio, ficando por cima. 

Suas bocas se mexiam em sincronia perfeita, as mãos de Sirius passeavam pelo corpo esbelto de Severus sem vergonha alguma, decorando cada curva que o moldava. 

O ar faltou e as bocas se desgrudaram, Sirius traçou um caminho de beijos até o pescoço pálido com algumas marcas de chupões - que ele mesmo tinha feito - passando a língua ali, causando um arrepio no outro. 

O cheiro viciante e exótico de mente e cereja de Severus adentrou suas narinas, causando pensamento obscenos no Black. Tudo o que Sirius desejava era fazer Severus suar completamente aquela noite, deixando o cheiro de ambos empregado nos lençóis da cama. 

Sirius se afastou de Severus, vendo o mesmo fazer uma cara confusa. Sem dizer nada, ele deu a volta na cama e pegou sua gravata no chão, voltando para o seu lugar anterior, sentando-se sobre as coxas de Snape. 

– Irei venda-ló! – Disse desfazendo totalmente o nó de sua gravata. 

Severus acenou positivamente com a cabeça, ele mordeu o lábio em nervosismo e afastou um pouco a cabeça do colchão, deixando Sirius passar a gravata ao redor de sua cabeça, cobrindo seus olhos. 

A excitação do Grifinório triplicou ao ver Severus com os olhos vendados, as bochechas coradas e o lábio sendo mordido. 

Ele parecia completamente entregue a si, confiando em si e dando-lhe liberdade para fazer tudo o que quisesse. 

Sirius se esforçaria ao máximo para fazer com que Severus nunca esquecesse daquela noite. 

Sirius ficou entre as pernas de Severus, deslizando lentamente as pontas gélidas de seus dedos pela coxa pálida e roliça. Os pelos do Sonserino se arrepiavam conforme os dedos deslizavam por sua coxa, se aproximando lentamente de sua virilha. 

A camisola de cetim modelava o corpo de Severus, o tornando ainda mais delicioso na visão do Grifinório. 

– O seu corpo é tão maravilhoso, tão desejável que é até digno de ser eternizado em uma pintura feita pelo melhor pintor existente! – Disse com a voz serena, recebendo um arfar em resposta. 

Sirius segurou a barra da calcinha lilás - sim, calcinha, pois Severus gosta de roupas intimas femininas, e porque combinou com a camisola - a retirando sem pressa nos movimentos. 

Quando a peça foi retirada do corpo de Snape, sua ereção necessitada ficou exposta, aumentando ainda mais o desejo de Sirius. 

O Black segurou o falo rijo de Severus entre os dedos, o ouvindo gemer surpreso e aliviado pelo toque. 

O de olhos azuis acizentados começou a bombear em movimentos lentos o pênis do de olhos negros, o ouvindo soltar gemidos mal contidos. 

– Não os prenda, quero lhe ouvir! – Sua voz saiu mais rouca do que o esperado, soando quase como uma ordem irritada. 

Sirius acelerou os movimentos e Severus não se aguentou, abrindo a boca para gemer alto. 

Usando a mão que estava livre, Sirius adentrou a camisola, percorrendo todo o torso pálido e alcançando um dos mamilos, o apertando com pouca força. 

Severus tinha todos os seus sentidos aguçados por causa de seus olhos estarem vendados, por não ver o que estava acontecendo, o toque de Sirius se tornavam inesperados. Quase que um mistério torturante e prazeroso. 

As mãos grandes envolvendo seus pênis era algo delicioso, assim como a outra que torcia e apertava seu mamilo. 

Os gemidos eram quase incontroláveis, ficando cada vez mais altos. Sua mente estava nublada pelo prazer, e seu orgasmo próximo. 

Mais foi como ser levado ao céu rapidamente, e na mesma velocidade ser jogado com brutalidade na terra seca e dura. Isso era semelhante ao que Severus sentiu quando Sirius parou com todos os movimentos. 

Snape rosnou irritado, recebendo uma risada e um tapa como resposta. Sua coxa direita ardeu com o tapa recebido, forte e dolorido. 

– Eu estou no comando! Então não rosne para mim, seu insolente. – Sirius disse com a voz seria, em um tom ameaçador que fez o corpo de Severus tremer em excitação. 

– D-desculpe. – Ele não sabia explicar o porquê, mas algo dentro de si se remexeu o mandando se desculpar pelo que havia feito. 

Sirius riu maldoso. 

– Hum... Parece que o meu gatinho entendeu quem manda! 

Depois dessa falta, o quarto ficou em total silêncio. Severus sentiu Sirius se remexer na cama e depois segurar ambos os seus pulsos, os juntando na frente do corpo e os amarrando com algo. 

– Eu irei brincar um pouco com você, gatinho! 

Severus não teve tempo nem de processar as palavras de Sirius, pois ele segurou em sua camisola, a rasgando na parte da frente, revelando todo o seu torso. 

– Sirius! – Severus ralhou, indignado por ter uma de suas roupas favoritas rasgada. 

– Prometo que lhe darei outras milhares dessa! – Prometeu se inclinando para a frente e começando a chupar o mamilo direito do outro. 

Severus se contorceu na cama, a sensação gostosa da boca de Sirius ao redor de seu mamilo o tomou, arrancando-lhe gemidos altos. 

Sirius chupou os dois mamilos de Severus com volúpia, ora chupando, ora lambendo e mordiscando suavemente com os dentes. 

Quando os botões rosados de Severus ficaram vermelhos, Sirius passou a beijar todo o seu tronco, descendo até seu membro pulsante. 

– S-sirius, por favor. – Severus pediu com a voz falha por conta da necessidade em que seu corpo se encontrava. 

– Deixe comigo, meu amor. – Sorriu, pondo a língua para fora e lambendo o comprimento mediano de Severus. 

O Sonserino praticamente gritou, ele queria poder olhar para Sirius, tocar seus cabelos enquanto era chupado, mas a "venda" e as "amarras" o impedia. 

Sirius colocou tudo o pau do Sonserino na boca, fazendo sucção com as bochechas, para depois subir e descer com a boca. 

O pênis de Severus estava completamente molhado de saliva, tornando os movimentos de Sirius mais fácies. O Grifinório massageou os testículos do Sonserino com a mão, trabalhando com maestria com a língua no falo. 

– Sirius, e-eu vou... Eu estou q-quase! – Severus disse ofegante, sentindo seu corpo tremer. 

Antes que Severus alcançasse o ápice, Sirius o retirou da boca, vendo as sobrancelhas dele se juntarem em confusão e irritação. 

– Por que parou, seu idiot Agh – Severus gemeu ao ser interrompido por outro tapa na coxa. 

– Não questione o meu jeito de fazer as coisas, Severus. Se eu quiser parar ou fazer algo, eu farei! Você gostando ou não. – Disse de forma dura, com falsa irritação na voz. 

Claro que Sirius nunca faria algo que Severus não gostasse, não, nunca. Aquilo era só para deixá-lo intimidado naquele momento, pois ele percebeu que o Sensorino gostava daquilo. 

Severus gostava de ser dominado e intimidado entre quatro paredes, disso Sirius sabia bem, por isso o fazia. 

Mas ele jamais faria algo que realmente o deixasse desconfortável. 

– Me entendeu? – Perguntou mantendo o tom "irritado".

Severus teve que morder o lábio para não gemer, a posição dominadora que Sirius adquiriu naquele momento fez seu baixo ventre formigar. 

– S-sim! 

Satisfeito com a resposta recebida, Sirius sorriu, colocando três de seus dedos na frente da boca de Severus. 

– Chupe-os! 

Severus rapidamente abriu a boca, deixando os dedos grandes de Sirius escorregarem para dentro de sua cavidade. 

Ele os chupou de forma sensual, mesmo que não pudesse ver, ele sabia que Sirius estava o olhando, atento aos seus movimentos. 

– Snape... – Disse com a voz arrastada. – Irá se arrepender de me provocar! 

O Black tirou seus dedos da boca de Severus e os levou até a entrada do Sonserino, rodeando a mesma com um deles. 

– Relaxe! – Após dizer isso, Sirius penetrou Severus lentamente com o primeiro dígito. 

Ele até poderia usar magia para lubrificar Severus, mas preferia fazer tudo do jeito mais tradicional possível. Ele queria que todo o mérito fosse dele, sem ter que dividi-los com uma poção idiota. 

Sirius mexeu o dedo lentamente, Severus se remexeu na cama pelo desconforto da invasão.

Quando o Sonserino deu sinal de que havia se acostumado, Sirius o penetrou com mais um dígito, começando com os movimentos de tesoura. 

– Agh! – Severus juntou as sobrancelhas em desconforto, sentindo os dedos de Sirius o preparando. 

Seus olhos e mãos presos/vendados tornavam as coisas mais - extremamente - excitantes. 

Um ponto dentro de Severus foi atingido, o fazendo gemer alto e prazeroso. Sirius acertou aquele mesmo ponto novamente,  ouvindo novos gemidos. 

Seu pau doía em excitação, o levando a introduzir o terceiro e último dedo em Severus, afim de acabar logo com aquilo, para finalmente pôde foder Severus com força. 

Sirius deu alguns estocadas fundas em Severus usando os dedos, os retirando assim que achou que ele já estava preparado o suficiente. 

– Irei tirar sua venda, Baby! – Disse e Severus ergueu a cabeça, deixando Sirius tirar a gravata de seus olhos. 

O Sonserino sorriu quando finalmente pode ver o rosto de Sirius, ele olhou para suas mãos, vendo que elas foram amarradas com sua calcinha.  

– Então calcinhas também servem de algumas?! – Riu. – Legal. 

Sirius deu um sorriso, se inclinando para a frente e selando seus lábios nos de Severus. 

Eles deram início a um beijo lento - e bastante erótico, como já era de se esperar. - as mãos de Sirius agarraram a cintura fina com força, deixando a marca de seus dedos ali. 

– Irei te foder até te fazer esquecer como se anda! – Sirius sussurrou contra os lábios de Severus. 

Black segurou em seu pênis, o direcionando a entrada de Severus. Ele pincelou ali, começando lentamente a penetrá-lo. 

Quando metade de seu comprimento estava dentro de Severus, ele parou, esperando o menor se acostumar. 

Foi uma batalha interna para Sirius, uma parte animalesca de si o manda se mexer com força, fondendo-o sem parar para assim conseguir saciar todo o seu tesão. Já a outra parte mais racional e humana, o manda espera até Severus se acostumar, para não machucá-lo. 

Depois de alguns minutos Severus rebolou, dando sinal para Sirius continuar, coisa que foi um alívio para o Grifinório que estava quase perdendo o controle de si. 

O Black então se aconchegou por completo dentro de Snape, gemendo rouco e fechando os olhos. 

Seus movimentos começaram lentos, indo e vindo bem devagar, com cuidado para não machucar. 

As paredes internas de Severus acariciavam seu pênis, o envolvendo em um calor gostoso. 

As investidas aceleravam juntamente com o prazer, arrancando gemidos altos de ambos. 

Sirius segurou as mãos presas de Severus, as erguendo no topo da cabeça do mesmo para segurá-las contra o colchão. 

– Awww! Sirius! Awwwh! – Severus gemia descontrolado, tendo sua próstata surrada pela glande do Black. 

– Porra! Sua vadia gostosa. – Sussurrou entre dentes.

Usando a mão livre, Sirius segurou a coxa de Snape, ora a estapeando, ora a apertando com força. A pele branquinha ficou vermelha, igual as bochechas carmim do Sonserino.

– Você é gostoso pra caralho, Sev! – Sussurrou com a voz pingando malícia e desejo, mordendo o lábio logo em seguida. 

O vento gélido da noite adentrava pela janela aberta, tocando a pele dos corpos nus. - o de Severus nem tanto - Mas nem mesmo aquele vento aliviava o calor causado pelo tesão dos corpos. Era como uma chama quente e inapagável. 

Eles ficaram por mais alguns minutos na mesma posição, até Sirius sair de dentro do menor que gemeu insatisfeito e desamarrar as mãos do mesmo. 

Sirius ergueu o corpo de Severus, tirando a camisola rasgada do mesmo e o pondo de quatro. 

Os cabelos volumosos de Sirius estavam grudados na testa e nuca por conta do suor, não sendo muito diferente com Snape. 

– Oh! Delicioso! – Sirius disse maravilhado com a visão de Severus de quatro na cama, com aquela bunda redonda empinada na sua direção. 

Ele desferiu um forte tapa contra a mesma, levando Severus e gemer e arquear as costas. 

– Agh! – Snape gemeu com a ardência em sua nádega. 

Sirius repetiu o gesto mais algumas vezes, deixando as marcas perfeita de sua mão nas nádegas branquinhas - agora vermelhas - de Severus. 

Segurando nos quadris do Sonserino, o Grifinório voltou para dentro do mesmo com uma estocada profunda. Ouvindo um gemido estrangulado. 

Ele ía e vinha com força e rapidez, ouvindo o barulho molhado e erótico dos corpos se chocando encherem o quarto. 

A bunda farta de Snape batia contra sua pélvis, engolindo todo o seu falo. Uma coisa fodidamente linda e deliciosa de se ver. 

Ele usou uma das mãos para puxar os cabelos escuros de Severus, o fazendo tomar a cabeça para trás. 

– S-sirius, ma..mais rápido Awww! – A voz saía falha, tendo os gemidos vez ou outra interrompendo sua fala. 

Os corpos estavam pingando suor e o cheiro de ambos tomava o quarto, se impregnando em cada canto do mesmo. 

Severus agarrou seu membro esquecido, começando a estimulá-lo no mesmo ritmo das estocadas. 

Ele não demorou muito a vir, gozando na própria mão e nós lençóis bagunçados da cama. 

Sirius acelerou os movimentos, se desmanchando na entrada do Sonserino em um gemido alto. Ele desacelerou os movimentos, dando estocadas lentas para prolongar o orgasmo. 

Depois de poucos segundos ele saiu de dentro de Severus que desabou na cama, se deitando exausto ao lado do mesmo. 

A respiração de ambos estava irregular, os peitos subindo e descendo com rapidez. 

– Uau! – Severus exclamou ainda ofegante, se virando para deitar as costas na cama. – Isso foi ótimo! – Sorriu. 

– Hum... Que bom que gostou. – Sirius retribuiu o sorriso, se inclinando para o lado, dando um rápido selinho no Sonserino.

– Eu definitivamente esqueci como se anda! – Riram. 

Sirius ficou de lado na cama, fitando com brilho nos olhos o rosto corado de Snape. Seus olhos se encontraram e foi inevitável não sorrir, ele ergueu a mão, fazendo um carinho na bochecha de Severus. 

– Você é tão lindo! – Sirius disse maravilhado, fazendo a cara mais idiota do mundo - opinião de Severus -. 

– Menos, Sirius. – Revirou os olhos e sorriu. 


~⌛


Ambos os garotos já estavam devidamente vestidos e com os cabelos arrumados, Severus olhou com tristeza para sua camisola rasgada, causando uma risada em Sirius. 

– Não ria, seu idiota. – Ele disse irritado, pegando a camisola no chão e a arremessando na direção do Grifinório que desviou. – Ela era uma das minhas favoritas! – Suspirou dando de ombros. 

– Já falei que lhe darei outra dessa, quantas quiser, da cor que quiser! – Black sorriu, se aproximando de Severus e dando-lhe um selinho. 

Severus concordou com a cabeça, encarando os olhos azuis do Grifinório. 

– Então, voltaremos a nós encontrar daqui a três semanas? – Perguntou incerto. 

– Sim! Daqui a três semanas nós encontraremos para ouvir a sua decisão. Nós três. – Sirius deu um sorriso meio inseguro, pondo uma mecha do cabelo de Severus atrás da orelha. 

– Ah! – Exclamou baixo, sendo novamente tomado pelas dúvidas. 

As malditas dúvidas que vinham assombrando Snape há mais de três meses. Black, Lupin ou Potter? Com quem deveria ficar? Quem deveria escolher? Qual deles era o certo? 

Severus ainda não tinha resposta para aquilo. 

– Espero que faça uma boa escolha, Severus! – Sirius disse ao notar a expressão de confusão do Sonserino. – Se por acaso ficar em dúvida na hora de decidir, siga o seu coração, ele sempre escolherá o certo!  – Aconselhou. 

– Você pareceu o Dumbledore, agora! – Riu. 

Severus olhou para Sirius e o viu sorrir, ele lhe deu um último beijo e andou até uma porta que apareceu no quarto, saindo por ela e o deixando sozinho. 

Severus suspirou, já devia se passar da meia noite. Ele andou em direção a porta, a abrindo e passando pela mesma, ele olhou atentamente os corredores, se assegurando de que não tinha nenhum monitor.  

Andando a passos silenciosos, ele vagou pelos corredores indo em direção às masmorras. 

Quando chegou em frente a uma parede de pedra, ele disse a senha, tenho sua passagem permitida. Ele atravessou a sala comunal, indo para o seu dormitório. 

Quando chegou no quarto que dividia com mais três pessoas, ele se assustou ao ver Lucius e Régulos o esperando sentados sobre sua cama. 

– Eai, como foi? – Régulos perguntou curiosos. 

– Normal. – Se limitou a responder, olhando ao redor do quarto escuro, vendo que os outros dormiam tranquilamente. 

– Normal? Como assim normal? – Lucius perguntou fazendo Lumus com a varinha, tendo um pouco de claridade. 

– Normal, normal, Lucius. – Suspirou. – Eu conto pra vocês amanhã! Agora, Régulos volte para o seu dormitório, e Lucius saía da minha cama. 

Régulos e Lucius reviraram os olhos, eles saíram da cama de Severus e o viram se jogar sobre a mesma. 

– Tudo bem, eu vou embora! – Régulos ergueu as mãos em rendição. – Mas amanhã vou querer uma explicação detalhada! – Sorriu e se virou, saindo pela porta do dormitório e a fechando. 

– Eu estou com o Régulos! – Disse Lucius apagando a varinha e se deitando em sua cama. – Boa noite, Sev. 

– Bom noite, Lucy. 

Severus fechou os olhos cansado, nem se preocupando se havia posto o pijama ou não. Ele rapidamente pegou no sono, agarrado as lembranças do que fazia a minutos atrás juntamente com Sirius Black. 




Notas Finais


Minha barriga enquanto eu escrevia: 🦋✨🦋✨🦋✨🦋

Os erros serão corrigidos assim que eu terminar de postar todos os capítulos, tenham paciência comigo ✋🏻😔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...