1. Spirit Fanfics >
  2. Escolhida (NaruSaku) >
  3. Capítulo XII- Uchiha

História Escolhida (NaruSaku) - Capítulo 12


Escrita por:


Capítulo 12 - Capítulo XII- Uchiha


Já estávamos no fim do café quando Hinata finalmente juntou coragem para perguntar sobre o encontro.

- Como foi?- ela perguntou discretamente, como deveria ser durante as refeições.
Essas duas palavras espicharam os pares de orelhas da mesa em minha direção.

-Foi...- lembrei-me dos olhos dele, tão próximos que era indecoroso, também tinha mãos macias e lábios...-Indescritivel.
As garotas se entreolharam, querendo mais detalhes.

- Como ele se comportou?- indagou Ino.

-Humm...- procurei escolher bem as palavras.- Como um príncipe.- completei.
Dessa vez,escutei resmungos ao longo da mesa,mas o de Karui me chamou mais atenção.

- Você faz isso de propósito?- sibilou Karui.- Gosta de ser a garota misteriosa? Querida Sakura, sei que nunca mais vai em nenhum encontro com o príncipe, ele deve ter percebido o tipo de caipira que você é.
Eu a odiei,mas não tanto quanto os suspiros de concordância que algumas garotas deram junto com a Uzumaki. Abri a boca indignada, mas antes de poder formular uma frase, eu parei com o barulho que vinha do corredor.
Estranhei os gritos. Ao longo de meu breve período no Palácio, não me lembrava de nenhum som que chegava perto de ser alto. Além disso, o ruído dos passos dos guardas, o abrir e fechar das enormes portas e o bater dos talheres nos pratos compunham uma espécie de música. Tratava -se da sinfonia do caos.
A família real pareceu compreender tudo antes de todas nós.

-Para o fundo da sala,senhoritas!- gritou o príncipe Naruto, correndo até uma janela.
As garotas,confusas e obedientes,avançaram lentamente até a mesa principal. O príncipe descia uma persiana feita de ferro quando um grupo de guardas irrompeu pela sala de jantar e começaram a sela-la como se fosse um banker. Todas as portas reforçadas com barras, todas as janelas com aço. Um soldado irrompeu pela multidão de garotas tagarelas em direção à rainha e eu soube quem ele era muito antes de tirar o capacete.
Itachi Uchiha era o irmão do homem que eu amava e por escolha,apesar de jovem e não tão experiente, havia sido escolhido como capitão da guarda da rainha. Izumi esperava por seu retorno à tanto tempo que por um momento eu o odiei. Como lendo meus pensamentos Itachi olhou direto para mim com aqueles olhos escuros que apenas um Uchiha poderia ter.

- Eles invadiram a propriedade, majestade, mas conseguimos conter o avanço. Seria bom que as senhoritas saíssem, mas estamos próximos demais da porta...

-Entendido, Itachi- a rainha respondeu, cortando a frase do militar.
Não precisei de mais para entender. Havia rebeldes dentro dos muros do Palácio.
Eu imaginava que isso ia acontecer. Tantas hóspedes no Palácio, tantos preparativos. Alguém tinha que se distrair. Eles entraram e aquele era o momento perfeito para protestar.
A princesa Karin havia saído de seu posto para baixar uma das persianas esquecidas, a janela ao lado estava aberta e por ela eu vi algo vindo em nossa direção. Corri tão depressa que derrubei a cadeira. Descer a persiana foi a parte fácil, mas prende-la no lugar com minhas mãos trêmulas estava sendo um desafio e tanto,um momento antes de eu conseguir,aquilo atingiu o Palácio é fez toda a sala tremer e eu ser empurrada para o chão.
Naruto surgiu imediatamente.

- Você está ferida?
A voz me faltou enquanto eu examinava meus braços, não sentia meu corpo, não conseguia falar. Naruto apertou meus ombros com as mãos.
- Você está ferida?- repetiu.
Parecia tão preocupado. A princesa Karin de repente surgiu empurrando o irmão e me ajudou a levantar.

-Para o fundo da sala. Agora!- gritou o príncipe Suigetsu levando todas as garotas para o fundo,eu me juntei a elas quando a princesa me pôs de pé.
Algumas garotas choravam; outras, em choque, olhavam para o vazio. Tenten estava desmaiada. A figura mais tranquilizadora era do príncipe Suigetsu, atrás da rainha ouvindo atentamente o que o capitão Itachi dizia. Um de seus braços envolvia a princesa para protege-la, e ela permanecia ereta e calma a seu lado.
Corri os olhos para todas as garotas. Havia entre alguma delas a força real para ser princesa? Tenten ainda estava inconsciente nos braços de alguém. Karui e Fuu conversavam. Karui parecia a vontade,mas eu sabia que não estava. Hinata se desmanchava em lágrimas torcendo a barra do vestido e esperando pelo fim.
Ino estava chorando, não a ponto de parecer acabada. Segurei seu braço e a levantei.

-Enxugue os olhos e fique direito- disse no ouvido dela.

-O quê?- ela gemeu.

-Confie em mim. Faça isso.
Ino secou o rosto no vestido e ergueu-se. Ela tocava vários pontos do rosto, talvez para conferir se a maquiagem não estava borrada. Então se voltou a mim em busca de aprovação. Assenti, aprovando. Eu não gostava de dar ordens, e nunca cabia a um Quatro dar ordens, mas ela precisava parecer com a princesa Karin. Com certeza Naruto procuraria isso em sua escolha ,e Ino tinha que ganhar.

- Você está certa, estamos bem,Saky, temos guardas e ninguém vai entrar.

-Isso mesmo.- eu a abracei e Ino caminhou até Tenten que acabava de despertar.
Eu fiquei ali em um canto,afastada de todos,queimando em desespero e desejando chorar,mas o que fiz foi focar meus olhos em um vaso de flores do canto e me concentrar nelas.
Naruto acabou por aparecer para verificar se eu estava bem, como tinha feito com as outras. Ele se pôs ao meu lado e observou as flores também.

-Tudo bem com você?

-Sim- sussurrei.
O príncipe se deteve por um momento.

- Não parece bem,minha...Sakura.

-O que vai acontecer com as criadas? Com os servos...?

-Com as criadas?- ele franziu as sombracelhas douradas e eu o encarei com dureza o fazendo reconhecer que só uma pequena minoria estava a salvo naquele banker de ferro e armados até os dentes.

-Elas conhecem os procedimentos e ...estão bem,tenho certeza.- ele me puxou pelo pulso e eu descansei em seu peito ouvindo o bater acelerado de seu coração.

-Sakura...- ergui o rosto.

-Elas estão bem,eu te prometo.
Ninguém poderia duvidar das promessas dele, eu não poderia , não quando ouvia o bater daquele coração e a quentura de sua pele. Distanciei-me dele quando percebi que nossa proximidade havia atraído o olhar curioso de algumas pessoas.

-Sou sua amiga,estou aqui para ajudá-lo a escolher a melhor opção.- recitei e ele me olhou com uma sombracelha erguida.

-O que quer dizer?

-Vê,aquela?- apontei para Ino conversando com Karui e Fuu.- Ino Yamanaka, uma Dois, a garota certa.
"Não eu, sou apenas uma Quatro da fazenda, sem educação e sem formação e apaixonada por outro."
Naruto tocou meu ombro.

-O que aconteceu ontem e o que está acontecendo agora?

-Estou te mostrando a melhor direção, como prometi.

-Quer ir embora?

-Ficarei aqui até me enxotar.
Sua não desceu do meu ombro até minha mão e ele brincou com meus dedos,dando a atenção dos olhos azuis a eles.

-Achei que houvesse uma possibilidade.

-Possibilidade de quê?- minha voz saiu fraca como um sussurro e o príncipe me deixou e caminhou até Ino que iluminou um sorriso quando o viu.
Garotas como eu não são princesas. Nem mesmo Sasuke fora capaz de me amar por todo o tempo que ficamos juntos, porque de repente eu estava convencida que o príncipe seria capaz desse feito? Uma Quatro tem de saber reconhecer o seu lugar.
Uma sombra fez com que eu tirasse a atenção das flores.
Era Itachi Uchiha, alto,forte,lindo e carrancudo.

-Devia juntar-se as outras, senhorita.
Crispei os lábios com raiva daquele homem, Izumi o amava ,eu não,e por isso poderia ser cruel, minha amiga havia deixado de viver esperando cartas.

- Ela ainda espera por você. - digo com raiva para ele e por um momento ele parece não me entender. Dei-lhe as costas e fui me juntar ao meu grupo.
Ino me agarrou o braço e me levou ao canto no momento que cheguei.

-Conversei com o príncipe . Ele perguntou se queria vê-lo essa semana.
Fiquei triste e feliz em partes iguais. Mas eu sorri. Tinha que sorrir. Ino era minha melhor amiga e merecia ser feliz e Naruto era maravilhoso e merecia uma mulher que o amasse.
**
Quando a confusão acabou o soldado Obito me acompanhou ao quarto. Quando abrimos a porta encontramos Rin chorando no chão nos braços de Samui e Shizune.

-Rin!- Obito empurrou-me sem perceber e se pôs de joelhos ao lado da criada e a tomou nos braços.

-O que está havendo?- perguntei temendo pelo pior.

-Feche a porta!- Obito gritou e eu a bati com força sem perceber.
Obito beijava os cabelos castanhos e murmurava palavras de consolo enquanto mantinha os braços firmes ao redor da mulher.
Eu me sentei na cama observando a cena ainda sem entender. Foi quando Samui sentou ao meu lado também olhando para cena.
- Shizune nasceu aqui no Palácio,seus pais ainda moram aqui. Eu sou órfã, fui recrutada porque o Palácio precisava de mão de obra. Mas Rin foi vendida.

-Vendida?Não...Não existe...Não existe escravidão.

- Não a propriamente dita. Conhece os Uchiha?- o sobrenome me fez arrepiar.- Rin nasceu na Vila das Asas, sua mãe adoeceu quando ela era menina e ela e o pai se endividaram com os Uchiha para comprar os remédios. Foram anos de escravidão e sem conseguir salvar a vida da mãe, eles não tinham uma vida melhor do que animais de estábulo, mas o caso é que um filho daquela família se apaixonou por Rin.
Então olhei para Obito e foi como se pele primeira vez eu o houvesse visto realmente, ele tinha olhos negros, os mesmos olhos de Izumi e Sasuke, olhos de Uchiha.

-Obito...

-Quando a avó dele percebeu isso vendeu Rin e o pai para o castelo. Mas alguns amores não veem castas.- Samui sorriu minimamente.

- Ele veio atrás dela.
Por um instante senti inveja de Rin.

- Ele não tem mais nada, não tem dinheiro e nem prestígio, mas tem um sobrenome e uma casta. Mas a seis meses o Palácio foi atacado e Obito não estava presente. Rin foi arrastada e violentada e desde então não consegue se comportar durante esses ataques. Ser uma criada é uma honra,estamos sempre bem vestidas e devemos ser limpas e educadas,Rin tem uma saúde frágil e se acabaria cortando lenha caso alguém descobrisse que não consegue controlar suas próprias emoções. Por sorte,Obito está sempre aqui para acalma-la. Senhora- Samui tomou minhas mãos nas suas.- Não a entregue, não permita que a levem de nós.
Concordei com a cabeça e voltei os olhos para Rin adormecida nos braços de Óbito.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...